Viagens que aconselho aos leitores do Capeia (2)

Franklim Costa Braga - Orelha - 180x135 - Capeia Arraiana

Viajar hoje é quase obrigatório. Durante quatro semanas estou a aconselhar viagens que deviam ser feitas pelo menos uma vez na vida. Seleccionei vários países adaptados às preferências acima expostas, partindo do princípio que cada país tem a sua beleza. Poderão ainda ler o que venho escrevendo sobre as minhas viagens nos mais diversos países desde há um ano aqui no Capeia Arraiana.
>> Parte 2 de 4 >> EUROPA

Sugestões de viagens por Franklim

Sugestões de viagens por Franklim


VIAGENS QUE ACONSELHO AOS LEITORES DO CAPEIA ARRAIANA

:: ::

PAÍSES da EUROPA


Parte 2 de 4

:: ::

Depois de conhecer Portugal, visite os países mais próximos, onde pode ir na sua viatura.

>> 1 – ESPANHA e ANDORRA – >> Para ver Espanha, país 5,5 vezes maior que Portugal, precisa de várias viagens. No norte poderia visitar a catedral de Santiago de Compostela, as grutas de Altamira na Cantábria com gravuras rupestres, León com a Basílica de Santo Isidro, do século X, em estilo românico, e a catedral, em estilo gótico, do século XIII, Zamora com o seu centro histórico constituído pelo castelo e outros monumentos, entre os quais a igreja românica de Santa Maria Madalena, Salamanca, cidade universitária das mais antigas, além do seu centro histórico, Astorga, com sua catedral, Palácio Episcopal e museu do chocolate, as Astúrias com a catedral de San Salvador em Oviedo, o vale do Ebro com os vinhedos de La Rioja, a região de Pamplona com as suas festas de San Firmin, com a euforia dos toiros à solta, mas também com muitas igrejas românicas, e a igreja da Sagrada Família de Barcelona, obra do arquitecto Gaudi. Os Pirinéus acolherão os seus skis. Estes também podem ser usados em Andorra.

Mais para o centro poderá ver a catedral de Toledo e museu de El Greco, Madrid e o museu do Prado, obra de inspiração de uma rainha portuguesa, que o entreterá por umas horas. Para sul esperam a sua visita a mesquita de Córdoba do séc. X, transformada em catedral católica após a Reconquista, a Alhambra de Granada, zona onde também pode dar uso aos seus skis na serra Nevada, e a catedral de Sevilha com sua torre Giralda. Nesta cidade assista às celebrações da Semana Santa e à procissão da Virgem da Macarena. Se gosta de touradas vá à praça da Maestranza. Terá ocasião de assistir a um show de flamenco. Quer praias, vá até às ilhas Baleares ou a toda a costa mediterrânica de Málaga a Barcelona.

Grutas de Altamira

Grutas de Altamira

Mesquita-Catedral de Córdoba

Mesquita-Catedral de Córdoba

Catedral de Sevilha

Catedral de Sevilha

.
>> 2 – FRANÇA – >> Visite as catedrais e abadias de Notre Dame de Paris, embora tenha sofrido um incêndio, Chartres, Tours, Vézelay, Fontenay, Mont Saint Michel, Amiens, Rouen e Strasbourg. Visite grandes palácios como Versailles e os castelos de La Loire, na região de Tours, mais palácios que os tradicionais castelos. Estâncias de ski nos Alpes e Pirinéus, praias como a Camargue no sul, museus como o Louvre, lugares sagrados como Lourdes e universidades medievais como a Sorbonne não podem ser ignorados. Visite as pinturas rupestres das grutas de Lascaux em Montignac, no sul e as de Chauvet no desfiladeiro de Ardeche, também no sul. A cidade de Paris tem muito a visitar: o obelisco na Praça da Concórdia, pilhado ao Egipto por Napoleão, o quartier latin, o bairro intelectual, com o Jardin du Luxembourg e a Sorbonne. O Moulin Rouge no Pigale-Montmartre é uma boa atracção para os noctívagos. Visite também o Panthéon e La Bastille, cárcere dos presos políticos libertados na Revolução Francesa. Uma subida à Torre Eiffel, no Campo de Marte, poderá aquilatar a sua ainda boa forma física.
Na região de Paris, a 32 quilómetros, em Marne-la-Vallée, pode ser visitada a Eurodisney. Encontrará portugueses por toda a França com quem poderá trocar umas palavras. Comer e beber em França agradará aos gourmands.

