Tag Archives: bucho raiano

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho juntou 160 em Lisboa

O almoço anual da Confraria do Bucho Raiano juntou em Lisboa 160 pessoas, sendo o mais participado das 12 edições até agora realizadas. No dia 10 de novembro (sábado), para além do bucho, acompanhado por grelos de nabo e enchidos, queijos, sobremesas diversas, castanhas e jeropiga, houve muito convívio e muita amizade.
Veja a galeria de fotos da autoria de Daniel Salgueira.

Almoço de bucho no Hotel Vila Galé Ópera

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Capítulo de 2018 da Confraria do Bucho Raiano

O IX Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, ocorrido no dia 10 de Fevereiro, juntou à mesa 210 pessoas, no restaurante Casa da Esquila, no Casteleiro. Antecedendo o almoço, realizou-se a sessão solene no Auditório Municipal, no Sabugal, onde foram entronizados os novos confrades e foi prestada homenagem ao confrade recentemente falecido Manuel Leal Freire. Este ano vieram ao Sabugal 20 confrarias gastronómicas e enófilas.
Veja a galeria de fotos captadas pelo confrade Daniel Salgueira

O bucho veio à mesa em cama de grelos e acompanhado por enchidos

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho Raiano almoçou em Lisboa

Foram 120 os confrades e amigos da Confraria do Bucho Raiano que participaram no já tradicional almoço de Lisboa, realizado no sábado, dia 4 de Novembro, no Estádio da Luz, no restaurante Catedral da Cerveja. Leia mais e veja a galeria de imagens (fotos de Daniel Salgueira).

Gastronomia - © Capeia Arraiana

Revista Epicur enaltece o bucho raiano

Na recente edição de Verão a Epicur, revista dedicada aos prazeres da vida, destaca a grande especialidade do Sabugal: o bucho raiano. O artigo é assinado pelo crítico gastronómico Fernando Melo.

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

O sabugal como capital regional – a questão do bucho

A oportuna e importante crónica de Paulo Leitão, com o título em epígrafe, motiva-me uma reflexão sobre o tema que me é tão caro.

Almoço Anual Lisboa - Confraria Bucho Raiano - Sabugal - Capeia Arraiana

Bucho com batatas cozidas e grelos de nabo

José Morgado - Terras entre Côa e Raia - © Capeia Arraiana (orelha)

O bucho raiano foi rei nos Comandos

O Teatro de operações (Bataria da Lage) foi o local escolhido, face às características do terreno, do meio envolvente e composição das forças em presença. A maioria composta por “guerrilheiros“ que deram e dão, luta sem tréguas ao IN (leia-se Inseguritas) e as outras forças, por profissionais das armas, reservistas, que deram cobertura à rectaguarda.

Bucho Raiano

Bucho Raiano

Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

O bucho raiano em Bruxelas

Não vão dizer que se comeu Bucho Raiano em Bruxelas em plena quaresma. Mesmo se esta cidade foi sempre uma terra acolhedora de dissidentes políticos e religiosos de outros países, convém não espalhar a notícia que pode sempre ferir susceptibilidades menos bem formadas.

Os confrades Joaquim Pinto da Silva e Joaquim Tenreira Martins prontos a degustar o bucho

Os confrades Joaquim Pinto da Silva e Joaquim Tenreira Martins prontos a degustar o bucho

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

VIII Capítulo da Confraria do Bucho Raiano (2)

No dia 25 de Fevereiro o VIII Capítulo da Confraria do Bucho Raiano teve teatro com os Guardiões da Lua, animação musical com os Bombos do Souto da Casa e oração de sapiência pelo cónego António Carlos Gonçalves. Vieram ao Sabugal 19 confrarias, o bucho tem sete novos confrades efectivos, entre os quais Carlos Silva (Secretário-Geral da UGT), e um confrade honorário, o pintor Alcínio Vicente. Na Casa da Esquila, no Casteleiro, sentaram-se à mesa 210 comensais, cabendo destacar a presença do Secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

A mesa capitular

A mesa capitular

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Sabugal – Capítulo da Confraria do Bucho Raiano

No último sábado de Fevereiro decorreu no Sabugal o VIII Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, que congregou dezenas de Confrarias de várias zonas do País, incluindo a Região da Madeira, com destaque para a diversidade do mundo rural.

