Tag Archives: maria máxima vaz

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis – Árvore genealógica

O pergaminho com a representação da família de El’Rei D. Dinis faz parte de um conjunto que representa a Genealogia da Família Real Portuguesa. Foi encomendado por Damião de Góis a um iluminista flamengo, a pedido de D. Fernando, filho do rei D. Manuel, e executado em Bruges no ano de 1530, pelo grande artista Simão de Bening. Deste conjunto restam hoje 11 folhas, tendo-se perdido as restantes. Para nossa vergonha já não nos pertencem. Em 1843 foram vendidas em Lisboa num leilão, a um inglês que as vendeu seguidamente ao Museu Britânico com elevados lucros. São hoje consideradas uma das grandes preciosidades desse Museu.

Árvore geneológica de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - Capeia Arraiana

Iluminura com a representação da família do Rei D. Dinis (Museu Britânico)

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis – A Confraria dos Cavaleiros do Sabugal

«(…) A 15 de Outubro de 1307, fizeram os moradores do Sabugal, terra vizinha aos Reynos de Castella huma instituição para sustentar Cavalaria. (…)» As guerras internas de Castela ocorridas próximo das nossas fronteiras, segundo os cronistas, não teriam sido alheias à fundação desta Confraria dos Cavaleiros do Sabugal.

Confraria dos Cavaleiros do Sabugal - Capeia Arraiana

Recriação história no castelo da Aldeia Medieval de Vilar Maior no concelho do Sabugal

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Máxima Vaz no Instituto de História Contemporânea

A historiadora sabugalense Maria Máxima Vaz foi convidada para integrar o grupo de investigadores do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa.

Maria Máxima Vaz - Confraria Marmelada Odivelas - Capeia Arraiana

Maria Máxima Vaz

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis – Diplomacia e cofres abonados

«Quem diplomacia e abonados cofres tiver… só lutará se quiser…» D. Dinis tinha as duas coisas e por isso se diz que fez tudo quanto quis. Nos anos que se seguiram ao Tratado da Alcanises, os pedidos de ajuda a Portugal por parte de Castela foram uma constante. Ajuda em dinheiro e ajuda militar. Nunca o Rei D. Dinis faltou com essa ajuda ao seu genro Fernando IV.

Rei Fernando IV de Castela -  O Emplazado - Capeia Arraiana

Rei Fernando IV de Castela, O Emplazado (a prazo)

José Carlos Lages - Capeia Arraiana - Orelha

D. Dinis – Entre Odivelas e o Sabugal (1)

O Capeia Arraiana juntou, em Odivelas, junto ao túmulo de El Rei D. Dinis dois dos mais ilustres historiadores do concelho do Sabugal: Maria Máxima Vaz e Adérito Tavares. O resultado dessa histórica conversa – «Por terras de D. Dinis… Na Raia da Memória» – é um documentário dividido em dois episódios que nos orgulhamos de publicar e partilhar com todos. Os documentários podem ser vistos na LocalVisãoTV na Zon (posições 14 e 199), Meo (198 e 199), Cabovisão (16), Vodafone TV (198 e 199) e Optimus Clix (19).

LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana

ca2013_localvisaotv_550x15

Autoria: Capeia Arraiana posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

D. Dinis – Entre Odivelas e o Sabugal (2)

O Capeia Arraiana juntou, em Odivelas, junto ao túmulo de El Rei D. Dinis dois dos mais ilustres historiadores do concelho do Sabugal: Maria Máxima Vaz e Adérito Tavares. O resultado dessa histórica conversa – «Por terras de D. Dinis… Na Raia da Memória» – é um documentário dividido em dois episódios que nos orgulhamos de publicar e partilhar com todos. Os documentários podem ser vistos na LocalVisãoTV na Zon (posições 14 e 199), Meo (198 e 199), Cabovisão (16), Vodafone TV (198 e 199) e Optimus Clix (19).

LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana

ca2013_localvisaotv_550x15

Autoria: Capeia Arraiana posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis – e depois de Alcanises…

O Sabugal foi a terra preferida pelo Rei D. Dinis em toda esta zona de fronteira. Basta lermos os textos dos cronistas para chegarmos a esta conclusão…

Rei D. Dinis e Rainha Santa Isabel - Capeia Arraiana

Rei D. Dinis e Rainha Santa Isabel

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis – o Tratado de Alcanises

«Ainda que os Reys de Leão estavam senhores de Riba de Coa até ao tempo delRey Dom Dinis, não tiveram o senhorio della continuado, mas no tempo que foram senhores desta enobreceram os lugares e villas principais com castelos, ainda que faltam oje o de Caria Talaia e o de Monforte, que ficava uma légua abaixo de Pinhel em uma penha sobre o rio Coa, onde agora se conserva uma ermida.» (Frei Francisco Brandão).

