O dia 9 de Novembro estava a decorrer com a maior das normalidades – o calor do Verão de São Martinho, as castanhas, o vinho novo e as sardinhas escorchadas acompanhadas com batata-doce da Comporta, couve-flor da Cova da Beira e água-pé de Palmela. As felicitações chegavam-me em catadupa por diversas vias. Era um dia muito especial, a recordação da minha nascença, há várias décadas. Estava tudo muito bem, quando ao cair do dia chegou a notícia de que o Chefe Joaquim morrera.

Joaquim Jesus Oliveira - uma grande perda para o Corpo Nacional de Escutas
Joaquim Jesus Oliveira – uma grande perda para o Corpo Nacional de Escutas
Ler Mais