Tag Archives: livro

Fernando Capelo - Terras do Jarmelo - © Capeia Arraiana

Retratos de um Povo

Chegou-me o livro “Retratos de um Povo” pela mão do seu autor, José Grilo dos Santos, meu amigo de sempre. Foi-me entregue sob um olhar embebido de cumplicidade, gerada por vivências comuns e por uma ampla sobreposição de gostos.

José Grilo dos Santos retrata uma época plena de peculiaridades

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Sabugalense apresenta livro em Lisboa

Manuel Pires Nunes, natural dos Fóios, concelho do Sabugal, vai apresentar o seu livro «Adivinhar Portugal» no dia 2 de Junho, às 17:30, em Lisboa.

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Cinquenta anos de criação literária

Estas linhas são uma simples e modesta homenagem a um escritor português, com grande obra publicada, embora muitas vezes injustamente esquecido. Estou a referir-me a Manuel da Silva Ramos, nascido em 1947 na Covilhã. Estudou Direito na Universidade de Lisboa e na “primavera marcelista” exilou-se em França, de onde só regressou em 1997.

Lançamento do livro “Os Três Seios de Novélia”na Biblioteca Eugénio de Andrade no Fundão

Casa do Concelho do Sabugal em Lisboa - © Capeia Arraiana (orelha)

O livro de António Alves Fernandes

A Casa do Concelho do Sabugal em Lisboa foi o lugar escolhido por António Alves Fernandes para apresentar aos raianos da diáspora o seu livro «O Nosso Homem». Todos são convidados a estar presentes no evento.

Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Rostos da Emigração ou Contos Consulares

«Contos Consulares» poderia ter sido o título do meu último livro ao qual designei «Rostos da Emigração». Sabemos que cada rosto é uma vida, um romance, um filme.

O novo livro de Joaquim Tenreira Martins

Casa do Concelho do Sabugal em Lisboa - © Capeia Arraiana (orelha)

Filomena Bernardo apresenta livro

Dia 21 de Maio vai ser apresentado na casa do Concelho do Sabugal em Lisboa o livro «A Beleza não tem Idade», de Filomena Bernardo.

13151491_1276278462399460_2372881941734929965_n

Casa do Concelho do Sabugal em Lisboa - © Capeia Arraiana (orelha)

Franklim Costa Braga lança novo livro

No dia 12 de Março a Casa do Concelho do Sabugal em Lisboa vai acolher o lançamento do IV Volume da obra monográfica «Para que não se perca a memória de 400 anos de vida em Quadrazais», da autoria de Franklim Costa Braga.

O livro vai ser apresentado às 14h30

O livro vai ser apresentado às 14h30

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – O ontem e o hoje

Hoje uma crónica pequenina, a anunciar os dias mais pequenos que em Setembro já se notam. Um novo livro e duas notas históricas surpreendentes para mim são o conteúdo que vai encontrar quando ler. Esta tem o número 244. Para a semana há mais.

Capela do Reduto

Capela do Reduto

Câmara Municipal da Guarda - © Capeia Arraiana (orelha)

Apresentação do livro «Guarda os produtos de cá»

No próximo dia 15 de Novembro às 15h30 será apresentado na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda, o livro «Guarda os produtos de cá», da autoria de Márcio Fonseca.

Prémio literário para Manuel António Pina

O livro «Como se desenha uma casa», de Manuel António Pina, venceu a oitava edição do prémio de poesia Teixeira de Pascoaes.

O prémio literário foi criado pela Câmara Municipal de Amarante e a sua atribuição ao último livro de Manuel António Pina resultou de uma escolha entre 166 livros apresentados a concurso, de 159 autores.
A entrega do prémio, a título póstumo, está marcada para 15 de Dezembro, no auditório da Biblioteca Municipal Albano Sardoeira, em Amarante.
Manuel António Pina, poeta, escritor, jornalista, Prémio Camões em 2011, natural do Sabugal, faleceu no Porto a 19 de Outubro deste ano, com 68 anos.
O prémio Teixeira de Pascoaes, de periodicidade bienal, foi instituído em 1997, aquando da passagem dos 120 anos do nascimento do poeta de Amarante.
plb

Apresentação de livro sobre as invasões francesas

Às 18,30 horas do dia 19 de Maio, quinta-feira, vai ser apresentado em Lisboa o livro «Sabugal e as Invasões Francesas», da autoria de Manuel Francisco Veiga Mourão, Joaquim Tenreira Martins e Paulo Leitão Batista. A sessão vai acontecer na Casa do Concelho do Sabugal.

