O meu Jardim

O Concelho do Sabugal, o meu concelho, é um jardim, o mais belo dos jardins. Como todos os jardins, abundante de flores, de elegantes acácias, amores-perfeitos, sinceras gardénias, cravos vermelhos e rosas de todas as cores. Rosas com espinhos e, contudo, belas!

No banco do meu jardim, procuro o horizonte, olho em redor e contemplo as serranias, o escasso casario, as muralhas seculares, e ouço um profundo silêncio. Lembro Pessoa, «grandes são os desertos e tudo é deserto», e recuso-me a virar costas ao sonho de sempre. O meu jardim florescerá, repleto de verde, regenerado, cumprindo uma tradição de antanho.
Aprendi, muito jovem, que a vida faz sentido vivida com todos os sentidos. Que desistir não é modo, nem solução e que, como Saint-Exupéry «A terra ensina-nos mais acerca de nós próprios do que todos os livros. Porque ela nos resiste.»
Mas, afinal, de que é feito o húmus deste jardim que a tudo resiste? Que enfrenta intempéries, loucos, quase sábios e visionários?
O segredo desta resistência, do passado e do presente e que me faz acreditar num jardim com futuro, está na força de todos os sabugalenses, na sua arte e sabedoria em saber colher as rosas, evitando os espinhos!
«As Rosas e os Espinhos», opinião de Sandra Fortuna

Sandra Fortuna, natural do Casteleiro, vereadora do executivo municipal do Sabugal, inicia com este espaço a sua colaboração no Capeia Arraiana.
plb

7 Responses to O meu Jardim

  1. Antonio Emidio diz:

    A nossa vida só adquire o seu pleno sentido quando a vinculamos a um ideal superior. A senhora, pelo que me é dado ler neste pequeno mas significativo artigo, já vinculou a sua, ao bom, ao belo e ao verdadeiro, cultiva os sublimes valores da alma.
    Seja bem vinda a este espaço de ideias e de letras que é o Capeiaarraiana.

  2. António Santos diz:

    Bem-vinda Srª Sandra, e continue a presentear-nos com belos textos. De facto, o Sabugal é um jardim, mas que precisa de ser melhor cuidado, sob pena das bonitas rosas e cravos se perderem.
    Felicito os responsáveis do Capeia por mais uma colaboradora de qualidade. É bom ler textos pigmentados pela sensibilidade feminina.

  3. Carlos Marques diz:

    É verdade, e parabéns!

  4. joao valente diz:

    Há rosas e rosas… As naturais e as outras. Desse jardim também se devem avistar as outras, as expúrias, que plantaram no horizonte, não? A terra ensina a resistir, mas de que vale quando a não entendemos?

  5. Meliço diz:

    A Beira e em especial a nossa zona, sempre foram muito pobres e com fracos recursos, mas mesmo assim os nossos antepassados souberam enfrentar todas as dificuldades e por vezes com uma cantoria, como por exemplo faziam em grandes grupos, nas ceifas e noutras actividades, sobretudo da lavoura.
    Existia muita entre ajuda e solariedade quando as situações se tornavam ainda mais complicadas do que o normal, as portas estavam sempre abertas e a comida mesmo quando pouca ainda dava para repartir por quém viesse.
    Agora cada vez mais somos só nós e mais ninguém e estamos sempre dispostos a criticar o visinho e as suas iniciativas e o que é mais triste é que na maioria dos casos é só para não apoiar simplesmente.
    É verdade, a terra ensina-nos tudo, desde que nós queiramos aprender e estar atentos aos sinais que ela nos dá.
    Assim é, a rosa é uma flor de eleição e por ser fragil, protege-se com picos e insiste em embelezar as nossas vidas e a alegrar todos os jardins.
    Eu também tenho esperança que o meu jardim continuará a florescer porque eu continuo a olhar para a terra…..

  6. josnumar diz:

    Todos gostamos de pensar no concelho do Sabugal como um jardim, o mais belo jardim. Eu também gostava de me sentar nesse banco do seu jardim, mas virava-me para o outro lado a tentar perceber o futuro daquelas plantas enormes e alinhadas ao longo do horizonte e que alteraram significativamente a paisagem em Sortelha. Saibamos sempre acreditar num concelho com futuro e que saibamos sentar-nos a observar e a admirar o património imaterial do nosso lindo jardim.
    Bem vinda.

  7. JOSE LOUSA diz:

    MUITO BEM, O SEU TEXTO É POÉTICO. GOSTARIA QUE FOSSE REAL. EM DIA EM QUE O PARLAMENTO NÃO FOI POSSÍVEL ENTENDER-SE, SERIA UM MILAGRE QUE A VEREAÇÃO DO SABUGAL ESTIVESSE DE ACORDO SOBRE O SEU FUTURO PARA NÃO MORRER. TAMBÉM GOSTARIA DE O VER DESABROCHAR COMO AS PLANTAS E FLORES.
    A ESPERANÇA É A ÚLTIMA A MORRER.
    FAÇO VOTOS PARA QUE NÃO BAIXE OS BRAÇOS NA SUA LUTA.

Deixar uma resposta