Tag Archives: cavaco silva

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

A verdade sobre a barragem do Sabugal

Fala-se muito na barragem do Sabugal, devido à seca e à continuação dos transvases para o regadio da Cova da Beira. Mas quanto a quem tornou a albufeira numa realidade e qual a sua real importância para o concelho do Sabugal, há muito a esclarecer.

Barragem do Sabugal

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Ufa!

Ufa! Até que enfim! Hoje, Cavaco Silva já não é Presidente da República de Portugal. Acabam dez anos de uma magistratura que não deixa saudades. Foi um homem (porque segundo ele não é nem nunca foi político, apesar dos trinta e seis anos que leva na política) que progressivamente se foi afastando da realidade.

Cavaco Silva - a história far-lhe-á justiça

Cavaco Silva – a história far-lhe-á justiça

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Cavaco, mesmo calado, nunca seria um poeta

Nunca um Presidente da República foi tão tendencioso, tão pouco democrático e tão pouco de todos os portugueses em 40 anos de democracia em Portugal.

Cavaco portou-se como... Cavaco

Cavaco portou-se como… Cavaco

Outubro - 2015 - Efemérides - Capeia Arraiana

Efemérides 2015 – 6 de Outubro

:: :: EFEMÉRIDES 2015 :: 6 DE OUTUBRO :: :: O Capeia Arraiana publica diariamente as efemérides mais relevantes de cada data… Hoje destacamos a primeira vitória de Aníbal Cavaco Silva em eleições legislativas, em 1985.

Há 30 anos Cavaco Silva venceu as eleições legislativas, o que lhe permitiu formar um governo minoritário

Há 30 anos Cavaco Silva venceu as eleições legislativas, o que lhe permitiu formar um governo minoritário

Setembro - 2015 - Efemérides - Capeia Arraiana

Efemérides 2015 – 11 de Setembro

:: :: EFEMÉRIDES 2015 :: 11 DE SETEMBRO :: :: O Capeia Arraiana publica diariamente as efemérides mais relevantes de cada data… Hoje destacamos a visita do presidente Cavaco Silva à área ardida do concelho do Sabugal, em 2009.

Há 6 anos Cavaco Silva visitou o Sabugal

Há 6 anos Cavaco Silva visitou o Sabugal

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Legislativas a 4 de Outubro

E pronto. A data das eleições legislativas está marcada. Será a 4 de Outubro. A escolha da data, creio, não espanta ninguém.

Cavaco Silva anunciou a data para as Legislativas

Cavaco Silva anunciou a data para as Legislativas

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Mais um prefácio vazio de Cavaco

Nesta semana, podemos concluir que, aquilo que se dizia de Passos Coelho, o não pagamento à Segurança Social, não eram invenções dos jornais, mas sim verdade. E quando esta notícia rebentou, a maioria, no parlamento, chumbava uma proposta da oposição para que, famílias mais carenciadas, não fossem penhoradas das suas habitações, devido a dívidas à Segurança Social. Mas Passos pôde estar cinco anos sem pagar.

Cavaco procura estabelecer regras para a sua sucessão

Cavaco procura estabelecer regras para a sua sucessão

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Alô Marte!

Não. Esta crónica não é para lhes falar do feito científico da Humanidade, a de, pela primeira vez, um instrumento feito pelo homem, a sonda Roseta que transporta a sonda File, pousar num cometa, o 67P/Churiumov – Gerasimenko.

Cavaco Silva quando se pronuncia é para se manifestar surpreso

Cavaco Silva quando se pronuncia é para se manifestar surpreso

Luís Marques Pereira - Estádio Original - © Capeia Arraiana

O (Des)falecer do Poder do Estado

A imoral, ilegal e inconstitucional apropriação ilegítima, sem reparação, do salário de milhares de funcionários públicos, legitima a denominação dos órgãos de poder do Estado (Governo, Assembleia da República e Presidente), de criminosos em coautoria.

Desfalecimento e interrupção de um discurso despojado de de esperança

Desfalecimento e interrupção de um discurso despojado de de esperança

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

As banalidades do 10 de Junho

Não sei exactamente como se processa a escolha da cidade para a comemoração do 10 de Junho – dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Não sei quais são os critérios, se as cidades se candidatam e depois o Presidente da República escolhe, não sei. Mas sei que foi preciso a câmara da Guarda ter um presidente PSD e, mais ainda, antigo seu secretário de estado, para que as comemorações do 10 de Junho terem sido feitas na cidade.

Cavaco Silva na Guarda

Cavaco Silva na Guarda

Câmara Municipal da Guarda - © Capeia Arraiana (orelha)

Cerimónias do 10 de Junho na Guarda

Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas assentaram arraiais na Guarda, devolvendo à cidade o protagonista de há 37 anos atrás quando era presidente o General Ramalho Eanes. Reportagem da jornalista Sara Castro com imagem de Diogo Reis da Redacção da LocalVisãoTv (Guarda).

LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana

ca2013_localvisaotv_550x15

Autoria: LocalVisãoTv posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

PhotoDestaque - © Capeia Arraiana

PhotoDestaque – Pina Monteiro – o herói da Guarda

:: GENERAL PINA MONTEIRO :: Há imagens históricas e há momentos que valem por mil palavras. Contudo todas as imagens merecem uma legenda. Envie-nos as suas fotografias que seleccionar para possível publicação para a caixa de correio electrónico: capeiaarraiana@gmail.com

PhotoDestaque - 10 de Junho de 2014 - General Pina Monteiro com o Presidente Cavaco Silva - O Herói da Guarda - Capeia Arraiana
Clique na imagem para ampliar
Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

BE quer Cavaco em estradas nacionais

O Bloco de Esquerda (BE) sugeriu hoje, 3 de Junho, ao Presidente da República que na deslocação para a Guarda, onde vão decorrer as comemorações do Dia de Portugal, opte pelas vias alternativas às auto-estradas, para sentir as dificuldades das populações.

