Tag Archives: cultural

À fala com… José Joaquim Marques (2)

À fala com… José Joaquim Marques, presidente da Associação Recreativa e Cultural da Torre.

GALERIA DE IMAGENS – ASSOCIAÇÃO CULTURAL RECREATIVA DA TORRE
Clique nas imagens para ampliar

Sabugal e Soito disputam 1.ª Divisão Distrital

Pela primeira vez o concelho do Sabugal vai ter duas equipas na disputa do Campeonato Distrital da 1.ª Divisão da Associação de Futebol da Guarda: Sporting Clube do Sabugal e Associação Cultural e Desportiva do Soito.

Campeonato Distrital de FutebolO Campeonato Distrital tem o inicio marcado para o dia 10 de Outubro. Nessa jornada o Sabugal recebe a equipa de Foz Côa e o Soito desloca-se a Celorico.
O Campeonato de Futebol das equipas seniores da Associação de Futebol da Guarda foi reduzido de 16 para 14 clubes na presente época, o que o torna mais competitivo, pois a disputa de subida e manutenção será mais árdua.
Os dois clubes do concelho jogam entre si logo na segunda jornada do campeonato, no dia 18 de Outubro, quando o Soito recebe o Sabugal no seu campo. Na segunda volta do campeonato será o Soito a deslocar-se à sede do concelho, o que acontecerá na 15.ª jornada, no dia 7 de Fevereiro de 2010.
O Soito foi o campeão da segunda divisão distrital na época passada e chega agora à divisão principal pela primeira vez, juntamente com o Penaverdense. O Soito demonstrou que tem potencial e espera-se que se consiga ambientar a um nível competitivo mais exigente, lutando para obter um lugar tranquilo na classificação.
Já o Sabugal tem sobre os ombros a responsabilidade de ser considerado um dos clubes consagrados do campeonato. Na época passada ficou em terceiro lugar e esteve a um passo de se sagrar campeão distrital. Muitos consideram-no, a par do Aguiar da Beira, um dos favoritos deste campeonato e isso dá-lhe uma especial responsabilidade. Mantém como treinador Manuel Barbosa e como adjunto José Carvalho. A equipa reforçou o plantel, tendo ido buscar jogadores ao Fornos, Meda e Trancoso, assim como um jogador muito promissor ao Atalaia, um clube do distrito de Castelo Branco.
Carlos Janela, presidente do clube assume que o objectivo é vencer o campeonato e subir para a terceira divisão nacional. «Haverá outras equipas com o mesmo objectivo, mas nós assumimo-lo e vamos tentar atingi-lo», disse-nos o presidente.
Para além da equipa sénior, o Sabugal contará ainda com equipas nas camadas jovens: duas de «escolinhas», uma de infantis, uma de iniciados e uma de juniores. Em estudo está a possibilidade de também se constituir uma equipa de futebol feminino.
Carlos Janela diz não temer o embate com o Soito: «sinceramente, espero que sejam dois dias de festa, onde se espera que ganhe o melhor, esperando eu que o melhor seja o Sabugal».
João José, presidente da Associação Cultural e Desportiva do Soito, diz que o principal objectivo da equipa soitense é conseguir disputar um campeonato tranquilo, evitando a despromoção. «A meta é a manutenção, mas tentando fazer o melhor», diz o presidente. Revelou-nos ainda que houve alguns reajustamentos na equipa, com a dispensa de alguns jogadores e a entrada de outros. Alguns bons jogadores que já haviam jogado no clube regressaram e foram ainda buscar um atleta ao Unhais da Serra. Quanto à expectativa que tem com a disputa dos dois jogos com o Sabugal, João José também espera que sejam momentos de bom futebol, seguidos de convívio. «Temos de ter em conta que são equipas diferentes, porque o Sabugal assume lutar para ser campeão e nós queremos bater-nos para nos mantermos na primeira divisão distrital, mas tenho a certeza que serão jogos bem disputados».
No dia 18 de Outubro, quando o Soito receber o Sabugal, os atletas soitenses receberão as faixas de campeão da segunda divisão e de seguida haverá um jantar de convívio entre as duas equipas. Espera-se que quando o jogo se repetir no Sabugal a festa continue.
plb

Capeia Arraiana – Património Cultural Imaterial

O meu caro amigo e conterrâneo Kim Tomé vem defendendo de forma veemente a classificação da Capeia Arraiana enquanto Património Cultural Imaterial, posição com a qual estou de acordo e que agora pode e deve avançar.

