Tag Archives: 2009

Os melhores de 2009

Pedro Miguel Fernandes - Série BCom o início de mais um ano chegam as tradicionais listas de balanço do melhor que se fez em 2009. Para esta lista, que tinha pensado colocar on-line na última crónica de 2009 mas não foi possível, escolhi aqueles que considero terem sido os melhores filmes estreados em Portugal ao longo dos últimos meses.

Não é uma lista completa, pois infelizmente não tive oportunidade de ver todos os filmes que estrearam e talvez pudessem fazer parte desta lista.
De fora estão também os filmes que foram directamente para DVD e os filmes que estrearam no último dia do ano passado, que terão de entrar na colheita de 2010 caso se justifique.
A ideia era ter uma lista de apenas 10 filmes, mas quando fui a ver já tinha uma lista infindável.
Esperemos que este ano também seja bastante prolífero em boas fitas.

A Valsa com Bashir1 – A Valsa com Bashir, de Ari Folman

2 – Tetro, de Francis Ford Coppola
3 – Moon – O Outro Lado da Lua, de Duncan Jones
4 – Up – Altamente, de Peter Docter
5 – Sacanas Sem Lei, de Quentin Tarantino
6 – Revolutionary Road, de Sam Mendes
7 – Sinédoque, Nova Iorque, de Charlie Kaufman
8 – Gran Torino, de Clint Eastwood
9 – Che – Guerrilha e Che – O Argentino, de Steven Soderbergh
10 – Andando, de Hirokazu Koreeda
11 – Os Limites do Controlo, de Jim Jarmush
12 – Duplo Amor, de James Gray
13 – O Casamento de Rachel, de Jonathan Demme
14 – Deixa-me Entrar, de Tomas Alfredson
15 – O Wrestler, de Darren Aronofsky
16 – O Visitante, de Thomas McCarthy
17 – Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas
18 – Ponyo à Beira-Mar, de Hayao Miyazaki
19 – Abraços Desfeitos, de Pedro Almodóvar
20 – Um Conto de Natal, de Arnaud Desplechin.

«Série B», opinião de Pedro Miguel Fernandes
pedrompfernandes@sapo.pt

Especial Capeias 2009

Novo DVD Especial Capeias 2009 do Fred do Soito com banda sonora do DJ Moka.

O DVD está disponível em finais de Janeiro por 20 euros.
Para mais informaçoes: fredosoito@hotmail.fr
jcl

Revista do Ano 2009 na Rádio Altitude

O ano em revista – numa grande produção da Rádio Altitude – está disponível em podcast na página oficial da estação radiofónica mais antiga de Portugal. A «Revista do Ano» pode ser escutada em directo nos dias 6 e 10 de Janeiro às 10 horas da manhã.

Rádio Altitude«Porque não há Futuro sem Memória» a Rádio Altitude recorda acontecimentos, protagonistas, casos e causas marcantes em 2009.
O ano de 2009 em revista, numa grande produção dos profissionais da Rádio Altitude pode ser escutada nas emissões em directo (90.9 FM) nos dias 6 e 10 de Janeiro, às 10 horas da manhã, e em podcast na Internet, em versão integral, dividida em duas partes.
O director Rui Isidro assina a selecção de arquivo, edição e textos e António Ribeiro o desenho sonoro. As notícias, as reportagens, as entrevistas e os debates foram «criados» ao longo do ano pela equipa de jornalistas: Carla Pinheiro, Carlos Gomes, Francisco Carvalho, Joaquim Martins e Teresa Gonçalves.

Para ouvir em podcast (www.altitude.fm). Aqui.
jcl

Revista do ano 2009 no Capeia Arraiana

O ano que agora finda foi fértil em acontecimentos dignos de realce no concelho do Sabugal e a que o Capeia Arraiana deu expressão. O facto de ser ano de eleições autárquicas contribuiu muito para isso, mas também se verificaram outros eventos de realce, como as caminhadas, que pegaram moda e aconteceram nas diversas terras. O Capeia Arraiana publicou mais de 1250 artigos, com notícias, entrevistas, colunas de opinião e outros artigos de interesse para o nosso concelho.