Cavaco Silva vai à Guarda no dia 10 de Junho

Cavaco Silva vai à Guarda no dia 10 de Junho

Câmara Municipal da Guarda - © Capeia Arraiana (orelha)

Guarda recebe comemorações do 10 de Junho

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, designou esta segunda-feira, 24 de Março, a cidade da Guarda para sede das comemorações oficiais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. O anúncio está disponível no portal online da Presidência da República onde se pode ler que «o Presidente da República assinou hoje um despacho designando a cidade da Guarda como sede, no ano de 2014, das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas».

Dia de Portugal - 10 de Junho - Capeia Arraiana

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

Luís Marques Pereira - Estádio Original - © Capeia Arraiana

O Papa e o Príncipe

No âmbito das comemorações do dia 13 de Outubro, em Fátima e no Vaticano, foi visível a enorme Fé que muitos católicos e em especial os portugueses e o Santo Papa devotam à Nossa Senhora de Fátima.

Principe Aga Khan recebido em Belém

Principe Aga Khan recebido em Belém

Luís Marques Pereira - Estádio Original - © Capeia Arraiana

Resistir – é o nosso dever, é a nossa salvação

Na luta pela conquista de poder, ultrapassando todos os limites da irresponsabilidade, dois fedelhos dissimulados de fato e gravata andam a brincar ao casa e descasa e não ouvem nem crianças, nem idosos a chorar.

Untitled-1

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

O enigma

«Enigma» é um substantivo masculino, significa jogo de espírito em que se propõe a decifração de uma coisa que é descrita em termos obscuros, ambíguos: Édipo desvendou o enigma da Esfinge. Coisa difícil de definir, de conhecer a fundo, de compreender.

Cavaco Silva fala ao País

Cavaco Silva fala ao País

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

O Portugal Europeu de Cavaco e Passos Coelho

A educação, a saúde, o desenvolvimento local e a protecção social, são direitos sociais universais, mas infelizmente em Portugal as elites financeiras e mediáticas com a protecção do governo e do Presidente da República, estão a destruir todos esses bens sociais. Agora só se ouve falar em modernidade, flexibilidade e competitividade europeias.

Cavaco Silva e Passos Coelho

Cavaco Silva e Passos Coelho

Autárquicas 2013 - Sabugal - © Capeia Arraiana

Cavaco Silva aprovou reorganização das freguesias

O Presidente da República, Cavaco Silva, promulgou o decreto da Assembleia da República n.º 110/XII, sobre «Reorganização Administrativa do Território das Freguesias». O Presidente aproveitou para enviar esta quarta-feira, 16 de Janeiro, uma mensagem «explicativa» à Assembleia da República.

Fernando Lopes - A Quinta Quina - © Capeia Arraiana

Repetição

Começo esta crónica com o tema político do momento: a promulgação do Orçamento de Estado (OE) pelo Presidente da República e o seu envio para o Tribunal Constitucional (TC). E começo-a, quase como terminei a anterior, expondo a minha preocupação com todo este processo.

O que será do Interior?

Ainda que se queira falar noutros assuntos, a verdade é que a austeridade, que já vínhamos sentindo, inflacionada com as medidas que o Governo anuncia, já para este ano e para o próximo, tornam incontornável a abordagem do tema, nomeadamente naquilo que à região se refere.

Terminou a fronteira mas não se ganhou muito com isso

António Pissarra - Raia e Coriscos - Capeia ArraianaO País está em choque e o Governo, com destaque principal para Pedro Passos Coelho e Vitor Gaspar conseguiu algo inacreditável que é a quase unanimidade da crítica negativa, da Esquerda à Direita. Várias figuras destacadas dos partidos da coligação não têm «papas na língua» para qualificar o que consideram o disparate de algumas das propostas do Governo.
A verdade é que o Povo tem memória curta e disso sabem bem os políticos profissionais que gerem a sua própria memória à medida das suas conveniências. Quer isto dizer que não chegámos ao atual estado de coisas «por obra e graça do Espírito Santo». Foram anos e anos de má gestão, de aumentar orçamentos todos os anos, embora os de anos anteriores fossem deficitários. Foi muita corrupção, muito desperdício em negócios ruinosos que só beneficiaram os intervenientes… Enfim, os partidos mudam de opinião rapidamente após o dia das eleições, conforme o resultado, embora não haja dúvidas que todos mentem deliberadamente para obter as boas graças do eleitorado que se apresenta irracionalmente crédulo e com os tais problemas de memória.
Penso que não existem muitas dúvidas sobre os responsáveis da situação a que chegámos. Sabemos que a culpa não é dos políticos, mas sim do alcatrão, do cimento, das parcerias público-privadas, das fundações… Enfim, a culpa «morreu solteira». Sabemos que o Estado é um sorvedouro de recursos, que o Estado é mau pagador e implacável cobrador, que o Estado é responsável pela falência de inúmeras empresas, por essas razões, mas o Estado tem tido líderes desde 1974. Ora, aquilo a que temos assistido é à degradação da qualidade de vida dos portugueses por um Estado canibal até chegarmos à beira do precipício da bancarrota. Perante a inevitabilidade da ajuda externa importava ter dirigentes que fossem suficientemente criativos para atenuar as ondas de choque da intervenção troikiana, dirigentes que fossem suficientemente corajosos para tomarem as medidas corretas no sentido de aliviar a economia nacional do «regabofe» que tem sido nas últimas décadas. No entanto, parece não ser assim e aquilo a que vimos assistindo é a atitudes experimentalistas que culminaram com a perda de paciência do bom Povo Português, com críticas vindas de todo o lado e até com a troika a demarcar-se de algumas iniciativas, como a das anunciadas alterações às regras sobre a Taxa Social Única.
O País orienta-se numa direção que não sabemos onde pode terminar e neste contexto são os mais frágeis, os mais pobres, os mais prejudicados. Nesta perspetiva, o Interior, nomeadamente o concelho do Sabugal, nada pode esperar de bom. Os tecnocratas de Lisboa continuarão a governar pessoas e território com a lógica dos números, funcionando o princípio da «pescadinha de rabo na boca»; quer isto dizer que cada vez há menos gente e, consequentemente, são necessários menos serviços, cada vez há menos serviços, logo menos gente. Tem sido assim desde os tempos de Cavaco Silva, mais a sua ideia em fazer uma grande capital (Lisboa) que servisse de locomotiva ao País. Como damos conta, um destes dias a locomotiva não tem nada para puxar.
O fecho do tribunal do Sabugal é um bom exemplo daquilo que referimos. A falta de alternativas aos serviços transfronteiriços que terminaram, outro exemplo. O fecho de escolas. A falta de uma política fiscal suficientemente atrativa que levasse à instalação de empresas produtoras de bens transacionáveis, idem. Enfim, uma tragédia ainda maior que aquela que vive globalmente o País. O que será do Interior?
«Raia e Coriscos», opinião de António Pissarra

