Tag Archives: agosto

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

O mês das capeias

Em Agosto as aldeias raianas do concelho do Sabugal transfiguram-se. Vivem num renovado e intenso fulgor, advindo da mobilização popular ao redor das tradicionais festividades, das quais se destacam as capeias.

Encerro em Quadrazais

Encerro em Quadrazais

Letícia Neto - Seixo do Côa - Sabugal - Capeia Arraiana - orelha

Agosto ainda com mais gosto

Estamos a poucos dias de ver chegar o grosso da nossa população emigrante. Que, como sabemos, vem maioritariamente de França. Ou DA França como nós dizemos pelas nossas terras do Interior. Em 2004 não foi possível vê-los chegar com ar triunfante, antes com um «foi quase» orgulhoso mas pesaroso. O mesmo que sentimos por cá, mas um pouco mais inflamado pela necessidade de afirmação nos países de acolhimento.

Selecção Nacional Futebol - Euro 2016 - Capeia Arraiana

Portugal Campeão da Europa de Futebol – Euro 2016 em França

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Em final de Agosto…

Quando o pó das capeias já assenta e a nuvem do turbilhão de Agosto se dissipa, a raia volta languidamente à sua calma, como as sombras ao fim da tarde, como o final de Verão.

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Ocaso de Agosto

Quando o ocaso de Agosto se aproxima e a política ainda se recupera da sua lânguida torpeza veraneia, aqui e ali, vão surgindo algumas notícias que nos vão torpeando atenção, umas, outras escorregam-nos do olhar e parecem desaparecer.

O dinheiro dos resgates financia vários grupos de jihadistas

O dinheiro dos resgates financia vários grupos de jihadistas

Câmara Municipal Sabugal - © Capeia Arraiana

Contratações e ajustes no Município do Sabugal (8)

O Capeia Arraiana está a publicar as contratações da Câmara Municipal do Sabugal e de entidades públicas que, por ajuste directo, envolvam o concelho sabugalense entre Janeiro de 2012 e Dezembro de 2013. As regras da contratação pública previstas no Código dos Contratos Públicos aplicam-se a todo o sector público administrativo tradicional: o Estado, as Autarquias Locais, as Regiões Autónomas, os Institutos Públicos, as Fundações Públicas, as Associações Públicas e as Associações de que façam parte uma ou várias pessoas colectivas referidas anteriormente. AGOSTO de 2012.

Balanço do mês de Agosto nos Fóios

O mês de Agosto é, por excelência, o mês das férias e o mês das festas. No concelho do Sabugal, e mais propriamente na zona raiana, assumem diferentes proporções por causa das capeias à moda da raia. As capeias com forcão. Já muitos emigrantes me segredaram que se não fossem as capeias não viriam todos os anos ou que até mesmo se esqueceriam deste terrão.

José Manuel Campos - Fóios - Sabugal
José Manuel Campos - Fóios - Sabugal José Manuel Campos - Fóios - Sabugal José Manuel Campos - Fóios - Sabugal
José Manuel Campos - Fóios - Sabugal José Manuel Campos - Fóios - Sabugal José Manuel Campos - Fóios - Sabugal
José Manuel Campos - Fóios - Sabugal José Manuel Campos - Fóios - Sabugal José Manuel Campos - Fóios - Sabugal

(Clique nas imagens para ampliar.)