Mont Saint-Michel

Mont Saint-Michel

Catedral de Chartres

Catedral de Chartres

.
>> 3 – ITÁLIA – >> Este país apresenta-lhe os lagos de Como e Garda, boas praias no Mar Tirreno e no Adriático, as montanhas no norte junto a Bolzano, Milão e a sua catedral, Torino e a igreja do Santo Sudário, Roma com o Coliseu, a Via Appia, as catacumbas, os arcos de Trajano e Tito, o Forum Romano, o castelo de Santo Ângelo e a Igreja de S. Pedro no Vaticano, com sua praça em cujo centro se encontra um obelisco trazido do Egipto pelo imperador Calígula. A Capela Sistina da Igreja de S. Pedro está repleta de obras de arte de Miguel Ângelo. Até pode deitar uma moedinha na Fonte de Trevi. Torre de Pisa, Il Duomo e outras obras de arte da Renascença em Firenze, Veneza com os canais onde circulam gôndolas que o levarão à Praça de S. Marcos e o passearão pela lagoa, e Pádua, onde está a igreja do nosso Santo António, esperam-no. Os apreciadores da pasta italiana terão muitos lugares onde apreciá-la, regada com bom vinho italiano. Não terão dificuldade em perceber a língua italiana, sem ter de dar uma esmolinha à Camorra Napolitana.

Torre de Pisa

Torre de Pisa

Coliseu de Roma

Coliseu de Roma

Capela Sistina no Vaticano

Capela Sistina no Vaticano

Praça de SãoMarcos em Veneza

Praça de São Marcos em Veneza

.
>> 4 – ALEMANHA – >> Apesar da II Grande Guerra ter destruído muito da Alemanha, ainda ficou outro muito de pé ou foi reconstruído. Visite a catedral de Colónia e o museu Romano-Germânico desta cidade. Perto de Colónia existe um enorme jardim-floresta com figuras da Branca de Neve e doutras lendas. A Floresta Negra, onde nasce o Danúbio, segundo maior rio da Europa, merece a sua visita. O castelo de fadas de Neuschwanstein, no sudoeste da Baviera, da primeira metade do século XIX, é outro lugar a visitar. Vá esquiar em Garmisch Partenkirchen na Alta Baviera. Assista em Munich à Festa da Cerveja em Outubro e prove uma. A língua poderá embaraçá-lo, mas há-de encontrar sempre alguém que o compreenda.

Catedral de Colónia

Catedral de Colónia

.
>> 5 – BÉLGICA – >> Visite Bruxelas com a sua Grand Place, parecida às praças das cidades espanholas, o famoso fontenário do Manneken Pis e a não menos famosa escultura do Atomium. Dê um salto a Bruges, na Flandres, onde pode ver os seus canais, construções medievais e a Basílica do Sangue Sagrado, e a Liège, na Valónia, atravessada pelo rio Mosa, com sua parte medieval, a Igreja Colegial de S. Bartolomeu, românica, e a praça Lambert. Na parte flamenga não conversarão consigo em Francês, salvo quando descobrirem que é estrangeiro, e então trata-lo-ão com amabilidade.

Atomium em Bruxelas

Atomium em Bruxelas

.
>> 6 – PAÍSES BAIXOS – >> Pequeno país, em boa parte feito pelos holandeses, roubando terras ao mar. Por isso dizem: Deus fez o Mundo, os holandeses fizeram a Holanda. Amsterdam com seus canais, os polders e campos roubados ao mar, as enormes extensões de tulipas multicores e o jardim de tulipas Kenkenhof, os museus de Van Gogh e Rijksmuseum, com obras do século XVII de Rembrandt e Vermeer, são locais à sua espera.

