Povoado da Idade do Bronze na Serra Gorda

Maria Rosa Afonso - Orelha - Capeia Arraiana

Hoje, sabemos que o povoamento das terras da freguesia de Águas Belas vem de muito longe no tempo e de muito perto no espaço, não distando o primeiro povoado da atual povoação mais de um ou dois quilómetros.

A Serra Gorda em  Águas Belas, concelho do Sabugal

A Serra Gorda em Águas Belas, concelho do Sabugal

Nas escavações realizadas, na Serra Gorda, em setembro de 2002, por uma equipa de arqueólogos, foram encontrados vestígios cerâmicos e elementos de mós de granito de vaivém usados para moer cereal – vestígios idênticos, da mesma época, atestando a presença de outros grupos de pessoas, nas proximidades, foram encontrados no cabeço das Fráguas, freguesia de Pousafoles do Bispo, e no Castelejo, freguesia de Sortelha.

Dessa investigação, resultou um artigo científico (R. Vilaça; M. Osório e M.do C. Ferreira, 2004), onde é possível ler que na Serra Gorda, os dois cabeços mais elevados, entre a Sobreira e a Quinta do Clérigo, houve, há cerca de 3.000 anos – Idade do Bronze Final (finais do 2.º e inícios do 1.º Milénios a.C.) – um assentamento humano, concretamente, no cabeço sul.

Estas pessoas procuravam minérios, estanho e cobre, nas encostas e vales que descem para a serra do Vale de Arca e se estendem até à ribeira da Quarta-Feira, necessários para o fabrico do bronze. Para lá da exploração de minérios, também cultivavam cereais e tinham rebanhos de ovelhas e cabras.

No Museu Municipal do Sabugal, no espaço da exposição permanente, no núcleo dedicada à Proto-história, estão expostos três elementos de mó de granito de vaivém, encontrados nas referidas escavações: dois moventes (a pedra que ficava por cima) e um dormente (a pedra que ficava por baixo). Devidamente, estudados e classificados, são documentos de um inegável valor histórico.

Referência bibliográfica: Nem sempre o que parece, é. Um caso de etnoarqueologia na Serra Gorda (Águas Belas, Sabugal, Guarda). Raquel Vilaça (Universidade de Coimbra), Marcos Osório (arqueólogo da Câmara Municipal do Sabugal) e Maria do Céu Ferreira, (arqueóloga da Câmara Municipal de Trancoso). Norba. Revista de História, Vol. 17, 2004, 137-156.

Blogue sobre Águas Belas… (Aqui.)

:: ::
«A minha terra é Águas Belas», crónica de Maria Rosa Afonso

Deixar uma resposta