Ramiro Matos – «Sabugal Melhor»Na verdade foi publicado no Diário da República, de 15 de Junho, o Decreto-Lei n.º 139/2009 que estabelece o regime jurídico de salvaguarda do património cultural, de harmonia com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, adoptada na 32.ª Conferência Geral da UNESCO, em Paris em 17 de Outubro de 2003.
Lendo o conteúdo deste decreto, percebe-se de imediato que a Capeia Arraiana pode vir a ser integrada no conceito de Património Cultural Imaterial, pois de acordo com o Artigo 1.º são consideradas como candidatáveis, entre outras, as práticas sociais, rituais e eventos festivos, classificação que, claramente, engloba a Capeia.
O processo de inventariação é naturalmente complexo e muito exigente, podendo ser apresentado pelo estado, pelas Autarquias Locais ou por qualquer comunidade, grupo ou indivíduo ou organização não governamental de interessados.
Está assim aberta a janela legal que permitirá classificar a Capeia Arraiana como Património Cultural Imaterial, com as vantagens em termos de preservação e sobrevivência desta forma de cultura popular das nossas terras, mas igualmente como um contributo importante para o desenvolvimento do Concelho do Sabugal.
Ao Kim Tomé a aos meus conterrâneos arraianos só posso dizer que podem contar comigo para integrar qualquer Grupo que queiram constituir para a preparação da Candidatura, colocando desde já ao vosso dispor, naturalmente de forma gratuita, a minha experiência profissional nestas áreas.
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

rmlmatos@gmail.com

Mini-Volta a Portugal em Cicloturismo na Mêda

A Mêda e seu concelho receberam em festa, a 27 de Maio, a 19.ª Mini-Volta a Portugal em Cicloturismo, 5.º Passeio a Portugal «Ciclismo para todos» correspondente à 8.ª etapa – Mirandela–Mêda – na distância de 82 Kms, numa organização do Grupo Cultural e Recreativo de Cicloturismo do Vale do Tejo.

Cicloturismo na MêdaCom um total de 15 etapas e um percurso total de 1.100 km, a 19.ª Mini-Volta a Portugal em Cicloturismo disputou-se entre 23 e 31 de Maio de 2009. Teve o seu início em Ribeira de S. João e acabou na Golegã.
Os cerca de 40 participantes concluíram a etapa de dificuldades Grau 8 depois de passarem por Cachão, Vila Flor, Vila Nova de Foz Côa e Touca, tendo sido recebidos frente aos Paços do Concelho de Mêda pelo Presidente do Município, João Mourato.
Após a chegada os cicloturistas foram-se refrescar no Complexo Desportivo das Piscinas Municipais e confraternizar num almoço num restaurante local, onde o Município de Mêda procedeu à distribuição de lembranças.
À tarde, a caravana foi relaxar no Parque de Campismo para prosseguir a caminho da 9.ª etapa – Mêda–Pinhel (59,5 Kms) – dificuldades Grau 2, com a partida a ser dada em frente ao Município de Mêda, onde foram mais uma vez recebidos pelo Presidente da Câmara.
A XIX edição da Mini-Volta a Portugal em Cicloturismo, integra-se no calendário da Federação Portuguesa de Ciclismo como V Passeio a Portugal em Bicicleta «Ciclismo para Todos» e, pela quinta vez, faz parte do calendário UCI–União Ciclista Internacional.
A Mini-Volta a Portugal em Cicloturismo nasceu em Maio de 1991, em Alpiarça, conta com o apoio de uma grande quantidade de associações e é especialmente recomendada pela Fundação Portuguesa de Cardiologia. Daí o mês de Maio ter sido escolhido para a concretização da iniciativa por ser o «mês do coração».
Ao longo dos 19 anos que já leva de vida, a prova foi crescendo, sem esquecer os objectivos de confraternização. A amizade entre os participantes internacionalizou-se com equipas de França e Suíça e hoje é um dos maiores eventos do género que se realizam em Portugal.
O Presidente da Câmara Municipal de Mêda, João Mourato, salientou que «este tipo de actividades desportivas tem uma função pedagógica importante junto das populações, sensibilizando-as não só para o fenómeno desportivo, mas também para a prática de salutares formas de vida, sem esquecer a amizade e a confraternização».
aps

Freguesia de Penalobo - Sabugal - Capeia Arraiana

Pescaria no sábado de Páscoa em Penalobo

A tradição cumpriu-se, em mais um Sábado de Páscoa, em Penalobo. O convívio de pesca organizado pelo Centro Recreativo e Cultural de Penalobo, realizou-se pelo 13.º ano consecutivo.

(Clique nas imagens para ampliar.)

Centro Cívico dos Foios

Como é do conhecimento geral a AIBT do Côa aprovou um projecto para construção do Centro Cívico de Foios. Em boa hora o fez. O Centro Cívico tem feito deslocar imensas pessoas aos Foios e no seu auditório já foram levadas a efeito diversas actividades. Colóquios, lançamento de livros, projecção de fotos, projecção de filmes, etc. etc.