Os sepultadores

Ainda sei distinguir o trigo do joio querido leitor(a), o sectarismo político e o fanatismo não me cegam, hoje vou falar de alguns homens políticos que eu considero os coveiros do Estado social em Portugal, e os causadores de todo este drama social que padecemos.

Já não somos o povo que fomos, já não fazemos História, vemo-la fazer, e aqueles que a fazem limitam-se a ignorar-nos ou a humilhar-nos, a nossa atitude perante eles é uma atitude de subserviência, principalmente para com a Alemanha. Com esta atitude estamos também a contribuir, não para uma construção europeia, não para a formação de um conjunto de Estados solidários e respeitadores da soberania uns dos outros, contribuímos sim para uma desconstrução europeia, onde as desigualdades entre Estados se agravam cada vez mais. Porque chegámos a este ponto? Porque alguns políticos ineficazes e subjugados pelo poder económico atiraram connosco para os confins da História.
Vejamos o primeiro: JOSÉ SÓCRATES, um tipo sem sensibilidade social que se dizia socialista, aproximou-se mais da ditadura do que da Democracia, com ele aprendemos que a política do posso, quero e mando não pertence só às ditaduras e aos regimes autoritários, este homem mostrou-nos com grande evidência que também a democracia contém dentro dela um enorme potencial coercivo e impositivo. Com ele Portugal começou a regredir a nível económico, social e político. A corrupção grassou impunemente, com ele começou o desmantelamento do Estado social em Portugal. Governou para ele e para quem o manteve no poder.
PASSOS COELHO: está a seguir as pegadas de José Sócrates. A conjuntura permite-lhe ser ainda mais desapiedado social. Um germanófilo em relação à política europeia e nacional. É a quinta-essência do Neoliberalismo, um lacaio do poder económico, tanto português como estrangeiro. Não representa o Povo Português, representa os Merkados, os bancos alemães e os especuladores. Se não fosse a comunicação social controlada enganando a população portuguesa, comunicação social essa que é pertença de alguns barões do PSD e passa a vida falando de vitórias e cantando aleluias ao governo, já o tínhamos posto na rua, somos o Povo Soberano, temos esse direito. Este homem nem governa para ele nem para os que o mantêm no poder, governa para estrangeiros. Está a destruir o Estado social a um ritmo impressionante. As políticas de austeridade que ele adopta estão a levar Portugal para uma catástrofe social idêntica à da Grécia.
CAVACO SILVA: como Passos Coelho, a quinta-essência do Neoliberalismo, vê Portugal a caminhar para o abismo e nada faz para o evitar. Quando entrou para Belém, o fosso entre ricos e pobres era enorme, havia nessa altura dois milhões de pobres em Portugal, vai sair de Belém com o fosso entre ricos e pobres muito mais acentuado, e com os mesmos dois milhões, ou mais, de pobres. Uma ineficácia política absoluta. Aceita a destruição do Estado social e as medidas de austeridade draconianas de Passos Coelho.
A este trio temos que juntar mais um político, DURÃO BARROSO: um homem que ocupa o lugar que ocupa, podia fazer um pouco mais pelo seu País, mas se o lá puseram não foi para isso, foi para obedecer às potências económicas da Europa. Só fala em agressividade económica, competitividade e austeridade, ou seja, fala a linguagem do mais ortodoxo neoliberal, a linguagem de Merkel. Um destruidor do Estado social europeu. Se um dia as coisa mudarem, muda de campo e de discurso, por isso em Bruxelas lhe chamam o «Camaleão». A mais não chega o seu horizonte mental.
E nós querido leitor(a), não seremos os culpados desta gente chegar ao poder? Claro que somos! Em primeiro lugar, 90 por cento dos portugueses que lêem jornais e vêem televisão acreditam piamente no que os corifeus dessa comunicação social lhes dizem, presa fácil para qualquer demagogo. Vivemos obcecados pelo consumismo, pelo materialismo, a maior parte de nós tem passatempos frívolos, somos superficiais, custa-nos pensar… Amamos o hedonismo vulgar e o embrutecimento moral. Resumindo: ficamos satisfeitos com a nossa dose diária de sexo, álcool, droga, de futebol, de tasca, de centro comercial e de grande superfície. Somos filhos do sistema. Controlar gente assim é das coisas mais fáceis para qualquer sistema político, porquê então usar a violência quando se podem controlar cidadãos e doutriná-los através da comunicação social, do marketing e de várias formas de manipulação mental e psicológica? O sistema já conseguiu a segurança necessária para que as suas vítimas, que somos nós, não o desafiem como em outras épocas históricas. Sendo assim, vai abusando.
«A melhor fortaleza dos tiranos é a inacção dos povos»; Maquiavel.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