Os Bombos do Souto da Casa animaram o desfile das confrarias

Os Bombos do Souto da Casa animaram o desfile das confrarias

Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Diálogo tonto com o bucho raiano (2)

Estava sentado a ler a vida de Isaac (Fernando) Cardoso e a perceber que este grande judeu beirão setecentista, afinal, tinha tido pelo menos três vidas – uma na corte da Espanha, outra pelas cidades italianas do norte da Europa, mas antes destas tinha estudado em Salamanca e exercido a profissão de físico, médico e clérigo, em Valhadolid.

Isaac Cardoso - Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Isaac Cardoso à mesa com o Bucho Raiano

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

Bucho Raiano – um produto de excelência

A acção da Confraria do Bucho Raiano tem permitido dar a conhecer a gastronomia do Sabugal e da região envolvente, sendo porém necessário avançar para a certificação do produto, garantindo assim a sua qualidade e as formas tradicionais de confecção o que lhe conferirá um maior potencial, nomeadamente do ponto de vista comercial.

Bucho - a excelência da gastronomia sabugalense

Bucho – a excelência da gastronomia sabugalense

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Almoço de bucho na Doca de Belém

Mais de 120 confrades e amigos da Confraria do Bucho Raiano do Sabugal, reuniram à volta da mesa na Associação Naval de Lisboa para degustarem a melhor iguaria do mundo, o bucho raiano acompanhado de outros enchidos, grelos de nabo, castanhas, jeropiga e o afamado vinho 2.5.

Bucho raiano, grelos e batatas

Bucho raiano, grelos e batatas

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho esteve em Aveiro

A Confraria do Bucho Raiano, do Sabugal, fez-se representar no VIII Capitulo da Confraria dos Ovos Moles, realizado em Aveiro no passado sábado, dia 7 de Maio.

Os confrades do Bucho Raiano ladeados pelos representantes da Confraria Ovelhã

Os confrades do Bucho Raiano ladeados pelos representantes da Confraria Ovelhã

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

As Confrarias

Ser confrade é ser membro de uma associação a que vulgarmente se chama confraria. As confrarias, principalmente as gastronómicas, destinam-se a divulgar e defender produtos gastronómicos com características únicas.

As duas confrarias raianas: a do Bucho e a dos Aromas e Sabores

As duas confrarias raianas: a do Bucho e a dos Aromas e Sabores

Letícia Neto - Seixo do Côa - Sabugal - Capeia Arraiana - orelha

Não há cá sushi time!

Párem de tentar vender a ideia de que sushi é a oitava maravilha do mundo. Não é. É para aí a milésima segunda, bem depois do arroz de lulas. Ou de qualquer coisa feita com polvo. Aquelas texturas e aromas nunca colheram a minha simpatia. Não me faleis em polvo à lagareiro que não vos adianta! Mas pronto, no fim de tudo vem o sushi.

Bucho Raiano - Letícia Neto - Capeia Arraiana

Gastronomia Portuguesa – Bucho Raiano

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Bucho raiano foi a Bucelas

A Confraria do Arinto de Bucelas, concelho de Loures, organizou um jantar de confrades a fim de se degustar o bucho raiano acompanhado por vinho Arinto. A Confraria do Bucho Raiano também marcou presença.

Maria Máxima Vaz falou do bucho raiano

Maria Máxima Vaz falou do bucho raiano

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Freineda recebe 7º Raide do Bucho

O passeio todo-o-terreno 7º Raid do Bucho e Outros Sabores, que se realiza de 11 a 13 de Março pelas paisagens do distrito da Guarda, passa novamente pela Freineda, concelho de Almeida, onde os participantes se sentarão à mesa para degustarem o bucho raiano, uma das melhores iguarias gastronómicas da região.

