Tag Archives: batata

Um banquete só com batatas

Não foi fácil introduzir a cultura da batata na Europa. O tubérculo foi trazido da América e só com o tempo entrou na ementa alimentar dos europeus e passou a ser abundantemente cultivado. Um banquete organizado pelo nutricionista Parmentier contribuiu para a afirmação desse novo alimento.

Parmentier contribuiu para a afirmação da batata como alimento

Jesué Pinharanda Gomes - Carta Dominical - © Capeia Arraiana

Variações sobre a batata

A propósito da cultura da batata no concelho do Sabugal.
Sem que o tivesse procurado, veio ter-me às mãos um opúsculo de 27 páginas, intitulado «Cultivo de la Papa (Patata)», da autoria de um economista chamado Gustavo Echavarria, opúsculo esse publicado pelas Ediciones del Ministeriode la Economia Nacional da Colômbia, através da Imprensa Nacional deste País, sem indicação da data, mas talvez publicado há mais de setenta anos.

O concelho do Sabugal foi importante produtor de batata

O concelho do Sabugal foi importante produtor de batata

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Terra de muita e boa batata

Comíamos batatas a acompanhar tudo: peixe ou carne (se por sorte os havia), azeitonas, nada… Se fossem fritas… Ôi! Que maravilha! Semeavam-se batatas por todo o lado: davam-se em qualquer terreno. Havia muita batata em todas as casas. Mas de onde tinham vindo e o que eram esses tubérculos? Isso só muito mais tarde é que eu soube… E hoje trago-lhe aqui um pouco da história da batata. Uma história com muita História dentro, afinal…

No casteleiro a batata dava-se por todo o lado

No casteleiro a batata dava-se por todo o lado

Economia da batata no Casteleiro

Hoje vou «falar» de – imagine – batatas. Não de batatas como realidade gastronómica. Não: a batata como um ente importante da economia regional. Cresci a ouvir falar de três tipos de batata, conforme a origem da semente: a) batata de Montalegre; b) batata «rambana»; c) batata «ranconse».

É sabido como nesse tempo dos anos 50 a batata assumia proporções de grande consumo e portanto de grande produção no Casteleiro e arredores. Eram leiras e leiras, terras baixas e meias encostas: onde houvesse água para as regar, vai de cavar, cavar, cavar ou lavrar (alguns mais abastados) e vai de encher tudo de batata.
Essas grandes quantidades davam para dois objectivos centrais: 1º – comer batata todo o ano lá em casa; 2º – vender a que se podia e juntar alguns escudos para… produzir mais batata no ano agrícola seguinte.
As melhores batatas, sempre ouvi dizer, eram exactamente as de Montalegre e, claro, a «estrangeira»: a «ranconse» e a «rambana».
Ouvia estas duas últimas palavras como se fossem adjectivos anexados ao substantivo batata e sempre se meteu comigo o facto de não me parecerem palavras nossas.
Mas, quando se é pequeno, isso fica entre nós e os nossos botões.
Assim sucedeu comigo até que, ali pelos 14 ou 15 anos (sei que já tinha Inglês), no armazém do Sr. Tó Pinto, que por acaso era na parte de baixo da casa do meu bisavô Pedro, um dia vejo algo que me fez luz no cérebro naquela exacta zona dos neurónios onde as sinapses ligavam então os conceitos de batata e de «ranconse». O que vi nessa tarde? Coisa simples: uma saca de serapilheira cheia de batata (eram às centenas, lá) com esta inscrição a preto sumido: «Arran-Consul».
Fez-se luz.
Nunca vi o nosso Povo enrascado com palavras ou com modos de falar. Isso, sempre me impressionou quando, depois da adolescência, comecei a tomar consciência dos processos evolutivos da língua, mesmo que por caminhos ínvios.
Se não vejam: arran-consul deu ranconse; arran-banner deu rambana.
Nada mais simples. Nada mais directo.

