Bispo da Guarda faz balanço de oito anos na Diocese

Religião - © Capeia Arraiana (orelha)

O bispo D. Manuel Felício assinalou os oito anos à frente da Diocese da Guarda com balanço pastoral do trabalho realizado. No documento o prelado pede mais atenção para os doentes e idosos sugerindo a criação de grupos de «visitadores».

D. Manuel Felício - Bispo Guarda - Capeia Arraiana

D. Manuel Felício – Bispo da Guarda

O bispo da Guarda, D. Manuel Felício, apresentou esta quarta-feira, um balanço pastoral dos seus oito anos de ministério na diocese, iniciados a 16 de Janeiro de 2005, quando assumiu o lugar de coadjutor de D. António dos Santos.
Na reflexão sobre os momentos difíceis que estamos a atravessar sugere a criação de grupos de «visitadores dos doentes e idosos» que deveriam fazer visitas regulares a casas particulares e a lares, procurando ainda estar atentos às necessidades materiais que possam existir.
«EEta será a forma de, nos próximos tempos, estendermos a caridade organizada a todas as paróquias», acrescenta D. Manuel Felício porque «é necessário mentalizar as paróquias e as famílias para a cooperação entre si em resposta à diminuição de crianças que levou, por exemplo, a fechar muitas das antigas escolas primárias».
O bispo propõe a criação de «centros de catequese em lugares estratégicos para servirem várias paróquias», ideia apresentada como uma das prioridades pastorais, nos próximos anos.
Outra sugestão diz respeito à ao «ajustamento das celebrações dominicais e dos centros de catequese», começando por cada conjunto de paróquias confiadas ao mesmo padre.
D. Manuel Felício evoca o acolhimento caloroso que disse ter recebido na sua chegada à diocese e nas visitas pastorais que fez às mais de 365 paróquias da diocese, de 2006 a 2012.
«Foram seis anos de contacto intenso com os párocos, as instituições paroquiais e outras da sociedade civil, através de toda a diocese», refere, apontando para um número de cooperadores pastorais que ronda os 6 mil.
O prelado sustenta, por isso, que a maior parte do tempo dos padres e diáconos «tem de ser gasto com a formação e o acompanhamento destes cooperadores pastorais, nos quais reside o grande potencial de crescimento na fé».
jcl (com Ecclesia)

Deixar uma resposta