Companhia Nacional de Bailado no TMG

TMG - Teatro Municipal da Guarda - © Capeia Arraiana

O Teatro Municipal da Guarda (TMG) apresenta no próximo dia 26 de Outubro, sábado, a Companhia Nacional de Bailado que repõe três peças da incontornável bailarina e coreógrafa belga Anne Teresa De Keersmaeker no Grande Auditório pelas 21h30.

Companhia Nacional de Bailado

Companhia Nacional de Bailado

Este programa de Anne Teresa De Keersmaeker é composto por três obras fundamentais do seu repertório: “L’après-midi d’un Faune” de Debussy, “Grosse Fuge” de Beethoven e “Noite Transfigurada” de Schoenberg. A relação da coreógrafa com a música, que lhe valeu o título de “chorégraphe musicienne”, está bem patente nesta selecção inédita de peças que a Companhia Nacional de Bailado vai interpretar.
Anne Teresa De Keersmaeker é uma proeminente coreógrafa belga, actualmente considerada por muitos a maior figura da coreografia a nível mundial. Realizou os estudos de dança na escola MUDRA, fundada em Bruxelas, por Maurice Bejart, e na Tisch School of the Arts, em Nova Iorque. Possui o doutoramento honoris causa atribuído pela Universidade Flamenga de Bruxelas. Autora de mais de quatro dezenas de obras coreográficas, em 1983 fundou a companhia Rosas que nove anos mais tarde se torna Companhia residente da Ópera Nacional La Monnaie, em Bruxelas. Temsido frequentemente convidada a apresentar criações em parceria com prestigiadas programações como a dos festivais de Avignon, Holland Dance, ou de salas como a Brooklyn Academy of Music.
Anne Teresa coreografou, ainda, especificamente para filmes de Peter Greenaway e Thierry De Mey. Dirigiu óperas de Bartok, Verdi e Hosokawa. Foi distinguida, quer pelos filmes, quer pelas coreografias, com prémios internacionais no Japão, Reino Unido, Bósnia-Herzegovina, Itália, França, Grécia e Bélgica. O Governo Francês atribuiu-lhe os graus de Oficial e de Comendadora, ambos da Ordem das Artes e das Letras. Em 1998, cria para a Companhia Nacional de Bailado, The Lisbon Piece, a única obra que até à data coreografou para uma companhia que não dirige. Anne Teresa de Keersmaeker foi a Artista na Cidade Lisboa 2012, bienal que a homenageou com uma programação que envolveu o alkantara festival, o Centro Cultural de Belém, a Companhia Nacional de Bailado, a Culturgest, a EGEAC, o Festival Temps d’Images, a Fundação Calouste Gulbenkian, o Teatro Maria Matos e o Teatro São Luiz.

Cinema no Pequeno Auditório
Na terça, dia 29 de Outubro o TMG apresenta “À procura de Sugar Man” de Malik Bendjelloul. O filme, para maiores de 12 anos, é apresentado no Pequeno Auditório, às 21h30.
“À procura de Sugar Man” é um documentário sobre o músico folk nascido em Detroit (EUA) Sixto Rodriguez aclamado pela crítica mas desconhecido do grande público. Rodriguez é o maior ícone de rock dos anos 70 que nunca o chegou a ser. Momentaneamente aclamado como o melhor cantor e compositor da sua geração, Rodriguez caiu no esquecimento – renascendo das cinzas num contexto completamente diferente, a um continente de distância. O músico viria a vingar na África do Sul onde se tornou o ídolo de uma geração. Um filme sobre a esperança, a inspiração e o poder de repercussão da música.
O filme ganhou o Óscar de melhor documentário e também um BAFTA na mesma categoria.

Últimos da exposição de Alberto Carneiro
Está patente na Galeria de Arte do TMG até 27 de Outubro a exposição “Meu corpo vegetal” do escultor da natureza Alberto Carneiro.
Alberto Carneiro nasceu em 1937. Entre os 10 e os 21 anos, aprendeu o ofício de santeiro nas oficinas de arte sacra da sua terra natal. Diplomado pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto e Pós-Graduado pela Saint Martin’s School of Art de Londres. Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian: Porto e Londres e Professor Associado, Agregado pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto.
Leccionou no Curso de Escultura da ESBAP, no Curso de Arquitectura da FAUP e foi responsável pela orientação pedagógica e artística do Círculo de Artes Plásticas, Organismo Autónomo da Universidade de Coimbra. Dedicou-se ao estudo do Zen, do Tao, do Tantra e da Psicologia Profunda. Viajou pelo Oriente e pelo Ocidente para viver e interiorizar outras culturas. Expõe desde 1963. É um dos mais importantes escultores portugueses da actualidade.
Sobre esta exposição, o artista escreveu: «Estas esculturas são vivências vegetais do corpo como natureza, na busca da sua realização poética. O meu corpo vegetal revela quarenta e nove mementos estéticos sobre a terra e figura a Mandala do seu ser. Vinte e uma esculturas de uma única árvore, um castanheiro secular, para a unidade da exposição. E ainda o meu corpo floresta, árvore, flor e fruto: casa do corpo e da floresta».
A exposição poderá ser visitada de terça à sexta das 16h às 19h e das 21h00 às 23h, aos sábados das 15h às 19h e das 21h00 às 23h e aos domingos das 15h às 19h. É apresentada no TMG numa parceria com os Artistas Unidos. A entrada é livre.
Susana Adaixo (TMG)

Deixar uma resposta