Hotel do Cró vai finalmente abrir

Rapoula do Côa - Capeia Arraiana

No sábado, dia 13 de Junho, pelas 10 horas, será oficialmente inaugurado o Hotel Rural das Termas do Cró, na Rapoula do Côa, concelho Sabugal, dois anos e meio após o início da construção.

O Cró Hotel Rural

O Cró Hotel Rural

O acto inaugural vai contar com a presença de Miguel Poiares Maduro, Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, que há alguns meses visitou as Termas. Além do governante são dadas como certas as presenças de Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, e de Pedro Machado, presidente da Turismo Centro.
Os ex-presidentes da Câmara Municipal do Sabugal, Joaquim Portas, José Freire, António Morgado e Manuel Rito, foram convidados a estar presentes.
A unidade hoteleira, que foi edificada ao lado do novo balneário termal, com os dois edifícios interligados, representa um investimento de três milhões de euros, dos quais perto de 2,2 milhões foram de comparticipação europeia.
O hotel é inaugurado ao fim de dois anos e meio do início das obras – a primeira pedra foi colocada em 15 de Dezembro de 2012, pelo então Secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques, altura em que se garantiu que as obras estariam prontas no final de 2013.
Porém todo o processo de concurso tendente à construção do hotel esteve carregado de vicissitudes.
Em 2010 foi lançado um primeiro concurso, que ficou deserto, face ao desinteresse dos investidores.
No início de 2012 a Câmara lançou novo concurso, deixando cair a exigência de reversão do edifício para a Câmara no final da concessão, definindo antes que os terrenos para a construção seriam vendidos a preço simbólico. Apresentou-se apenas um interessado, a empresa Natura Empreendimento, sedeada na Meda, especializada em turismo em espaço rural.
Porém, logo após o anúncio da concessão, surgiu um novo problema: os terrenos de implantação estavam classificados e houve que elaborar um Plano de Pormenor do local, de modo a que fosse legalmente permitida a construção.
A arquitectura do hotel tem levantado também polémica, havendo quem a considere moderna, original e inovadora, e que a classifique como aberração arquitectónica e elemento estranho ao espaço rural em que se integra.
plb

Deixar uma resposta