Freguesias do concelho do Sabugal em 1758 (18)

Censos 1758 - © Capeia Arraiana

:: :: MALCATA :: :: Os manuscritos depositados na Torre do Tombo, em Lisboa, são a resposta a um inquérito censório a todo o reino assinado pelo Marquês de Pombal três anos após o terramoto de 1755. O Capeia Arraiana está a publicar as respostas dos párocos das paróquias das 40 freguesias do concelho do Sabugal agora que, pelo menos 10 das retratadas, vão desaparecer para sempre por obra e graça dos senhores mandantes da troika europeia.

Igreja Matriz da Malcata

Torre do Relógio na Malcata (Foto: D.R.) (legenda corrigida)

MALCATA«Como o Rio Coa é que divide os termos e os bispados da Guarda e Lamego, encontra-se no território desta freguesia, a Ermida do Espírito Santo, que não obstante pertence à freguesia de Quadrazais, ao termo do Sabugal e Bispado de Lamego.»

Comarca de Castelo Branco, Termo de Sortelha, Bispado da Guarda.
Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Dicionário Geográfico, vol. 22, doc. 36, p. 676.
Património arquivista da Paróquia da Malcata entre 1626 e 1911.
Aqui.

Informaçam de huma ordem, que o Exm.° e Revm.° Sr. Bernardo Antonio de Melo Ozório, Bispo deste Bispado da Guarda, foi servido remeter-me, quem a nome da Secretaria de Estado e a instancia do nosso fidelissimo Monarca, o Senhor Dom Jozé, que Deos Guarde, primeiro Rey de Portugal.

MALCATA

Fica na província da Beira Baixa, Bispado da Guarda, Comarca de Castello Branco, termo da Villa da Sortelha, filial da mesma.
Foi de comendador, e de prezente hé de Sua Magestade que Deos guarde.
Esta tem setenta e tres vizinhos, com os Foyos anexa, pessoas duzentas e trinta e seis.
Está situada em huma meia Serra; nam se descobre da mesma povoaçam alguma;
Nam tem termo, que está sugeita à Villa de Sortelha que hé cabeça.
A Parroquia esta fora do lugar; tem huma Aldeia que se chama Foyos.
O orago da mesma chama-se Sam Barnabe. Tem tres altares: hum hé de Nossa Senhora do Rozario, outro hé Santo Antonio. Tem huma nave, e huma Irmandade com o titulo do Spirito Santo.
O Parrocho hé Cura e aprezenta o Reverendo Vigario da Sortelha; tem, de porçam seis mil reis, e quarenta e sete alqueires de trigo e mais tres para hostias. `
Nam tem Beneficiados, antes esta anexa ao Beneficiado da Sortelha.
Nam tem Conventos, que hé lugar pobre.
Nam tem Hospitais, pela razam dita.
Nam tem Caza de Mizericordia.
Esta tem duas Ermidas, huma de Sam Domingos, que está demolida, e o Santo está na freguezia; tem outra do Spirito Santo; ambas estam fora do Lugar. Sam Domingos pertence ao Parrocho da mesma, e o Spirito Santo pertence ao Parrocho de Coadrazais, e tambem ao deste lugar.
Acode gente de longe ao Spirito Santo, na terceira oitava do mesmo.
Os frutos que os moradores recolhem sam iguais, que sam pam, castanha, linho e lá, e mel em meia abundancia. Tem Juis da vara; este está sugeito ao Juis ordinario da Villa da Sortelha.
Nam he couto, nem cabeça de concelho, Honra nem Behatria.
Da mesma sahiram huns homens insignes por Armas; Hum Capitam de Cavallos e hum Alferes, filho do mesmo Capitam.
Nam tem feiras, nem franca nem captiva.
Nam tem Correio. Servem-se do Correio da Villa de Penamacor, que dista tres legoas.
Dista da cidade capital do Bispado, seis legoas, e de Lisboa, capital do Reyno, sincoenta legoas.
Tem previlegios de nam poder-se fazer-se soldados nem cambios, pelo celebrado cheque, que este povo deu, no sitio da Malhaqua.
Nam tem lagoa, nem fonte celebre. Nam he Porto de Mar.
Hé murada de pedra de pizarra, e tem redute, por donde se defendem os moradores no tempo da guerra. Nam padeceo ruína, somente a igreja alguma padeceo.
E nam há mais couza alguma digna de memoria.