Candidatos à Câmara Municipal do SabugalEm Janeiro as eleições autárquicas já estavam lançadas com os principais candidatos à Câmara do Sabugal assumidos e a tentarem ganhar expressão perante o eleitorado. De resto 2009 foi o ano de todas as escolhas políticas, com eleições europeias em Junho, legislativas em Setembro e autárquicas em Outubro. E foi logo no início do ano que o Capeia Arraiana acolheu a primeira polémica do ano: a ausência da Câmara do Sabugal na Bolsa de Turismo de Lisboa. Joaquim Ricardo e António Dionísio assinaram artigos muito críticos dessa opção, o que gerou um vivo e interessante debate entre os leitores.
Uma inabitual vaga de frio e de neve afectou o concelho nas primeiras semanas do ano, com os termómetros a registarem temperaturas negativas em dias sucessivos.
Fevereiro foi o mês em que o Capeia Arraiana atingiu o meio milhão de visitantes e em que se realizou, no Sabugal o IV almoço da Confraria do Bucho Raiano, integrado na semana gastronómica concelhia. As comemorações carnavalescas geram controvérsia entre Aldeia do Bispo e o Sabugal devido à ocorrência dos cortejos na mesma data. Esse mês começou porém com a triste notícia da morte de José Diamantino dos Santos, provedor da Santa Casa da Misericórdia do Sabugal e fundador do Externato Secundário. O seu funeral, num dia chuvoso e frio, juntou largas centenas de pessoas, vindas dos quatro cantos do país, para lhe prestarem a última homenagem.
Em Março a notícia de uma possível capeia arraiana na ilha Terceira, nos Açores, inserida nas festas são-joaninas lançaram mais uma longa polémica, que perduraria durante semanas a fio e que motivaria inclusivamente um abaixo-assinado de gente arraiana, que parecia temer perder a sua tradição taurina.
Manuel António PinaA singela e muito digna homenagem que a Junta de Freguesia do Sabugal fez ao escritor e jornalista sabugalense Manuel António Pina, marcou o mês de Abril, e inspirou outras homenagens ao poeta que depois se sucederam. Descerrou-se uma placa na casa onde o escritor nasceu, falou-se da sua vida e obra e assistiu-se a uma representação teatral da sua autoria. A 26 de Abril o Papa Bento XVI proclamou a canonização do português São Nuno de Santa Maria que o povo conhece como Santo Condestável e o Capeia Arraiana deu a conhecer que o quadrazenho Jesué Pinharanda Gomes foi um dos quatro magníficos peritos da Comissão Histórica que investigou, estudou, decifrou e compilou as centenas de documentos que constituíram o processo.
Em Maio a entrevista do novo provedor da Santa Casa da Misericórdia do Sabugal, Romeu Bispo, afirmando que António Dionísio, candidato do PS, o ajudara a garantir que o Sabugal teria uma Unidade de Cuidados Continuados gerou nova polémica, com resposta pronta do presidente do Município, Manuel Rito, afirmando que se preferiu a «cunha partidária» em vez da via institucional. Dia 30 iniciaram-se as polémicas crónicas do saudosista sabugalense Ventura Reis, cujas criticas geradas o levariam mais tarde a desistir de escrever, remetendo-se ao silêncio.
Em Junho José Saramago recriou a rota do elefante Salomão e passou em Sortelha. Os motards fizeram o percurso «Portugal de lés-a-lés», passando por Alfaiates, cujo castelo ameaça ruína. O presidente da Junta de Freguesia da Bismula, José Vaz, afirma ter sido vítima de uma represália política por parte da Câmara e nasceu uma nova controvérsia, alimentada por artigos e comentários sucessivos.
Julho trouxe outra polémica: a ausência da Câmara da Feira Internacional de Artesanato, onde porém um peça de renda feita por uma artesã do Sabugal foi premiada. Textos de candidatos e comentários dos leitores apimentaram mais um dilema que durou largo tempo num ambiente já muito tocado pelas eleições que eram chegadas. Ainda em Julho o Capeia fez grandes entrevistas aos candidatos à Câmara Municipal.
Agosto foi, como sempre sucede, o mês das capeias arraianas, que se sucederam por toda a raia, desta vez estimuladas pela campanha política que estava ao rubro. No festival do forcão, em Aldeia da Ponte, o repórter tirou a fotografia do ano: António Morgado, ex-presidente do PSP, ao lado de António Dionísio, candidato do PS, dando sinais de um apoio que a campanha oficial confirmaria. Aqui nasceu uma nova polémica (o post com a edição da foto recebeu 53 comentários).
Os primeiros dias de Setembro são de drama, devido à grande calamidade que assolou o lado ocidental do concelho desde os últimos dias de Agosto: um incêndio devastador que arrasou floresta e pastagens, pondo em perigo muitas aldeias. Esta fatalidade abrasou a campanha politica dada a aproximação das eleições. O Presidente da República visitou de surpresa a área ardida, e a polémica ganhou novo fôlego, com criticas à actuações dos bombeiros, da Protecção Civil e do Município. Num momento de maior tensão a Câmara vê-se obrigada a suspender uma inauguração polémica quando caiu a informação de que a Comissão Nacional de Eleições proibira uma acção similar em Braga. No penúltimo fim-de-semana as principais candidaturas autárquicas fizeram as suas apresentações públicas e a partir daí a campanha autárquica ficou decididamente lançada.
Outubro foi o mês eleitoral, com António Robalo a garantir a manutenção da Câmara nas mãos do PSD, perdendo porém a maioria absoluta. Os últimos dias de campanha estiveram ao rubro, especialmente após termos informado que António Morgado mergulhara na campanha socialista. Mas Outubro foi o mês das surpresas e depois de se assistir à vitória social-democrata eis que o candidato socialista Ramiro Matos foi eleito presidente da Assembleia Municipal.
Pinto Monteiro e Adérito TavaresNovembro voltou a ser o mês do bucho e a Confraria garantiu a presença do Procurador Geral da República no almoço de Lisboa, que aconteceu no palácio da antiga Cooperativa Militar. A nova composição do Executivo Municipal, sem a habitual maioria do lado do presidente eleito criou dificuldades que pouco a pouco os membros do executivo aprenderam a ultrapassar.
Em Dezembro a expectativa de dificuldades na aprovação do orçamento camarário ficaram goradas e o mesmo passou com a abstenção da oposição, assim se garantindo a normalidade na gestão da Câmara no próximo ano. António Robalo acaba o ano a queixar-se do traçado da A23, que queria que passasse entre o Sabugal e a Guarda, posição que porém a Câmara do Sabugal nunca defendeu publicamente.
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

