Sabugal vai aderir à Rede de Judiarias de Portugal

Rede de Judiarias de Portugal - Sabugal - © Capeia Arraiana

Em resposta a um pedido formal da Rede de Judiarias de Portugal, o executivo da Câmara Municipal do Sabugal, reunido em 25 de Maio, decidiu por unanimidade aderir a essa associação, atendendo ao património histórico do concelho.

Casa do Castelo

Casa do Castelo

Jorge Patrão, presidente do Turismo Serra da Estrela e secretário-geral da Rede de Judiarias, tem visitado o Sabugal e estabelecido contactos com o presidente da Câmara, António Robalo, concluindo que o centro urbano tem importância histórica verificada na presença de vestígios sefarditas. Por essa razão dirigiu uma carta ao Município sabugalense convidando-o a solicitar a adesão à associação que reúne algumas das cidades e vilas de Portugal que contêm património histórico ligado à presença dos judeus.
Nessa sequência o Gabinete de Arqueologia da Câmara elaborou um mapa com o levantamento das «marcas cruciformes cristãs» e «armários» que estão referenciados nos centros históricos do Sabugal, Vilar Maior e Vila do Touro.
Segundo a informação do Gabinete de Arqueologia, existem dois «armários» no centro histórico do Sabugal e um no centro histórico de Vilar Maior. No que toca a «marcas cruciformes» cada centro histórico (do Sabugal, Vilar Maior e Vila do Touro) possui cerca de duas dezenas desses vestígios. Na conformidade com a efectiva existência de marcas históricas da presença da cultura judaica no concelho, a Câmara decidiu que vai solicitar a adesão à Rede de Judiarias de Portugal.
A Rede de Judiarias tem sede em Belmonte e tem como grande objectivo defender o património judaico urbanístico e arquitectónico que existe em Portugal. A associação, que junta diversas entidades, foi formalmente constituída em 10 de Março de 2011, tendo sido assinada pelos representantes dos municípios de Belmonte, Castelo de Vide, Freixo de Espada à Cinta, Guarda, Lamego, Penamacor e Trancoso, bem como as Entidades Regionais de Turismo de Douro da Serra da Estrela, Lisboa e Vale do Tejo, Oeste, Alentejo e Algarve, assim como a Comunidade Judaica de Belmonte.
plb

7 Responses to Sabugal vai aderir à Rede de Judiarias de Portugal

  1. Natália Bispo diz:

    Perante esta notícia, só me resta dizer, finalmente…
    Nesta ultima reunião em que a Casa do Castelo foi convidada, também se encontrava representado o nosso Município, sou sincera gostava de lá ter ouvido pessoalmente esta notícia da parte do meu Presidente da Câmara.
    Porque nesse mesmo dia ainda as casas de arquitectura judaica no Sabugal continuavam a não ser alvo de protecção. Nesse mesmo dia 24 de Maio, foram colocados sinais de interdição em ruas do centro histórico, porque uma casa com arquitectura Judaica está em risco de ruir! Se está em risco de ruir, porque é que houve opção de interditar a rua e não têm a preocupação de numerar as pedras? Se cair como vão repor? Também se fazem recuperações preservando a história fazendo a reposição das pedras com demolições controladas.
    Importantes os Armários encontrados, importantes as cruzes cruciformes, e as casas que não têm estes elementos? Há casas que não têm estes elementos mas que têm outros que as definem como casas Judaicas e que neste momento estão em risco eminente… e na rua principal do centro histórico, na Rua Santo Condestável!
    Nessa mesmo dia falou-se na importância que os outros Municípios estão a dar à recuperação…o Sabugal deixou nestes últimos tempos de ter verdadeiras casas de arquitectura Judaica…porque foram intervencionadas e não tiveram isso em conta…seis anos de alertas não chegaram para despertar a sensibilidade de que era preciso preservar o património?
    Tenho muita pena de tudo o que se perdeu…vamos olhar já, mas a partir de hoje para o que é possível ainda salvar. Tenho sido castigada e enxovalhada pela insistência com que sempre abordei estes assuntos…quem me ler e não concordar, gostaria que pusessem de lado o preconceito…a comunidade Judaica que viveu aqui são muitos dos nossos antepassados.
    O Prof. Jorge Martins está neste momento com o estudo do nosso Concelho…encontrou quem aqui viveu…temos os nomes, as famílias…então porquê tanto tempo a duvidar?
    Incontornável, é também o espaço que o Blogue Capeia Arraiana deu a esta temática.
    Incontornável o Joaquim Tomé, pois no dia em que se pôs em causa o vestígio Judaico da Casa do Castelo através de um artigo escrito e perante o meu desalento, pois já tínhamos pareceres positivos de arqueólogos conceituados…ele escreveu um artigo baseado num livro do Prof. Jorge Martins…e o Professor conheceu o Sabugal! Todas as pessoas sabem ou quase todas… da importância do Prof. Investigador Jorge Martins.
    Temos então a história baseada em factos concretos.
    Só me resta agradecer a todos os que nos apoiaram e dizer que tudo o que aconteceu e que irá acontecer…não será benefício único para a Casa do Castelo…aqui será só o ponto de partida ou de chegada para o Turismo cultural-religioso do nosso Concelho.

