Tag Archives: arrolamento

Os bens das igrejas de Vilar Maior

:: :: VILAR MAIOR :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia de Vilar Maior, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 21 de Março de 1912. Transcrevemos o respectivo auto de arrolamento e demais documentação existente no processo.

Igreja paroquial de Vilar Maior

Os bens das igrejas de Vila do Touro

:: :: VILA DO TOURO :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia de Vila do Touro, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 30 de Março de 1912. Transcrevemos o respectivo auto de arrolamento e demais documentação existente no processo.

Capela da Senhora do Mercado - Vila do Touro - Sabugal - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Capela da Senhora do Mercado – Vila do Touro

Os bens das igrejas de Vila Boa

:: :: VILA BOA :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia de Vila Boa, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 5 de Agosto de 1911. Transcrevemos o respectivo auto de arrolamento e demais documentação existente no processo.

Igreja Matriz de Vila Boa - Sabugal - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Igreja Matriz de Vila Boa

Os bens das igrejas do Soito

:: :: SOITO :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia do Soito, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 30 de Março de 1912. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Nossa Senhora da Conceição, no altar mor da igreja do Soito

Os bens das igrejas do Sabugal

:: :: SABUGAL :: :: O arrolamento dos bens das igrejas e capelas da freguesia do Sabugal, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 29 de Junho de 1911. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Igreja Matriz do Sabugal - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Igreja Matriz do Sabugal – Capeia Arraiana

Os bens das igrejas da Ruvina

:: :: RUVINA :: :: O arrolamento dos bens das igrejas e capelas da freguesia da Ruvina, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 5 de Agosto de 1911. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Igreja Matriz da Ruvina - Censos 1758 - Foto: Capeia Arraiana

Igreja Matriz da Ruvina

Os bens das igrejas de Ruivós

:: :: RUIVÓS :: :: O arrolamento dos bens da igreja da freguesia de Ruivós, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 5 de Agosto de 1911. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Igreja matriz de Ruivós

Os bens das igrejas de Rendo

:: :: RENDO :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia de Rendo, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 5 de Agosto de 1911. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Igreja Matriz de Rendo - Sabugal - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Igreja Matriz de Rendo – Sabugal – Capeia Arraiana

Os bens das igrejas da Rebolosa

:: :: REBOLOSA :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia da Rebolosa, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 16 de Abril de 1912. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Igreja Matriz da Rebolosa - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Igreja Matriz da Rebolosa – Capeia Arraiana

Os bens das igrejas da Rapoula do Côa

:: :: RAPOULA DO CÔA :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia da Rapoula do Côa, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 25 de Março de 1912. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Igreja Matriz da Rapoula do Côa - Capeia Arraiana

Igreja Matriz da Rapoula do Côa (foto: rapazão)

Os bens das igrejas das Quintas de S. Bartolomeu

:: :: QUINTAS DE SÃO BARTOLOMEU :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia das Quintas de S. Bartolomeu, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 1 de Agosto de 1911. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentes no processo.

Igreja Matriz das Quintas de São Bartolomeu - Censos 1758 - Capeia Arraiana

Igreja Matriz das Quintas de São Bartolomeu – Capeia Arraiana

Os bens das igrejas da Lageosa

:: :: LAGEOSA :: :: O arrolamento dos bens das igrejas e capelas da freguesia da Lageosa da Raia, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 29 de Março de 1912. Transcrevemos os respectivos autos de arrolamento existentem no processo.

Igreja Matriz Lageosa da Raia - Capeia Arraiana

Igreja Matriz Lageosa da Raia – Capeia Arraiana

Os bens das igrejas do Casteleiro

:: :: CASTELEIRO :: :: O arrolamento dos bens da igreja e capelas da freguesia de Casteleiro, no concelho do Sabugal, foi coligido pela comissão concelhia de inventário em 6 de Março de 1912. Transcrevemos o respectivo auto de arrolamento e demais documentação existente no processo.

Capela de São Francisco - Casteleiro - Capeia Arraiana

Capela de São Francisco no Casteleiro

Os bens da Igreja passaram a ser do Estado

A Lei da Separação das Igrejas do Estado, de 20 de Abril de 1911, impôs que todas as catedrais, igrejas e capelas, bens imobiliários e mobiliários, destinados ao culto público da religião católica passassem a ser pertença do Estado.

As igrejas e os seus bens foram arrolados e inventariados

O essencial da Lei da Separação

A Lei da Separação das Igrejas do Estado, de 20 de Abril de 1911, teve uma importância capital para o regime republicano. Essa lei introduziu o estado laico em Portugal, libertando a sociedade do poder que a igreja católica detinha sobre os assuntos do Estado. Porém, ainda que querendo separar as águas, a mesma lei subjugou em determinados aspectos a hierarquia eclesiástica à autoridade civil, o que criaria viva polémica.

Todos os ministros do governo provisório da República assinaram a Lei da Separação

O arrolamento dos bens da Igreja

Pela mão do nosso conterrâneo António José Marques chegaram-nos os arrolamentos e inventários dos bens da Igreja Católica nas diversas freguesias do concelho do Sabugal, efectuados na sequência da entrada em vigor da Lei da Separação das Igrejas do Estado, de 20 de Abril de 1911.

Afonso Costa assina a Lei da Separação