Category Archives: Beira Baixa

Turismo Centro Portugal - Capeia Arraiana

Turismo no Centro cresceu 12,4% em Novembro

A atividade turística nos territórios do Centro de Portugal registou um crescimento muito acima da média nacional em Novembro de 2019. Segundo os resultados publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o aumento da procura pela região não dá sinais de abrandar. Pelo contrário, o Centro de Portugal é um destino cada vez mais preferencial para os turistas nacionais e estrangeiros.

A oferta turística de qualidade nos territórios do Centro de Portugal não pára de aumentar

A oferta turística de qualidade nos territórios do Centro de Portugal não pára de aumentar

Aldeias Históricas de Portugal - Capeia Arraiana

Aldeias Históricas promovem destino na FITUR

A rede das Aldeias Históricas de Portugal vai estar presente na Feira Internacional de Turismo (FITUR), entre 22 a 26 de Janeiro, em Madrid. O objetivo é apresentar a mercados, profissionais e público geral «um destino que são 12», com certificado «Biosphere Destination», que se destaca pela comunhão com a natureza e contacto com a cultura e costumes locais.

Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal (GR22), que liga as 12 Aldeias Históricas de Portugal num percurso circular de cerca de 600 km

Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal (GR22) liga as 12 Aldeias num percurso circular de cerca de 600 km

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Um pesadelo de Ano Novo

Com estas viagens longas, e atribuladas, tive um pesadelo de todo o tamanho de 30 para 31 de dezembro. Fiz cerca de 8.000 quilómetros, com escalas e dormidas, sendo uma delas em zona de tiroteio nocturno, concretamente no Bairro de Cazende, na periferia de Luanda.

Pesadelo de Ano Novo

Pesadelo de Ano Novo

Acontecimento do Ano 2019 - Capeia Arraiana

Acontecimento do Ano – Congresso da COETUR

:: ACONTECIMENTO DO ANO – CONGRESSO DA COETUR :: :: O Capeia Arraiana escolheu como Acontecimento do Ano 2019, o COETUR-VI Congresso Europeu de Turismo Rural que decorreu entre os dias 29 e 30 de Maio, no Cró Hotel Rural. O congresso, realizado pela primeira vez no nosso país, tinha como tema o «Destino Ibérico, Turismo Rural sem Fronteiras» e contou com cerca de 200 congressistas de Portugal e Espanha.

Individualidades presentes no Congresso

Individualidades presentes no Congresso

Local Visão Tv - © Capeia Arraiana (orelha)

Madeiro de Natal em Penamacor

A vila de Penamacor acendeu o maior madeiro de Portugal na noite de 23 de dezembro com o largo da Igreja cheio de gente. A mordomia esteve a cargo dos nascidos em 1999. Reportagem da redacção da LocalVisãoTv da Guarda.

LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana

ca2013_localvisaotv_550x15

:: ::
jcl

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

E tudo o vento levou!

Aqui em África os Salões de Beleza são simultaneamente cabeleireiros e barbeiros. Não deixa de ser um facto curioso porque, por estas bandas, normalmente os espaços são diferenciados por género. Mas no caso do cabelo é uma excepção. Mas ainda há outro dado relevante. O cabelo do europeu é bem diferente de um africano. Por isso a estória de hoje é sobre a minha aventura de cortar o cabelo. A primeira vez que o faço fora do meu país.

E tudo o vento levou

E tudo o vento levou

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Um primeiro balanço desta missão

Esta missão tem a duração de três anos. O objectivo é colaborar com a minha experiência de vida com organizações que lutam pelo desenvolvimento. Esta zona, como já escrevi anteriormente, tem o símbolo do Pensamento, e na realidade o quotidiano leva-nos a esquecer da importância da reflexão como forma de estar e contribuir para um mundo melhor. Reflectir leva-nos a ponderar e desta forma, a evitar o conflito.

