Recriação da Paixão de Cristo em Vilar Maior

Religião - © Capeia Arraiana (orelha)

Na noite de Sexta-Feira Santa, 18 de Abril, a aldeia preservada de Vilar Maior voltará a recriar o ambiente da cidade de Jerusalém do tempo de Jesus. A Paixão de Jesus volta às ruas desta povoação do concelho do Sabugal, desta vez segundo o olhar de São Mateus.

Paixão de Cristo em Vilar Maior 2013 - Capeia Arraiana

Paixão de Cristo em Vilar Maior em 2013

A Unidade Pastoral do Planalto do Côa (UPPC) vai organizar pelo quarto ano consecutivo a encenação da Paixão de Jesus. O Conselho Pastoral de Leigos das sete paróquias da UPPC avaliou a encenação realizada em 2013 e considerou-a uma actividade pastoral inter-paroquial abrangente, útil e estratégica, seguindo os parâmetros da nova evangelização. Avaliadas as condições físicas, históricas e patrimoniais que Vilar Maior proporciona, decidiu-se repetir esta actividade na mesma localidade.
A coordenação geral da encenação está a cargo do pároco, Padre Hélder Lopes e de João Reis, que volta a desempenhar o principal papel. A encenação envolve quase duas centenas de colaboradores, divididos pelas equipas técnicas, equipa de actores e equipa de guarda-roupa. Salienta-se que todos os intervenientes são amadores, sem formação profissional na área da representação teatral, mas todos têm uma enorme coragem e vontade de ajudar a representar cenas evangélicas da vida de Cristo.
Houve a preocupação de não cair no facilitismo de repetir o que já foi feito em anos anteriores. Por isso o texto e o percurso que agora são apresentados são diferentes do ano passado. Os textos foram seleccionados da versão de Mateus, evangelista que se lê ao longo deste ano litúrgico, e no processo de adaptação dos textos foram escolhidas algumas passagens do Evangelho que antecedem a Paixão de Jesus, e que ajudam a ter uma perspectiva mais abrangente da vida e missão do Messias: a pregação do João Baptista, o baptismo de Jesus, o discurso das Bem-aventuranças, a travessia do mar da Galileia, a confissão messiânica de Pedro e a transfiguração no monte Tabor, entre outras. Os intervenientes na encenação são todos voluntários e naturais de localidades dos concelhos do Sabugal e de Almeida, nomeadamente Vilar Maior, Arrifana, Badamalos, Carvalhal, Bismula, Ruivós, Ruvina, Vale das Éguas, Rapoula do Côa, Baraçal, Sabugal, Aldeia de Santo António, Quarta Feira, Rebolosa, Soito, Nave, Alfaiates, Valongo, Seixo do Côa, Peroficós, Miuzela, Malhada Sorda e Vilar Formoso.
A organização está a cabo da Unidade Pastoral do Planalto do Côa e da Santa Casa da Misericórdia de Vilar Maior. A peça conta com o apoio da Câmara Municipal do Sabugal e da União de Freguesias de Vilar Maior, Aldeia da Ribeira e Badamalos. Até ao momento foram estabelecidas parcerias com o jornal «A Guarda», o jornal «Amigo da Verdade», o jornal «Cinco Quinas», o blogue «Capeia Arraiana» o Colégio de Cristo Rei da Ruvina, as Confecções «Torre», o grupo de bombos «Couros de Cabra», o grupo de teatro «Guardiões da Lua», o estúdio «Foto Arte», a tipografia das «Oficinas de S. Miguel», a empresa de designer «Wok Design», a GNR do Soito e os Bombeiros Voluntários do Soito.
A organização está a preparar tudo com entusiasmo e, apesar de não possuir os todos recursos técnicos que gostaria, promete não deixar indiferente aqueles que visitarem Vilar Maior no dia 18 de Abril às 21:30 horas.

Palavras do Pároco na apresentação do Texto/Guião da Paixão 2014
O Evangelho deve ter uma centralidade especial na vida da Igreja e na vida de qualquer cristão. Isso mesmo nos lembra o Papa Francisco na sua primeira exortação apostólica. Ele recorda-nos que «a Alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Aqueles que se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria» (Evangelii Gaudium 1). É esta alegria que brota do Evangelho que queremos viver e transmitir a tantos outros cristãos; uns que vivem com empenho o serviço nas suas paróquias; outros talvez mais afastados da vivência comunitária da fé cristã, mais adormecidos na tarefa constante de amadurecimento cristão.
O que nos move nesta tarefa é dar glória a Deus; é conhecer melhor a Sua Palavra, Jesus Cristo encarnado; é fazer verdadeira evangelização.
Com muita simplicidade, dentro das nossas capacidades humanas e técnicas, fiéis ao espírito do Evangelho de Mateus, queremos recriar, uma vez mais, os espaços e as circunstâncias da vida de Jesus.
Procurámos não cair no facilitismo de repetir o que já foi feito em anos anteriores. Por isso o texto e o percurso que agora são apresentados são diferentes do ano passado.
Tenho a certeza de que este é um novo e muito frutuoso caminho de «Nova Evangelização». Respondemos assim ao desafio do Santo João Paulo II e do Papa Francisco que nos advertem: «Não pode haver verdadeira evangelização sem anúncio explícito de Jesus como Senhor» e sem existir uma «primazia do anúncio de Jesus Cristo em qualquer trabalho de evangelização». (…) Se a Igreja «deve realizar o seu destino providencial, então uma evangelização entendida como o jubiloso, paciente e progressivo anúncio da Morte salvífica e Ressurreição de Jesus Cristo há-de ser a nossa prioridade absoluta». (EG 110).
Vilar Maior, Quaresma de 2014
Pe. Hélder José Tomás Lopes

3 Responses to Recriação da Paixão de Cristo em Vilar Maior

  1. JFernandes diz:

    A recriação da paixão de Cristo em Vilar Maior é já um acontecimento que há muito extravasou o carácter local. Não sendo um católico praticante, não posso ficar indiferente a uma iniciativa como esta que felizmente vai anualmente acontecendo.
    São eventos como este e outros semelhantes mesmo de natureza mais profana que permitem o desenvolvimento e conhecimento das nossas terras.
    A característica que mais me emociona neste evento é o voluntariado e amadorismo dos participantes e principalmente a abrangência que se estende às várias localidades da zona que igualmente participam com alguns dos seus habitantes.
    evento transforma-se assim numa manifestação colectiva e popular duma região que todos os dias grita que está viva.
    Parabens a quem organiza.
    Todos devemos apoiar.
    JFernandes

  2. António Alves Fernandes diz:

    As obras tem todos autores. Este evento de grande religiosidade, lembra-me os cenários quaresmais,e o Padre Ezequiel Augusto Marcos, fazia na Paróquia da Bismula, há sessenta anos.
    Felicito o Padre Hélder Lopes, o rosto deste projeto, o obreiro desta obra, contando com o apoio de muitos cristãos do Planalto do Ribacoa, das gentes arraianas, de que tenho muito orgulho de pertencer.

  3. António Alves Fernandes diz:

    Este evento recorda os cenários quaresmais e pascais, que o Padre Ezequiel Augusto Marcos, dinamizava na Paróquia da Bismula, há sessenta anos.
    Neste evento de Vilar Maior, tenho de felicitar p Padre Hélder Lopes, o rosto deste projeto, o obreiro desta lição de catequese, que conta com diversos apoios, principalmente dos cristãos da Zona Arraiana, de que me orgulho pertecer.

Deixar uma resposta