Nas asas de Pegaso

Alcínio Vicente - Aldeia do Bispo - © Capeia Arraiana

Mais um poema e uma pintura de Alcínio Vicente, em que nos transporta nas asa de Pegaso, voando pelos céus do pensamento.

Uma pintura de Alcínio plena de cor e de movimento

Uma pintura de Alcínio plena de cor e de movimento

Voo nas asas de Pégaso cruzando o azul dos céus
Sigo a na ânsia de o paraíso descortinar
Turvam-se-me os sentidos
Com a miragem do mundo novo para explorar
Tempestades e noites sombrias que o sol desvaneceu
Renasce no meu espírito um mundo nunca meu
Que na minha alma amanheceu
Sigo o imaginário em busca dum mundo novo
Porque o que conheço já se tornou banal
O belo é um conceito ideal, irreal
Porque só é perfeito quando imaterial
Vou de página em página de pensamento em pensamento
De pessoa para pessoa, de dia para noite de luar para luar
Sempre na expectativa de o encontrar
À condição humana nunca passará de aspiração
Há quantos anos procuro uma solução
Busca após busca encontro a decepção
Caminhamos nas asas dessa sedução
De ilusão em ilusão caminhamos
Como nuvens cinzentas e frias tormentas
Que este mar azul do sol veio apagar
Sou como nuvem em dissipação
Pó que um dia o vento espalhará pelo chão
Viverei na flor, na árvore, na fonte de água cristalina
E fará o mundo emocionar numa nova criação

:: ::
«Vivências a cor», de Alcínio

Deixar uma resposta