José Manuel CamposO «Espaço Internet» e a Biblioteca têm tido igualmente muita frequência. A Amélia Rei Dias, na qualidade de assessora cultural, tem desenvolvido um trabalho simplesmente notável.
Espera-se, com alguma ansiedade, a instalação do Museu de Arte Rupestre que está a ser preparado pelos arqueólogos de Vila Nova de Foz Côa e o arquitecto Paulo, do Município de Sabugal.
No balcão, que fica no hall da entrada há sempre divulgação turística de Foios, do concelho em geral e de parte da Espanha.
Estão também instaladas uma caixa multibanco e uma cabine de telefone público que também dão muito jeito à população de Foios e às muitas pessoas que nos visitam.
Também a Junta de Freguesia e o Grupo Cultural e Desportivo têm os seus espaços neste bonito edifício que se situa no Largo da Praça ou seja no coração da Freguesia. É, de facto, um espaço que muito irá contribuir para o progresso e desenvolvimento de Foios e de toda a Zona.
Centro Civico Nascente do Coa nos FoiosO Centro Cívico, muito embora esteja implantado nos Foios, é um espaço de todos e para todos. É do concelho.
Pena é que nem todas as pessoas assim o entendam. Algumas por inveja e outras com dor de cotovelo têm criticado esta obra. Mas todos sabemos que a inveja é irmã da incompetência. Eu, Zé Manel dos Foios, passo por muitas freguesias e, felizmente, muito embora não veja Centros Cívicos vejo outros melhoramentos que também gostaria de ter nos Foios. É que o muito que já fizemos ainda é pouco em relação a tudo quanto temos em mente. É com obras que se combate a desertificação e não com invejas. Nós não pretendemos ser únicos. Pretendemos que o Concelho se desenvolva de uma forma harmoniosa, sem guerras e sem invejas. O poder central tem que ter em conta o Interior do País e nós teremos que ser cada vez mais persistentes e reivindicativos. Portugal não pode ser só Lisboa e o resto paisagem. Pela parte que nos diz respeito não deixaremos de gritar, bem alto, que existimos e que queremos justiça.
Boas férias para todos.
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia dos Foios)

jmncampos@gmail.com

Soito convida a conhecer os trilhos do contrabando

Percorrer os velhos trilhos do contrabando a pé, a cavalo ou de bicicleta é a proposta da Associação Cultural e Desportiva do Soito para 27 de Abril.

Desbravar os velhos trilhos raianos apenas conhecidos dos contrabandistas soitenses é a proposta da Associação Cultural e Desportiva do Soito para o fim-de-semana alargado do final de Abril.
No domingo, dia 27, às nove horas da manhã será dada a partida para as bicicletas todo-o-terreno e para o passeio equestre. Uma hora mais tarde inicia-se o passeio a pé que terá um percurso de cerca de 10 quilómetros.
A saudável jornada de convívio que percorrerá a história contrabandista da raia sabugalense do século XX terminará por volta das 13 horas com um almoço para todos os participantes. Na parte da tarde os miúdos e os graúdos terão à sua disposição insufláveis e animações de rua.
A organização está a cargo da Associação Cultural e Desportiva do Soito em colaboração com a Câmara Municipal do Sabugal, Santa Casa da Misericórdia do Soito e a Associação Promotora do Ensino Profissional da Beira Transmontana (Escola Profissional de Trancoso).
As inscrições são limitadas e podem ser feitas até ao dia 25 de Abril no Bar Lele Cavaca, Bar Azul, Bar dos Bombeiros e Restaurante Zé Nabeiro.

Aqui recordamos um sábio pensamento: «O contrabando não é um crime, é um delito à luz da lei vigente na altura.»
jcl

Exposição sobre a emigração no Museu Berardo

Está patente até ao dia 18 de Maio de 2008, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, uma exposição temporária subordinada ao tema «Por uma Vida Melhor», que vale a pena visitar.

Trata-se de uma mostra fotográfica de Gérald Bloncourt, integrada no Museu Colecção Berardo, que retrata a vida dos emigrantes portugueses que nas décadas de 60 e 70, deram o «salto» na busca de uma oportunidade de uma melhor vida. As fotografias de Gérald Bloncourt retratam um período difícil da história portuguesa: a emigração de quase um milhão de pessoas, oficial ou clandestinamente a caminho de França.
Nela podemos ver a miséria dos «bidonvilles» (os bairros de lata) e as dificuldades dos que em busca de uma vida melhor, encontraram muitas vezes outra bem pior, como dizia uma das personagens do filme: «Deixei em Portugal uma casa e vim para França viver numa barraca.»
A fotografia, aqui representada, intitulada pelo autor de «Petite portuguaise. Bidonville de Saint-Denis, 1969» é disso um claro exemplo, quiçá reconheçamos nela, agora já adulta, uma nossa conhecida.
A exposição tem entrada gratuita.
José Do Bernardo