Informaçam da SERRA

Chama-se o Cabesso do Forno, tem o principio no Cabesso.
Tem tres legoas de comprimento e duas de largo; principia na Serra das Mezas e acaba no Cabesso dos Pradinhos.
Os nomes dos principais braços sam Porqueira e Malhada da Pa. Nascem da mesma, o Rio Coa, corre para o Poente e fenece no Rio Douro. Ao longo desta Serra esta os Foyos, e esta a Villa do Sabugal.
Nam tem no seu distrito fonte alguma de propriedade rara.
Nam tem minas de metais ou canteiras de pedras, nem materiais de estimaçam que eu
saiba.
A Serra he povoada de medronheiros, em algumas partes heé cultivada e o fruto sam linhos. Nam tem Mosteiros nem igrejas, somente Sam Domingos, como dito fica e a Ermida ou Capella do Spirito Santo.
A qualidade do temperamento he fria e humida. A mesma tem criaçoins de gados, de seda, veados, lobos e mais bicharia silvestre. Nam tem lagoa alguma nem foyos. E nam tem esta Serra couza mais alguma notavel, que o que está dito.

Informaçam do RIO

Chama-se o Rio Coa. O sitio aonde nasce chama-se a Serra das Mezas, aonde se divide nosso Portugal e Castella, e coatro Bispados – Guarda e Lamego, Portuguezes, e Cidade Rodrigo e Cidade de Coria, Castelhanos.
Nam nasce logo caudalozo, e todo o anno corre. Entra no Rio Coa o Rio do Paa, no sitio da Seradecira. Este hé navegavel(sic). Este hé de curso muito arrebatado em parte e nam em toda a sua distancia. Corre este de Nascente a Poente. Cria muito peixe de especie de trutas, e estas em maior abundancia.
Algumas vezes hé pescado fora do tempo da criaçam, digo, mais fora do tempo da criaçam. As pescarias sam livres em todo o Rio.
Em algumas partes se cultivam as suas margens e tem algum arvoredo silvestre. Nam sei que tenham as suas águas alguma virtude particular. Sempre teve e tem o nome de Rio Coa, e em toda a parte conserva o mesmo nome. Morre em outro Rio que se chama Rio Douro, e nam sei o sitio aonde entra por ficar muito distante o Douro. Tem levadas e açudes, mas nam embarcaçoins e navegaçam. Tem pontes: huma de cantaria na Villa do Sabugal e outra de cantaria e de pao, no sitio do lugar de Coadrazais. Tem moinhos, poizoins, e nam tem lagares, nem noras, nem outro algum engenho. Algum dia se tirou ouro de suas areas e de prezente se tira(sic). Livremente uzam os povos de suas ágoas, sem pençam alguma, para cultura dos campos.
Nam sei de certo quantas legoas tem; mas parece tem sincoenta povoaçoins; e parece que tem vinte, pouco mais ou menos, isto hé desde o seu nascimento the o Rio Douro, aonde acaba.
E nam ha couza mais digna de memoria e hé a iniormaçam que posso dar por saber algumas couzas e outras tambem as procurei e sam as mais.
Malcata (s/d.)
O P. Cura Appollinario Joze de Jezus Roballo.»

Ver perguntas do inquérito. Aqui.
Fonte: Alfaiates-Na órbita da Sacaparte. Autores: Pe. Francisco Vaz e Pe. António Ambrósio.
(Continua.)

jcl

2 Responses to Freguesias do concelho do Sabugal em 1758 (18)

  1. João Manata. diz:

    Esta não é a torre da Igreja matriz de Malcata, mas sim a torre do relógio. Peço desculpa pela correcção.

Deixar uma resposta