Câmara rejeita eucaliptos em Santo Estêvão

Câmara Municipal Sabugal - © Capeia Arraiana

A Câmara Municipal do Sabugal inviabilizou um projecto de arborização que previa a plantação de eucaliptos num terreno com perto de quatro hectares na freguesia de Santo Estêvão.

O Gabinete Técnico Florestal do Município pronunciou-se pela rejeição do projecto, apresentado pela empresa Dendrifructus Lda, alegando que a região é inapta para o eucalipto, que é uma árvore pouco tolerada em solos de altitude superior a 400 metros. Assim, por não haver potencial ecológico para uma tal espécie, o executivo camarário decidiu, na reunião de 19 de Janeiro, dar parecer negativo, facto que inviabiliza o avanço do projecto, nos termos da lei vigente.
A decisão camarária teve também em conta as funções do solo, segundo o Plano Regional de Ordenamento Florestal da Beira Interior Norte, que apontam para primeira função a complementaridade entre a floresta e a pastorícia e, em segunda função, a protecção contra a erosão, sendo a terceira, e última, a função da simples produção lenhosa. Ora o eucalipto tem um alto potencial ao nível da produção lenhosa, o que porém não se enquadra no que é a principal função da floresta na região.
O projecto prevê a arborização com eucalipto (eucalyptus globulus), preservando as linhas de água e alguma da vegetação que já existe na parcela, contudo tais garantias não demoveram o Gabinete Florestal a propor a emissão de um parecer negativo com vista a inviabilizar o projecto.
O Gabinete Florestal defende ainda que o castanheiro e o carvalho negral são as espécies florestais de melhor potencial produtivo para o concelho do Sabugal.
plb

One Response to Câmara rejeita eucaliptos em Santo Estêvão

  1. José Nunes diz:

    Completamente de acordo.
    É preciso dar prioridade a espécies que se adaptem bem à nossa região e ao nosso tipo de solo, contudo era preferível dar às espécies autóctones. E a castanha é relativamente importante para o nosso concelho do Sabugal, principalmente na região dos Foios, onde se adapta melhor.

Responder a José Nunes Cancelar resposta