 

Prefácio

Um prefácio é um resumo do conteúdo de um livro. Uma introdução. Um prefácio eventualmente contém algumas impressões de terceiros sobre a obra. Estas definições servem para contextualizarmos a crónica.

O livro «Roteiro VI», ou melhor, o seu prefácio, tornou-se esta semana na obra mais citada cá pelo burgo. Não porque seja uma marca literária ou um ensaio científico mas, porque expressa a visão da história do Sr. Presidente da República. Dito desta forma nada haveria de novo. Só que este texto, vem falar de lealdade ou de falta dela. Este texto, vem falar das relações institucionais entre o Presidente da República Cavaco silva e o Primeiro – Ministro José Sócrates. Este texto, expressa uma vingança.
Cavaco Silva acusa José Sócrates de não lhe ter contado a verdade sobre a situação do país. Violando, desta forma, a Constituição, concretamente o artigo 201. Pois bem, Cavaco Silva, Presidente da República, tem como obrigação e dever (foi isso que jurou quando tomou posse) de cumprir e fazer cumprir a constituição. Se nada fez, quem está a faltar ao compromisso? E, então, o homem que fez toda uma campanha eleitoral assente no facto de ser economista e, portanto, conhecedor desses meandros, não sabia, não se apercebia, do que se estava a passar, quando o cidadão, dito comum, sabia?!
Quanto à lealdade, Cavaco Silva não tem autoridade moral para esgrimir tal conceito. Recordo telegraficamente alguns episódios: aquando da sua passagem pelo governo como ministro das finanças e a sua chegada à presidência do PSD (aliás, até com o nome do partido, mudou-lhe o nome) e a conspiração contra o Bloco Central e a “lealdade” para com o Dr. Mário Soares e o Dr. Hernani Lopes aquando da assinatura da adesão à então CEE. Outros exemplos haveria desse tempo. Mas, voltando a estes tempos, vejamos a lealdade de Cavaco Silva, as célebres escutas em Belém, acusando o governo de o estarem a espiar. Vindo-se a saber que tinha sido uma orquestração da própria presidência. Depois, aquele discurso na tomada de posse do último governo de Sócrates. Foi um discurso de uma lealdade impressionante!
Cavaco Silva passou o primeiro mandato calado. Começou o segundo a falar de mais, agora, brinda-nos com uma vingança sobre Sócrates oito meses depois. E faz isto, sacudindo a água do capote, como se o estado em que o país está não tivesse nada a ver com ele. É caso para dizer que a «vingança se serve fria»! Tudo isto mostra um homem mesquinho, medíocre e ressabiado. O que lamento, é que é isto que temos como presidente da República.
Esta semana ficámos, também, a saber que, o programa da troika, tem servido, somente, para que este governo aplique as medidas de austeridade aos mais pobres e aos fracos. Com a demissão do Secretário de Estado das energias, ficámos a saber que, é uma imposição da troika, reduzir às empresas energéticas o «subsídio» que o estado lhes paga. Mas esta medida troikiana ainda não foi aplicada (fala-se em quatro mil milhões…). Contudo, o corte nos salários, na saúde, na educação e por aí fora, foram imediatos. E os subsídios nem sequer eram imposição da trioka! Por aqui se vê as mentiras que se vão dizendo e contando, recorrendo ao famigerado memorando para justificar uma acção política que levará infalivelmente à miséria a maior parte da população portuguesa.
O que me deixa perplexo, é o facto de todas estas medidas apontarem para um mesmo resultado – a falência das pessoas, das empresas e dos países. E desconfio que não passamos de cobaias em experiências de soturnos iluminados das economias que, em gabinetes fechados e desconhecendo a realidade, vão experimentando as suas teorias.

P.S. Afinal, o célebre acordo de concertação social, que tanto regozijo deu ao governo e patrões e enfeitiçou a UGT e outros sindicalistas, acaba de ser mandado às malvas pelo governo no que concerne aos trabalhadores de recibo verde. Quanto querem apostar, em como outras se lhes seguem?
«A Quinta Quina», crónica de Fernando Lopes

fernandolopus@gmail.com

Cavaco quer esclarecimentos sobre portagens

O Presidente da República, Cavaco Silva, pediu esclarecimentos ao Governo sobre o diploma que visa a introdução de portagens nas SCUT, facto que atrasou o início da cobrança.

O ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, anunciou que a cobrança das portagens seria concretizada até ao final de Outubro, o que contudo não se concretizou dada o facto do presidente da República não ter promulgado o diploma legal a tempo de entrar em vigor dentro dos prazos previstos pelo governo.
«O projecto de diploma em causa deu entrada na Presidência da República no dia 20 de Outubro. A Casa Civil procedeu, de imediato, à sua análise jurídica e económica. No dia 2 de Novembro, foram solicitados ao Governo esclarecimentos sobre o diploma, aguardando-se a resposta. Nos termos constitucionais, o Presidente da República dispõe de 40 dias para a decisão de promulgação», lê-se num comunicado divulgado pela Presidência da República na sua página oficial na Internet.
O comunicado não especifica contudo quais as dúvidas que o presidente tem face ao diploma do Governo que pretende introduzir de portagens nas SCUT (auto-estradas sem custos para o utilizador) do Algarve, da Beira Interior, do Interior Norte e da Beira Litoral/Beira Alta.
Na vigência do anterior Governo o início da cobrança das portagens na A22, A23, A24 e A25 chegou a estar previsto para 15 de Abril, mas a medida ficou suspensa, com base num parecer jurídico que considerou ser inconstitucional um Executivo de gestão aprovar um decreto-lei para introduzir novas portagens e definir o respectivo regime de isenções e descontos.
De acordo com a Constituição o chefe de Estado terá até ao final de Novembro para decidir sobre a promulgação ou não do diploma que pretende introduzir portagens nas SCUT.
A empresa Estradas de Portugal informou entretanto que perde cerca de nove milhões de euros por cada mês de atraso na introdução das portagens.
plb

Portugal - Capeia Arraiana (orelha)

Discurso de Cavaco Silva no Parlamento

No dia 9 de Março, Aníbal Cavaco Silva prestou juramento na Assembleia da República como Presidente da República de Portugal. O segundo mandato terminará em 2016.

Presidência da República
João Duarte - © Capeia Arraiana (orelha)

O homem que pintou a manta…

Cavaco Silva, o Presidente da República que no mandato anterior nunca se podia pronunciar sobre quase nada, resolveu, agora, na tomada de posse para o seu novo mandato de cinco anos, pronunciar-se sobre uma série de coisas. Isto é, o Presidente República pintou a manta…

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

As eleições presidenciais no concelho do Sabugal

Concluídas as eleições presidenciais, que ditaram a reeleição de Cavaco Silva, podemos traçar algumas considerações, olhando para os resultados eleitorais do concelho do Sabugal, onde há uma freguesia que luta abnegadamente contra a maré.

Nas terras raianas ganhou Cavaco Silva, com uma votação superior a 63 por cento. Outra coisa não era de esperar, tendo em conta o voto tradicional dos eleitores do concelho do Sabugal.
Contudo houve uma terra que contrariou claramente esse sentido de voto, o que também não surpreendeu, atendendo à forma como sempre vota em eleições de carácter nacional. Falamos da freguesia dos Fóios. Aqui Cavaco não atingiu os 42 por cento e Manuel Alegre andou perto dos 37 pontos percentuais, com Fernando Nobre perto dos 12. Significa isto que, se fossem os fojeiros a decidir, o algarvio teria de disputar uma segunda volta, onde seria inapelavelmente batido.
Na Moita o candidato da direita também não obteve a maioria, mas a expressão dessa realidade tem menos impacto. Já na Bismula e em Águas Belas o presidente reeleito obteve metade dos votos mais um, o que significaria uma reeleição garantida, ainda que por curta margem. No mais das freguesias Cavaco foi vencedor absoluto.
A conclusão é que Fóios é a terra de esquerda do concelho do Sabugal, ainda que incrustada entre freguesias conservadoras, onde o Partido Socialista e os demais partidos da esquerda não conseguem colher bons frutos eleitorais.
Os Fóios têm porém uma particularidade: em eleições autárquicas voltam as costas ao PS e votam nos candidatos do PSD, contribuindo decididamente para a sua vitória. Dirão que, ao invés, outras terras que votam PSD em eleições nacionais, expressam-se massivamente pelo PS em eleições autárquicas. Isso é verdade e uma coisa pode bem compensar a outra, porém, quem tem tirado vantagem dessas discrepâncias é o PSD, que há 13 longos anos gere o Município.
Os responsáveis concelhios do PS devem analisar estes resultados e em particular a forma de votar dos fojeiros e tirar ilações ao que verdadeiramente dá motivos para que a terra mais socialista do concelho do Sabugal volte as costas ao PS nas eleições locais.
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

Presidenciais 2011 no concelho do Sabugal

Nas eleições 2011 para a Presidência da República, o candidato vencedor Aníbal Cavaco Silva alcançou 42.762 votos (59,98 por cento) no distrito da Guarda e 3.622 votos (63,01 por cento) nas 40 freguesias do concelho do Sabugal.

(Clique nas imagens para ampliar)

CONCELHO DO SABUGAL – FREGUESIA A FREGUESIA
Águas Belas Aldeia da Ponte Aldeia da Ribeira Aldeia S.António Aldeia do Bispo
Aldeia Velha Alfaiates Badamalos Baraçal Bendada
Bismula Casteleiro Cerdeira Fóios Forcalhos
Lageosa da Raia Lomba Malcata Moita Nave
Penalobo Pousafoles Quadrazais Quintas S. B. Rapoula do Côa
Rebolosa Rendo Ruivós Ruvina Sabugal
Santo Estêvão Seixo do Côa Sortelha Soito Vale das Éguas
Vale de Espinho Valongo do Côa Vila Boa Vila do Touro Vilar Maior

(Clique nas imagens para ampliar.)


Fonte: DGAI-Direcção-Geral da Administração Interna.
jcl

Cavaco Silva vence presidenciais à primeira volta

Cavaco Silva qualificou hoje de «grande vitória» a sua reeleição como Presidente da República e dedicou-a aos jovens, «futuro da nossa pátria», a quem prometeu tudo fazer para que «reencontrem motivos para acreditar em Portugal».