A Freineda continua a divulgar o bucho raiano

A Freineda continua a divulgar o bucho raiano

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

O bucho voltou a ser rei no Entrudo

O VI Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, realizado no Soito no dia 6 de Fevreiro, trouxe outra vez à evidência que o bucho é a peça gastronómica de referência das terras sabugalenses.

Cerimónia do Capítulo na Igreja do Soito

Cerimónia do Capítulo na Igreja do Soito

Casa do Concelho do Sabugal em Lisboa - © Capeia Arraiana (orelha)

Quinzena gastronómica na Casa do Sabugal

A Casa do Concelho do Sabugal realiza uma quinzena gastronómica, que se inicia hoje, na sua sede em Lisboa, onde entre outra iguarias haverá pratos regionais, como bucho raiano, coelho à caçador, bacalhau à moda do Sabugal e enchidos.

O bucho raiano vai estar na ementa

O bucho raiano vai estar na ementa

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

O Sabugal é a capital do bucho

A tradição impõe que o bucho e as demais peças do fumeiro raiano tenham, no que à gastronomia diz respeito, papel preponderante na quadra carnavalesca, o que deve contribuir para a promoção da economia sabugalense.

Falta fixar um tema coerente para os Roteiros Gastronómicos

Falta fixar um tema coerente para os Roteiros Gastronómicos

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Capítulo da Confraria do Bucho animou o Sabugal

Aos confrades do Bucho Raiano, e seus convidados e amigos, juntaram-se os representantes de 16 confrarias portuguesas, na sexta edição do Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, realizada no sábado, dia 14, no Sabugal, que este ano teve uma surpresa: a presença de El-Rei D. Dinis e da Rainha Santa Isabel entre os convivas.

VI Capítulo da Confraria do Bucho Raiano - foto de família

VI Capítulo da Confraria do Bucho Raiano – foto de família

Tradições (02) - Capeia Arraiana

Feiras de queijo promovem Serra da Estrela

O queijo de ovelha produzido na região da Serra da Estrela vai ser promovido no fim-de-semana do Carnaval nos concelhos de Seia, Manteigas, Celorico da Beira e Gouveia, em feiras organizadas pelas câmaras municipais. O concelho do Sabugal oferece aos visitantes a excelência da cozinha raiana na 8.ª edição dos Roteiros Gastronómicos.

Gastronomia no Carnaval - Capeia Arraiana

Gastronomia Em tempo de Carnaval na Serra da Estrela e Região Raiana

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho Raiano esteve em Arouca

A Confraria do Bucho Raiano, em mais uma acção de divulgação do Sabugal e da sua gastronomia, esteve presente no passado Sábado, dia 29 de Novembro, no XII Capítulo da Confraria Gastronómica da Raça Arouquesa, em Arouca.

Os confrades Rosa e Francisco Santos representaram o Sabugal

Os confrades Rosa e Francisco Santos representaram o Sabugal

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho esteve em Tentúgal

A Confraria do Bucho Raiano esteve representada no V Capítulo da Confraria da Doçaria Conventual de Tentúgal, que se realizou no sábado, dia 17 de Maio.

Confraria de Tentúgal deu as boas-vindas aos convidados

Confraria de Tentúgal deu as boas-vindas aos convidados

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho em Oliveira do Hospital

A Confraria do Bucho Raiano, continuando o seu esforço de representatividade do Sabugal e de divulgação dos sabores raianos, esteve em diversos capítulos de outras confrarias, cujo último destino foi Oliveira do Hospital, onde acompanhou o 25º Capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela.

Os confrades do bucho no desfile das confrarias em Oliveira do Hospital

Os confrades do bucho no desfile das confrarias em Oliveira do Hospital

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

O bucho triunfou no Sabugal

Cinco anos após a criação da Confraria do Bucho Raiano, o bucho venceu em toda a linha, tornando-se a imagem de marca da gastronomia sabugalense.