leitaobatista@gmail.com

Hoje destacamos… Jogo de Sombras

O jornalista Rui Isidro é director da Rádio Altitude e administrador do blogue «Jogo de Sombras». Hoje, 19 de Dezembro de 2009, quando se comemoram os dez anos da transferência de Macau para a soberania chinesa e na qual Rui Isidro teve intervenção directa é o momento ideal para destacar o seu espaço na blogosfera. A fotografia da cerimónia de arriar da bandeira portuguesa que reproduzimos é protagonizada, segundo nos confirma o Rui Isidro, por um cadete com origens no Sabugal. Que dê um passo em frente e se identifique…

Macau - Cadetes com a bandeira portuguesa durante a Cerimónia de Transferência de Poderes

«Dez anos depois da Cerimónia de Transferência de Poderes de Macau, decidi passar a público, neste caderno de bordo, pelo menos uma pequeníssima fracção de memórias documentais que guardo daquele tempo histórico. Que tive o privilégio de viver por dentro», escreve Rui Isidro na sua crónica intitulada «Há dez anos».
Macau foi a última jóia do Império. Portugal administrou o território «entalado» na grande China e vizinho da britânica Hong-Kong durante 442 anos. Mas… ao contrário do que aconteceu em todos os outros estados ultramarinos a passagem de testemunho em Macau decorreu após um longo processo diplomático entre as Repúblicas de Portugal e da China. Negociações que proporcionaram um futuro tranquilo e de grande pujança económica.
Parabéns, Rui Isidro, pelo excelente trabalho de guarda de memória colectiva. «Um jornalista deve, em primeiro lugar, relatar factos», ensinava-me um dia o professor Fernando Cascais. Os relatos escritos no presente do indicativo são, no futuro, testemunhos pessoais que preservam a memória dos povos. Dez anos depois é tempo de recordar a transferência de Macau no «Jogo de Sombras» onde a voz deu lugar à escrita e à imagem.

Um dos três cadetes presentes na cerimónia do arriar da bandeira portuguesa em Macau tem origens no Sabugal. Ficamos à espera que se identifique aqui no Capeia Arraiana.

Blogue «Jogo de Sombras» de Rui Isidro. Aqui.
jcl

Confraria do Bucho reuniu convivas em Lisboa (3)

GALERIA DE IMAGENS – 7-11-2009
Fotos Capeia Arraiana – Clique nas imagens para ampliar

Confraria do Bucho reuniu convivas em Lisboa (2)

GALERIA DE IMAGENS – 7-11-2009
Fotos Capeia Arraiana – Clique nas imagens para ampliar

Confraria do Bucho reuniu convivas em Lisboa (1)

Cerca de 70 confrades reuniram ontem, 7 de Novembro, em Lisboa, por ocasião do V Almoço da Confraria do Bucho Raiano, tendo como convidado de honra o Procurador-Geral da República, Juiz Conselheiro Fernando Pinto Monteiro.