O Primeiro Balanço

O Primeiro Balanço da missão em Angola

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

A Caminhada de «O Pensador»

Esta foi a primeira actividade que realizei aqui em terras do interior de Angola, com a participação de perto de 80 jovens, dos 14 aos 22 anos. O percurso foi preparado pela equipa de avanço, onde estava eu e mais três jovens. A extensão era de cerca de 20 quilómetros e terminava num dos rios onde o agrupamento de escuteiros poderia tomar um banho refrescante.

Os novos «Pensadores»

Os novos «Pensadores»

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

A Erosão esquecida…

Quando iniciei a minha vida profissional trabalhei no Instituto Superior Técnico (IST), de Lisboa, em conjunto com o denominado Grupo das Cheias de Lisboa, para estudar e minimizar o efeito das precipitações intensas que causavam cheias na Área Metropolitana de Lisboa, designadamente nos afluentes que foram sendo invadidos com urbanizações selvagens desde Oeiras até Vila Franca de Xira. Em 1967 ocorreram mortes, algumas dramáticas, dado o volume e a velocidade das torrentes terem arrastado pessoas e bens.

Erosão hídrica

Erosão hídrica

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Manifesto de um dirigente

Quem diria que um Lobito, em 1971, do Corpo Nacional de Escutas viria a ser Dirigente, a 16 de novembro de 2019, na Fazenda do Dacosta, perto da cidade de Dundo, pela Assciação de Escuteiros de Angola. Obviamente sem o apoio da Junta Regional da Guarda, que publicamente agradeço, e de muitos irmãos escuteiros, dirigentes e fraternos, que sempre estiveram ao meu lado na concretização deste sonho. Dedico esta investidura ao Chefe Joaquim Alves Fernandes, irmão que sempre me ensinou e orientou na arte de saber ser escuteiro.

Manifesto de um dirigente

Manifesto de um dirigente

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Sustentabilidade no outro lado do mundo

Quem diria que acabado de chegar sou surpreendido com um evento que, felizmente, parece ser transversal a todos e todas. No sonho de fazer esta missão, não podia ficar mais feliz de ver que as sociedades mais afastadas sentem a realidade de quem não quer ver. E o mais surpreendente é que foi a Diosese do Dundo, sede da Província de Lunda Norte, que patrocinou este encontro, com muito mais debate que nos «desenvolvidos» países europeus. Aqui todos e todas participam e nada os amedronta de dizer o que pensam.

Desenvolvimento sustentável na Diocese do Dundo

Desenvolvimento sustentável em debate na Diocese do Dundo em Angola

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

O meu amigo «Sr. Dála»

Partida comovida, na Tasca da Eduarda, com massinha de peixe oferecida pelos nossos compadres, e um voo longo mas agradável. Por ser noturno, permitiu uma dormida e um relax para a viagem seguinte. Ao contrário do passado, hoje, felizmente os procedimentos alfandegários são rápidos e, estas missões, já têm uma logística que também melhorou significativamente com a experiência.

Senhor Dála

Senhor Dála

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Boas notícias!

Boas notícias! Da Beira Interior que começa a perceber que tem de querer para que a mudança se faça com a Capital Europeia da Cultura, a Agência Portuguesa para o Desenvolvimento das Beiras até ao programa do Governo…

Candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027

Candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

Ainda o madeiro e o presépio natural

Na sua última crónica no Capeia Arraiana, Ramiro Matos defendeu, e bem, a ideia de que o «Presépio Natural» do Sabugal e o «Madeiro» de Penamacor, poderiam gerar uma atratividade comum com benefício para ambos os concelhos.

O Presépio do Sabugal e o Madeiro de Penamacor

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Catalonia es nuestra!

Quem diria que o anseio de libertação continua num território aparentemente consolidado. E à semelhança de Salazar toca de não reconhecer a vontade de um povo que estava dividido e agora cada vez mais unido. Provavelmente até os portugueses residentes na Catalunha já estejam mais para lá do que para cá. A violência só gera violência como diz a sábia vontade popular e o engraçado da história, sem graça nenhuma, é que o terrorismo basco foi muito menos eficaz do que esta estratégia política que abana toda a Europa.