No seu discurso de vitória, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, Aníbal Cavaco Silva deixou um agradecimento especial à sua mulher, Maria, agradeceu a todos os que fizeram parte da sua estrutura de campanha e também aos partidos que apoiaram a sua recandidatura.
«Três partidos apoiaram a minha candidatura: o PSD, o CDS-PP e o MEP, no pressuposto de que era uma candidatura pessoal e suprapartidária. Agradeço aos seus dirigentes e militantes o apoio e o entusiasmo manifestados durante o exigente período de campanha eleitoral», disse.
No início da sua intervenção, que durou cerca de quinze minutos, Cavaco Silva saudou «todos os portugueses que com elevado sentido cívico, votaram neste acto eleitoral».
«Votar é um dever que temos perante as gerações vindouras, os nossos filhos, os nossos netos. A todos os portugueses que foram votar neste dia tão importante para o nosso futuro é devida uma palavra de reconhecimento. Os que votaram não se alhearam do futuro», acrescentou.
Quanto ao resultado que obteve, considerou, «os portugueses falaram e disseram com clareza quem queriam para Presidente da República» e falou por mais de uma vez em «grande vitória».
jcl (com agência Lusa)

As 10 razões para eu não votar Cavaco Silva

A História não a escrevem as grandes personagens, escrevem-na as classes populares quando se mobilizam.

António EmidioPrimeira razão: É um político que crê que a profunda crise que atravessamos se resolverá à base de dilatar ainda mais as politicas neoliberais. É um dos homens do FMI em Portugal.
Segunda: Repudiou os fundamentos da Social-Democracia, como o pleno emprego e a justiça social.
Terceira: Entre 1985 e 1995, quando foi primeiro-ministro, começou a viragem neoliberal em Portugal. Foi com ele que começou a destruição da nossa agricultura e das pescas, convém dizer, com a imposição da «União Europeia». Começaram também com ele os ataques aos serviços públicos.
Quarta: Aceita este processo antidemocrático que está a caracterizar a construção da União Europeia.
Quinta: Aceita este terrorismo financeiro que caracteriza a economia mundial, ou seja, a economia do empobrecimento.
Sexta: Promulgou leis e códigos laborais que só servem para lançar no desemprego milhares de trabalhadores. Promulgou leis para reduzir salários e pensões aos mais necessitados. Promulgou leis para retirar prestações sociais a quem trabalha.
Sétima: Durante o seu mandato, houve, e ainda há, portuguesas e portugueses com pensões de 360 euros mensais e outras de milhares de euros para uns poucos.
Oitava: Se por acaso ganhar as eleições, não é ele o grande vencedor, mas sim uma minoria que nunca se apresenta ao escrutínio, o grande capital financeiro e económico, dos quais ele é um grande apoiante.
Nona: Quer uma vitória presidencial para ele e, quer uma vitória (maioria) para o seu partido nas próximas legislativas. Com este cenário entraremos numa catástrofe social bem pior do que a actual.
Décima: Aceita como sujeito real da história, não o homem, mas sim o dinheiro. Aceita o homem subordinado aos interesses económicos, à chamada «razão económica».
Porquê tudo isto se ele nem sequer governou? Que poder teve e tem como Presidente da República? Perguntarão alguns leitores(as). Para que foi eleito Presidente da República? Pergunto eu.
O nosso povo tem um ditado que diz o seguinte: Tão ladrão é o que vai à vinha, como o que fica à portinha.
José Sócrates foi à vinha…
Quero frisar que a palavra ladrão do ditado, nada tem a ver com o Presidente da República nem com o Primeiro-Ministro. Está em sentido figurado, significa terem feito uma péssima política. Convém esclarecer porque há pessoas que «não entendem» o que eu escrevo…
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

Cavaco Silva no distrito da Guarda

O candidato Cavaco Silva deslocou-se esta quarta-feira ao distrito da Guarda. Passou por Seia, visitou a ASTA-Associação Sócio-Terapêutica de Almeida (junto à Cerdeira do Côa), almoçou com apoiantes na cidade da Guarda, andou nas ruas de Foz Côa e seguiu para ao final do dia para Bragança.

(Clique nas imagens para ampliar.)

À chegada ao Hotel Vanguarda, na cidade da Guarda, a comitiva do candidato presidencial Cavaco Silva foi confrontado com uma manifestação de protesto de pais, alunos e professores da escola do Outeiro de São Miguel contra os cortes do Governo no financiamento a escolas privadas.
Este foi o segundo protesto do dia, já que em Seia Cavaco tinha sido recebido com uma outra manifestação contra os cortes do financiamento a escolas privadas. E já no arranque da campanha, em Fátima, se tinha gritado S.O.S. pela mesma causa.
Na ASTA o candidato presidencial Cavaco Silva agradeceu às instituições de apoio a deficientes «que nunca podem faltar, por maiores que sejam as dificuldades do país». A instituição acolhe 34 pessoas com deficiência, conta com 24 colaboradores e a directora e fundadora, Maria José Fonseca, já tinha recebido das mãos de Cavaco, há dois meses no Porto, o prémio Manuel António da Mota, pelo combate à exclusão social.«Na altura, esta senhora conseguiu emocionar toda a assistência. Ficámos com uma curiosidade especial em conhecer a sua obra», referiu o candidato, sublinhando que a quis descobrir hoje, durante a passagem da campanha eleitoral pelo distrito da Guarda.
No interior do Hotel Vanguarda e perante uma sala repleta de apoiantes o tom crítico e os avisos de Cavaco ao Governo subiu de tom e disse, preto no branco, pela primeira vez, o que até aqui apenas tinha deixado nas entrelinhas: «Não podemos de facto excluir a possibilidade de ocorrer uma crise grave em Portugal, não apenas no plano económico e no plano social, mas também no plano político.»
Depois, avisou que vai ser «exigente em relação ao Executivo» e defendeu que é necessário ter na Presidência da República alguém com experiência para lidar com «situações complexas, muito difíceis» que podem ocorrer.
«Durante este mandato estive por várias vezes no distrito da Guarda. A última das quais foi há poucos dias a convite do Governador Civil para plantar uma árvore», lembrou Cavaco Silva acrescentando que «recordava especialmente o dia em que se deslocou propositadamente de Lisboa ao Sabugal na sequência do terrível incêndio que dizimou o concelho».
O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, António Robalo, foi um dos muitos autarcas do distrito da Guarda que marcou presença no Hotel Vanguarda para saudar Cavaco Silva.
jcl