Confraria Bucho Raiano - Almoço Anual - Lisboa - 2009

As opiniões foram unânimes quanto ao serviço proporcionado pelo Instituto de Acção Social das Forças Armadas (IASFA), que recebeu a Confraria e serviu condignamente o bucho vindo da Rebolosa. No final também houve castanhas assadas, enviadas dos Fóios, por especial deferência do professor José Manuel Campos, presidente da Junta de Freguesia.
Foram cerca de 70 os confrades que aderiram a este almoço de divulgação do bucho e demais enchidos da raia sabugalense, que teve por «mordomo» o confrade Morgado de Carvalho. Para além do excelente almoço, o encontro foi também um alegre momento de convívio e uma oportunidade para o reencontro entre os sabugalenses e amigos das nossas terras.
Fernando Pinto Monteiro aceitou o convite da confraria e esteve presente, apreciando um sabor característico da sua infância e juventude, quando viveu no Sabugal com os pais e irmãos. Aliás o encontro com alguns velhos amigos serviu sobretudo para avivar memórias e contar velhas históricas de amizade e de aventuras. Recordou o tempo da escola tendo como pedagogo o professor Cavaleiro: «um dos meus heróis», disse com um sorriso aberto. Falou ainda nas noites a jogar poker no café do Senhor Abílio e nos dias de verão passados na casa do amigo Canaveira Manso, em Aldeia do Bispo, ocasião em que também se agarrava ao forcão nas capeias arraianas.
Também marcou presença o presidente da Assembleia Municipal do Sabugal, o confrade Ramiro Matos, de resto uma presença habitual nestes almoços. Vinda do Sabugal, a Dr Delfina Leal, vice-presidente da Câmara, representou o executivo municipal, sendo portadora de uma mensagem de amizade e de consideração para com a Confraria do Bucho, atendendo ao papel que tem desempenhado na defesa da gastronomia tradicional.
Foi uma tarde bem passada, no belíssimo palacete que alberga a antiga Cooperativa Militar (agora IASFA), na Rua de S. José. Um espaço com excelentes condições de recepção e de prestação do serviço, a que não foi alheio o empenho do Senhor Chagas, responsável da messe, que dirigiu pessoalmente os trabalhos, garantindo um serviço de excelência, que foi do agrado geral.
O próximo almoço da Confraria será no Sabugal, por ocasião do Entrudo, época do ano em que, tradicionalmente, as famílias se reuniam à volta da mesa para degustar o bucho.

Discurso de Delfina Leal, vice-presidente da Câmara Municipal do Sabugal. Aqui.
plb

Campanha eleitoral está na estrada

A campanha eleitoral no Sabugal está ao rubro. Num território com 40 freguesias e mais de 100 localidades é enorme o esforço exigido «à máquina de campanha», aos candidatos e aos seus apoiantes. Este domingo as caravanas automóveis de António Dionísio (PS), António Robalo (PSD) e Joaquim Ricardo (MPT) alteraram ruidosamente a pacatez das aldeias e estenderam-se a perder de vista nas estradas do concelho do Sabugal. Nas inevitáveis contagens dos aderentes todos clamam vitória. Há, contudo, uma certeza: todos ultrapassaram a centena de viaturas.

Os candidatos desdobram-se em iniciativas para convencer o eleitorado que o seu programa e as soluções que apresentam são os melhores para o futuro do concelho.
Contactos de porta em porta, distribuição de folhetos em mercados, discursos em comícios, palavras de ordem nos carros de som, é assim o quotidiano das candidaturas, especialmente nas dos três partidos acima referidos. Os restantes – CDU e CDS – optam por campanhas mais discretas e menos onerosas.
A candidata do CDS, Ana Charters, tem saído à rua. Esteve em alguns mercados e percorreu as ruas de algumas povoações, mantendo contactos directos com as populações. Prefere as conversas pessoais e parece desvalorizar os discursos em apresentações de listas e em comícios, assim como os debates. Também não aposta na Internet, sendo a única candidatura que não tem um blogue.
José Manuel Monteiro, candidato da CDU, ainda não foi ao terreno, mas esta semana estará já em campanha, optando por algumas sessões de esclarecimento, distribuição de folhetos e contactos pessoais com os eleitores. Desde há muito que tem um blogue na Internet, onde divulgou o seu programa eleitoral, e participou no debate promovido pela Rádio Altitude.
As caravanas das três principais candidaturas marcaram o dia 4 de Outubro. As filas de automóveis estenderam-se pelas estradas, passando pelas terras em grande burburinho, ferindo a pacatez de domingo. Para os participantes foi um dia extenuante, com cerca de 12 horas em movimento, parando apenas para comer e fazer as necessidades, incluindo o almoço.
Todos saíram do Sabugal, onde os apoiantes se concentraram, seguindo depois em diferentes direcções. Os do MPT e do PS almoçaram no Soito, os primeiros na Lameira e os segundos na Praça de Touros, enquanto que o PSD optou pelo Sabugal, no Largo da Fonte. No final do dia, já com a noite cerrada, o PSD acabou no Soito e o PS e o MPT terminaram no Sabugal. Os conta-quilómetros de cada participante nas caravanas marcavam ao final do dia mais 300 quilómetros, que correspondiam ao consumo de algumas dezenas de litros de combustível. Ficou o sentimento do dever cumprido e cada candidatura com a ideia de que tinha ganho às outras, juntando mais automóveis e mais gente na sua comitiva.
Os comícios de encerramento da campanha eleitoral estão marcados para a noite de sexta-feira com António Robalo (21.30 horas) no Auditório Municipal, Joaquim Ricardo (21.00) no Salão da Junta de Freguesia do Sabugal e António Dionísio (21.00) no Salão das Escolas do Sabugal.

