O falar de Riba Côa – o léxico (126)

O Falar de Riba Côa - Paulo Leitão Batista - © Capeia Arraiana

Damos continuidade à apresentação do léxico «O Falar de Riba Côa» com as palavras e expressões populares usadas na raia ribacudana.
Entre os termos SOTA e SUSTÂNCIA.

SOTA – carta de jogar (dama) – «Dava sota e às por toda a redondeza» (Abel Saraiva). Mulher vadia (José Pinto Peixoto).
SOTAL – creolina (Duardo Neves) – substância anti-séptica, muito usada na desinfecção de cortelhos onde tenham morrido porcos doentes.
SÓTÃO – loja esconsa em piso inferior; cave. «Lá na aldeia os sótãos ainda são em baixo, pois também em Espanha los sotanos são na cave e nunca na mansarda, ao contrário do que vai sendo hábito inveterado da demonímia lisboeta» (Pinharanda Gomes).
SÓTO – estabelecimento comercial; loja; comércio; venda (Júlio António Borges).
SOVADO – sujo; imundo – «Samarra sovada de sebo» (Carlos Guerra Vicente). Amassado.
SOVAR – amassar o pão.
SOVELA – instrumento usado por sapateiros e correeiros para abrir no cabedal os furos por onde fazem passar a cerda com o fio. Sovina; egoísta (Carlos Guerra Vicente).
SOVENTO – sujo; sovino; porcalhão.
SOVENTRE – parte da barriga do porco, de entre as mamas ou mamilos, que faz parte de uma tira que se corta de alto a baixo no dia matança. Carne entremeada.
SOVINA – pessoa mesquinha; somítica. Peça do formato do chambaril, mas pequena, que serve para atar o bucho, normalmente feita com pau de buxo.
SOVINO – sujo; lambuzado; porcalhão. Estás um sovino.
SUÃ – coluna vertebral do porco e carne dessa zona.
SUADOURO – acto ou efeito de suar – Estou num suadouro. Bebida terapêutica, composta por vinho quente com uma planta aromática, que provoca o suor a quem a bebe, assim curando febres e constipações. «A dona da casa aconselhou um suadouro de alecrim» (Joaquim Manuel Correia).
SUÃO – vento quente vindo do sul. No inverno, o vento suão traz a chuva na mão. Também se diz sulano.
SÚCIA – grupo de gente desprezível; de má índole. Grupo de amigos que se juntam em festa.
SULANO – vento quente vindo do sul. O m. q. suão.
SUMIÇO – desaparecimento; descaminho. Levou sumiço.
SUPRIR – avultar; prover; produzir o m. q. graiar. «Este ano não está a suprir nada!» (Carlos Guerra Vicente).
SUQUEDEIRA – comida – termo da gíria de Quadrazais (Franklim Costa Braga).
SUQUIR – comer – termo da gíria de Quadrazais (Franklim Costa Braga).
SURDIR – surtir; render; compensar; dar para muito; trabalhar depressa; despachar; desembaraçar.
SURRA – sova; tareia.
SURRÃO – bornal onde o pastor transporta a merenda. O m. q. sarrão.
SURRAR – bater; sovar. Gastar a superfície com o uso.
SURREIRA – imundice; sujeira (Júlio António Borges).
SURRIBAR – escavar a terra (Júlio António Borges).
SURRICAR – esforço que as crias fazem para mamar quando as tetas das mães têm pouco ou nenhum leite (Abel Saraiva).
SURRIPIAR – roubar; furtar.
SURRO – sujidade proveniente do suor. Gorcho de leite mamado directamente da cabra (Júlio Silva Marques).
SURROBECO – pano grosseiro, do qual eram feitas as melhores calças do lavrador.
SUSPIRAÇÃO – respiração (Clarinda Azevedo Maia).
SUSTÂNCIA – substância; conteúdo; alimento. Canja de galinha (Duardo Neves, Clarinda Azevedo Maia). «A prática do Sr Abade teve muita sustância, foi curta e pouco enfadonha« (José Pinto Peixoto).
:: ::
Paulo Leitão Batista, «O falar de Riba Côa»

leitaobatista@gmail.com

One Response to O falar de Riba Côa – o léxico (126)

  1. No Casteleiro, usavam-se termos como:

    SÓTÃO, SOVAR, SOVELA, SOVENTO (penso que o original seria sebento), SOVENTRE (que bom que era…), SOVINA, SUÃ, SUADOURO, SURDIR, SURRA, SURRAR, SURRIPIAR, SURROBECO (lido assim… atenção: xarrebeque), SUSPIRAÇÃO (penso que sim) e, finalmernte, com uma notinha de rigor localista: SUSTÂNCIA – não, mas sustança, isso sim…

    Assim se fala nas várias sub-regiões da nossa terra comum!!!!!

Deixar uma resposta