Catalães não desistem

Catalães não desistem

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Como se promove uma região…

«Como se promove um concelho»! Sob este título publicou o Paulo Leitão uma oportuníssima crónica que merece todo o meu apoio. Quem vem ver o «Presépio Natural do Sabugal» também pode ir ver o «Madeiro de Penamacor» reiventando novas formas de atracção.

O Presépio do Sabugal e o Madeiro de Penamacor

O Presépio Natural do Sabugal e o Madeiro de Penamacor

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

Como se promove um concelho

Não é fácil dar expressão mediática a territórios do interior, quando o mundo informativo está concentrado nos grandes aglomerados populacionais, onde a economia palpita e a vida social e cultural fervilham. Penamacor é, porém, um bom exemplo de como promover um concelho de baixa densidade.

O madeiro de Penamacor

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

A angústia de uma partida

Tenho esse direito, pelo menos assim o entendo, manifestar a angústia de partir. Mas de facto a vida resume-se um pouco à contagem do tempo e não somos insubstituíveis. Todos gostam de receber um abraço, um cumprimento, tal como no desporto, mas de facto na vida profissional não é assim. De facto, não nos podemos esquecer que também somos pagos, e umas vezes melhor, outras pior, vamos cumprindo com as nossas tarefas. Para quem nunca saiu do seu espaço julga que onde está é o pior dos piores. Mas enganem-se. A vida profissional, levada a sério, é bem dura seja onde for. Até nas Caraíbas!

Cá vou eu mas desta vez por alguns anos

Cá vou eu mas desta vez por alguns anos

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

À terceira é de vez!

Hoje vou falar sobre o próximo Fórum de Empreendorismo e Inovação da Guarda, a realizar no próximo dia 26 de outubro de 2019, no café do TMG, sobre a questão da sustentabilidade. Tem sido um tema muito abordado nas minhas crónicas e não faria sentido de não publicitar este evento na nossa região, agora que um novo ciclo político vai começar. Estes temas são transversais e, felizmente, passou a estar na agenda do dia a dia de empresas, autoridades, escolas, e muitos setores da sociedade. O painel de oradores é variado e de vertentes distintas, do ponto de vista profissional, o que seguramente abrirá portas a debates interessantes e ajudarão o auditório a ficar com uma opinião própria, mas fundamentada. Por esse motivo convido os leitores e leitoras a procurarem passar um dia diferente, apresentando na crónica de hoje um resumo dos temas que serão abordados.

Fórum de Empreendorismo e Inovação da Guarda

Fórum de Empreendorismo e Inovação da Guarda

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Homenagem a Manuela Fernandes

Maria Manuela Marques Bernardo Fernandes, cedo partiu de Aldeia de Joanes – Fundão – Castelo Branco, a fim de frequentar o Curso Social na Escola Prática de Ciências Criminais, em Lisboa e com um ano de estágio no Estabelecimento Prisional De Tires “Cadeia de Tires”, iniciou a carreira profissional como Assistente Social na Estabelecimento Prisional de Sintra “Colónia Penal Agrícola de Sintra”.

No 70º Aniversário Maria Manuela Fernandes foi homenageada pelos funcionários com quem trabalhou nos Serviços Prisionais

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Mulheres que nos marcam

Mesmo havendo um esforço para se estabelecer na sociedade a igualdade de género, sendo um dos objetivos das Nações Unidas para Agenda 2030, o facto é que ainda hoje uma mulher que «vença» a vida luta muito mais que um homem. E se recuarmos no tempo, as dificuldades eram bem mais marcantes. Por isso, tenho um profundo orgulho quando constato que uma mulher consegue ser mãe, esposa e uma distinta profissional, com responsabilidades atribuídas, que em tempos, só homens as obtinham. A Manuela Bernardo, é uma mulher que me tem marcado, não só pela sua amizade, mas pela resiliência contra a contrariedade, nunca abandonando o posto de mãe e esposa. Mas o espantoso é que para amigos e familiares, a Manuela, só não faz, na realidade, o impossível. Tive a sorte de a conhecer e de conversar horas a fio, sobre todos os aspetos da vida, onde ainda damos Graças a Deus, por nos manter no caminho de ajudar quem mais precisa. O texto desta semana é um tributo a quem chegou às setenta primaveras, ao longo de uma vida onde teve de carregar muita responsabilidade e amarguras.

