Bonita jornada de convívio micológico

José Manuel Campos - Nascente do Côa - © Capeia Arraiana

É sempre com um prazer imenso que vou a Malcata. Desde os tempos de jovem estudante que me habituei a conviver com as gentes de Malcata e a participar nas mais diversas actividades de índole sócio culturais. Foram muitos os encontros de futebol – e nem só – que organizámos, quer em Foios quer em Malcata, e que terminavam sempre com excelentes convívios onde o cabrito e o excelente queijo cabreiro nunca podiam faltar. Que saudades das casas do Ti Joaquim Ruvino, do Ti Chico da Clara, ou do Ti Jeró, onde depois dos jantares surgiam as guitarras e as violas para acompanharem o «Cielito Lindo» ou «Quando Sali de Cuba»!

Convívio Micológico na Malcata - Capeia Arraiana

Convívio Micológico na Malcata - Capeia Arraiana Convívio Micológico na Malcata - Capeia Arraiana Convívio Micológico na Malcata - Capeia Arraiana
Convívio Micológico na Malcata - Capeia Arraiana Convívio Micológico na Malcata - Capeia Arraiana Convívio Micológico na Malcata - Capeia Arraiana

(Clique nas imagens para ampliar.)

Depois de muitos anos passados eis que surgiu o «Invido» que é um jogo de cartas, importado da Argentina, e que na zona apenas se joga nestas duas freguesias. Desde há uns anos a esta parte que, alternadamente, cumprimos um calendário que sempre faz deslocar vinte e cinco ou trinta fojeiros ou malcatanhos à freguesia organizadora. E com uma particularidade. Depois do almoço e dos jogos das cartas fazemos a ronda pelas ruas da freguesia onde acontece o convívio.
Hoje o pretexto para a deslocação a Malcata teve a ver com uma jornada micológica que foi promovida pela Associação Cultural e Desportiva da Malcata (ACDM) e pela Junta de Freguesia local.
Muito embora a manhã estivesse algo fria as pessoas não deixaram de comparecer para participar, na busca das mais diversas espécies de cogumelos.
O responsável técnico foi, mais uma vez, o Sr. Eng.º Gravito Henriques, técnico do Ministério da Agricultura que, desde há longos anos, tem colaborado com as mais diversas associações e autarquias para transmitir os seus excelentes conhecimentos.
Confesso que muito devemos a este Senhor que, a expensas próprias, nos vai ensinando e conhecer, mais e melhor, o complexo mundo dos cogumelos. Obrigado Senhor Engenheiro.
Esta jornada realizou-se já um pouco tarde mas, mesmo assim, ainda deu para se recolherem variadíssimas espécies. À medida que iam aparecendo logo Sr. Eng.º Gravito reunião o grupo para, in loco, nos falar das respectivas características.
Por volta das 13 horas, depois de termos tomado o respectivo aperitivo, ocupámos os lugares em torno das mesas onde cada participante colocou a merenda que levava e que foi compartida, familiarmente, por todas as pessoas. Melhor que uma boda, alguém comentou.
No fim do almoço o Prof. Rui Chamusco, presidente da ACDM, deu algum tem livre para as pessoas poderem ir tomar café aos bares da localidade. Assim aconteceu.
Cerca das 15 horas retomaram-se as actividades, com todas as pessoas bem acomodadas, na sede da Associação, onde o Sr. Eng.º Gravito, mais uma vez, falou das muitas espécies de cogumelos que estavam colocados nas respectivas mesas e respondeu às muitas questões que as pessoas lhe colocavam.
Por volta das 16 horas foi a vez de um jovem, de nome Fernando, do Fundão nos ter demonstrado como se podem produzir cogumelos nas nossas casas, através de uns métodos modernos que, sinceramente, entusiasmam a assistência. (ver foto.)
Como constava no programa, cerca das 17 horas, todas as pessoas ocuparam lugar nas mesas para ser servido um delicioso arroz de cogumelos que acabara de ser cozinhado por quatro ou cinco simpáticas meninas a quem temos que dar os respectivos e sinceros parabéns.
Já com os estômagos mais ou menos reconfortados tivemos que ainda arranjar espaço para o caldudo, de castanhas, que para umas pessoas constituiu novidade e para outras um matar saudades.
Depois desta curta e simples exposição e julgando interpretar fielmente o sentimento de todos os participantes, só me resta agradecer a todas as pessoas que estiveram envolvidas em mais esta actividade que, no fundo, foi mais uma, das muitas, a que Malcata já nos habituou.
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia de Foios)
jmncampos@gmail.com

Deixar uma resposta