Tag Archives: natureza

António Martins - Capeia Arraiana

Um Rio, uma Reserva, um Território

Caminhando cerca de sete quilómetros nas margens do rio, para montante, no sentido da nascente do Côa, entre as aldeias de Vale de Espinho e Fóios, encontramos cerca de 20 cascatas, resultantes das açudes construídas no rio.

Rio Côa

Brasão Figueira Castelo Rodrigo - Capeia Arraiana

Escola de Figueira promove literacia científica

Ao abrigo dos dias ainda quentes que se fizeram sentir no outono e acreditando no grande potencial das aulas de campo, o Agrupamento de Escolas de Figueira de Castelo Rodrigo proporcionou aos alunos de Biologia e Geologia três dias de acampamento na Reserva da Faia Brava.

Descobrindo o património natural de Figueira de Castelo Rodrigo

Descobrindo o património natural de Figueira de Castelo Rodrigo

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de José Manuel S. Louro

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O segundo dia da cimeira sabugalense, realizada há 20 anos, prosseguiu com a intervenção de José Manuel S. Louro, que abordou o tema «Valores da natureza e da arte».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

Caminhada

Caminhada, ou passeio pedestre. Uma salutar maneira de passar o tempo entre paisagens maravilhosas do no nosso Concelho, meditando sobre a vida, e porque não sobre a morte? Bem longe de um mundo desumanizado, onde os temas de conversa pouco vão mais além do futebol, da baixa política e da vida alheia.

Caminhar pela Natureza

Caminhar pela Natureza

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

O Papa Francisco e a Mãe Terra

Querido leitor(a), tudo o que existe, coexiste. O que nós fizermos à Terra provoca por parte dela uma reacção, os antigos gregos chamavam-lhe Gaya, um ser vivo. Portanto, temos de manter com a Terra uma relação de sustentabilidade.

O Papa Francisco está preocupado com a Natureza

O Papa Francisco está preocupado com a Natureza

Sabugal integra associação de defesa do lince

O executivo municipal do Sabugal decidiu, na última reunião, em 13 de Abril, a adesão da Câmara Municipal do Sabugal à Iberlinx, associação para a conservação do lince ibérico e desenvolvimento dos seus territórios, a qual foi criada em Agosto de 2010.

Lince Ibérico - Malcata - Sabugal - PenamacorA adesão do Sabugal acontece a convite da própria associação, que enviou um ofício ao presidente da Câmara do Sabugal, convidando-o a associar-se.
A Iberlinx, que tem como associados entidades colectivas de direito público, foi formalmente fundada em 26 de Agosto de 2010, tendo entre os seus fundadores os municípios de Penamacor, Beja, Barrancos, Moura, bem como as empresas Estradas de Portugal e Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva (EDIA)..
A associação, que tem a sede na Herdade da Coitadinha, em Barrancos, tem por principais objectivos a promoção e recuperação do lince ibérico, face ao perigo de extinção que ameaça essa espécie animal, bem como a promoção do desenvolvimento social e económico dos territórios onde se incluem os habitats naturais da espécie.
Para o desenvolvimento de actividades foi estabelecido um acordo com o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB) para a execução de algumas acções e para a obtenção do seu financiamento.
A exposição Terra de Linces, que acontece em Penamacor, foi uma das iniciativas que surgiram já através da Iberlinx, e com a adesão do Sabugal à associação, poderá passar proximamente também por este concelho raiano.
A adesão do Município do Sabugal foi decidida por unanimidade no seio do executivo camarário.

Alguém deveria explicar a razão pela qual o Sabugal ficou de fora do lançamento desta associação, já que o concelho do Sabugal inclui uma parte do território que constitui o habitat natural de excelência do lince, que é a Serra da Malcata. Penamacor não esteve a dormir, pois está entre o grupo de fundadores e o presidente da Câmara, Domingos Torrão, deslocou-se pessoalmente a Lisboa, em 26 de Agosto de 2010, a fim de assinar a escritura da associação intermunicipal.
plb

Turistrela aposta na interpretação da Natureza

A Turistrela é uma empresa vocacionada para o ambiente e turismo de natureza que calendarizou para o mês de Setembro actividades de interpretação da Natureza no Parque Natural da Serra da Estrela.

