Uma das coisas boas das reposições de Verão é a possibilidade de ver ou rever alguns dos melhores filmes estreados nos últimos meses. Em Lisboa todos os verões a Medeia o faz, voltando a mostrar nas suas salas as fitas que estrearam nos seus cinemas.

Pedro Miguel Fernandes - Série BEste tipo de iniciativas, que infelizmente não é muito comum e podia ser aproveitada inclusive para mostrar cinema clássico ou levar estes filmes a localidades mais pequenas, é bem vinda para quem não consegue ter tempo para ver tudo que estreia. Um dos filmes que passou nesta espécie de ciclo foi Tempestade Tropical, uma perspicaz sátira sobre o mundo de Hollywood realizada por Ben Stiller, que também protagoniza ao lado de um elenco de luxo.
O argumento do filme, que contou com a colaboração de Ethan Coen, gira à volta da rodagem de um filme, baseado num livro escrito por um veterano da Guerra do Vietname. A partir daqui o espectador parte para a selva com um conjunto de actores mimados, cada um com o seu cliché próprio: desde o viciado em drogas à estrela de filmes de acção caída em desgraça, passando pelo actor que tanto segue os princípios do Método que às tantas já não sabe quem é.
Tempestade TropicalÉ sobretudo no campo da interpretação que «Tempestade Tropical» consegue vingar, sendo a personagem de Robert Downey Jr. a que mais desponta no grupo, ao interpretar um australiano que para entrar no papel de um soldado negro fez uma operação para mudar de cor de pele. É este o tal que às tantas já não sabe quem é, num excelente diálogo com a personagem de Ben Stiller, o actor caído em desgraça.
Quem também surpreende é Tom Cruise, que está irreconhecível em todos os aspectos, ao interpretar um produtor que não olha aos meios para atingir os fins. Não é só a caracterização, pois Tom Cruise surge em «Tempestade Tropical» gordo e careca, mas também na própria personagem, completamente diferente do que aquilo que os fãs do ex-marido de Nicole Kidman estavam habituados a ver.
Como sátira ao mundo de Hollywood talvez este «Tempestade Tropical» não seja dos melhores. Mas como comédia, comparando com o que tem sido lançado nos últimos anos, o mais recente filme de Ben Stiller na cadeira de realizador acaba por ser um bela surpresa.
«Série B», opinião de Pedro Miguel Fernandes

pedrompfernandes@sapo.pt