A marca «bucho raiano» é um sinal que identifica a essência de um território gastronómico

A marca «bucho raiano» é um sinal que identifica a essência de um território gastronómico

Gastronomia - © Capeia Arraiana

Bucho é Rei no Sabugal

«Sua Excelência o Rei Bucho» é assim tratado há cinco anos pela Confraria do Bucho Raiano. Em 2014 os Roteiros Gastronómicos organizados pela Câmara Municipal do Sabugal declararam que o «Bucho é rei do Carnaval sabugalense». O evento envolve nove restaurantes do concelho do Sabugal que oferecem e colocam na mesa o melhor da cozinha tradicional raiana. Reportagem da jornalista Sara Castro com imagem e edição de Diogo Reis da redacção da Guarda da LocalVisãoTv.

LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana

ca2013_localvisaotv_550x15
Autoria: LocalVisãoTV posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

Evidentemente que o lema correcto seria «Bucho é Rei da Gastronomia do Carnaval Sabugalense». Em Estarreja, por exemplo, a rainha do Carnaval é o José Castelo Branco. Pois…
jcl

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho promove a Raia em Lisboa (1)

O Palácio do Instituto de Acção Social das Forças Armadas (ex Cooperativa Militar), recebeu no sábado, 16 de Novembro, os 120 convivas que participaram no sétimo almoço anual da Confraria do Bucho Raiano em Lisboa.

Palácio da Cooperativa Militar recebeu confrades e amigos do bucho

Palácio da Cooperativa Militar recebeu confrades e amigos do bucho

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confrarias têm Casa no Casino da Figueira

A Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas (FPCP) inaugurou a Casa das Confrarias de Portugal, no Casino da Figueira da Foz. A Confraria do Bucho Raiano, do Sabugal, está entre as agremiações gastronómicas ali representadas para dar a conhecer o trabalho realizado em prol da gastronomia.

Inauguração da Casa das Confrarias - foto Confraria das Sainhas

Inauguração da Casa das Confrarias – foto Confraria das Sainhas

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Prova de bucho na Casa Pia de Lisboa

O restaurante do Curso de Hotelaria e Restauração da Casa Pia de Lisboa apresentou uma prova de bucho e de outros enchidos raianos servidos de forma diferente da habitual. A iniciativa resultou de uma parceria com a Confraria do Bucho Raiano.

Os alunos e os professores que «trabalharam» o bucho

Os alunos e os professores que «trabalharam» o bucho

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Da gastronomia raiana

A realização do IV Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, coloca de novo a questão da importância da nossa rica gastronomia para o processo de desenvolvimento sustentado do nosso Concelho.

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Bucho Raiano na Confraria da Marmelada (1)

A Confraria do Bucho Raiano do Sabugal marcou presença no segundo Grande Capítulo da Confraria da Marmelada de Odivelas que se realizou este sábado, 24 de Novembro, no Mosteiro de São Dinis e São Bernardo.

A cerimónia de entronização de novos confrades realizou-se este sábado, dia 24 de Novembro, em Odivelas, com a presença de muitas pessoas ligadas ao poder local e empresarial, bem como diversas confrarias gastronómicas vindas de todo o país, entre as quais ao do Bucho Raiano, que ali esteve representada por seis confrades.

