Acordares assobiados

Fernando Capelo - Orelha - Capeia Arraiana - 180x135

Trago, hoje, a recordação de um assobio assíduo que surgia já noite finda, no início da manhã, quando o despertar lutava contra o sono. Era o meu primeiro sinal do dia…

O assobio do Ti Manel Assobiador chegava manhã cedo

O assobio do Ti Manel Assobiador chegava manhã cedo

.
Conhecia muito bem o solfista e a melodia…

As noites de Primavera caíam tal qual um véu negro que, lentamente, acariciasse campos, casas e caminhos.

Depois, um majestoso silêncio apenas permitia curtos sopros de vento a fazer voar os sonhos, a fazer nascer suposições.

Lembro-me de imaginar cães de pêlo eriçado a olhar o nada, desconfiados do sossego. Prestavam-se, estas noites, a profusas fantasias.

Trago, hoje, a recordação de um assobio assíduo que surgia já noite finda, no início da manhã, quando o despertar lutava contra o sono. Era o meu primeiro sinal do dia.

Conhecia muito bem o solfista e a melodia que me passava rentinho à janela.

A sonância, saída do sonho, misturava-se com a debilidade do sol matinal e, aos poucos, tudo se ia tornando real. A música ritmava-se e corria entre os batimentos surdos do que eu imaginava ser o som de um par de tamancos a calcar a terra da rua. E assim seguia o compasso até desaparecer na lonjura do caminho que topava a horta do Ti Manel. Tudo isto se repetia na totalidade dos amanheceres primaveris.

Ora, num desses longínquos alvores em que o sono me pregava à cama, o que acabou por me acordar foi a falta da normalidade assobiada. Caí, por isso, em grande sobressalto, que apenas foi suspenso, no célere avançar da manhã, pela voz de minha mãe. Entrou-me quarto adentro para me lembrar das horas da escola. Assarapantado perguntei-lhe se sabia do Ti Manel Assobiador ao que ela me respondeu tristemente:

– Sei lá! Está desde ontem no hospital.

Reforcei, sim, a tristeza desse instante na presunção de uma saudade futura e, desde logo, suspeitei que poderiam ter terminado todos os acordares assobiados.

:: ::
«Terras do Jarmelo», crónica de Fernando Capelo

Deixar uma resposta