Freguesias do concelho do Sabugal em 1758 (35)

Censos 1758 - © Capeia Arraiana

:: :: RENDO :: :: Os manuscritos depositados na Torre do Tombo, em Lisboa, são a resposta a um inquérito censório a todo o reino assinado pelo Marquês de Pombal três anos após o terramoto de 1755. O Capeia Arraiana está a publicar as respostas dos párocos das paróquias das 40 freguesias do concelho do Sabugal agora que, pelo menos 10 das retratadas, vão desaparecer para sempre por obra e graça dos senhores mandantes da troika europeia.

Igreja Matriz de Rendo - Sabugal - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Igreja Matriz de Rendo – Sabugal

RENDOO Cura Domingos de Afonseca refere as quintas e os lugares que são anexos de Rendo: Cardial, Pouca Farinha, Palhaes, Foz e Val Verdinho.

Comarca de Castelo Branco, Termo do Sabugal, Bispado de Lamego.
Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Dicionário Geográfico, vol. 31, doc. 65, p. 359.
Património arquivista da Paróquia de Rendo entre 1674 e 1911.
Aqui.

Ordem que Sua Magestade Fidelissima manda, e hé informação desta terra de Rendo e suas anexas, pelos interrogatorios da relação adiante junta, e mandada dar a sua devida execução pelo excelentissimo e Reverendissimo Senhor Dom Frei Feliciano de Nossa Senhora, Bispo deste Bispado de Lamego.

Da noticia que Sua Magestade manda, e hé desta terra de Rendo e suas anexas, pelos interrogatórios e itens da relação retro com o que nela se procura saber, há o seguinte:

1 – Fica esta terra na Provincia da Beira Alta, Bispado de Lamego, Comarca de Castelo Branco, termo da Vila do Sabugal. Não pertence a outra Freguesia.

2 – Hé Donatario o Conde Meirinho-mor.

3 – Tem cento e oitenta e oito vezinhos, e pessoas de sacramento quatrocentas e cincoenta, e menores noventa e outo.

4 – Fica situada esta terra em hum outeiro, e as ruas hé com pedras tal, que servem de calçada muito desigual, e os alicerces das cazas, quazi todas são fundadas em pizarra dura. Descobre-se desta terra o Lugar de Vila Boa, e Ruvina com distancia de tres quartos de legoa; a Rapoula e Baraçal com a mesma distancia, e estes são Bispado da Guarda; Vila do Touro com distancia de huma legoa, do mesmo Bispado, e a Guarda com distancia de sinco legoas pouco menos.

5 – Hé termo da Villa do Sabugal; os Lugares que estão sujeitos são humas Quintas; Cardial que consta de trinta vizinhos, Pouca Farinha que terá vinte, Palhaes que terá vinte, outra chamada a Foz que tem dois, Val Verdinho que tem tres. Todas são anexas a esta Terra.

6 – A Igreja Parochial está fora da Terra, distancia de cincoenta varas; estão obrigados a virem a missa e a receberem-se, baptizarem-se, e enterrarem-se, os das Quintas acima nominadas; e tem duas naves dela da parte a Igreja.

7 – Hé Orago o Martir Sam Sebastião. Tem a Igreja Matriz tres altares: altar maior, onde está o Santissimo Sacramento e o Orago da Igreja, e Sam João Baptista; e dois colateraes, hum da Senhora do
Rozario, e outro do Menino Deos. Tem huma Irmandade do orago Sam Sebastião.

8 – O Parocho hé Cura, com aprezentação do Reverendo Arcediago de Cima Coa, conego prebendado na Cathedral de Lamego e Abbade deste Lugar de Rendo. A Pedro de Tavora e Sam Paio, rende-lhe esta Abbadia, huns annos pellos outros, cento e oitenta mil reis; e paga ó Cura dez fanegas de senteio e outras dez de trigo. Tem mais o dito Reverendo Arcediago, em todas as Igrejas de Riba Coa, sinco alqueires de cada semente que se colher, como de trigo, senteio, cevada e milho. Tem mais mil e quinhentos em cada huma das ditas Igrejas, pella obrigação de vir a cada huma dellas repartir os Santos Oleos, todos os annos, entre as Pascoas, como Visitador no Espiritual. Tem jurisdição de mandar fazer as obras que forem precisas em cada huma das Igrejas, e tomar conta todos os annos os fabricarios dellas, dos seus rendimentos, com Livro que em cada huma dellas há. Todo esse rendimento hé fora o da cadeira em Lamego, onde tem obrigasam de assistir e assiste.

9 – Nada a este.

10 – Não há conventos.

11 – Nada.

12 – Não há Misericordia.

13 – Há no meio do povo huma Capella com o titulo de Santo Antonio, que hé do povo, com seu reduto ó redor; tem outra fora do povo, com distancia de hum quarto de legoa, chamada ou com o titulo de
Senhora da Torre; fica em campina, hé anexa a Igreja Matriz e do povo. Tem outra particular, ó cimo do povo, pegada às ultimas cazas, de Sam Francisco, que a instituiu hum Cura que foi colado nesta Igreja e chamado Francisco da Fonseca; haverá quatro annos se diz missa nella, e de prezente hé administrador o Padre Domingos da Fonseca, da Praça de Almeida. Tem na Quinta de Palhaes huma Ermida no meio da Quinta, de Sam Miguel. Tem outra em Pouca Farinha, no meio da Quinta, do Espirito Santo. Outra na Quinta do Casal, no meio, de Santa Barbara. Todas estão sugeitas à Igreja Matriz desta Terra.