GALERIA DE IMAGENS – CAMPANHA ELEITORAL – ANTÓNIO DIONÍSIO
 
 
GALERIA DE IMAGENS – CAMPANHA ELEITORAL – ANTÓNIO ROBALO
 
 
GALERIA DE IMAGENS – CAMPANHA ELEITORAL – JOAQUIM RICARDO
 
 
Clique nas imagens para ampliar

jcl e plb

Imagem do Dia – 10-9-2009

A «Imagem do dia» e a «Imagem da Semana» são dois destaques em imagens sobre acontecimentos, momentos ou recordações relevantes. Ficamos à espera que nos envie a sua memória fotográfica para a caixa de correio electrónico: capeiaarraiana@gmail.com

Data: 22 de Agosto de 2009.
Local: Praça de Toiros de Aldeia da Ponte.

Legenda: «Festival Oh Forcão Rapazes» com um ilustre espectador: António Cabanas, vice-presidente da Câmara Municipal de Penamacor.

Autoria: Capeia Arraiana.
Clique na imagem para ampliar

Espírito de união no «Oh Forcão Rapazes» (4)

GALERIA DE IMAGENS – 10-9-2009 – OH FORCÃO RAPAZES
Fotos Capeia Arraiana – Clique nas imagens para ampliar

Espírito de união no «Oh Forcão Rapazes» (3)

GALERIA DE IMAGENS – 10-9-2009 – OH FORCÃO RAPAZES
Fotos Capeia Arraiana – Clique nas imagens para ampliar

Espírito de união no «Oh Forcão Rapazes» (2)

GALERIA DE IMAGENS – 10-9-2009 – OH FORCÃO RAPAZES
.
Fotos Capeia Arraiana – Clique nas imagens para ampliar

Volta a Portugal em Bicicleta 2009 – Sabugal

GALERIA DE IMAGENS – 7-8-2009
Fotos Kim Tutatux e Cláudia Bispo – Clique nas imagens para ampliar

Torneio de Futsal do concelho do Sabugal – 2009

7.º TORNEIO DE FUTSAL INTER-FREGUESIAS
DO CONCELHO DO SABUGAL – 2009
MEIAS FINAIS
5 DE JULHO
EQUIPA RES. EQUIPA EQUIPA RES. EQUIPA
Aldeia&Forcal. 5-5 Penalobo Rapoula Côa 5-4 Vila Boa
Penalobo venceu Aldeia&Forcalhos por 8-7 no prolongamento
A final será disputada entre a Rapoula do Côa e Penalobo
QUARTOS DE FINAL
27 DE JUNHO 28 DE JUNHO
EQUIPA RES. EQUIPA EQUIPA RES. EQUIPA
Penalobo 7-2 Fóios Vila Boa 5-2 Soito
Rapoula Côa 7-2 Nave Aldeia&Forcal. 7-0 Rendo
OITAVOS DE FINAL
1.ª MÃO 2.ª MÃO
EQUIPA RES. EQUIPA RES. EQUIPA
Ozendo 2-5 Rapoula do Côa 7-1 Ozendo
Trigais 1-2 Rendo 1-0 Trigais
Q. S. Bartolomeu 3-1 Soito 8-1 Q. S. Bartolomeu
Aldeia Velha 3-7 Aldeia&Forcalhos 5-0 Aldeia Velha
Aldeia S. António 3-7 Penalobo 11-0 Aldeia S. António
Nave 2-1 Santo Estêvão 4-3 Nave
Fóios 9-3 Seixo do Côa 3-6 Fóios
Alfaiates 0-1 Vila Boa 7-4 Alfaiates
MELHORES MARCADORES
JOGADOR EQUIPA GRUPO GOLOS N.º JOGOS
Telmo Filipe Carvalho Vaz Ozendo A 24 10
Marco Paulo Clamote Capela Rapoula Côa B 13 8
Ricardo José Cruz Quelhaz Santo Estêvão C 22 11
Ricardo André Prata Gomes Aldeia&Forcalhos D 27 11
António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

Vamos votar!

Leitor(a) talvez o maior castigo para aqueles que não se interessam pela política, é serem governados por aqueles que se interessam. Digo isto, porque domingo prevê-se uma forte abstenção nas eleições para o Parlamento Europeu. A abstenção está relacionada com a apatia cívica, ou seja, «isso não me diz nada». O voto em branco, por sua vez está relacionado com o protesto. Portanto leitor(a), se não quiser votar em ninguém, proteste, mas não fique em casa.

Eleições

Eleições

Soitense conquista prémio de Economia da Católica

Diogo Nabais, filho dos soitenses Maria de Lurdes Manso Nabais e de Hélder Nabais, conquistou o segundo lugar no concurso de economia da Universidade Católica. O prémio foi entregue por Manuel Pinho, ministro da Economia e da Inovação.

