Freguesias do concelho do Sabugal em 1758 (26)

Censos 1758 - © Capeia Arraiana

:: :: REBOLOSA :: :: Os manuscritos depositados na Torre do Tombo, em Lisboa, são a resposta a um inquérito censório a todo o reino assinado pelo Marquês de Pombal três anos após o terramoto de 1755. O Capeia Arraiana está a publicar as respostas dos párocos das paróquias das 40 freguesias do concelho do Sabugal agora que, pelo menos 10 das retratadas, vão desaparecer para sempre por obra e graça dos senhores mandantes da troika europeia.

Igreja Matriz da Rebolosa - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Igreja Matriz da Rebolosa

REBOLOSAO Cura, João Francisco Saraiva, recebe de renda, ou côngroa, 16 fanegas de centeio, 16 de trigo, 5500 em dinheiro, 2 almudes de vinho para as galhetas e 1 fanega de trigo para hóstias.

Comarca de Pinhel, Termo de Alfaiates, Diocese de Lamego.
Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Dicionário Geográfico, vol. 31, doc. 23, p. 113.
Património arquivista da Paróquia da Rebolosa (Sabugal) entre 1669 e 1911.
Aqui.

Em comprimento do despacho do Excellentíssimo Senhor Bispo da Cidade de Lamego.
Está esta terra na província da Beira Alta, Bispado de Lamego. Commarca da notável Villa de Pinhel, termo da Villa de Alfaiates e anexa de Santiago da Villa de Alfaiates.

O Donativo(sic) dela hé Sua Magestade fedelíssima que Deos guarde.

Tem de vezinhos sincoenta e sete, pessoas maiores de confiçam e comunham cento e corenta e huma, e maiores só de confiçam corenta e tres.

Está situada em hum valle e nam se descobre della povoaçam alguma.

Hé Termo da Villa de Alfaiates.

A paroquia está dentro do Lugar, e nam tem Aldea nenhuma que lhe pertença.

O seu Orago hé Santa Catherina. Tem tres altares: no principal que hé o altar maior está a Santa, e no colateral da mão direita está Nossa Senhora do Rozario; e no da mão esquerda está o Menino Deos. Tem huma Irmandade que hé de Sam Sebastiam.

O Parocho hé Cura annual aprezentado pello Vigario da Villa de Alfaiates. Tem de renda dezasseis fanegas de senteyo e dezasseis de trigo, cinco mil e quinhentos em dinheiro, dois almudes de vinho para as galhetas, e huma fanega de trigo para óstias.

Nam tem Beneficiado algum. Nam tem Conventos. Nam tem Hospital. Nam tem Caza da Mizericordia.

Tem duas Irmidas, huma de Santo Christo e outra de Sam Sebastiam. Estãm fora do povo, mas muto perto; pertencem a esta freguezia.

Em tempo nenhum acodem a ellas Romagens.

Os fructos que recolhem em maior abundancia hé senteyo, tambem colhem algum trigo e milho miudo, mas disto muito pouco.

Tem Juiz Espadano sugeito aos Juizes ordinarios da Vllla de Alfaiates.

Nam hé couto, nem cabeça de concelho.

Nam há memoria que daqui sahissem homens de Letras, nem de Armas.

Faz-se nella huma feira franca em os vinte e sinco dias do mes de Novembro de cada anno. E nam dura senam hum dia. Nam se vendem nella bois nem bestas.

Nam tem correio. Vale-se do Correio da cidade da Guarda que dista seis legoas, ou do de Almeida que dista outras tantas. Dista esta terra da capital de Lamego vinte (?) e cinco legoas e da capital de Lisboa, sessenta.

Nam tem privilégios nenhuns nem antiguidades.

Tem duas Fontes no Povo, sem especialidade. Nam tem lagoa alguma. Nam hé porto de mar.

Nam hé murada nem praça de Armas, nem tem castello nem torre no destrito.

Nam padeceo ruina no terramoto de mil sete centos e cincoenta e cinco. Nam há mais couza digna de memória.

Nesta terra nam há Serra; somente tem dous montes alguma couza mais altos do que está o Lugar: hum no nascente que tem arvores silvestres, azinheiras e carvalhos; o do poente somente carvalhos. Estam no limite desta terra. Cultivam-na os moradores semeando-lhe centeio, trigo e cevada; mantem-se nelles os gados desta terra que sam bois e carneiros, e cabras. Há nelles caça, perdizes, lebres e coelhos; caça nelles quem quer. Nam tem ervas medecinais que se saibam. O seo temperamento hé frio. Nam tem mais especialidade alguma nem couza que mais se possa dizer.

Nesta terra nam passa rio algum, mas para a parte do poente, distancia de quinhentos passos, passa huma Ribeira e que chamam de Alfaiates. Nasce a redor do Lugar do Soito, no termo da Vila do Sabugal; os mais dos annos seca neste lemite. Nam entra Ribeiro algum nella; no Inverno hé de curso arrebatado. Corre do Sul ao Norte. Cria peixes a que chamam bordalos. Pesca nella quem quer. Cultivam-se as suas margens. Tem bastantes arvores silvestres a que chamam amieiros e salgueiros. As suas agoas nam tem vertude. Sempre conserva este nome. Esta se mete no rio Coa daqui a duas legoas perto do lugar que chamam Porto de Ovelha do termo da Villa de Castello Mendo. Nam tem couza que lhe empessa o ser navegavel. Tem neste lemite huma ponte de pau. Tem tres Moinhos no mesmo lemite. Nam há memoria que nunca della se tirasse ouro, nem das suas areias. Os moradores deste povo uzam livremente de suas agoas para a cultura dos campos. Nam tem lagoa alguma. Nam passa por povoação alguma desde que nasce athé que finaliza.

E nam há mais que possa dizer.
Reboloza, Maio 29 de 1758.
O Pe. Cura João Francisco Sarayva

Ver perguntas do inquérito. Aqui.
Fonte: Alfaiates-Na órbita da Sacaparte. Autores: Pe. Francisco Vaz e Pe. António Ambrósio.
(Continua.)

jcl

Deixar uma resposta