A minha amiga Manuela Bernardo

A minha amiga Manuela Bernarda

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

A minha troca de «prisioneiros»

Decorria meados de 1969. As relações entre os meus pais estavam a bater no fundo. O meu saudoso Tio Olívio tentava mediar um conflito que não tinha fim. Um dia consegue-se um acordo para ir conhecer a minha avó paterna, que já tinha 90 anos. E lá vou eu, de malote, calções e casaco, acompanhado pelo Tio António Esteves e a Tia Ernestina, sogros do Tio Olívio.

A minha troca de passageiros

A minha troca de passageiros

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Fundão – novo pároco

Em 22 de junho do corrente ano, D. Manuel Felício, Bispo da Guarda, nomeia como Pároco do Fundão, o Padre Helder Lopes, substituindo o Padre Jorge Colaço, que a seu pedido tinha pedido a saída desta paroquia. Hélder Lopes nasce no Colmeal da Torre, concelho de Belmonte, em 27 de junho de 1983 e é ordenado sacerdote em junho de 2008.

O Padre Helder na procissão da festa da Bismula, onde foi pároco

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

O casamento n.º 142

Estava de serviço quando recebo uma chamada do chefe. Tinha de o ir representar ao casamento n.º 142. Aqui, nos serviços, os casamentos e batizados, são registados por causa das despesas. Sinceramente não me apetecia nada. Para além de querer ir ver o meu Vitória de Setúbal, tinha de cumprir o protocolo de Estado. Deveria de ir com uma fatiota de cor cinzenta, gravata discreta e devidamente barbeado, penteado e com perfume. Sim perfume dos caros, porque o aroma tem de se manter. Nem sei bem quem seriam os noivos. O código era «j+m».

Casamentos... e casamentos

Casamentos… e casamentos

Aldeias Históricas de Portugal - Capeia Arraiana

Rota das Aldeias Históricas em bicicleta

É já a partir deste sábado, dia 14 de setembro, que os cerca de 40 participantes no desafio The Castles Quest vão descobrir as Aldeias Históricas de Portugal, em cima de uma bicicleta. Esta é a terceira edição de um evento sem igual no nosso país. Não é uma prova, mas sim uma aventura, em que a diversão, o companheirismo e a fruição das paisagens estão em primeiro lugar. Os 500 quilómetros da Grande Rota das Aldeias Histórias desta aventura com passagem pelas 12 aldeias tem partida e chegada em Sortelha.

The Castles Quest pelas Aldeias Históricas

The Castles Quest pelas Aldeias Históricas

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Colaço… um Senhor Padre

Tive a sorte de o conhecer num contexto fora do comum. Não era seu paroquiano e, para além disso, um perfeito desconhecido. Um dia fui-lhe bater à porta. A reunião foi difícil de marcar, mas depois de alguma insistência da minha parte, acabou por acontecer. Estava a nascer a Fraternidade Nuno Álvares no Fundão, e para além da grande ajuda do Chefe Regional José Sebastião, era necessário a «bênção» da Igreja. Coube-me a mim a tarefa de reunir com ele: Jorge Colaço, Arcipreste do Fundão.

A despedida do Padre Jorge Colaço

A despedida do Padre Jorge Colaço

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

IX Encontro de Pastores em Alpedrinha

No dia 24 de Agosto decorreu em Alpedrinha, concelho do Fundão, o nono encontro de pastores, oriundos das regiões da Beira Baixa e da Beira Alta, como um pré-anúncio para a Festa dos Chocalhos, no segundo fim-de-semana do próximo mês de Setembro.