Tratado de Alcanices - Maria Máxima Vaz - Torre do Tombo - Capeia Arraiana

Tratado de Alcanises – Torre do Tombo

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis – a Liga Peninsular contra Castela

A Participação de Portugal na Liga Peninsular contra Castela deu ao nosso Rei D. Dinis a oportunidade de tomar pelas armas as terras de Ribacoa no ano de 1296. Estarão recordados que o legítimo herdeiro de Afonso X de Castela e Leão era seu neto, Afonso de Lacerda, menor de idade à morte de seu avô. Seu tio Sancho IV foi um usurpador que nem esperou pela morte de seu pai e se fez reconhecer pela Corte, para ter legitimidade.

Planta do Castelo do Sabugal - Capeia Arraiana

Planta do Castelo do Sabugal

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis assina acordo na Guarda em 1295

Todo o processo que diz respeito à posse das terras de Ribacoa está relacionado com a conjuntura política no reino de Castela, que já englobava o reino de Leão no tempo de Afonso X o Sábio. O acordo entre D. Dinis, o infante D. João e os representantes da rainha Maria de Molina que resultaria no Tratado de Alcanises foi assinado na cidade da Guarda a 6 de Setembro de 1295.

Monumento Tratado Alcanices - Capeia Arraiana

Monumento comemorativo do Tratado de Alcanices

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Acção diplomática de D. Dinis

Tratados efectuados entre os reis da Península Ibérica, devidos à habilidade diplomática do Rei D. Dinis. Várias vezes foi pedido apoio ao nosso rei, pelos herdeiros dos reinos de Leão e Castela. Nunca D. Dinis recusou a sua intervenção. Nalgumas ocasiões foi pedido apoio armado, mas D. Dinis, sem recusar o uso da força, conseguiu sempre levar as partes a aceitarem as suas propostas e a assinarem os tratados acordados.

Maria de Molina (Rainha de Castela) apresenta o filho D. Fernando IV - Capeia Arraiana

Maria de Molina (Rainha de Castela) apresenta à corte o filho D. Fernando IV com nove anos

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Defesa marítima – «o construtor de naus a haver»

Não bastava a Portugal a defesa terrestre. A pirataria sarracena atacava e assaltava a costa portuguesa, com mais forte incidência no estuário do Tejo, e em particular na capital.

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Rei D. Dinis organizou a «Defesa Terrestre»

O reinado de D. Dinis ficou marcado por uma política de fomento e de «nacionalizações», no dizer do Professor José Mattoso. Entendo este termo nacionalizações no sentido de o reino estar na posse de tudo quanto lhe pertence por direito e tratados, de estar dotado de instituições de forma que não precise de recorrer às estrangeiras, de serem nacionais e geridas por portugueses as instituições existentes em Portugal e defenderem, em primeiro lugar, os interesses do nosso país.

Fortaleza de Almeida - D. Dinis - Capeia Arraiana

Fortaleza de Almeida (Foto: D.R.)

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

A importância do conhecimento para o Rei D. Dinis

FUNDAÇÃO DA UNIVERSIDADE – Como já foi dito, D. Dinis teve uma educação esmerada, graças ao seu pai, o rei D. Afonso III, que deu mostras de também pensar na instrução dos seus vassalos. Foi este rei que fundou a primeira escola pública, e que funcionou no Mosteiro de Alcobaça, porque era lá que estavam os mestres.

Universidade de Coimbra

Universidade de Coimbra

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Um Rei jovem que soube por onde começar

A itinerância não foi obstáculo à governação de D. Dinis e as boas medidas apareceram desde o início do seu reinado.

Rei D. Dinis - Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - Capeia Arraiana

Rei D. Dinis

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Rei D. Dinis foi um monarca empreendedor

O Rei D. Dinis herdou um reino cujo território foi conquistado pelos seus antepassados e essa conquista só terminou no reinado de seu pai, D. Afonso III.

Rei D. Dinis - Por Terras de D. Dinis - Máxima Vaz - Capeia Arraiana

El Rei D. Dinis

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

D. Dinis – A história de um rei sábio e justo

«…Foi um Príncipe capaz de ser o primeiro e não um sucessor, em qualquer monarquia.»

José Carlos Lages, Maria Máxima Vaz e Adérito Tavares - Odivelas - Capeia Arraiana

Adérito Tavares e Maria Máxima Vaz em Odivelas junto à rua com o seu nome