Adriana Calcanhotto actua no TMG

TMG - Teatro Municipal da Guarda - © Capeia Arraiana

A cantora e compositora Adriana Calcanhotto actua no Teatro Municipal da Guarda (TMG) no próximo dia 27 de Abril, sábado, onde apresentará o seu novo espectáculo, «Olhos de Onda». Sozinha em palco com o seu inseparável violão, a cantora brasileira actua no Grande Auditório, pelas 21h30. O concerto comemora o 8º aniversário do TMG.

Adriana Calcanhotto com o inseparável violão

Adriana Calcanhotto com o inseparável violão



«Tomar e retomar o violão é uma constante na minha trajetória, aliás, desde que me apaixonei pelo instrumento, criança ainda. Uma das minhas memórias mais antigas, na casa da minha avó, é um violão que havia lá e que me fascinava embora parecesse (e fosse realmente) um objecto enorme, impossível para mãozinhas. Nas memórias mais antigas, em que as pessoas são gigantes e as casas grandes palácios, aquele instrumento era monumental, mas lembro bem das minhas primas achando engraçado o meu deslumbramento e me alcançando o “violãozão” para fazer algum barulho, coitadas.
Sempre convivi com os mais diversos instrumentos porque os ensaios dos conjuntos onde meu pai tocava eram na garagem da nossa casa», conta a artista no texto de apresentação do espectáculo.
Adriana Calcanhotto é um dos nomes mais amados da música popular brasileira da actualidade. O seu primeiro disco «Enguiço», de 1990, foi o ponto de partida para uma carreira nacional e internacional. Seguiram-se-lhe «Senhas» (1992), «A Fábrica do Poema» (1994), «Maritmo» (1998), «Público» (2000), «Cantada» (2002), «Adriana Partimpim» (2004), «Maré» (2008), «Essencial» (2010) e «O Micróbio do Samba» (2011).
Neste espectáculo, Adriana Calcanhoto tocará temas conhecidos mas também alguns novos, a cantora explica «como sempre digo, no meu ofício quem comanda são as canções, e não me debato com isso. Gosto, aliás, de ser levada por elas. Então nunca tenha a menor pretensão de ser coerente com um set list adiantado, adiantando que ando tocando aquelas das quais estava com muitas saudades, algumas das quais havia até esquecido, algumas do Micróbio do Samba, algumas das quais tenho inveja porque gostava de as ter escrito, algumas que escrevi mas foram gravadas por outros artistas, poemas que musiquei, e alguma coisa nova que ninguém é de ferro. “Olhos de onda”, por exemplo, que batiza o show, fiz enquanto ensaiava. Além de inaugurar nova safra de composições, o que sempre é motivo de alegria, a canção ajudou a dar o norte do recital. Constatei, quando essa canção nasceu, que as outras já estavam também falando do que ela fala e da língua portuguesa e do mar da língua e por aí vai», refere.
De referir que logo depois do espectáculo, no Café Concerto do TMG decorrerá a sessão comemorativa de aniversário do teatro.

Tertúlia com Luís Celínio e Joaquim Igreja
A primeira sessão da tertúlia «Café a Meias», no próximo dia 30 de Abril, terá como convidados Luís Celínio (advogado e presidente do Clube Escape Livre) e Joaquim Igreja (professor).
«Café a Meias» é uma nova iniciativa do TMG, uma sessão na qual os dois convidados revelam e partilham as suas preferências com o público, ao som de uma música, de um poema ou de uma sequência de um filme.
Discos, livros, filmes, viagens ou um vinho especial são coisas que fazem parte do património cultural de todos. São objectos e experiências que nos ajudam a compreender melhor o mundo e a relacionarmo-nos com ele.
A sessão está marcada para as 22h00. A entrada é livre.
plb (com TMG)

Deixar uma resposta