José Manuel Campos - Presidente Junta Freguesia Fóios - Capeia ArraianaEste ano notei que havia mais gente nos Foios e na raia em geral. À medida que nós, responsáveis autárquicos, nos vamos preocupando com os mais diversos melhoramentos nas nossas freguesias mais atractivas e mais convidativas se tornam.
Até há uns anos atrás o progresso e o desenvolvimento foi criar as condições básicas para que cá se pudesse viver com dignidade mas, desde há algum tempo a esta parte, e uma vez que o essencial está feito, passámos a dedicar-nos mais à limpeza e a bordar, por assim dizer.
Quase, um pouco por todos os lados, começam a surgir espaços de convívio e de lazer para que, cada vez mais, possamos viver e receber convenientemente quem nos visita.
Começando pela nascente do rio Côa e ao longo do seu leito, e das suas margens, começam a surgir bonitos e encantadores espaços de lazer. Refiro, com muito agrado, as praias fluviais de Foios, Quadrazais, Sabugal, Rapoula do Côa, Badamalos, Valongo, Vale das Éguas – e talvez mais algumas – que já vão sendo as delícias de muitas pessoas. Mas quanto ainda há para fazer por esse rio abaixo?!
Tive o cuidado de observar e estudar o comportamento humano das mais diversas criaturas por estas nossas paragens.
O emigrante, termo que pouco gosto de aplicar, está cada vez mais integrado e é cada vez mais, como todos nós, mais cidadão do mundo. Vivemos na tal aldeia global. E ainda bem.
Os mais novos, já terceira geração, oferecem-se para serem mordomos das capeias e desempenham cabal e orgulhosamente o cargo.
Os pais e os avós sentem-se igualmente vaidosos pelo facto dos filhos e netos continuarem a respeitar e a alimentar as raízes. É um autêntico fenómeno.
E os namoros e os casamentos que se vão arranjando por cá? É outro facto curioso.
Quantos namoros e casamentos já aconteceram através destes contactos e conhecimentos em férias?
Tenho verificado que os emigrantes já não gastam dinheiro como noutros tempos. Também reconheço que são cada vez menos uma vez que a grande maioria já regressaram definitivamente.
Mas, apesar de tudo, quando há gente há movimento que faz mexer toda a economia local e regional.
Os queijos das cerca de quinhentas cabras que há nos Foios esgotam-se e mal chegam para as encomendas. Os cabritos e os borregos ainda não nasceram e já estão destinados. Os padeiros, os proprietários dos minimercados, bares e restaurantes trabalham desalmadamente como acontece nas zonas das praias.
Há que fazer como a formiga. Recolher e guardar no Verão para comer no Inverno.
Tive oportunidade de ver que os bares e os restaurantes dos Foios funcionaram bastante bem. Tanto o restaurante do viveiro das trutas «TrutalCôa» como o «ElDorado» foi quase sempre casa cheia durante o mês de Agosto.
Quanto aos bares e esplanadas, incluindo o bar dos mordomos, também registaram muito boa afluência.
Depois das contas feitas e tornadas públicas verifiquei que sobrou algum dinheiro tanto aos mordomos das festas religiosas como aos mordomos das capeias.
Para eles um reconhecimento público pelo trabalho, esforço e dedicação para que tudo tivesse corrido como correu. Parabéns. Para o ano haverá mais.
Tenho verificado que a maioria dos residentes em França não se aguentam por lá o ano inteiro. São já muitos, sobretudo os que vivem na parte Sul de França, que vêm duas e três vezes à terra natal.
Vinde porque nós estamos sempre de braços abertos para vos receber.
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia de Foios)
jmncampos@gmail.com

O querido mês de Agosto já lá vai

Há poucos dias um amigo, a residir em França, dizia-me que o mês de Agosto se esvai como o fumo. Mal se dá por conta dele.

José Manuel Campos - Presidente Junta Freguesia Fóios - Capeia ArraianaDizia que a capeia da Lageosa foi no dia 6 e quando se apercebeu, já estávamos na capeia de Aldeia Velha que é última e sempre no dia 25.
Para o tranquilizar e animar eu lá lhe fui dizendo que para o ano também haverá mês de Agosto. Retorquiu ele de imediato: Entretanto ainda cá venho no tempo das castanhas e, provavelmente, na Primavera para ajudar a cortar o forcão.
É de facto assim para muitos dos nossos amigos que ganham o pão no estrangeiro, sobretudo, em França que eu apelo de «MÃE DO MUNDO».
A grande maioria dos nossos queridos conterrâneos passam onze meses à espera do mês de Agosto. É, na verdade, pena que não haja mais meses de Agosto porque esses nossos amigos trazem vida e alegria às nossas terras.
Durante o mês de Agosto fui algumas vezes ao Sabugal e havia gente e viaturas por todos os lados. Cheguei a pensar como seria se tivéssemos que coabitar todo o ano. Seria, naturalmente possível, mas teriam que ser criadas muitas novas infra-estruturas.
Nos Foios, tal como acontece na maioria das freguesias, a população também duplica ou triplica. Esgotam-se os cabritos, os borregos e os queijos. O Abel Duarte fazedor de forcões também me disse que se lhe esgotou esse tipo de artesanato.
Os proprietários dos restaurantes, bares, padarias e minimercados trabalham muito mas acabam por sentir que é compensador.
Acontece, por aqui, aquilo que vai acontecendo no litoral ou, mais concretamente, na zona das praias. Trabalham um ou dois meses no Verão para depois se irem mantendo ao longo do Outono e do Inverno.
Para todos aqueles que trabalham, quer no estrangeiro quer espalhados pelo País, desejo um bom retorno ao trabalho e que nunca se esqueçam da santa terrinha.
Se a Vocês lhes parece curto o mês de Agosto eu também posso afirmar que mal dou conta dele. Vivemos e convivemos com tanta intensidade e com tanta alegria que o referido mês se transforma num instante.
Há que animar. Pró ano há mais!
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia de Foios)
jmncampos@gmail.com