Festival internacional da memória sefardita

O 1.º Festival Internacional da Memória Sefardita decorre entre os dias 1 e 7 de Novembro de 2010 nas cidades Guarda, Trancoso e Belmonte. A iniciativa do Turismo Serra da Estrela conta com o alto patrocínio de Aníbal Cavaco Silva, Presidente da República Portuguesa e inclui, no dia 3 de Novembro, uma visita a Sortelha e ao Sabugal.

(Clique nas imagens para ampliar.)

A cerca de quatro meses do início do I Festival Internacional da Memória Sefardita, que terá lugar na Serra da Estrela, de 1 a 7 de Novembro de 2010, a organização recebeu o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa, Professor Aníbal Cavaco Silva.
Este contributo demonstra a relevância deste evento para a divulgação de Portugal como país fortemente marcado pela Sefardita e sua herança ainda hoje presente em inúmeras localidades.
Um dos momentos altos do Festival será o Congresso que terá lugar no Teatro Municipal da Guarda, de 2 a 4 de Novembro de 2010.
A atestar a importância da temática do Congresso está confirmada a presença de oradores de renome nacional e internacional, focados no estudo do mundo Sefardita.
Alguns dos participantes: Tzvika Schaick, Curador e Director do Museu Dona Gracia em Tiberíades; Marques de Almeida, Coordenador Executivo e Científico da Cátedra de Estudos Sefarditas, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; José Alberto Rodrigues Tavim, Centro de História, Departamento de Ciências Humanas do Instituto de Investigação Científica Tropical de Lisboa e membro da Comissão Executiva da Sociedade de Estudos dos Judeus Sefarditas e da Diáspora Sefaradi, Universidade Hebraica de Jerusalém; Dov Stuczynski, Universidade de Bar-Ilan, Tel Aviv; Antonieta Garcia, Universidade da Beira Interior; Elvira Mea, Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto; Herman Salomon, Professor Catedrático da Universidade de Albany, E.U.A.; e Yom Tov Assis, professor de História Judaica Medieval na Universidade Hebraica de Jerusalém e Presidente do Instituto Ben Zvi em Jerusalém.
A organização pertence ao Turismo Serra da Estrela, aos municípios da Guarda, Belmonte e Trancoso e à Alegretur. O lema da iniciativa é «Venha descobrir a Serra da Estrela e junte-se a nós no I Festival Internacional da Memória Sefardita!»

As inscrições podem ser feitas no portal oficial do Festival. Aqui.
Secretariado do Festival: secretariado@leading.pt
jcl (com Turismo Serra da Estrela)

Cavaco Silva na despedida a Bento XVI

Intervenção do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, na cerimónia de despedida no dia 14 de Maio de 2010, no Porto, a Sua Santidade o Papa Bento XVI, por ocasião da sua visita a Portugal. O discurso teve lugar na tarde do dia 14 de Maio de 2010, no Aeroporto de Pedras Rubras, na cidade do Porto.

[vodpod id=Video.3625437&w=425&h=350&fv=%26rel%3D0%26border%3D0%26]

jcl

Castelo Penamacor - © Capeia Arraiana

Cavaco Silva visita Penamacor

O Presidente da República, Cavaco Silva, é recebido esta quinta-feira, 4 de Fevereiro, na Câmara Municipal de Penamacor. A passagem pelo distrito de Castelo Branco é inserida no Roteiro das Comunidades Locais Inovadoras e inclui ainda diversas visitas no próximo sábado.

Cavaco Silva em Penamacor

Cavaco Silva em Penamacor (foto inserida após a visita)

Mensagem de Ano Novo de Cavaco Silva

[vodpod id=Groupvideo.4357255&w=425&h=350&fv=%26rel%3D0%26border%3D0%26]

Autoria: Presidência da República posted with Galeria Vídeos Capeia Arraiana

Imagem da Semana – 5-1-2010

«Imagem da Semana» do Capeia Arraiana. Envie-nos a sua escolha para a caixa de correio electrónico: capeiaarraiana@gmail.com

Data: 2 de Janeiro de 2010.
Local: Herdade dos Salgados.

