Tag Archives: crónicas do gervásio

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Crónicas do Gervásio – a dívida e o rating

Para o Gervásio, que nada entendia de economia, há muito que conhecia a dificuldade em obter dinheiro quando dele precisava e o não tinha. Há muito que conhecia os efeito de estar em boa/má conta perante quem podia emprestar. Afinal já naquela altura havia rating.

A dívida e o rating

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Crónicas do Gervásio – A pesca furtiva

Apanhar peixes no rio para comer, mesmo que os métodos não fossem os mais ortodoxos era uma prática relativamente tolerada. Embora nessa altura a palavra sustentabilidade ainda não fizesse parte do vocabulário do Gervásio, ele e os seus amigos eram praticantes, pois sabiam que, se estragassem as condições do rio, teriam menos peixe no próximo ano.

Flor do Budle (Embude) – Planta com raízes tóxicas

Flor do Budle (Embude) – Planta com raízes tóxicas

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Crónicas do Gervásio – A Pesca

A caça e a pesca, mesmo furtivas e utilizando métodos nem sempre legais, sempre foi uma actividade que todos exerciam. É que, no tempo do Gervásio, comer peixe fresco na sua terra, só se fosse apanhado no Noémi ou no Côa. Por isso, apanhava-se da forma que cada um podia.

Uma boga pescada no rio

Uma boga pescada no rio

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Crónicas do Gervásio – Noites de Sueca

Nalgumas noites de inverno, que são maiores do que as de verão, o Gervásio e os seus companheiros mais próximos, juntavam-se para jogar à sueca. Por norma jogavam na casa de um deles, mas a maior parte das vezes o assunto era resolvido na casa do Ti Tavares.

Apontamento de controle do jogo

Apontamento de controle do jogo

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Crónicas do Gervásio – A caça

No tempo do Gervásio, embora a caça fosse uma actividade reservada aos caçadores profissionais, a verdade é que todos ou quase todos num momento qualquer acabavam por caçar utilizando métodos não tradicionais.

O Caçador

O Caçador

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Crónicas do Gervásio – A feira da Miuzela

Na feira da Miuzela, realizada na última quinta-feira de cada mês, negociava-se tudo. Mas a parte da feira reservada ao gado tinha um movimento e cheiro próprios dos animais que se vendiam. Negócio feito, albroque bebido. Só depois do albroque se considerava o negocio formalizado.

A feira do gado

A feira do gado

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Crónicas do Gervásio – O movimento do Sol

Para o Gervásio sempre assim foi. O sol nasce no horizonte a nascente, sobe ao firmamento e desce de novo para o horizonte a poente. É assim que ele vê o movimento diário do Sol.

Movimento do sol como o vemos

Movimento do sol como o vemos