Diogo Nabais - Manuel PinhoDiogo Nabais e o colega José Ferreira são alunos do 11.º ano do Colégio Amor de Deus, em Cascais, e conquistaram o segundo lugar na edição 2009 do Concurso Inter-Escolas Católica Professor Xavier Pintado. O prémio é fomentado pela Universidade de Ciências Económicas e Empresariais e conta com as parcerias do «Jornal de Noticias», da RTP e da EDP Renováveis, e o patrocínio da Sinfic, da TMN e do Montepio
Esta foi a 5.ª edição da iniciativa que tinha como objectivo a feitura de um ensaio segundo o mote da «Sustentabilidade e Energias Renováveis».
Após o processo de avaliação dos trabalhos a concurso de 131 equipas, a nível nacional, dos 11.º e 12.º anos, o júri divulgou a decisão no dia 12 de Maio de 2009 na Universidade Católica portuguesa onde foram entregues aos vencedores os respectivos prémios, intitulados Xavier Pintado, em jeito de tributo a um dos vultos da economia Nacional.
Na entrega dos prémios estiveram presentes Manuel Pinho, ministro da Economia, Luís Adão, da EDP Renováveis e Fátima Barros, directora da faculdade de Economia.
jcl

Ir ao Indie (1)

Ir ao IndieLisboa (Festival Internacional de Cinema Independente de Lisboa) é já uma tradição. Como este texto está a ser escrito antes do final do evento, aproveito para falar das edições passadas. Para a semana um resumo da edição deste ano.

Pedro Miguel Fernandes - Série BO IndieLisboa foi criado em 2004 pela organização «Zero em Comportamento», uma associação cultural ligada ao cinema que durante algum tempo programou ciclos de cinema bastante interessantes no Cine-Estúdio 222. Esta foi também uma sala que me ajudou muito a gostar de cinema, apesar de não ter ido lá muitas vezes e as condições não serem as melhores. Por lá passaram ciclos dedicados aos mais variados realizadores e temas, desde Tim Burton aos irmãos Coen, passando pelo mítico Ed Wood, considerado como o pior realizador de sempre.
Um dos filmes que mais me agradou foi um documentário sobre os Sex Pistols, que retratou aquela época sob a perspectiva de uma banda que não queria nada a não ser protagonismo. Foi a desmistificação de uma das bandas mais faladas dos anos 70, nem sempre pelos melhores motivos.
Na sequência destes ciclos, com alguma popularidade entre os fãs de cinema que não gostam apenas das estreias comerciais, surge o Indie. Primeiro numa edição mais pequena, apenas no São Jorge, e posteriormente aumentando de dimensão, ocupando diversas salas e tornando-se actualmente um dos maiores festivais de cinema de Lisboa.
IndieLisboa 2009Este evento foi também palco para grandes descobertas para mim. Logo na primeira edição fiquei a conhecer o realizador de Hong Kong Johnie To, alvo de uma retrospectiva na edição de 2008, que nunca teve direito a estreia em salas portuguesas, infelizmente. Mesmo tendo realizado alguns dos melhores filmes de acção que eu já vi. Não me posso esquecer de cenas como um tiroteio no lobby de um hotel, entre gangsters e mercenários no excelente Exiled, que dura o exacto momento em que uma lata é atirada ao ar. Simplesmente genial.
Através do Indie conheci cinemas dos mais variados pontos do globo, da Europa de Leste à América Latina, passando pela Ásia. Além de realizadores como o já citado To ou Errol Morris, um documentarista com uma grande notoriedade lá fora e que poucos conhecem por cá. Foi com ele que conheci as ideias de Robert McNamara, uma personalidade histórica que esteve envolvida em eventos como o lançamento das bombas atómicas no Japão ou na própria guerra do Vietname, sempre por detrás da cortina.
E como o artigo já vai longo, as minhas andanças pelo Indie ficam por aqui. Para a semana fica prometido, um resumo sobre a edição deste ano.
«Série B», opinião de Pedro Miguel Fernandes

pedrompfernandes@sapo.pt

Torneio Internacional de Judo de Barcelos – 2009

A judoca Carla Vaz, do Sporting Clube do Sabugal, alcançou a medalha de prata no III Torneio Internacional de Judo da cidade de Barcelos.

Galo de BarcelosO Torneio Internacional de Barcelos começa a ser uma competição «talismã» para o Sabugal, pois este ano na sua terceira edição, Carla Vaz em -57kg, subiu ao pódio com a medalha de prata, consolidando mais uma vez a sua presença no Ranking Nacional de Seniores e garantindo a sua participação, em Novembro, no Campeonato Nacional de Seniores em Novembro.
A atleta sabugalense reconhece que a prova poderia ter corrido melhor, mas deixou fugir a medalha de ouro para a espanhola Paula Sanchez, muito mais experiente e mais graduada, para além de algum cansaço que sentiu e da ausência do seu orientador técnico que não pode estar presente no Torneio.
O Judo Raiano continua a mostrar que é a grande força desta modalidade olímpica no Distrito da Guarda, ultrapassando as dificuldades do dia-a-dia, tanto a nível da preparação técnica dos judocas que necessitariam de mais alguns estágios, como a nível logístico, tendo em conta os vários escalões em que a secção de Judo do Sporting Clube do Sabugal se faz representar a nível Nacional.
O responsável pela secção de judo garante, no entanto, que não será pela falta dos apoios que os jovens judocas do Sabugal deixarão de participar em provas que lhes permita evoluir, como se tem vindo a verificar com a formação e os resultados que se foram acumulando desde o inicio da actividade em 1995.
djmc

Quando se tem mãe…

Nuno de Montemor, escritor, natural de Quadrazais, é mais conhecido pelo livro de índole regionalista «Maria Mim». No entanto escreveu também, em verso branco, uma sentida homenagem à mãe, intitulado «Quando se tem Mãe», que dedicou: aos felizes dos que têm mãe, saudosos dos que um dia a tiveram, e aos desgraçados dos que nunca a conheceram.