Lagoa Comprida - Serra da EstrelaO calendário de actividades do mês de Setembro da Turistrela-Ambiente e Turismo de Natureza propõe diversas iniciativas de interpretação da Natureza no Parque Natural da Serra da Estrela.
Decorreu no passado dia 5 de Setembro uma saída de campo para «Observação das borboletas no Parque Natural da Serra da Estrela». Em todo o Parque Natural existem cerca de 100 espécies de borboletas diurnas e 700 de borboletas nocturnas. Nesta actividade pretende-se dar a conhecer algumas das espécies que vivem no Parque e como se desenvolve o estudo deste grupo de animais ainda pouco conhecido em Portugal. O encontro foi marcado para o CIT-Centro de Interpretação da Torre e incluiu sessão nocturna.
Para sábado, dia 19, está marcado um workshop sobre «A transumância e a pastorícia na Serra da Estrela», dinamizado por técnicos do Museu dos Lanifícios da Universidade da Beira Interior, na Covilhã. No encontro vão ser abordadas as temáticas do enquadramento geográfico, abordagem histórica, evidências patrimoniais e sobrevivências e reminiscências do pastoreio na actualidade. O encontro terá início às 10 horas no CIT-Centro de Interpretação da Torre.
No domingo, dia 20, será feita uma «Observação de aves no Parque Natural da Serra da Estrela». As aves são o grupo de animais mais fáceis de observar e que, desde sempre, despertaram a nossa curiosidade, sobretudo pela sua peculiaridade na capacidade de voar e pelo canto. Também na Serra da Estrela encontramos algumas espécies de aves que se adaptaram às condições da montanha e aos ecossistemas de altitude e, por isso, muitas delas são raras no nosso país. Das cerca de 100 espécies de aves nidificantes na Estrela a organização do evento destaca as mais emblemáticas: melro-das-rochas (monticola saxatilis), melro-azul (monticola solitarius), sombria (emberiza hortulana), cia (emberiza cia), águia-caçadeira (circus pygargus), falcão-peregrino (falco peregrinus), águia-real (aguila chrysaetos), águia-cobreira (circaetus gallicus), abutre-do-egipto (neophron percnopterus), corvo (corvus corax), gralha-de-bico-vermelho (pyrrhocorax pyrrhocorax), chasco-cinzento (oenanthe hispanica), cegonha-negra (ciconia nigra), petinha-dos-campos (anthus campestris). Os interessados devem comparecer equipados com binóculos (8x a 10x), guia e caderno de campo, às 10 horas, no Hotel Serra da Estrela.
No último sábado, dia 26, a Turistrela organiza um percurso circular em torno da maior lagoa da Serra da Estrela. O percurso é acessível com uma primeira parte em caminho largo de terra batida. A segunda parte do percurso é mais acidentado, embora não muito desnivelado, pois o itinerário é feito na vertente mais rochosa da Lagoa Comprida. A paisagem no local apresenta vestígios do glaciar do Covão Grande. O ponto de encontro é no CIT-Centro de Interpretação da Torre às 10 horas.

Os contactos para marcações ou informações devem ser feitos para a Turistrela-Ambiente e Turismo de Natureza. Aqui.
jcl

Festa da Pecuária em Castelo Rodrigo

A 2.ª Edição da Festa da Pecuária, organizada pela Associação Transumância e Natureza, com o apoio da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo e da Junta de Freguesia de Castelo Rodrigo, vai decorrer no próximo dia 9 de Maio, na Aldeia Histórica de Castelo Rodrigo. O evento pretende destacar a importância da criação de gado na economia local, com destaque para a existência de produtos de grande qualidade como são o borrego regional, o queijo e o fumeiro. Este certame pretende também lembrar um sector, por vezes esquecido, que interessa modernizar, dignificar e valorizar.

Festa da Pecuária em Figueira de Castelo RodrigoA Festa da Pecuária começa com um passeio equestre que liga Figueira de Castelo Rodrigo à aldeia histórica de Castelo Rodrigo. A música tradicional de gaiteiros e concertinas ouvir-se-á pelas ruas, convidando a população e visitantes a participar na festa.
Ao início da tarde, a aldeia de Castelo Rodrigo será palco do Desfile da Transumância, em que todos poderão participar, acompanhando os rebanhos pelas ruelas do castelo, ao som de música tradicional, com gaitas de fole, bombos, pífaros e concertinas à mistura. O desfile será também animado por personagens rurais do passado, vestidas a rigor e fazendo-nos lembrar a importância ancestral da pastorícia nesta região. Os participantes poderão ainda visitar uma mostra de produtos regionais de qualidade, fazer passeios em burro mirandês e experimentar iguarias regionais num lanche verdadeiramente tradicional, com porco e borrego assados. Já à luz da lua, a festa segue com Sebastião Antunes Trio, com canções que nos recordam histórias e sons antigos da terra.
A pecuária é um dos sectores de actividade mais importantes da comunidade rural da região de Riba-Côa, na qual se insere o concelho de Figueira de Castelo Rodrigo.
A presença de um importante efectivo pecuário neste concelho tem raízes muito antigas, nomeadamente a partir da Idade Média, com os Monges de Cister do Convento de Santa Maria de Aguiar, grandes promotores da criação de gado. Durante grande parte do século XX, o concelho de Figueira de Castelo Rodrigo passou a ser uma referência pela grande quantidade, qualidade e diversidade de animais de criação. Mereciam destaque a ovinicultura e a produção mulateira, sendo este concelho o maior centro de produção e venda na região Beirã. A actividade pecuária chegou saudável até aos dias de hoje, com 20000 ovinos e perto de 1000 bovinos, que se distribuem neste concelho por quase três centenas de explorações agro-pecuárias.
Apesar dos altos e baixos que esta actividade tem sentido durante as últimas décadas, a pecuária continua a ser determinante para a vida de centenas de agricultores. A sua sobrevivência dependerá da modernização das práticas e do fomento à produção dos alimentos de grande qualidade que dela derivam (queijo, leite, carne e fumeiro).
Para além destes produtos, a pecuária apresenta hoje potencialidades para relacionamento com outros aproveitamentos socio-económicos, nomeadamente a animação turística, a protecção florestal, a silvo-pastorícia e a gestão de espécies e habitats naturais.
António Monteiro