  2. Jorge Martins diz:

    Foi com grande alegria que soube da adesão do Sabugal à Rede de Judiarias de Portugal. Sempre achei que era uma questão de tempo. Neste momento de celebração, felicito, em primeiro lugar, os sabugalenses que sempre acreditaram e pugnaram pelo reconhecimento da história judaica do Sabugal, entre os quais gostava de destacar a Natália Bispo e o Kim Tomé. Felicito o Capeia Arraiana pela dedicação que demonstrou ao assunto, numa altura em que havia apenas um punhado de sabugalenses que não desistiam de um Roteiro Judaico do Sabugal. Felicito o presidente da câmara do Sabugal que fez a aposta certa, associando o seu município à rede de judiarias.
    Finalmente, quero deixar uma homenagem muito especial ao homem que anda há muitos anos a divulgar as rotas judaicas das Beiras: o Dr. Jorge Patrão, do Turismo da Serra da Estrela. Tem sido notável o empenho deste homem, que, muitas vezes incompreendido, acabou por ganhar este grande desafio. A Rede de Judiarias de Portugal já é uma realidade e vai crescer e provar que aquela “nicho” de turismo tem potencialidades culturais e económicas incontestáveis. E digo mesmo mais – desculpem-me os puristas -, se há quase um século, o capitão Barros Basto protagonizou a chamada “Obra do Resgate”, reconstituindo muitas das comunidades marranas que tinham sido destruídas pela Inquisição, o Dr. Jorge Patrão é o verdadeiro arauto deste segundo ressurgimento judaico a que estamos a assistir. Se o primeiro ressurgimento foi de natureza religiosa, o segundo é de natureza cultural. Se o primeiro interessou aos judeus, o segundo interessa a todos os portugueses, visto que constitui um incomensurável passo para o pleno reconhecimento da nossa identidade judaica enquanto povo.
    O Sabugal vai integrar o mapa dos concelhos que assumem a sua história judaica. Tomada esta acertada decisão, todos aqueles que querem dignificar o seu concelho, deverão ter oportunidade de dar o seu contributo. Temos pela frente uma tarefa árdua, mas possível e desejável. Todos serão poucos para tornar uma realidade o Roteiro Judaico do Sabugal, identificando e fazendo um levantamento dos vestígios judaicos conhecidos.
    Parabéns Sabugal e sabugalenses!

  3. António Emidio diz:

    A presença de património judaico urbanistico e arquitectónico está espalhado por diversas casas e aldeias do nosso Concelho e,possivelmente achados históricos mais valiosos do que os já existentes estarão por descobrir e, outros por estudar. Parabéns Capeia Arraiana, Câmara Municipal do Sabugal e Gabinete de Arqueologia, a história do Concelho é de todos não é monopólio de ninguém.

  4. Clemente diz:

    Sra. Natália Bispo e o Prof. Jorge Martins, querendo ou não, vão ficar ligados ao Sabugal e á Rede de Judearias de Portugal, para sempre.
    A eles muito lhe devemos, nem tem preço as horas dispensadas em prol desta cultura Judáica, e desta causa.
    É de Gente como esta, que o Sabugal precisa e com urgência!!

  5. josnumar diz:

    Vale mais tarde do que nunca. A decisão está tomada e agora há que trabalhar para o êxito destas rotas. Graças à persistência e ao empenhamento pessoal de alguns sabugalenses, em especial ao casal Romeu e Natália Bispo, Joaquim Tomé e outras pessoas ilustres como o professor/investigador e escritor Jorge Martins, o património do nosso concelho ganhou outra importância e tenho a certeza que todos vamos orgulhar-nos do nosso passado. Realmente, só quem tem amor à nossa cidade, ao nosso concelho e se agarrou com unhas e dentes às pedras que um dia encontrou no interior duma velha casa, aguenta as inúmeras alfinetadas que lhe foram espetando. Apesar do sofrimento, das injustiças e de muitas vezes ter vontade de desistir, a história, os visitantes e amigos da Casa do Castelo contribuíram para este desfecho.
    Um louvor especial a Joaquim Tomé, Romeu e Natália Bispo, Professor Jorge Martins, Jorge Patrão e ao blog Capeia Arraiana.

  6. É com muito orgulho que sinto ser bem-vindo ao Sabugal. Aprendi a conhecer os beirões e só tenho inveja de ser um mero lisboeta.
    Só quero acrescentar que estou de acordo com o António Emídio (que julgo não conhecer): a história do Sabugal é de todos. E só todos – sabugalenses e não sabugalenses – podem dignificá-la. Contem comigo para dar o meu pequeno contributo com todos os que a quiserem assumir.
    Jorge Martins

  7. joao valente diz:

    Desconheço a fonte da notícia, mas o convite nem sequer foi formalmente efectuado.

Deixar uma resposta