14 – Não acode a nenhuma dellas, em tempo algum, romagens.

15 – Os frutos qus se colhem com maior abundancia hé senteio, algum trigo, cevada e milho miudo pouco, e alguma castanha.

16 – Tem dois Juizes chamados da Vara, sugeitos ao ordinario da Villa do Sabugal.

17 – Não há nada que dizer a este.

18 – Não há memoria de que sahissem insignes, e nada mais.

19 – Não há Feira.

20 – Não há nada a este.

21 – Dista a cidade de Lamego vinte legoas, e Lisboa cincoenta.

22 – Não há privilegios.

23 – Nada que dizer a este.

24 – Não hé porto de Mar.

25 – Não hé murada; somente tem hum reduto da Capella de Santo Antonio, que serve para defesa da terra, com altura de vinte palmos, e suas buracas para tirarem; se diz recolhiam dentro da Capella o movel mais preciozo, roupas e arcas, e outras couzas que podiam acomodar, isto era no tempo da guerra; tem mais duas atalaias, huma ó cimo do povo e a outra no meio para huma ponta; é alto, e não tem mais nada.

26 – Não padeceu ruina no terramoto do anno de 1755; só o tremedouro e cairam duas outras pedras de huma cornija da Igreja Matriz.

27 – Não há mais digno de memória, de que se faça mensão neste interrogatório.

Segundo Interrogatório

Neste segundo interrogatório, não há dê que se da noticia, por não haver Serra.

Terceiro interrogatório

1 – Fica o Rio Coa com distancia desta terra hum tiro de bala de huma pessa de artelharia; nasce simo do Lugar dos Foyos, que dista deste tres leqoas, na Serra das Mezas, junto à Raia de Catella.

2 – Não nasce caudalozo, mas de humas lagoas ou fontes, e neste lemite corre todo o armo.

3 – Entra neste lemite huma Ribeira chamada de Palhaes, e entra ó pé do Cabeço chamado de Caria Talaia, com distancia desta terra huma pequena leqoa; e esta tal Ribeira tem os seus principios às Morganheiras, entre Villa Boa e Souto, e entra no Rio Coa.

4 – Não hé navegavel.

5 – Não hé de curso arrebatado neste lemite.

6 – Tem sua corrente do Sul ao Norte.

7 – Cria peixes com abundancia, barbos e bogas, em menos abundancia trutas, bordalos e inguias, enquanto a este lemite.

8 – Em todo o anno se pesca nelle toda a pessoa que quer.

9 – As pescarias são livres, e não senhorio particular.

10 – Cultivam-se as suas margens, e se semeia centeio, trigo, e algumas outras de feijam e milho; tem as suas ribanceiras de huma e outra parte muita arvore silvestre, amieiros e alguns carvalhos.

11 – Não consta as agoas tenham virtude particular.

12 – Sempre tem conservado o mesmo nome de Rio Coa, e não haá memoria tivesse outro nome.

13 – Morre no Rio Douro, a Villa Nova onde chamam Fozcoa.

14 – Não tem cachoeira alguma, somente açudes dos moinhos, e não impede as passajens a pé e a cavalo fora de invernadas.

15 – Não tem neste sitio ponte alguma, de pao ou cantaria, e se passa por poldras ou passadeiras de pedra, e a ponte que dista mais perto hé a do Sabugal, com distancia de huma legoa para sima, e para baixo outra, com distancia de duas legoas, chamada a ponte de Siqueiros, ambas de cantaria.

16 – Todo o rio tem moinhos de moer pam, e neste lemite tem trez, e não tem outro algum engenho; e a Ribeira de Palhaes, asima ja relatada, que se mete neste rio, tem quatro moinhos e hum pizão, e tem huma ponte de pedra com distancia deste lugar hum tiro de pessa de dois olhais e baixa, sem goardas, quando se passa para a Ruvina e mais Lugares adiante, e dela para este e Sabugal.

17 – Não consta neste lemite se tenha tirado ouro de suas areas, e principalmente no prezente tempo.

18 – Hé rio que não rega campo algum, nem para este efeito se lhe aproveitam as agoas, por não poderem sair fora delle para os campos; e são livres sem alguma pensão.

19 – Donde nasce o rio thé onde acaba, seram dezassete ou dezoito legoas; passa pelo meio dos Foyos, ó pé de Val de Espinho, Coadrazais, Sabugal, e este de Rendo, Vai das Éguas, Val Longo, Vadamallos, e dai, para baixo da Ponte de Siqueiros; e dali para baixo se dará noticia em outras relações; estes povos são da parte de cá do rio; e para a de além hé Malcata, as Ouintas de S. Bartolomeu, a Ouinta das Vinhas, a de Roque Amador, o Lugar da Rapoula, Seixo do Coa; todos estes são Bispado da Guarda. E para baixo se dará noticia.

20 – Nam me consta haja outra coiza notavel de que se possa dar mais noticia, neste e nos mais interrogatórios, pois me informei com pessoas antigas nesta freguezia, e tenho cumprimento a ordem que se me enviou por mandado do Excelentissimo e Reverendissimo Senhor Dom Frei Feliciano de Nossa Senhora, e vai remetido na forma da dita ordem.

Rendo, 3 de Junho de 1758.
O Cura: Domingos de Afonseca

:: ::
Ver perguntas do inquérito. Aqui.
Fonte: Alfaiates-Na órbita da Sacaparte. Autores: Pe. Francisco Vaz e Pe. António Ambrósio.
(Continua.)

jcl

Deixar uma resposta