Sabugal Velho declarado de interesse público

Câmara Municipal Sabugal - © Capeia Arraiana

O Secretário de Estado da Cultura,Jorge Barreto Xavier, classificou a Estação Arqueológica de Sabugal Velho, localizada na freguesia de Aldeia Velha, como sítio de interesse público, através de portaria publicada no Diário da República de 25 de Junho.

Estação Arqueológica do Sabugal Velho

Estação Arqueológica do Sabugal Velho


A Estação Arqueológica situa-se num cabeço elevado e plano junto à capela da Senhora dos Prazeres, no termo de Aldeia Velha, concelho do Sabugal. O local preserva vestígios arqueológicos que atestam a fixação de diferentes comunidades, propiciada pela localização estratégica e pela abundância em recursos metalúrgicos explorados desde a mais alta antiguidade.
As escavações realizadas entre 1998 e 2002 forneceram a base para o atual modelo interpretativo do sítio, já referenciado desde o século XVIII.
Foi possível identificar, a partir de materiais localizados a uma altitude superior a mil metros, uma primeira ocupação que parece remontar a finais da Idade do Bronze (século XI a.C.) com ocupações até à II Idade do Ferro, registando-se a presença de uma muralha castreja de aparelho irregular com planta oval assimétrica e de diversas construções coevas.
O sítio terá sido abandonado entre a II Idade do Ferro e a Idade Média, quando foi construído um segundo povoado cuja ocupação deixou marcas em todo o cabeço, incluindo vestígios de um pequeno aglomerado urbano e de uma enorme cintura defensiva. A cultura material e as fontes escritas parecem datar este segundo núcleo dos séculos XI-XIII, período instável situado entre a reconquista do Reino de Leão da zona de Ribacôa e o Tratado de Alcanices (1297), na sequência do qual a região passou a integrar o território nacional, correspondendo provavelmente a uma povoação leonesa disputando com o núcleo português de Sortelha o controlo do rio Côa e dos recursos minerais locais.
Para além das estruturas em xisto aí conservadas, encontraram-se no local diversos artefactos testemunhando o quotidiano dos habitantes do Sabugal Velho, com realce para os fragmentos de cerâmica comum, mós, contas de colar, fivelas e exemplares numismáticos.
A classificação da Estação Arqueológica do Sabugal Velho reflete o seu interesse como testemunho histórico, bem como o valor da sua conceção arquitetónica, urbanística e paisagística e ainda a sua importância do ponto de vista da investigação histórica e arqueológica.
Tendo em vista a necessidade de manter o sítio como testemunho de vivências e do que representa para a memória coletiva, a portaria fixa restrições:
– Qualquer intervenção que implique revolvimento do subsolo deverá ser precedida de diagnóstico arqueológico, a avaliar pela administração cultural competente;
Deverão ser aprovados apenas projetos de valorização para fruição e interpretação e/ou investigação.

Cabe enaltecer a dedicação e o trabalho persistente e do arqueólogo da Câmara Municipal do Sabugal, Marcos Osório, a quem se deve a descoberta e a preservação dos vestígios históricos da Estação Arqueológica do Sabugal Velho. A classificação oficial como local de interesse público é o justo prémio para o trabalho do dedicado e empenhado arqueólogo.
plb

Deixar uma resposta