Os moinhos (polderes) nos Países Baixos

Os moinhos (polderes) nos Países Baixos

.
>> 7 – REINO UNIDO – >> Londres, com a sua Torre medieval, onde se guardam as jóias da coroa, pontes sobre o Tamisa como a Tower Bridge, Big Ben, St. Paul’s Cathedral, Westminster Abbey, British Museum, museu de cera de Madame Toussaud e um obelisco, este oferecido, chamado Agulha de Cleópatra, que colocaram junto do Tamisa no Victoria Enbankment, Trafalgar Square e os grandes parques são pontos de referência. Até pode assistir ao render da guarda da rainha. Visite ainda a catedral gótica de York, de Cantuária, de Manchester e o castelo de Edimburg. As construções pré-históricas de Stonehenge na planície de Salisbury são uma boa visita para os amantes de megalíticos. Se pretender uma cerveja, não peça uma beer, mas sim uma lagger, já que aquela não presta, mau grado nos terem ensinado que cerveja se diz beer em Inglês.

Catedral de York

Catedral de York

Castelo de Edimburgo

Castelo de Edimburgo

.
>> 8 – PAÍSES DA ANTIGA YUGOSLÁVIA – >> Visite as grutas de Postojna na actual Eslovénia, com cerca de cinco quilómetros, onde se pode andar de comboio, a cidade medieval de Mostar na Bósnia-Herzegovina e o centro da cidade de Saraievo, local onde foi assassinado o arquiduque da Áustria Francisco Fernando, facto que deu origem à primeira grande guerra. Vá até Dubrovnik, cidade medieval no sul da Croácia, do século X, junto ao mar. Na capital, Zagreb, de arquitectura austro-húngara dos séculos XVIII e XIX, pode ver a catedral gótica do século XII e a igreja de S. Marcos, do séc. XIII. Em Belgrado, capital da Sérvia, veja a fortaleza e parque de Kalemegdan, na confluência do Sava com o Danúbio, bem como a igreja de S. Marcos, em estilo sérvio-bizantino.

Dubrovnik

Dubrovnik

.
>> 9 – GRÉCIA E AS SUAS ILHAS – >> Aqui visite Atenas com a Acrópole e o seu Parthenon, embora saqueado, em parte, pelos ingleses que levaram muitas peças e colunas para o British Museum e o Museu Arqueológico. Poderá reviver a história da Grécia se visitar as ruínas de Esparta e Tebas. Também tem boas praias com bom sol e pode fazer um cruzeiro pelas ilhas. Prove um uzo.

Acrópole

Acrópole

.
>> 10 – SUÍÇA – >> Visite os lagos de Zurich, Leman e Lucerna e as montanhas dos Alpes, onde pode fazer ski. Berna, com a sua cova dos ursos, merece uma visita. Vá a Genêve ver as fábricas de relógios e visite o museu dos relógios em La Chaux de Fonds.

Lago de Zurique

Lago de Zurique

.
Será melhor ir de avião ou comboio para os seguintes países:

>> 11 – PAÍSES NÓRDICOS – NORUEGA – >> Aproxime-se dos fiordes da Noruega, sobretudo do de Geiranger, faça ski e dê saltos nas estâncias de ski perto de Oslo no resort Lillehammer, passe o Ártico e veja o sol da meia noite e as neves na Lapónia, para além dos rebanhos de renas conduzidos pelos lapões, que até o convidarão a entrar nas suas cabanas. Em Oslo visite o Museu do Navio Viking. As cidades de Bergen, Trondheim e Tromso serão pontos de referência. Pode ir até Hamerfest, última cidade da Noruega e a primeira a ter luz eléctrica, e ao Cabo Norte, ponto extremo no norte. Atenção: as estradas por aqui são de terra batida, muitas vezes enlameadas, impróprias para automóveis. Se for de todo-o-terreno, vá que não vá, mas tenha atenção aos horários dos ferry-boats para atravessar os fiordes, de contrário poderá esperar muitas horas para conseguir um.

Cabana na Lapónia

Cabana na Lapónia

.
>> 11 – PAÍSES NÓRDICOS – SUÉCIA – >> Pode fazer surf nas praias de Gotland. Em Estocolmo, passeie pela parte velha Gamla Stan. Visite também as cidades de Malmo e Gotborg.