José MorgadoTambém uma das preocupações de Júlio Dinis, foi o não esquecer nunca a sua mãe, que perdeu na idade de menino. Foi com ternura que se refere à expressão maior e mais nobre que existe nos dicionários de todas as línguas, criticando já na altura o degradar do papel de mãe na sociedade.
São dele os seguintes pensamentos de há cerca de 150 anos:
«…que da maneira porque as coisas vão, cedo veremos desaparecer da cena social, essa poética e amável entidade, esse tipo afectuoso e cândido a que chamamos Mãe, a mulher sublime, que desde que o mundo é mundo, tem inspirado tantos escritores e artistas, que tem sido o anjo da guarda das frágeis criancinhas, a confidente natural dos primeiros segredos do coração, a fada que pela magia do seu amor extremo serenava a revolta das paixões; essa mãe tende a desaparecer; mais algum tempo e tornar-se á lendária; não as encontrará junto desse berço donde a moda terá conseguido arrancá-las para as substituir pelas amas mercenárias; depois vem a época da educação e esta exige cuidados e atenções, para as quais falta a paciência á nervosa dama. Que sem grandes prejuízos dos negócios do toucador, se não poderia entregar a eles; a preceptora é um tipo exótico e de procedência britânica que eu do coração detesto; a directora do Colégio não gasta tempo nas delicadas e metafísicas sondagens das consciências sempre que a rebelião, se não revela em actos, embora esteja presente nos espíritos; a Mestra é quando muito como o director de uma oficina de fundição que recebe de fora, os moldes em que tem de vazar os metais mais diversos, confiados aos seus cadinhos e procede a essa obra com escrúpulo, mas sem inspirações, a Mãe é o artista que a golpe de cinzel vai modelando, vendo-a a sua obra a tomar vulto e expressão.»
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com

Todas as mães são especiais

O Capeia Arraiana deseja a todas as mães um dia muito especial.

[vodpod id=ExternalVideo.819131&w=425&h=350&fv=%26rel%3D0%26border%3D0%26]

Nova edição da colectânea «Direito Tributário»

A colectânea «Direito Tributário 2009», publicada pela «Vida Económica» é a oitava edição actualizada do trabalho do técnico da Administração Tributária, Joaquim Ricardo, que junta, num só volume de 1460 páginas, toda a legislação relevante do sistema fiscal.

Direito Tributário - Joaquim RicardoA oitava edição actualizada da colectânea «Direito Tributário», publicada em Março de 2009, da autoria do técnico da Administração Tributária, Joaquim Ricardo, sistematiza num só volume todo o sistema fiscal português e inclui numerosa legislação fundamental e doutrina administrativa.
Foi a pensar nos utilizadores de tão abundante legislação que desenvolvemos este trabalho, juntando num só volume toda a legislação relevante do sistema fiscal. E, a par desta compilação, foram feitas inúmeras remissões e anotações, completadas aqui e ali com alguns exemplos – poucos, para não avolumar demasiado o trabalho.
A obra «Direito Tributário 2009» destina-se principalmente a técnicos oficiais de contas, funcionários da DGCI, consultores fiscais, profissionais liberais tais como advogados e solicitadores que necessitam de uma informação completa e actualizada, gerentes e quadros das empresas. A edição é especialmente recomendada para todos aqueles que necessitam de actualizar os seus conhecimentos no âmbito do sistema fiscal e do direito tributário processual e profissionais que se relacionem com questões fiscais.
O livro, editado pela «Vida Económica», com 1460 páginas, está estruturado em cinco partes que abrangem os «Princípios fiscais, contencioso e procedimento tributário», «Tributação do rendimento», «Tributação do consumo», «Tributação do património» e a «Legislação complementar e doutrina fiscal» juntando num só volume toda a legislação relevante do sistema fiscal.
O autor, Joaquim Ricardo, é natural de Aldeia de Santo António, concelho do Sabugal, e licenciado em Contabilidade e Gestão de Empresas pelo Instituto Superior da Maia e pós-graduado em Prospectiva e Estratégia das Organizações pelo Conservatório de Ciências e Tecnologias do Porto/CNAM – Paris. É técnico da Administração Tributária – Chefia tributária, do Quadro da Direcção – Geral dos Impostos (D.G.C.I.) e formador no Instituto de Formação Tributária. É ainda responsável por diversos cursos de especialização fiscal, no âmbito do programa de formação ao longo da vida, ministrados em diversos organismos de que se destacam o Instituto Superior da Maia e o Conservatório de Ciências e Tecnologias do Porto.
jcl

