Filme de Joaquim Sapinho no TMG

TMG - Teatro Municipal da Guarda - © Capeia Arraiana

O Pequeno Auditório do Teatro Municipal da Guarda (TMG) exibe no dia 20 de Março, quarta-feira, pelas 21h30 o filme «Deste Lado da Ressurreição», de Joaquim Sapinho, produzida pela Rosa Filmes. «Deste Lado da Ressurreição» é a mais recente longa-metragem do realizador Joaquim Sapinho, natural do Sabugal.

Deste Lado da Ressurreição
A história da longa-metragem de Joaquim Sapinho que vai ser exibida no TMG na quarta-feira, 20 de Março conta a história de Rafael um ex-campeão de surf que testa os limites da vida nas ondas perigosas do Guincho até que o divórcio dos pais o faz fugir de tudo e de todos. A família nunca mais o voltou a ver até ao dia em que corre a notícia que ele está de regresso à praia e ao surf. A sua irmã Inês corre para o ver; o Guincho foi o último lugar onde a família deles viveu junta e feliz. O filme é protagonizado por: Joana Barata, Pedro Sousa, Sofia Grilo e Pedro Carmo.
Entrevista do Capeia Arraiana ao realizador Joaquim Sapinho em Dezembro de 2012. Aqui.

A nova aventura criativa do Projéc~
Estreia a 14 de Março a nova aventura do Projéc~; chama-se «Finalmente [em quatro andamentos]» e é levada a cabo no âmbito do seu laboratório criativo, o Lab~. Foram desafiados quatro criadores guardenses a encenar, cada um deles, uma peça com o mesmo tema: o fim. Quatro artistas, quatro pontos de vista, quatro abordagens criativas, o mesmo «Fim». Daniel Rocha, Daniel Martins, João Louro e Élia Fernandes são os encenadores convidados.
Na história de Daniel Rocha há uma casa em construção e duas pessoas que não se conhecem, mas que se relacionam profissionalmente. Com eles ficaremos a saber mais sobre as estranhas errâncias do Fim.
O texto e encenação são de Daniel Rocha e a interpretação estará a cargo de Carla Morgado e Pedro Sousa.
Daniel Rocha iniciou-se na encenação em 2007 num curso promovido pelo Inatel e pelo TMG que teve como orientador Gil Nave. Desde esse curso, tem vindo a preparar pequenas encenações em contexto escolar e formativo. Tem colaborado, como actor e autor, em vários espectáculos do TMG, como o Julgamento e Morte do Galo do Entrudo.
No segundo andamento de «Finalmente» surge a trabalho de Daniel Martins. O criador guardense mostra que «… unicamente o infinito pode ter fim!», numa interpretação de Paulo Lisboa e Paula Costa com encenação de Daniel Martins e Tânia Maria.
Na versão de João Louro, o «fim» é «Um dia bem passado entre a vida e a morte nas viagens que se somem no trilho da sorte de cada homem e seu filho». O texto é de Galo Porno; a encenação é de João Louro; a interpretação de João Neca, Nuno Tavares, Carlos Morgado e Filipe Ruas; a música/sonoplastia tem a autoria de João Clemente, o vídeo de Mecca e a voz off de Américo Rodrigues.
João Louro nasceu na Guarda em 1979. É licenciado em Design Multimédia pela Universidade da Beira Interior. Entre 1996-2006 integrou várias peças como actor no Teatro Aquilo no qual colaborou também como cenógrafo, figurinista e em bandas sonoras. Posteriormente encenou «Gregoire» com texto de Galo Porno e realizou «Fado Citrino».
O último andamento de «Finalmente» é o da criadora Élia Fernandes. A encenadora apresenta um excerto da obra «O Fim» de António Patrício, peça estreada em 1909, integrando-se na estética teatral simbolista. Este trabalho conta com a interpretação de Teresa Mendonça e de Américo Rodrigues.
Élia Fernandes é co-fundadora do Aquilo-Teatro e da Associação Luzlinar. Como actriz participou em «Nana Ina Não…», «O homem de V.W branco da minha juventude», «A morte de príncipe», «A mão deslizante sábia no amor e deslizante» e «O amor a dois». Desenhou figurinos e criou música original para várias peças. Encenou «Memória de sombras e de pedra», «Duendes do lago», «A menina do circo» e «Escolinha do mar» e «O amor está no ar», entre outras.
«Finalmente [em quatro andamentos]» fica em cena até sábado, dia 16 de Março, o espectáculo é para maiores de 16 anos.
plb (com TMG)

Deixar uma resposta