Os grandes protagonistas deste encontro são os pastores e os cães de guarda dos rebanhos

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Um encontro imaginário muito interessante

Uma das coisas que mais adoro é ver opor do sol na praia. E felizmente como optei sempre pela Costa Alentejana o espaço e privacidade tornam bem agradável uma estadia de descanso, mesmo após um dia de trabalho. Um dia estava sozinho a sentir a brisa fresca do mar, quando ao largo, no lusco fusco vejo um submarino surgir do nada, vindo das profundezas do mar. Sempre sonhei desde garoto em encontrar um anjo, mas um submarino, francamente…

Encontro imaginário com um submarino

Encontro imaginário com um submarino

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Fundão – despedida do pároco

O Padre Jorge Manuel Tavares Colaço, nasceu na cidade da Guarda no dia 18 de Setembro de 1968, filho de pequenos comerciantes, na localidade de Sequeira, junto ao Outeiro de São Miguel.

Igreja matriz do Fundão

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

O meu amigo Miguel

Conhecemo-nos desde 1981, e praticamente desde o início da década de 90 que não o vejo. No entanto mesmo sem a presença física hoje ainda mantemos uma relação de amizade. Ainda me recordo, por volta de 1995, chegar a casa e ter uma carta de correio. O Miguel estava em Inglaterra a doutorar-se e nunca se esqueceu do tempo que privámos em comum. E eu, na altura a trabalhar na Brisa, com um trabalho «non-stop», nem tive tempo de lhe responder. A crónica de hoje pretende mostrar que os amigos, não se esquecem, e normalmente não são usados para pedir favores ou fazer negócios, palavras sábias do meu saudoso avô materno.

O meu amigo Miguel Monjardino

O meu amigo Miguel Monjardino

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Aula de Sociologia

O Jornal do Fundão promoveu uma campanha de divulgação deste importante semanário no mercado do Fundão, no coração de Agosto, junto de feirantes, comerciantes e do público de uma forma geral, cerca de quatro mil pessoas. Neste universo alargado, há quem passeie, quem converse, quem observe, quem discuta, quem encontre um amigo, quem encha o saco de compras.

Mercado semanal do Fundão

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Os hábitos de Marcelo

Hoje vou imaginar uma estória passada em Belém. Com este Presidente, acredito que até arranja tempo para ler estas minhas crónicas. Acredito que o mês de Agosto para ele deve ser horrível. Nada se passa e tudo está fechado. Neste dia, chegado ao palácio presidencial, pede logo ao chefe de gabinete o despacho. Mas pouco havia. Com a crise dos combustíveis os ministros andam todos num corrupio a controlar os postos de combustível para que a tão preciosa gasolina não falte e com o parlamento de férias, o despacho são cinco minutos.

Os hábitos de Marcelo

Os hábitos de Marcelo

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Tradição e política

Tal como a tourada espanhola, onde nem sempre morre o touro, temo que em Portugal a tourada venha a ser um dos motes políticos da próxima campanha eleitoral. E, mais uma vez, coincidência ou não, uma luta entre a tradição de muitas localidades do interior contra o pensamento do litoral. Mesmo terras como Setúbal, Moita, Alcochete ou Montijo, poderão não ser suficientes para equilibrar este «jogo» que até pode ter o «cunho» de Bruxelas.

Touro de granito na Praça do Soito

Touro de granito

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Afilhados procuram-se…

Não é o que podem estar a pensar! Neste caso tratam-se mesmo de padrinhos ou madrinhas, no contexto da Santa Madre Igreja. No meu caso pessoal, para além de não ter irmãos, também nunca fui Padrinho, salvo uma vez, com nove anos, em face da empregada lá de casa ter milagrosamente engravidado (ainda se pôs a hipótese da cegonha) e a minha mãe ter obrigado a criança a ser batizada à pressa. Para além da fatiota que levava, só me lembro da despedida à porta da Igreja de São Julião de algo que para mim não fazia sentido. O meu Avô materno jamais aceitou esta situação e a pobre da mulher teve de ir arranjar trabalho para outro lado. Convém salientar que decorria o ano de 1969.