O filósofo e escritor Pinharanda Gomes, que assina o prefácio do livro, fará a apresentação, seguida de algumas palavras dos autores.
O livro fala das invasões francesas tendo sempre por pano de fundo o Sabugal, por onde os exércitos passaram por diversas vezes e onde se deu a derradeira batalha em solo português.
Manuel Francisco Veiga Mourão, natural de Torres Vedras, coronel na reserva e historiador militar, escreve sobre a Batalha do Sabugal, descrevendo com minúcia o campo de batalha, as forças em presença, os planos dos comandantes, para depois explicar a evolução das tropas no decurso do combate.
Joaquim Tenreira Martins, investigador natural de Vale de Espinho, fala do Sabugal no tempo de Napoleão Bonaparte. Descreve a forma como se organizavam os exércitos e como se abasteciam, a politica de terra queimada praticada por Wellington, as surpresas e as tentações de Massena, descrevendo ainda em pormenor a passagem dos exércitos pelo Sabugal e a batalha que ali teve lugar.
Paulo Leitão Batista, economista natural do Sabugal e co-autor do blogue Capeia Arraiana, faz a memórias das invasões, referindo os momentos em que as tropas passaram pelo Sabugal e traçando o perfil dos generais ingleses e franceses que as comandaram.
A Casa do Concelho do Sabugal está sedeada na Avenida Almirante Reis, nº 256, 2º Esqº, em Lisboa, local onde a sessão de apresentação do livro «Sabugal e as Invasões Francesas» terá lugar.
jcl

Literatura - Capeia Arraiana (orelha)

«As Metamorfoses do Lobo» de António Emídio

O escritor sabugalense António Emídio brindou-nos com novo livro, mais uma vez voltado para a análise social e política. Trata-se de um romance marcado pela sua ânsia de comunicar e de partilhar as preocupações perante o mundo de injustiças em que vivemos.

O Livro de Valongo do Côa

«Terra-Vida-Alma, Valongo do Côa», é um livro escrito por uma família ilustre, de pedagogos e investigadores, fiéis ás berças, que lançaram mão a uma profunda e nobre tarefa: a elaboração de um rigoroso estudo sobre a história e a cultura da terra natal.

O livro de Valongo do CôaOs autores, unidos por laços de sangue, são: Francisco Carreira Tomé, Alice Tomé, Teresa Pires Carreira, Nuno Rafael Tomé e Filipe Alexandre Carreira. São professores nascidos em Valongo, mas que residem e trabalham longe da aldeia natal. Porém Valongo está-lhes no coração e o livro, editado no ano 2000, espelha a saudade dos tempos idos, da altura em que o povo sentia mais o pulsar da vida, com as casas habitadas e os campos em permanente cultivo.
Valongo é terra de gente sofredora, porque, no longo tempo, sujeita a muitas contrariedades: o clima agreste (nove meses de Inverno e três de inferno), a pobreza crónica das suas terras de cultivo, a sujeição histórica a invasões e a refregas fronteiriças. Só que a aldeia teve também os seus mimos, sobretudo visíveis nos excelentes produtos que a terra produz, e, ainda mais, na vivência quotidiana de antigamente, em que as tradições e os aspectos etnográficos das actividades desenvolvidas lhe deram um forte manancial de cultura popular que urge preservar. E este livro de fortes sentimentos, de exaltação de um povo, traz à liça os elementos que lhe podem consagrar o futuro, como sejam: o aproveitamento da beleza natural, a reposição de tradições, a dinamização do convívio entre os naturais espalhados pelas quatro partidas do mundo.
Interessante, quando não perspicaz, é a teoria da escassez populacional de Valongo, que assenta na tese de que foi a consequência da constante sujeição de Riba Côa, à administração militar, que era impessoal e se revelou efémera. De um dia para o outro os militares abandonaram as zonas de fronteira, recuando os aquartelamentos para junto do litoral, e com isso se desfez a sociologia local.
Na sua maior parte o texto é solto, correndo livre e folgazão, muito ao jeito das falas populares, recriadas com realismo. Noutras partes há uma linguagem coloquial, de tom afectuoso, só possível aos pedagogos, que, como estes, sabem ensinar cativando o discípulo. Notam-se sentimentos de nostalgia, como na descrição da vida e do ambiente familiar de outros tempos, quando os seus maiores irradiavam alegria e amor, mau grado as regras austeras da antiga vida em comunidade.
plb