>> 11 – PAÍSES NÓRDICOS – FINLÂNDIA – >> Experimente o sauna junto dos imensos lagos da Finlândia. Visite o museu Nacional de Helsínquia. A língua é muito difícil, mas muita gente fala Inglês.

>> 12 – ÁUSTRIA – >> Terra de músicos, como Mozart e Strauss. Na sua capital, Viena, atravessada pelo Danúbio, onde predominam edifícios barrocos, pode ver a Ópera, a catedral de Santo Estêvão e a Escola de Equitação Espanhola. Salzburgo apresenta-lhe a catedral onde foi baptizado Mozart, daqui natural, a fortaleza e um quarteirão medieval, considerado Património Cultural da Humanidade. Outras cidades a visitar são Graz e Klagenfurt.

Salzburg

Salzburg

.
>> 13 – HUNGRIA – >> Na capital Budapeste, na realidade duas cidades – Buda e Peste –, cortadas pelo Danúbio, repleta de história e monumentos, pode apreciar o edifício do Parlamento à beira do Danúbio. Em Gyor pode fazer canoagem no rio Rábca. Visite o lago Balaton, o maior da Europa Central e Oriental, onde poderá praticar desportos náuticos. O Húngaro é uma língua muito difícil de perceber, mas haverá quem fale Alemão ou Inglês.

Parlamento em Budapeste

Parlamento em Budapeste

.
>> 14 – REPÚBLICA CHECA – >> Visite a bela Praga, capital atravessada pelo rio Moldava, com as suas praças de S. Venceslau e João Huss, a ponte Carlos do séc. XIV-XV, só para peões, mandada construir por Carlos IV, cercada de estátuas de santos católicos, o seu castelo do séc. IX e o Museu Narodni. Vá até Brno, cidade industrial onde se situa a fábrica do automóvel Skoda e onde pode visitar o castelo de Spielberk, do séc. XIII.

Ponte Carlos em Praga

Ponte Carlos em Praga

.
>> 15 – ESLOVÁQUIA – >> Pequeno país, apresenta-lhe em Bratislava, sua capital, a catedral gótica de S. Martinho e o castelo, com bela vista sobre a cidade e o rio Danúbio.

Catedral Gótica de São Martinho

Catedral Gótica de São Martinho

.
>> 16 – ROMÉNIA – >> País resultante da reunião dos três principados da Valáquia, Moldávia e Transilvânia, de muitos castelos como o de Bran, no cimo dum penhasco, ligado à lenda do Conde Drácula, e o de Peles, perto de Brasov, e igrejas fortificadas como a de Prejmer, perto de Brasov, e os mosteiros pintados de Bucovina na zona da Moldávia romena. Pode banhar-se na praia de Mamaia no Mar Negro, onde também já me banhei. Come-se e bebe-se bem e barato. A língua é românica, que poderá entender facilmente.

Mosteiros pintados de Bucovina

Mosteiros pintados de Bucovina

.
>> 17 – BULGÁRIA – >> É um país de influências gregas, eslavas, otomanas e persas. Sófia, a capital, oferece-lhe a vista da catedral de Alexandre Nevsky. Deve visitar o mosteiro de Rila. Pode apreciar as montanhas de Bansko e Borovets, onde pode fazer ski, as montanhas de Vitosha com 250 quilómetros de trilhos pedestres, as florestas de pinheiros de Pamporovo e banhar-se nas praias de Varna, onde também já me banhei, e Burgas no Mar Negro. A língua é eslava.

Mosteiro de Rila

Mosteiro de Rila

.
>> 18 – POLÓNIA – >> Chamam-lhe a prostituta política por tantas vezes ter sido invadida e repartida. A II Grande Guerra destruiu-a quase completamente. Mas a sua capital, Varsóvia, foi reconstruída mantendo os vários estilos arquitectónicos originais: gótico, renascentista, barroco e neoclássico. A Praça do Castelo com suas esplanadas e a catedral de S. João Baptista são lugares a visitar. Não perca a cidade de Cracóvia, antiga capital, com o castelo de Wawel do séc. XIV, e a Praça do Mercado, medieval, património mundial. Perto fica o antigo campo de concentração nazi de Auschwitz-Birkenau. A moeda é o zloty. A língua eslava será uma dificuldade, mas haverá quem fale Alemão ou Inglês.