Lição de História de Máxima Vaz da Igreja do ConventoPelas 11 horas, após a concentração dos convidados, iniciou-se uma visita ao Mosteiro de São Dinis e São Bernardo. A cicerone foi a Professora Máxima Vaz, natural da Abitureira, freguesia de Vila do Touro, Sabugal, e residente em Odivelas. Doutorada em História é uma das mais importantes individualidades odivelenses e condecorada por entidades como o Rotary Clube de Odivelas ou a Confraria da Marmelada. A Junta de Freguesia de Odivelas atribuiu-lhe o nome de uma rua e a Câmara Municipal fez o mesmo em relação a uma escola básica do concelho.
A historiadora que conhece como ninguém, ou como muito poucos, a história do Reinado de D. Dinis, cativou a audiência pela forma clarividente com que exibiu o seu extenso saber, sempre doseado com um humor bem oportuno. Começou por mostrar o átrio da Rainha Santa, a cozinha velha do mosteiro, os claustros, a sala do capítulo, tendo a aula de história e a visita acabado na igreja do Mosteiro, junto ao túmulo do Rei Dom Dinis.
Máxima Vaz explicou o papel de D. Dinis em Odivelas, onde mandou erigir o mosteiro alegando fazê-lo em resultado de uma promessa que fizera quando no momento em quue foi atacado por um urso quando andava a caçar. Admiradora da figura histórica do Rei Lavrador, explicou ainda o seu papel relevante na consolidação das fronteiras do país, no desenvolvimento da economia e a sua habilidade na política e diplomacia do reino perante os demais monarcas europeus.
Maria Máxima Vaz concluiu a sua viagem «dinisina» afirmando que «Odivelas deve a sua existência a D. Dinis porque se não tivesse sido este Rei esta Terra não teria passado da vulgaridade, não teria tido história alguma».

Confrades do Bucho Raiano em OdivelasA cerimónia de entronização dos novos confrades aconteceu na sala do capítulo do convento, que estava repleta de pessoas, entre convidados e assistentes.
Na cerimónia foram entronizados 22 novos confrades, que prestaram juramento e receberam as insígnias, entre os quais José Carlos Lages, vice-chanceler da Confraria do Bucho Raiano, que residindo em Odivelas quis pertencer à confraria local.
À cerimónia de entronização seguiu-se o almoço no refeitório do Instituto.
A representar a Confraria do Bucho Raiano estiveram, para além do vice-chanceler, o grão-mestre Joaquim Silva Leal, o chanceler Paulo Leitão Batista, o almoxarife Paulo Terras Saraiva, e ainda as confreiras Delfina Leal e Ana Paula Sousa.
plb

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Bucho Raiano na Confraria da Marmelada (2)

A Confraria do Bucho Raiano do Sabugal marcou presença no segundo Grande Capítulo da Confraria da Marmelada de Odivelas que se realizou este sábado, 24 de Novembro, no Mosteiro de São Dinis e São Bernardo.

CONFRARIA DA MARMELADA DE ODIVELAS  – 24-11-2012
Fotos Capeia Arraiana e José Valverde  –  Clique nas imagens para ampliar

jcl

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Confraria do Bucho almoçou em Alcochete (2)

Passou de cem o número de confrades e amigos do Sabugal e do bucho raiano que no sábado, dia 10 de Novembro, se juntaram no Clube Náutico Al Foz, em Alcochete, para conviver e degustar os bons sabores das nossas terras.

(Clique nas imagens para ampliar.)

Fotos de Daniel Salgueiro e José Carlos Calixto

Confraria do Bucho almoçou em Alcochete (1)

Passou de cem o número de confrades e amigos do Sabugal e do bucho raiano que hoje, dia 10 de Novembro, se juntaram no Clube Náutico Al Foz, em Alcochete, para conviver e degustar os bons sabores das nossas terras.

O convidado de honra deste almoço foi o general Pina Monteiro, Chefe de Estado-Maior do Exército, que se juntou aos confrades para saborear com os conterrâneos o bom bucho.
Enquanto observavam a magnífica paisagem que o estuário do Tejo proporcionava, os convivas foram conversando e provando as farinheiras e morcelas grelhadas que serviram de entrada. Depois passou-se para o salão, onde, já nas mesas, foi servido o Dom Bucho, acompanhado, como manda a tradição, com grelos de nabo e batatas cozidas.
Após as sobremesas e os cafés, por ser véspera de S. Martinho, vieram à mesa castanhas assadas e jeropiga, tudo produto da terra, o que satisfez o apetite e o gosto dos comensais.
À mesa estiveram um chefe de cozinha e um monitor da Escola de Hotelaria da Casa Pia, que ali vieram a convite da Confraria para conhecerem o bucho e para dar seguimento a uma parceria. Os alunos terão formação acerca do que é uma confraria, tendo por modelo a Confraria do Bucho. Também estudarão e proporão novas formas de confeccionar e de apresentar o bucho. A ideia é aproveitar o sabor tradicional desta peça gastronómica para a partir dela se prepararem novas iguarias. Também se apresentarão propostas inovadoras acerca da forma como o bucho pode ser «empratado» e servido à mesa.
O almoço de Alcochete também serviu para se marcar o próximo convívio, que acontecerá em Elvas, no Alentejo, em 19 de Janeiro de 2013. Nessa data haverá almoço de bucho no Hotel Brasa, sendo anfitrião o confrade Daniel Salgueira.
plb