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com… José Couto

José Couto tem 63 anos de idade e é natural da Ilha Terceira, nos Açores. É um desportista assumido com êxitos no futebol, basquetebol e andebol mas considera-se, igualmente, um grande aficionado da festa tauromáquica. Este ano é responsável, mais uma vez, pelas Festas Sanjoaninas, e resolveu incluir duas touradas com forção (à moda da raia sabugalense) nos grandes festejos da Ilha Terceira. As Câmaras Municipais do Sabugal e de Angra já acertaram todos os pormaiores…

Feira das Tasquinhas de Rio Maior

A 24.ª edição da Feira das Tasquinhas decorreu em Rio Maior, entre 27 de Fevereiro e 8 de Março, e contou com a presença de dois restaurantes da região da Serra da Estrela.

Feira das Tasquinhas de Rio MaiorAs «Tasquinhas de Rio Maior» são já um evento de âmbito nacional, incontornável para muitos entusiastas de todos os cantos do País, facto que se traduz pelo número de visitantes registado nas edições anteriores, que rondou os 150 mil participantes.
Como resultado do empenho, criatividade e orgulho que todos os riomaiorenses lhe conferem, a Feira das Tasquinhas obteve em 2005 a «Declaração de Interesse para o Turismo», emitida pela DGT-Direcção-Geral de Turismo. O conceito «Tasquinhas» é, já ela própria, uma marca registada.
A Feira das Tasquinhas de Rio Maior é promovida pela Câmara Municipal local, em parceria com a Associação Empresarial do Concelho (semelhante à ADES sabugalense), mas as receitas revertem para a colectividade responsável por cada tasquinha, reavivando desta forma o espírito comunitário de outros tempos.
As «Tasquinhas 2009» decorreram no Pavilhão Multiusos, que dispõe de 15 mil metros quadrados para receber sem atropelos todos os participantes e visitantes. O concelho de Rio Maior esteve representado por 11 colectividades e freguesias. Os convidados desta edição foram o Município de Cantanhede (cidade geminada com Rio Maior) e a Região de Turismo do Algarve. Este ano o destaque foi para a participação de 5 tasquinhas de carnes certificadas, nomeadamente, a Carne Certificada dos Açores, representada por Espora Brava, Lda., a Associação de Produtores da Raça Maronesa, a Associação Nacional dos Criadores da Raça Arouquesa – ANCRA, a Carnalentejana, S.A. e a Associação de Produtores da Raça Marinhoa.
A região da Serra da Estrela esteve presente com duas tasquinhas, uma de Seia e outra do Sabugueiro, que trouxeram até à região ribatejana os petiscos beirões.
Paulo Saraiva

BTL 2009 suplantou expectativas da organização

A Bolsa de Turismo de Lisboa de 2009 (BTL) recebeu 71.121 visitantes, número que representa um crescimento de 6 por cento face à edição do ano passado. Marcaram presença na FIL cerca de 900 expositores e mais de 600 profissionais estrangeiros do sector do turismo.

BLT 2009De acordo com um comunicado da organização, o balanço final é positivo, uma vez que a feira «suplantou as expectativas iniciais», não só pelo número de visitas que recebeu, como também pela satisfação demonstrada pela maioria dos expositores que marcaram presença nos quatro pavilhões da FIL.
Vítor Neto, presidente da Comissão Organizadora do certame afirmou durante a inauguração oficial que «esta não é uma BTL de crise e de derrotismo. É uma BTL de confiança, responsabilidade e determinação, que quer mostrar a toda a gente que o Turismo em Portugal goza de boa saúde e tem força e vontade de vencer os desafios que se lhe colocam».
As iniciativas BTL Rural e BTL Negócios, que se estrearam este ano na feira, registaram igualmente um saldo muito positivo, com a organização do certame a considerar que estes são formatos a manter no futuro.
Outra iniciativa aplaudida foi a Semana Ibérica da Gastronomia, que se destacou pelo sucesso alcançado, tendo sido uma das mais aclamadas pelos sectores profissionais e pelo público em geral.
O espaço de turismo gastronómico foi outra das novidades da BTL. «Depois de tantos anos com tasquinhas, era difícil entender que houvessem espaços de promoção de turismo gastronómico em vez de restaurantes, tendo recebido muitas queixas nesse sentido. A BTL é um espaço profissional e daí a opção por um espaço de promoção, em que as pessoas podiam ter, caso tivessem lugar, o luxo de estar num local em que lhes é servido um menu com estrelas michelin e um serviço de qualidade com o mesmo preço que pagariam com as tasquinhas sem ter os cheiros e os fumos», explicou o director da FIL.
Sobre a BTL Rural o director da feira considerou que foi «um êxito total e absoluto» acrescentando que tiveram «uma reacção impressionante por parte do sector rural e para o ano vamos ter problemas para acomodar todos os que irão querer vir.».
jcl