As Trovoadas e os Responsos

António Gonçalves - Colaborador - Orelha - Capeia Arraiana

As trovoadas são fenómenos meteorológicos temíveis. As pessoas refugiavam-se em casa e rezavam acreditando que assim conseguiriam a proteção divina.

Trovoada com relâmpagos

Trovoada com relâmpagos

.
Um toro de carvalho cortado no dia 24 de Dezembro…

Por toda a região raiana as trovoadas são frequentes. Ao ouvirem o primeiro trovão a primeira preocupação das populações era irem para casa e recolhiam-se os animais para a loja.

Contavam-se histórias de que resultaram grandes prejuízos para os agricultores. Se estivessem em casa, iam buscar imediatamente o tição e colocá-lo no lume. Tratava-se de um toro de carvalho cortado no dia 24 de dezembro e queimado um pouco na noite de Natal; depois era guardado para ser utilizado para afastar as trovoadas.

Enquanto o toro ia ardendo as pessoas rezavam e diziam os responsos seguintes:

«Santa Bárbara bendita
Livra-nos desta trovoada maldita.»

Ou…

«São Jerónimo e Santa Bárbara bendita
Que no céu está escrita
Com papel e água benta
Nosso Senhor nos livre desta tormenta.
As chagas abertas
Corações feridos
Livrai-nos Senhor de todos os males e perigos.
Que Santa Bárbara arrume esta trovoada para os matos maninhos de Jerusalém
Que esta trovoada não dê prejuízo a ninguém.»

Seguia-se um «Pai Nosso» e uma «Avé Maria». Por vezes continuavam a rezar o terço.

Acreditavam que a oração era o melhor meio de conseguir a proteção de Deus, quiçá acalmar a ira divina!

:: ::
«Memórias de Sortelha», por António Augusto Gonçalves

Deixar uma resposta