Confraria do Bucho Raiano em Alcochete

O habitual almoço anual da Confraria do Bucho Raiano na região de Lisboa realiza-se no dia 10 de Novembro, no Clube Náutico Al Foz, em Alcochete.

O almoço anual na região de Lisboa da Confraria do Bucho Raiano está aberto a todos os sabugalenses e amigos do Sabugal que desejem inscrever-se, independentemente de serem ou não confrades da Confraria.
Os interessados podem inscrever-se por estas vias: enviando e-mail para o endereço confrariabuchoraiano@gmail.com, ou telefonando para os números 966823786 ou 963084143.
jcl

Almoço de bucho raiano em Alcochete

O habitual almoço anual da Confraria do Bucho Raiano na região de Lisboa realiza-se no dia 10 de Novembro, no Clube Náutico Al Foz, em Alcochete.

O convívio de 2012 da Confraria do Bucho Raiano está programado para num local especialmente aprazível, num salão à beira-Tejo, com vista para a baía de Alcochete.
A ementa já está elaborada e inclui entradas, com broa, manteigas, paté, azeitonas, bem como as morcelas e farinheiras raianas assadas.
Também haverá sopa de alho francês, ao que se seguirá o esperado prato de bucho acompanhado de batata, nabiças e grelos. Para beber haverá vinhos de Rio Frio e do Vale da Judia, para além de cerveja e refrigerantes.
A sobremesa inclui arroz doce e ananás, a que se seguirá o café.
Após o almoço virão à mesa castanhas assadas e geropiga de Ruivós, em homenagem a São Martinho, patrono das festas outonais.
Os interessados podem inscrever-se por estas vias: enviando e-mail para o endereço confrariabuchoraiano@gmail.com, ou telefonando para os números 966823786 ou 963084143.
O almoço de bucho está aberto a todos os interessados que desejem inscrever-se, independentemente de serem ou não confrades da Confraria.
Inscreva-se e vá degustar o saboroso bucho raiano, e conviver entre amigos num belo e aprazível local da margem sul do Tejo.
O restaurante é defronte ao conhecido Hotel Al Foz, de Alcochete.
Paulo Leitão Batista – Chanceler da Confraria do Bucho Raiano

III Capítulo da Confraria do Bucho Raiano

O III Capítulo da Confraria do Bucho Raiano é já amanhã, sábado, 18 de Fevereiro, no Sabugal. A concentração está marcada para o Mercado Municipal do Sabugal às 09:30 horas e a cerimónia de entronização para as 11:00 horas no Auditório Municipal do Sabugal. O almoço de bucho (que conta já com 160 inscrições) terá lugar no Restaurante Casa da Esquila no Casteleiro.

III Capítulo Confraria do Bucho Raiano - Sabugal

A recepção no Mercado Municipal e a cerimónia no Auditório Municipal têm entrada livre. O almoço no restaurante Casa da Esquila, no Casteleiro, é por marcação mas aberto a todos os confrades e amigos do bucho raiano.
jcl

III Capítulo da Confraria do Bucho Raiano

No sábado de Carnaval, 18 de Fevereiro, vai realizar-se no Sabugal o III Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, que contará com a presença do Professor Carvalho Rodrigues, conhecido como «Pai do Satélite Português», natural de Casal de Cinza (Guarda), que proferirá a Oração de Sapiência, onde falará na gastronomia tradicional da região.

