Os autarcas da Junta de Freguesia dos Fóios publicaram um comunicado repudiando, chocados, a barbárie da matança a tiros de zagalote de uma égua e uma poldra nos lameiros da aldeia.

Éguas mortas nos Fóios«No dia 16 do corrente mês de Setembro de 2009 fui contactado, na qualidade de Presidente da Junta de Freguesia, via telefone, pelo José Carlos Bigueiro.
Informou-me que tinha, num lameiro da Veguinha, uma égua e uma poldra mortas.
Pediu-me para lhe ir tirar umas fotos à triste cena. Quando cheguei ao local fiquei profundamente impressionado com o acto que é verdadeiramente chocante e deplorável.
As vítimas haviam sido mortas com tiros de zagalote.
As perguntas e os desabafos surgiam de um corpo, Zé Carlos, profundamente revoltado com o sucedido.
Eu também me interrogo e me solidarizo com o Zé Carlos e com a esposa que está completamente desolada. O caso não é para menos.
Este acto não me teria chocado tanto se as imagens tivessem vindo do Iraque. Agora acontecerem cenas destas nos Foios é que me choca e revolta. Não é admissível.
Dizemos, com muita frequência, que vivemos num povo calmo e longe de atentados de malvadez. Mas que pensar e que dizer depois de uma tragédia desta natureza? Quem poderá ficar ou andar descansado? Quem atira a um cavalo certamente que também o poderá fazer a uma pessoa. Custa-me dizê-lo mas é verdade.
As autoridades tomaram conta da ocorrência e irão certamente investigar. Exigimos que assim seja. A justiça tem que funcionar neste País.
Seria bom que se descobrisse(m) o(s) culpado(s) e que se fizesse justiça. O acto é demasiado bárbaro para ficarmos calados.
A Junta de Freguesia de Foios, julgando interpretar fielmente o sentimento da grande maioria dos Fojeiros, solidariza-se com o Zé Carlos e com a esposa fazendo votos para que cenas tão violentas e tão dramáticas não se voltem a verificar.
Foios, 18 de Setembro de 2009
Os Membros da Junta de Freguesia
José Manuel Nunes Campos (Presidente), José Manuel Pires Coito (Secretário) e José Abílio Leal Lucas (Tesoureiro).»

Chocante.
jcl