Emigrantes entram por Vilar Formoso

Agosto é mês de férias para milhares de emigrantes portugueses. Vilar Formoso é a principal porta de entrada para a saudade. Reportagem da jornalista Andreia Guerra com imagem de Sérgio Caetano da Local Visão Tv (Guarda).

Local Visão Tv - Guarda
[vodpod id=Video.4151941&w=425&h=350&fv=]

jcl

Que a festa comece!

O Verão vai quase a meio, quente impiedoso, a pedir sombra e locais frescos com água por perto. Logo, logo, virá o mês de Agosto, o mês dos emigrantes e mês de todas as festas. Por aqui não há terra que a não tenha, com mais ou menos pompa, com mais ou menos desassossego.

Festas de Agosto - António Cabanas - Terras do Lince - Capeia Arraiana

António Cabanas - Terras do Lince - Capeia ArraianaLonge de ser apenas um desperdício ou um acontecimento sem significado, a festa comporta um forte elemento de subversão dos códigos estabelecidos, constituindo simultaneamente, um fenómeno social, cultural, económico e político.
Interrompendo a rotina do quotidiano, ela é uma espécie de válvula de descompressão que nos proporciona a explosão de uma série de sentimentos contidos durante os restantes dias do ano.
Acontecimento quase sempre associado ao sagrado e ao ritual, a festa é vivida nas nossas aldeias com grande intensidade, em ruptura com a vida banal de todos os dias, tornando-se ainda no principal espaço de reencontro de familiares e amigos.
As ruas e largos tornam-se cenário de uma realidade virtual, de imagens, de enfeites coloridos, de muita luz. Geralmente associada à festa religiosa, o mundo dos santos convive com as pessoas que os veneram, que os vestem, que os transportam em procissão. É uma aproximação entre o Céu e a Terra!
Põem-se as colchas nas janelas, alcatifa-se o chão de flores e verdura, o homem veste o fato novo, a mulher põe as arrecadas de ouro e faz uma «permanente», mata-se uma rês e partilha-se a comida e a bebida. É um momento de exaltação e de transcendência, sem lugar para a menoridade.
Aparentando tratar-se de um rol de comportamentos fúteis e superficiais, a festa têm, no entanto, uma abrangência que ultrapassa esta realidade, constituindo um investimento de carácter social, um meio de comunicação entre a comunidade, uma forma de afirmação e demonstração e faz parte de um complexo conjunto de estratégias de ajustamentos sociais.
Caracterizando-se pelo divertimento e pela mudança do ritmo normal da vida em comunidade, a festa é mobilizadora, de vontades, de novos projectos, de novos negócios e quantas vezes de novos amores!
Mas a festa tem também uma outra face. A sua coerência programática e o seu sucesso só se atingem mercê do muito trabalho das comissões de festas. Para que tudo funcione bem, nada pode ser deixado ao acaso, sendo necessárias muitas horas de trabalho. Para os mordomos é quase sempre um exame muito exigente em que não se pode falhar. O júri é o próprio povo da aldeia e a bitola mínima é a festa do ano anterior. Obrigam-se, a trabalhar arduamente, colocando na organização todo o seu empenho e dos seus familiares. Merecem, por isso, todo o nosso respeito e admiração, o nosso apreço e incentivo.
«Terras do Lince», opinião de António Cabanas

(Vice-Presidente da Câmara Municipal de Penamacor)
kabanasa@sapo.pt

Capeias Arraiana e Encerros – Calendário 2010

Na Raia Sabugalense o mês de Agosto rima com Encerros e Capeias Arraianas. Já falta pouco!

Calendário 2010 - Capeias Arraianas - Encerros - Sabugal

Capeia Arraiana em Aldeia da Ponte

GALERIA DE IMAGENS – 14-8-2008
Fotos Capeia Arraiana – Clique nas imagens para ampliar