Tag Archives: enchidos

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

Bucho raiano – um prato de excelência

Nas nossas terras raianas, parte significativa da mostra gastronómica de raiz popular está nos enchidos, aqui anexos à matança do porco e ao aproveitamento de todas as suas partes. O bucho é o enchido de maior valor gastronómico e, por isso, aquele que melhor pode contribuir para a valorização económica da região.

Travessa com bucho, morcela, farinheira e grelos de nabo

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

Promover os produtos tradicionais

Está aí o tempo da castanha, das amoras silvestres, dos cogumelos e do fumeiro, produtos em que o concelho do Sabugal pode ter a excelência da qualidade e da inovação comercial.

Melhorar o controlo da qualidade

Melhorar o controlo da qualidade

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

A Matança do Porco (4)

De todos os subprodutos que a partir da carne de porco se fazem, O Bucho é aquele que maior carga social e comunitária tem. Cada porco só tinha 1 bucho (ou dois, bucho e a bexiga) por isso, o dia de comer bucho lá para Janeiro ou mesmo Fevereiro é mais um dia especial.

O fumeiro

O fumeiro

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

A Matança do Porco (3)

Mesmo no dia da matança os rios continuam presentes na vida dos vizinhos que servem. Hoje, que está frio, servem para lavar as tripas do porco logo após a sua abertura.

Pontão sobre o rio côa no Sabugal

Pontão sobre o rio côa no Sabugal

Manuel Leal Freire - © Capeia Arraiana

Cenas familiares – enchimento das farinheiras

Na Raia da minha meninice, desconhecia-se a alheira, não por ser, se é verdadeira a lenda, uma criação dos judeus conversos, mas pela penúria de carnes esfoladias e a escassez de azeites, que só se colhiam para além de Santo Estevão, ou mais especificamente nas terras que integraram o histórico e desaparecido Município de
Sortelha.

As farinheiras nos varais

As farinheiras nos varais

Gastronomia - © Capeia Arraiana

O rescaldo dos Roteiros Gastronómicos

A quarta edição dos Roteiros Gastronómicos, desta vez com a oportuna epígrafe «Sabugal à Mesa», foram do agrado geral e contribuíram para a divulgação da cozinha tradicional raiana e dos restaurantes do concelho do Sabugal. Bucho, enchidos e cabrito na brasa terão sido os pratos mais apreciados pelos que nos visitaram no decurso do evento.

Loja de produtos raianos sabugalenses em Lisboa

Foi recentemente assinado no Sabugal o protocolo entre a Câmara Municipal, a Casa do Concelho e a Cooperativa Agrícola que irá permitir concretizar a abertura de uma loja de produtos raianos sabugalenses em Lisboa.

Loja de Produtos Regionais Raianos do SabugalOs produtores agrícolas do Sabugal há muito que vêem repetindo o mesmo lamento. A falta de escoamento dos seus produtos que depois de muitos trabalhos e canseiras apenas servem para alimentar os animais. A vontade de desistir está, quase sempre, presente nas suas conversas e desabafos. A qualidade dos seus produtos é inquestionável e utilizando um termo que é moda nas cidades podemos falar em verdadeira agricultura biológica.
Surge, agora, uma tentativa de inverter a situação. Vai, finalmente, avançar a loja de venda de produtos raianos do concelho do Sabugal em Lisboa.
Após várias reuniões preparatórias foi aprovado por unanimidade em reunião ordinária do executivo camarário o protocolo de parceria entre três entidades do Sabugal: a Câmara Municipal, a Casa do Concelho e a Cooperativa Agrícola. Estavam presentes pelo município o presidente Manuel Rito Alves, o vice-presidente Manuel Fonseca Corte, e os vereadores António dos Santos Robalo, Ernesto Cunha, José Santos Freire, Luís Manuel Nunes Sanches e Rui Manuel Monteiro Nunes, o presidente da Casa do Concelho do Sabugal, José Eduardo Lucas e o presidente da Direcção da Cooperativa Agrícola do Sabugal (acumulando como presidente da Junta de Freguesia do Sabugal) João Luís Batista.
O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, Manuel Rito Alves, aproveitou para dizer que «tinha solicitado aos representantes da Casa do Concelho do Sabugal, da Cooperativa Agrícola do Sabugal e da Junta de Freguesia do Sabugal para estarem presentes na reunião afim de discutirem as cláusulas do protocolo a celebrar entre a Câmara e as entidades por eles representadas com o objectivo de concretizarem o projecto de promoção da produção agrícola e pecuária do concelho arranjando formas alternativas de escoamento, em parceria com outras instituições».
Manuel Rito aproveitou ainda para lembrar que o protocolo pretende «preservar e valorizar o património natural e cultural, promovendo e dinamizando actividades turístico-culturais capazes de criar emprego e gerar riqueza».
O projecto prevê a inscrição, legalização e licenciamento dos produtores do concelho do Sabugal que farão chegar batatas, castanhas, queijos, mel, fruta, hortaliça, buchos, enchidos, etc., a um armazenamento inicial no Sabugal para posterior transporte até Lisboa.
Na Casa do Concelho do Sabugal, em Lisboa, irá funcionar uma loja de encomenda e venda aberta a todos os interessados dos produtos raianos sabugalenses.
O sucesso do projecto que envolve um investimento de 100 mil euros suportado pela Câmara Municipal do Sabugal irá depender do querer e boa-vontade de todos. Produtores, entidades envolvidas e especialmente dos sabugalenses que vivem na grande Lisboa. Vamos acreditar na iniciativa porque por um lado escoamos os produtos do concelho e por outro consumimos na «grande cidade» qualidade comprovada.
Parabéns às três entidades por terem passado o projecto da teoria à prática.
«A Cidade e as Terras», opinião de José Carlos Lages

jcglages@gmail.com