Os confrades do bucho e de outras confrarias convidadas vão concentrar-se no Mercado Municipal do Sabugal, onde haverá uma mostra de enchidos e outros produtos regionais, promovida pela Câmara Municipal, onde poderão ser degustados os bons sabores da terra.
A preceder a cerimónia, já no Auditório Municipal, haverá um momento musical, interpretado pelo jovem músico sabugalense João Cunha.
João Cunha, de 21 anos de idade, é natural de Águas Belas,e iniciou os estudos musicais aos14 anos, no Conservatório de Música de S. José, na Guarda. Actuou como intérprete em diversas salas de espectáculo da Guarda, Viseu, Sabugal, Belmonte, Seia, Figueira de Castelo Rodrigo, Coimbra, Porto, Lisboa. Destaca-se ainda a sua vertente como compositor, tendo já estreado, como intérprete, peças originais suas nos Dias da Música no Centro Cultural de Belém em 2008.
O Capítulo terá ainda a bênção das insígnias (pelo Padre Manuel Dinis), o juramento dos novos confrades e a homenagem a algumas personalidades pelo seu papel em prol da gastronomia da região.
Após a cerimónia os elementos das confrarias presentes efectuarão um desfile pelas ruas do Sabugal, abrilhantado pelos «Bombos de Badamalos».
No final do desfile a comitiva segue para o Casteleiro, onde haverá uma recepção aos participantes na Junta de Freguesia, imediatamente antes de se dirigirem ao restaurante Casa da Esquila onde será servido o almoço do bucho.
O Capítulo da Confraria está incluído no programa dos «Roteiros Gastronómicos – Sabugal à Mesa», iniciativa que se realiza de 18 a 21 de Fevereiro, na qual os restaurantes do concelho disponibilizam receitas tradicionais da cozinha raiana.
plb

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Ao redor de um Bucho Raiano

Tal como ao redor da lareira, a ouvir o crepitar de um lume vivo, assim nós nos encontrávamos todos satisfeitos, em volta de um Bucho Raiano, algures, no começo de uma longa noite, em Bruxelas, entre meados de Janeiro e o Carnaval.

