O concelho do Sabugal em 1942 (16)

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais da freguesia do SOITO, a terceira em população (atrás de Sabugal e Quadrazais), mas a segunda em dinamismo comercial, superando em muitos aspectos a própria sede de concelho.

SOUTO
Esta freguesia situa-se a 12 quilómetros da sede do concelho e a 18 da estação de caminho-de-ferro da Cerdeira. Tinha uma população de 2.003 habitantes. Era servida diariamente pela camioneta da carreira Alfaiates-Guarda.
Serviços institucionais, actividades económicas e profissionais:
Presidente da Junta de Freguesia: José Prelouro.
Juiz de Paz: António Luiz Gata Gonçalves, que tinha por escrivão Manuel Nobre Martins.
Pároco: Francisco Pereira da Cruz.
Regedor: Carlos Alberto Carrilho.
Provedor da Misericórdia: Dr Alfredo V. Lopes, que tinha por secretário José Pereira.
Posto do Registo Civil: António Luiz Gata Gonçalves (ajudante).
Negociantes de Adubos (2): João Baptista Carrilho, Manuel Luiz Meirinho.
Bancos (4): Banco Nacional Ultramarino, Banco Pinto & Soto-Maior, Borges & Irmão, José Henriques Tota – representados por João Baptista Carrilho.
Agência de Seguros: Portugal Previdente, representada por José J. Tolda.
Alfaiate: João António Ambrósio.
Barbeiros (2): José M. Monteiro e Raúl Lopes.
Negociantes de Batatas (2): João Baptista Carrilho, Manuel Luiz Meirinho.
Caldeireiros (3): António Barbosa, Bernardo Barbosa e Carlos Caldeireiro.
Encarregado do Correio: José L. Tolda.
Coudelaria: José Manso Rito.
Ferradores (4): José Martins Monteiro, Júlio Martins Monteiro, Manuel Fernandes, Manuel Joaquim Pereira.
Ferreiros (2): José Martins Monteiro e Manuel Fernandes.
Hospedaria: Pedro Lucas.
Latoeiros (3): António Barbosa, António José Dias e Bernardo Barbosa.
Lavradores (11): António José Carrilho, António José da Fonseca, Carlos Carrilho, Francisco Freire, José Augusto Dias, José Carrilho, José Gomes de Carvalho, José Nobre, Manuel Alves, Manuel António Martins, Narciso Martins Nicolau.
Estância de madeiras: José Augusto N. de Carvalho.
Marcenarias (2): José Baptista Carrilho, José Joaquim Tolda.
Professores (6): António Luiz Gata Gonçalves, Felisbela Aurora da Conceição Pina, Filomena Nobre da Fonseca, Ilídia Lourenço Martins, Maria da Apresentação Simões e Maria J. Martins.
Proprietários (9): António José Nunes, João Baptista Carrilho, Dr João José da Fonseca Garcia, João Manso Martins, João Maria Carrilho, José Alfredo Garcia da Fonseca, José Augusto Garcia, José Joaquim Tolda, José Nunes Corracha.
Talho: Carlos Lopes.
No próximo artigo falaremos da vida económica que existia em 1942 nas freguesias de Sortelha e Vale das Éguas.
Paulo Leitão Batista
No próximo artigo falaremos da vida económica que existia em 1942 nas freguesias de Sortelha e Vale das Éguas.

Deixar uma resposta