Castelo de Wawel

Castelo de Wawel

.
>> 19 – RÚSSIA – >> País imenso, o maior do mundo, cuja capital, Moscovo, lhe mostrará a praça, fortaleza e museus do Kremlin e, a pouca distância, o mosteiro de Serguiev Posad. As cúpulas douradas das igrejas ortodoxas são de uma atração exótica. Não deixe de visitar S. Petersbourg com o mosteiro de Alexandre Nevsky e seu Palácio de Inverno dos czares que alberga o grande Museu Hermitage e muita história antiga e recente. Poderá visitar cidades com lendas como Novgorod e seus monges. Visitar a Sibéria, que ainda nem eu visitei, apesar de ter lá um cunhado, seria uma experiência exótica. Mas só no Verão. De Inverno só dentro de casa ou nos hotéis, com aquecimento central. Se não compreende o Russo, nos hotéis e alguns restaurantes atendê-lo-ão em Inglês. A vida é cara mas, em Moscovo, pode comer no restaurante Baro, em frente do Kremlin, por preços acessíveis e com boa comida. A moeda é o rublo. Encontrará muitas louras, mas também muitas de cabelo preto ou avermelhado, de olhos azuis e verdes, mas também castanhos e mais escuros.

Kremlin

Kremlin

.
>> 20 – BIELORÚSSIA – >> Merece uma visita Minsk, a sua capital quase toda reconstruída, onde ainda ficou de pé a Igreja Vermelha. Um belo lago no meio da cidade, com uma ilhota onde erigiram um monumento aos mortos da guerra do Afeganistão, e grandes florestas-jardins são lugares aprazíveis. Vitebsk, mais a norte, é uma cidade agradável. A vida é mais barata que a nossa. Falam russo ou uma variante deste.

Minsk

Minsk

.
>> 21 – UCRÂNIA – >> Kiev, a capital, banhada pelo grande Dnipro, a igreja de Santa Sofia, do séc. XI, Património Mundial da Unesco, o conjunto de mosteiros de Pecherska Lavra com suas compridas catacumbas onde estão depositadas na rocha escavada as urnas dos patriarcas, bem como o jardim Marininsky e o seu miradouro sobre o Dnipro, com uma estátua de S. Vladimir no monte em frente, são lugares a não perder. Foi no Lavra que se instalaram as tropas invasoras de Napoleão. Ao lado, num local elevado, fica a enorme estátua da Rodina Mat (Pátria) com um museu da II guerra mundial ao ar livre, cheio de estátuas em que se ouve a história da cidade durante a guerra. Como se trata de monumentos construídos pelos russos, têm vindo a ser desmantelados pelos governos pós golpe de Estado em 2014. Uma caminhada pela rua que sai da praça frente à Igreja Santa Sofia até ao Padoi, parte velha junto ao rio, ladeada por vendedores de tudo, mas sobretudo de pinturas, será uma boa recordação. O Golden Gate também merece ser visto, bem como a Avenida Krechatik e a Praça Maidan (da Independência), onde se situa a zona comercial. É bem servida de metro, ainda construído pelos soviéticos, com escadarias imensas. Perto de Kiev há lagos onde pode banhar-se. A moeda é a grivna. Há lojas ou cubículos de câmbio por todo o lado, tal como farmácias e notários. A vida é relativamente barata, embora tenha vindo a aumentar.

Mosteiro de Lavra

Mosteiro de Lavra

Poderá visitar mais que um país se seguir, por exemplo, a rota do Danúbio: Alemanha, Áustria, Eslováquia, Hungria, Eslovénia, Croácia, Sérvia, Bulgária e Roménia, num percurso de 2.850 quilómetros.

(Parte 2 de 4.)

:: ::
«Viagens dum Globetrotter», por Franklim Costa Braga

Deixar uma resposta