Aqueles três homens e três mulheres estavam ali a festejar uma tradição que se transmitiu durante séculos e tenho a impressão de que só o olhar suave de um Bucho Raiano gorducho e redondinho, mas por demais astuto e vivaço, nos poderia fazer a contagem dos anos que o têm contemplado ao largo de tantas gerações.
Também não sabemos quantas lendas nos poderiam ter enfeitiçado para nos sentirmos como que endemoninhados perante um quase deus que ao mesmo tempo veneramos, nos encanta e alimenta. De que miragem fascinante andaríamos nós à procura?
Já cheirava a infância e a ternura, e repassavam pela nossa mente os gestos rituais das nossas mães e avós, quando o bucho nos activou as papilas gustativas, ao vê-lo todo rosado em cima da mesa. Parecia ter já bebido alguns copos de um clarete sorrateiro. Mesmo com as faces e as maçãs do rosto afogueadas, ainda não tinha perdido a sensatez ancestral de quem nos traz o sustento, a tradição, o encanto e a emoção de estarmos juntos.
Com o religioso silêncio, interrompido apenas pelo tilintar dos talheres e apressados para principiar um ritual iniciático, já estava preparado o ambiente para a evocação de lendas e tradições imemoriais ao redor de um Bucho Raiano. O anfitrião e confrade privar-se-ia de repetir os contos romanescos da sua infância e também nada diria sobre as múltiplas viagens ao interior de si próprio. Procuraria proporcionar uma atmosfera condigna, própria de um ritual legendário para favorecer o enlevo que brotaria espontaneamente das raízes e da memória.
Ambiente estranho este de estar em frente, melhor dito, em redor de um bucho. Todas as crenças, contos, lendas e produtos capitosos de uma terra se entremisturam para dar lugar ao dialogo amistoso e criativo que nos avivava o prazer de estarmos juntos. As histórias que cada um de nós tinha vivido ao longo da vida cruzavam-se com o olhar atento de um bucho que sabia observar, ouvir e interpelar para que a comunicação não se esgotasse num simples acto de levar à boca e que iria ter lugar dali a instantes. Este genuíno raiano de bucho pretendia assumir-se como uma caixa de ressonância, a transmitir-nos os ecos que evocavam a nostalgia e a saudade.
Mas este não era qualquer bucho. Era o Bucho Raiano! E já estávamos a esquecer este predicado distintivo e alusivo a culturas destinadas por natureza à ameaça e à extinção, simplesmente por estarem na fronteira e no interior. Porém, entre os convivas alguém as teria considerado ainda mais fecundas por terem resistido corajosamente entre dois mundos. A tradição teve a oportunidade de se afirmar ao longo dos séculos, mas não deixou de estar à escuta e com a porta aberta a outras culturas que nos alargavam os horizontes. Pudemos comparar, pudemos provar outros gostos, mas nem o rodar do tempo, nem as constantes passagens de forasteiros pela fronteira conseguiram destruir a tradição que se enraizou na nossa memória réptil, deixando-nos ficar um sabor constante e indelével que faz parte da nossa tradição cultural e gastronómica.
Este instinto de ir ao encontro e de observar tivemos o privilégio de o experimentar do cimo das serranias da nossa Serra da Malcata e dos vários montes que a constituem e a circundam. Das suas alturas pudemos olhar para mais longe, para outros mundos e não ficámos limitados aos horizontes que nos rodeavam, nem tão pouco asfixiados com o que tínhamos e comíamos.
E, a propósito do Bucho Raiano, já estávamos longe demais. É quando acordámos do nosso enlevo, já o professor Carvalho Rodrigues nos tinha conduzido para bem mais longe. Tínhamos passado várias fronteiras e estávamos já no Egipto, em companhia do Santo Antão. Este sim era um valente raiano e amigo dos buchos, das chouriças, dos porcos, dos presuntos, dos salpicões, das farinheiras e das farinhatas e de todas as tentações que de dia e de noite o assediavam. Não admira pois que também os grandes pintores como Jerónimo Bosch se tenham lembrado dele para o imortalizar numa pintura denominada as Tentações de Santo Antão, cujo belíssimo quadro, antes de chegar a Lisboa teria passado certamente pela raia sabugalense, itinerário fronteiriço obrigatório para chegar à capital do Reino.
O saco do bucho é um verdadeiro ninho de tentações. É o topo da raia humana atiçado por todas as seduções que nos assolam. A umas resistimos, mas a outras abrimos as portas, saboreando-as gostosamente até à medula dos ossos, inebriados com o prazer exacerbado da gula pecaminosa.
Que mistura esta da natureza tórrida, da concupiscência endiabrada e da ascética salamanquina ou avilena que se entrelaçam em vésperas de um tempo quaresmal, de deserto e de privações como se o mundo aqui terminasse!
Todo o saber acumulado num bucho raiano não caberá certamente na Livraria Orfeu, do Joaquim Pinto da Silva, observador atento aos sabores literários escondidos na raia beirã e que não deixava de manifestar a sua admiração pelos saberes acumulados numa peça de arte e tradição que se ia consumindo em cima de uma mesa à volta da qual não arredávamos pé. A sua Foz do Douro estava por um momento esquecida!
Eram os preparativos de um terceiro capítulo que se aproximava a passos largos. Tínhamos feito naquela noite uma longa viagem em companhia do fiel e solidário amigo Bucho Raiano. Agora, familiarizados com a sua amizade, iríamos com mais confiança ao seu encontro, em romagem peregrina, à escuta de um bom momento de inspiração e abertura a uma cultura e gastronomia ancestrais.
Joaquim Tenreira Martins