Casa do Castelo participou nos «Serões da Beira»

Casa do Castelo - Sabugal ©‎ Capeia Arraiana (orelha)

A Casa do Castelo foi honrosamente convidada pela Câmara Municipal de Trancoso para participar nos «Serões da Beira» cujo tema foi «A presença da comunidade Judaica nas Beiras».

Serões da Beira - Trancoso - Beira AltaO facto de na Casa do Castelo existir um importante vestígio arqueológico que atesta a importância da comunidade judaica que existiu no Sabugal na Idade Média, foi razão para esta participação.
Foi uma oportunidade para trocar impressões e aprender com individualidades e entidades públicas que nas áreas da História, Religião e Gestão do Património intervêm. Todos reconhecem o importantíssimo património que esta nossa região possui e a necessidade de aprofundar os estudos no que a esta matéria diz respeito.
A Casa do Castelo entregou a alguns dos presentes um dossier que continha uma compilação de documentos e estudos realizados no Sabugal, onde se incluía a importantíssima colaboração do Professor Jorge Martins.
O Professor Jorge Martins tem contribuído com estudos sobre a comunidade Judaica do Sabugal e, tem disponibilizado com metodologia cientifica no Capeia Arraiana, conteúdos que sem duvida acrescentam valor ao nosso património, que importa preservar, estudar e divulgar.
Para alguns dos presentes, que já conheciam a Casa do Castelo foi o reencontrar de amigos que reconhecem o valor do vestígio arqueológico existente na Casa do Castelo no Sabugal, para outros estudiosos da matéria foi uma oportunidade de dar a conhecer o Sabugal, alguma da sua história e despertar o interesse para que haja mais cientistas a dedicar algum do seu tempo a estudar o nosso património.
Durante a tarde e noite do primeiro dia, foi possível assistir a diversas conferencias proferidas por ilustres oradores, que constituíram para os presentes a oportunidade de aprender e ou consolidar conhecimentos sobre as comunidades Judaicas na nossa região. Foi sem duvida uma excelente introdução para as actividades propostas pela organização para o dia seguinte.
Foi ainda com as palavras proferidas nas conferencias e tertúlias do dia anterior nos ouvidos, que no segundo dia nos foi proporcionada uma visita guiada por Trancoso onde podemos observar e interpretar com a preciosa ajuda de especialistas, muitos dos vestígios que Trancoso orgulhosamente exibe a quem os visita.
Foi possível constatar que muitos dos vestígios observados são idênticos aos que podemos encontrar no Sabugal, em Sortelha, em Vilar Maior e em muitos outros locais do concelho do Sabugal.
Durante a visita houve ainda a oportunidade de ver a Capela erigida em homenagem ao casamento do Rei D. Diniz com a Rainha Santa Isabel, tendo na altura sido aventada a possibilidade de estabelecer parcerias entre Trancoso e o Sabugal, uma vez que se foi em Trancoso que estes nossos Reis casaram, foi no Sabugal que o milagre que faria da Rainha Santa, aconteceu.
Ao longo de dois dias foi possível participar num evento que sem duvida foi enriquecedor do ponto de vista histórico e cultural, mas foi tambem possivel dar a conhecer algum do património que o Sabugal possui a individualidades e investigadores que se dedicam a estudar a história da nossa região. Para alguns foi o despertar para a surpreendentemente rica história que o património do Sabugal encerra.
Esta participação da Casa do Castelo veio consolidar a certeza de que temos muito caminho para desbravar, acreditamos que após esta participação e a divulgação que foi feita, mais cientistas terão no Sabugal razões como as do Professor Jorge Martins para se debruçarem sobre a história que o nosso importante património encerra.
A Casa do Castelo será sempre uma porta aberta e, à boa maneira Arraiana, uma mesa posta para quem tem a gentileza de nos enriquecer com o seu contributo e saber.
A todos os organizadores e participantes dos «Serões da Beira» em Trancoso, em nome da Casa do Castelo, quero agradecer estes dois dias tão enriquecedores e a oportunidade de conhecer ou rever pessoas que se interessam pela história e património do nosso povo.
Natália Bispo

Deixar uma resposta