Freguesias do concelho do Sabugal em 1758 (32)

Censos 1758 - © Capeia Arraiana

:: :: SEIXO DO CÔA :: :: Os manuscritos depositados na Torre do Tombo, em Lisboa, são a resposta a um inquérito censório a todo o reino assinado pelo Marquês de Pombal três anos após o terramoto de 1755. O Capeia Arraiana está a publicar as respostas dos párocos das paróquias das 40 freguesias do concelho do Sabugal agora que, pelo menos 10 das retratadas, vão desaparecer para sempre por obra e graça dos senhores mandantes da troika europeia.

Igreja Matriz do Seixo do Côa - Censos 1758 (foto: Capeia Arraiana)

Igreja Matriz do Seixo do Côa (foto: Capeia Arraiana)

SEIXO DO CÔAO Cura Manuel José Raúl informa que a sua freguesia anexa duas «quintas»: a Quinta de Martim de Pega com a sua ermida de Santo Amaro e a Quinta de Peroficós. Para ele o Rio Côa nasce no Reino de Espanha numa terra a que chamam Foyos.

Comarca da Guarda, Termo da Guarda, Bispado da Guarda.
Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Dicionário Geográfico, vol. 34, doc. 113, p. 865.
Património arquivista da Paróquia do Seixo do Côa entre 1600 e 1911.
Aqui.

Esta terra fica na provincia da Beyra Alta, pertence ao Bispado, Comarca, e Termo da cidade da Guarda. Pertence ao Estado Real. Tem cem vezinhos e duzentas e setenta pessoas.

Está situada em hum monte, e este corre do Norte para o Sul. Della se avistam tres Lugares: hum se chama Valongo, outro Vadamalos, e outro Arrifana. Todos os tres pertencem ao Bispado de Lamego. A distancia que áa desta terra a Valongo hé meyo coarto de legoa; a Vadamalos huma legoa; e a Arrifana legoa e meia.

A parrochia desta terra está situada ao cimo do Lugar. Tem esta freguezia duas Quintas: huma se chama Martim de Pega. Esta tem huma Ermida de Santo Amaro, aonde costumam os moradores desta terra hir em romaria, huma vez no anno, na semana das Ladainhas de Mayo. A outra Quinta se chama Peroficós. Tem huma Ermida de Santo IIdefonso; a esta se vay tambem em romaria no dia do mesmo Sancto.

O Orago desta Parrochia he Sancta Maria Magdalena; tem tres altares: no primeiro está o Sanctissimo Sacramento; no segundo, Nossa Senhora das Neves; e Confraria do Santissimo Sacramento.

Tem mais duas Ermidas fora do Lugar: huma de Sam Sebasthiam e outra de Sancta Barbara.

O Parrocho desta freguezia hé Cura annual; hé.aprezentado pello Prior do Lugar da Faia. Tem de renda o Parrocho desta freguezia vinte mil reis incertos.

Os frutos desta terra em maior abundancia hé centeio e trigo e vinho.

Esta terra tem Juis da vara, sugeito ao Doutor Juis de fora da cidade da Guarda.

Esta terra serve-se do correio da cidade da Guarda, que chega na segunda feira e parte na sexta. Esta terra dista quatro legoas da cidade da Guarda, capital do Bispado, e sessenta pouco mais ou menos de Lisboa, capital do Reino.

Perto desta terra está huma fonte, que dizem sua água tem prestimo para varias queyxas.

Na segunda ordem dos interrogatórios nam tenho que dizer, mais do que tam sómente que os gados desta terra sam bois e ovelhas, quanto basta para os moradores.

Junto a esta terra corre hum rio, que se chama Rio Côa. Tem o seu nascimento no Reino de Espanha em huma terra que se chama Foyos; principia em regatos piquenos, nasce para a parte do Sul e corre para o Norte, e tambem corre todo o anno, e hé arrebatado no tempo do Inverno.

Os peixes que cria sam trutas, barbos, bordalos, bogas e inguias. As pescarias que nelle custuma haver sam só de Veram. Estas sam livres. O arvoredo deste Rio todo hé silvestre. Conserva o seu nome athé entrar no Rio Douro, junto a Villa de Castello melhor. Tem este Rio sinco pontes, todas de cantaria: a primeira junto a Villa do Sabugal, a segunda no lemite da Miuzela, e no lemite de Vadamalos a terceira, junto a Castello Bom a quarta, junto a Almeida a quinta; junto ao lugar de Val da Madeira tem mais huma barca. Junto a Villa de Almendra tem varios moinhos. As legoas que distam, do nascente deste Rio athé entrar no Douro, dam vinte, pouco mais ou menos.

E nos mais interrogatorios nam tenho que dizer.
O Cura: Manoel Jose Raúl.

:: ::
Ver perguntas do inquérito. Aqui.
Fonte: Alfaiates-Na órbita da Sacaparte. Autores: Pe. Francisco Vaz e Pe. António Ambrósio.
(Continua.)

jcl

Deixar uma resposta