Batata «rambana»: batata «non grata»
Mas a «rambana» nem sempre terá sido uma batata benquista.
Por exemplo: em Novembro de 1975, já ano e meio depois do 25 de Abril, e no meio do mês quente que aquele foi, para proteger a batata de semente nacional, obrigava-se os importadores a garantir antes de mais o escoamento da dita e só depois poderiam importar. Mas não a Arran-Banner. Não sei porquê, mas é isso que consta de uma Portaria daquela data: «É livre a importação de todas as variedades de batata de semente incluídas na lista a que se refere o artigo 20.º do Decreto-Lei n.º 36665, de 10 de Dezembro de 1947, com excepção da variedade Arran-Banner. / Só serão autorizadas importações iguais ou superiores a 50 t por cada variedade».
Sei que em 1947, os ministros de Salazar já protegeram a batata nacional.
Mas é já com Marcelo, em 1971, que é publicado um Decreto-Lei que liberaliza a importação de batata de semente.
Mas as tais duas, só por contingentes: «É livre a importação de todas as variedades de batata de semente (…)» mas «a importação da batata de semente das variedades Arran-Banner e Arran-Consul será efectuada segundo o regime de contingentes».
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

Imagem da Semana – 15-9-2008

Segunda-feira é dia de publicar a «Imagem da Semana». Ficamos à espera que nos envie a sua escolha para a caixa de correio electrónico:
capeiaarraiana@gmail.com

Data: Agosto de 2008.

Local: Freguesia de Ruivós.

Legenda: Depois da «apanha» vem a escolha das batatas. Imagens que vão desaparecendo pouco a pouco.

Autoria: Capeia Arraiana.
Clique na imagem para ampliar

Loja de produtos raianos sabugalenses em Lisboa

Foi recentemente assinado no Sabugal o protocolo entre a Câmara Municipal, a Casa do Concelho e a Cooperativa Agrícola que irá permitir concretizar a abertura de uma loja de produtos raianos sabugalenses em Lisboa.

Loja de Produtos Regionais Raianos do SabugalOs produtores agrícolas do Sabugal há muito que vêem repetindo o mesmo lamento. A falta de escoamento dos seus produtos que depois de muitos trabalhos e canseiras apenas servem para alimentar os animais. A vontade de desistir está, quase sempre, presente nas suas conversas e desabafos. A qualidade dos seus produtos é inquestionável e utilizando um termo que é moda nas cidades podemos falar em verdadeira agricultura biológica.
Surge, agora, uma tentativa de inverter a situação. Vai, finalmente, avançar a loja de venda de produtos raianos do concelho do Sabugal em Lisboa.
Após várias reuniões preparatórias foi aprovado por unanimidade em reunião ordinária do executivo camarário o protocolo de parceria entre três entidades do Sabugal: a Câmara Municipal, a Casa do Concelho e a Cooperativa Agrícola. Estavam presentes pelo município o presidente Manuel Rito Alves, o vice-presidente Manuel Fonseca Corte, e os vereadores António dos Santos Robalo, Ernesto Cunha, José Santos Freire, Luís Manuel Nunes Sanches e Rui Manuel Monteiro Nunes, o presidente da Casa do Concelho do Sabugal, José Eduardo Lucas e o presidente da Direcção da Cooperativa Agrícola do Sabugal (acumulando como presidente da Junta de Freguesia do Sabugal) João Luís Batista.
O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, Manuel Rito Alves, aproveitou para dizer que «tinha solicitado aos representantes da Casa do Concelho do Sabugal, da Cooperativa Agrícola do Sabugal e da Junta de Freguesia do Sabugal para estarem presentes na reunião afim de discutirem as cláusulas do protocolo a celebrar entre a Câmara e as entidades por eles representadas com o objectivo de concretizarem o projecto de promoção da produção agrícola e pecuária do concelho arranjando formas alternativas de escoamento, em parceria com outras instituições».
Manuel Rito aproveitou ainda para lembrar que o protocolo pretende «preservar e valorizar o património natural e cultural, promovendo e dinamizando actividades turístico-culturais capazes de criar emprego e gerar riqueza».
O projecto prevê a inscrição, legalização e licenciamento dos produtores do concelho do Sabugal que farão chegar batatas, castanhas, queijos, mel, fruta, hortaliça, buchos, enchidos, etc., a um armazenamento inicial no Sabugal para posterior transporte até Lisboa.
Na Casa do Concelho do Sabugal, em Lisboa, irá funcionar uma loja de encomenda e venda aberta a todos os interessados dos produtos raianos sabugalenses.
O sucesso do projecto que envolve um investimento de 100 mil euros suportado pela Câmara Municipal do Sabugal irá depender do querer e boa-vontade de todos. Produtores, entidades envolvidas e especialmente dos sabugalenses que vivem na grande Lisboa. Vamos acreditar na iniciativa porque por um lado escoamos os produtos do concelho e por outro consumimos na «grande cidade» qualidade comprovada.
Parabéns às três entidades por terem passado o projecto da teoria à prática.
«A Cidade e as Terras», opinião de José Carlos Lages

jcglages@gmail.com