Uma só vida!

Fernando Capelo - Orelha - Capeia Arraiana - 180x135

Constata-se, por ora, a obrigação estabelecida de ficar em casa e reduzir ao mínimo os contactos. Decorre esta obrigatoriedade do selvático surto de Covid-19.

Quarentena contra o Covid-19

Quarentena contra o Covid-19

.
Há que contrariar o famigerado micróbio…

Apesar da clausura a que, eticamente, me sinto obrigado, vou disfrutando exteriores, na exata medida daquilo que o abrir da janela me permite. Nessa observação, matinalmente repetida, vou colhendo forças para a sucessão dos momentos presentes enquanto fundo esperanças em dias futuros.

Com efeito, são inequívocas as trágicas consequências da pandemia. Porém, e malgrado o desfortúnio, vai decorrendo um início de primavera, ainda algo tímida. Persistem, pois, algumas horas frias e cinzentas que parecem associadas à tristeza do contágio evolutivo. Todavia, já nascem alguns dias bonitos e amenos a oferecer cenários de atração. Perduram os verdes mas brotam as primeiras flores. Os ares enchem-se da musicalidade das leves brisas e propagam o energético cantar dos pássaros empenhados na feitura dos seus ninhos.

Não devo, por isso, queixar-me. Sei de quem esteja em pior situação e, sobretudo, conheço quem arrisque a vida lutando diariamente na defesa da saúde e da vida alheia. A esses a minha mais sincera homenagem.

Aceito, por consequência, o presente encerramento, com a calma possível e sem decair. Retenho, do retiro, forças revitalizantes. A situação é absolutamente necessária e há que contrariar o famigerado micróbio.

Subsiste, ainda, um outro vírus assaz perigoso. O medo. Acrescido de uma desinformação propagandeada, fomenta emoções coletivas que impedem a racionalidade e obstruem a inteligência. Há quem, de forma ignóbil, nos tente intoxicar com notícias falsas, sobretudo nas redes sociais. São atos de malvadez a que é difícil inferir objetivos.

Não teremos, pois, muitas alternativas. Se não quisermos deitar tudo a perder, só poderemos adotar informações credíveis, confiar no trabalho dos nossos profissionais de saúde e acatar as orientações das autoridades.

De resto, haverá, certamente, mais sol e mais primaveras. Vidas é que apenas viveremos uma.

:: ::
«Terras do Jarmelo», crónica de Fernando Capelo

3 Responses to Uma só vida!

  1. antoine barreiros diz:

    MUINTO BEM Snr CAPELO

  2. António Emídio diz:

    Amigo Capelo :

    Estamos a atravessar momentos difíceis. Vou dizer-te com toda a sinceridade que tenho medo, não me envergonho de o dizer. O medo é uma experiência Universal e comum a todas as épocas e civilizações, o medo ao fim ao cabo é um fenómeno psíquico.
    O Homem tem sempre ou de maneira intermitente medo de alguma coisa, às vezes fundada outras vezes infundadamente. Presentemente, o medo tem fundamento.
    Quanto às redes sociais, o que esperavas?

    Saúde e um abraço do Nabais.

    • Fernando capelo diz:

      Olá Nabais
      Pois cá estamos confinados por obrigação e medo, fazendo tudo para merecer alguma sorte.
      Quanto às redes sociais prefiro não dizer muito pois corro um risco sério de me exceder.
      Cuida-te, também, meu amigo. Melhores dias virão.
      Aquele abraço.

Deixar uma resposta