Legenda: O Capeia Arraiana aproveita para endereçar, novamente, cumprimentos de Feliz Ano 2010 ao Senhor Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Autoria: Capeia Arraiana.
Clique na imagem para ampliar

Imagem do Dia – 14-9-2009

A «Imagem do dia» e a «Imagem da Semana» são dois destaques em imagens sobre acontecimentos, momentos ou recordações relevantes. Ficamos à espera que nos envie a sua memória fotográfica para a caixa de correio electrónico: capeiaarraiana@gmail.com

Data: 11 de Setembro de 2009.
Local: Sortelha.
Legenda: Curiosa posição de Aníbal Cavaco Silva, Presidente da República Portuguesa e de Manuel Rito Alves, Presidente da Câmara Municipal do Sabugal.
Autoria: Joaquim Tomé (direitos reservados).
Clique na imagem para ampliar

Cavaco Silva em Sortelha na objectiva de KimTomé

GALERIA DE IMAGENS – 14-9-2009
Fotos Joaquim Tomé – Todos os direitos reservados – Clique nas imagens para ampliar

jcl

As autarquias e a prevenção dos fogos

«Uma empresa nacional concebeu um sofisticado sistema de detecção de incêndios que permite poupar largos milhões de euros. Apesar de inovador os espanhóis foram pioneiros na aquisição dos aparelhos.»

José MorgadoÉ simples, é eficaz e pode poupar milhões.Chama-se Forest Fire Finder (FFF), é um avançado sistema tecnológico que permite detectar incêndios em menos de cinco minutos e foi concebido pela NGNS- Ingenious Solutions, uma empresa portuguesa que tenta há três anos demonstrar a validade do seu projecto na prevenção de fogos.
Apesar do interesse demonstrado por entidades de todo o país, apenas o Governo Civil de Santarém apostou, até agora, no FFF, tendo instalado o sistema em dois locais estratégicos no concelho de Ourém.
O tão propalado choque tecnológico, uma das bandeiras do Governo de Sócrates, acabaria por se revelar uma miragem para os dois sócios da NGNS, Pedro Vieira e José Matos, ambos com formação na área da física tecnológica. Apesar da indiferença nacional, o projecto nascido na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Nova tem atraído as atenções em diversos países como Espanha (com sistemas instalados na Andaluzia e Galiza), Irão, China, Malásia ou Uruguai.
O Forest Fire Finder acabaria por tomar forma. Através de sensores atmosféricos é possível detectar nuvens de fumo orgânico (aquele que resulta da queima das árvores) num raio de 15 quilómetros. Além dos sensores, o aparelho é munido de câmaras que patrulham 24 horas por dia o terreno, fazendo “varrimentos” de 360 graus. Em Ourém, um dos sistemas esta colocado no castelo e outro na torre da igreja na localidade do Casal dos Bernardos.
Uma vez detectado o fogo, num período que não excede, por regra os cinco minutos, são enviados alertas via SMS, com respectiva imagem da coluna de fumo e localização do incêndio, para as autoridades responsáveis como os bombeiros, a GNR ou a Protecção Civil.
“A taxa de sucesso dos alertas do FFF é superior aos 90%, enquanto que a do sistema tradicional de vigilância ronda os 3%. Não achamos que se deve dispensar os vigilantes florestais mas essas pessoas seriam provavelmente mais úteis na limpeza das matas do que numa torre de vigilância, oito horas por dia, onde as temperaturas atingem os 40 graus”, realça o administrador da NGNS.
Forest Fire FinderSegundo as estimativas feitas pela empresa, “bastariam cerca de 300 aparelhos para cobrir as áreas florestais do país, um custo de 30 milhões de euros, um valor bem mais baixo que os 100 milhões gastos por ano com incêndios em Portugal”, lembra João Matos, que confessa a sua frustração quando assiste pela televisão às cenas, infelizmente, habituais, de incêndios de norte a sul do país. “Sinto que poderíamos estar a ajudar a prevenir a dimensão dos incêndios, pois quanto mais depressa for dado o alerta, mais depressa os bombeiros chegam ao local. Sem custos elevados de utilização de helicópteros, sem perdas de vidas e de habitações”, remata ainda o responsável da NGNS.»
A quando da visita recente do Sr. Presidente da República às zonas ardidas, alguém neste Blogue comentou que «depois de casa roubada, trancas à porta».
Ainda é cedo e não vi ninguém a por «trancas», mas «vale mais tarde do que nunca» e esta autentica tragédia, que se abateu sobre o Sabugal, sirva para, mais que não seja, acordar, quem de direito, para medidas de prevenção, atempadas, começando a actuar, na prática, sobre os factores próximos e remotos que contribuíram e continuam a contribuir, para estas desgraças, factores que já foram elencados e muito bem, neste blogue.
Mas, como agora é um período de promessas vãs e não de «mãos à obra», façamos votos que «a história não se repita»
Deixemos passar estes períodos eleitorais, com a certeza porém que se continuarmos a agir, como até agora, mais ano menos ano voltamos ao mesmo.
Os subsídios são bem vindos, como medidas curativas, que são e justas indemnizações, mas é fundamental investir nas medidas preventivas, que saíam «fora do papel».
Já muitos povos e povoados, se ergueram, com mais vigor, após terra queimada, fruto de guerras, catástrofes naturais ou provocadas.
Sigamos esses exemplos que a história nos dá.
(Artigo com extractos da crónica da jornalista Marisa Antunes.)
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com

Imagem do Dia – 11-9-2009

A «Imagem do dia» e a «Imagem da Semana» são dois destaques em imagens sobre acontecimentos, momentos ou recordações relevantes. Ficamos à espera que nos envie a sua memória fotográfica para a caixa de correio electrónico: capeiaarraiana@gmail.com

Data: 11 de Setembro de 2009.

Local: Sortelha.

Legenda: Visita surpresa ao concelho do Sabugal do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, em visita surpresa ao concelho do Sabugal ladeado por Manuel Rito, presidente da Câmara Municipal Sabugal e por António Morgado, presidente da Assembleia Municipal do Sabugal na aldeia histórica de Sortelha.

Autoria: Joaquim Tomé (direitos reservados).
Clique na imagem para ampliar