Dirão da Rua – Abastecimento de Água

António Gonçalves - Colaborador - Orelha - Capeia Arraiana

Uma história de Dirão da Rua, anexa da freguesia de Sortelha, reveladora das incoerências dos decisores políticos. Agem ao sabor das circunstâncias mostrando incapacidade de apresentar uma solução eficaz e duradoura.

Projecto de aquisição com comparticipação de fundos comunitários

Investimento na melhoria do serviço público de abastecimento de água com comparticipação de fundos comunitários

.
Manuel José, de 97 anos, agradece a sua longevidade à água que bebeu do furo…

A atual fonte da aldeia de Dirão da Rua, anexa da freguesia de Sortelha, foi construída em meados da década de 1970, a anterior era de pedra e aberta, sem condições mínimas de higiene. Tem uma porta de ferro em elevado estado de degradação, que vai apodrecendo e caindo para dentro temperando a água que as pessoas podem beber.

Em finais da década de 1970 o município decidiu-se pelo abastecimento ao domicílio. Assim, optou por realizar um furo junto à fonte, construir uma casota e colocar aí uma bomba de água. Volta e meia a dita avariava e lá se interrompia o abastecimento!

Fonte construída em meados da década de 1970

Fonte construída em Dirão da Rua em meados da década de 1970

.
Já no século XXI «decidiram» que a água era de inferior qualidade! Manuel José, com os seus 97 anos, bem pode agradecer a sua longevidade à muita água que aí bebeu! Sempre apreciámos esta água e agora vêm-nos com histórias! Será que, quando da decisão de realizar o dito furo, não fizeram análises à água?

A Câmara Municipal de Sabugal decidiu-se por outra solução. Adquiriu um nascente que supostamente resolveria todos os problemas e com a comparticipação de fundos comunitários concretizou o projecto. A exploração do furo, junto à junto à fonte, terminou!

infraestruturas da exploração da nascente comprada há cerca de 15 anos

Infraestruturas da exploração da nascente comprada há cerca de 15 anos

.
Realizado o novo investimento (compra do nascente, exploração do mesmo, construção de uma casota e colocação de uma bomba) os problemas mantiveram-se… De vez em quando a bomba avariava e a quantidade era insuficiente para a população.

Também esta opção foi simplesmente abandonada!

Há quase cinco anos o município decidiu construir um tanque/depósito num local elevado, passando para os Bombeiros Voluntários de Sabugal a incumbência de encherem-no regularmente. Com frequência tornou-se necessário telefonar, para os Bombeiros ou para os serviços camarários, informando de que nas torneiras não corre água! Esta situação assume proporções mais graves no Verão devido ao aumento do número de consumidores e aos incêndios que por vezes impedem o fornecimento de água em tempo oportuno. Estes constrangimentos em nada contribuem para a fixação ou permanência por períodos mais alargados das pessoas.

Tanque construído há cerca de cinco anos

Tanque construído há cerca de cinco anos

.
Esta crónica mostra-nos a incoerências dos decisores políticos que agem aos ziguezagues, como se fossem um catavento, incapazes de apresentarem uma solução eficaz e duradoura!

Circulam informações de que a Junta de Freguesia de Sortelha tem os cofres cheios, mas resolver este problema não é prioridade!

– Serão capazes de solucionar de uma só vez ou vão continuar com experiências ao sabor das circunstâncias?

– Quem beneficia das contrapartidas dos parques eólicos que estão à nossa porta?

:: ::
«Eu sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura.» (Fernando Pessoa).

:: ::
«Memórias de Sortelha», por António Augusto Gonçalves

Deixar uma resposta