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

O futuro dos nossos filhos

Em tempos um amigo explicou-me que a evolução do mercado de trabalho começou em casa, a seguir na rua. As ruas inclusivamente tinham o nome dos artesãos, ourives, correeiros, ferradores, sapateiros, etc., depois na cidade, mais recentemente no país e agora o mercado é global.

Benção 2019 na UBI-Universidade da Beira Interior

Benção 2019 na UBI-Universidade da Beira Interior

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Rota do peixe frito

Um Grupo de Trabalhadores dos Serviços Prisionais da Covilhã, Fundão e Castelo Branco, realizam todos os anos uma viagem à Rota do Peixe Frito e desta vez escolheu-se a linda freguesia de Belver, terras de onde «foram os mouros e ficaram os gaviões». Nada melhor que uma viagem pela linha ferroviária da Beira Baixa, com paragens em todas as estações e apeadeiros, algumas e alguns a meter dó, dado o total abandono a que foram votadas. Estações que estão carregadas de memórias, de histórias humanas, de sofrimentos, de dores e alegrias e de muitas saudades.

Praia fluvial do Alamal (Belver), em cujo restaurante se serve uma açorda com peixe frito

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Prémio de Mérito Científico para Paulo Fernandes

Paulo Fernandes, presidente da Câmara Municipal do Fundão, foi distinguido com o Prémio de Mérito Científico no Encontro Nacional com a Ciência e a Tecnologia – Ciência 2019, realizado no passado dia 8 de Julho no Centro de Congressos de Lisboa.

Paulo Fernandes - Presidente Câmara Municipal Fundão

Paulo Fernandes – Presidente da Câmara Municipal do Fundão (Foto: Jornal «O Interior»)

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

A devoção a Nossa Senhora do Carmo

No passado fim de semana voltei a Moura, viver e vibrar, com as Festas em honra de Nossa Senhora do Carmo. A maioria vai a Fátima, mas eu prefiro e sinto mais devoção a esta Virgem, talvez por motivos familiares. Cumpri a tradição e inclusivamente fui ver a corrida de touros. Não sou um aficionado, mas respeito muito a festa brava, marco importante da nossa cultura, onde a nobreza e o povo convivem e vibram, à volta do touro de lide, no mesmo espaço. Acreditem que igualmente senti a alegria daquela gente, como se fosse um mourense de gema e até bati palmas de pé. Milagre? Quem sabe…

Procissão de Nossa Senhora do Carmo em Moura

Procissão de Nossa Senhora do Carmo em Moura

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Quem tece a ideia de privatizar os Correios?

Nem imaginam as aventuras que tenho tido em querer enviar correspondência em zonas perdidas do nosso Portugal. Felizmente há autarquias que ainda usam a imaginação, mas não conseguem resolver tudo. O facto é que o serviço postal está em vias de extinção. Compreende-se que o correio digital ajuda, mas nem tudo pode ser enviado por correio digital, a começar, por exemplo, por documentos confidenciais. A crónica desta semana anda como os correios. Atrasou-se! Só que não está para acabar. Antes pelo contrário!

Marco do Correio de Portugal

Marco dos CTT-Correios de Portugal

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Agora «deste» em verde?

Sem dúvida que nem sempre a vida nos corre a feição. E desta vez até dou razão aos amigos que me ligaram após ter escrito o artigo da passada semana na Capeia Arraiana. Houve um deles que me fez lembrar um anúncio da Yorn, passe a publicidade, que até deitava fumo da cabeça de tanta conversa ao telefone. Mesmo havendo motivos acho que devo explicar sem, no entanto, pedir desculpas aos leitores, uma vez que até o texto em si, não era percetível.

Agora deste em verde? - capeia arraiana

Agora deste em verde?