Category Archives: Suíça

Emigrantes – a despedida de Portugal

«É só para olhar um bocadito para trás e ganhar coragem para chegar ao Luxemburgo», diz um dos emigrantes que parou em Vilar Formoso. «Até para o ano!» é o desejo de histórias de vida que escrevem desde os anos 60 do século passado a história de Portugal. Reportagem, em Vilar Formoso, da jornalista Paula Pinto com imagem de Andrea Marques da Redacção da LocalVisãoTv (Guarda).

LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana
LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana
Autoria: LocalVisãoTV posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

jcl

Minaretes no país da Heidi e do Pedro

Começar esta crónica com este título traz-me uma recordação dos tempos da escola primária, hoje escola do ensino básico, quando com simplicidade nos referíamos à diferença entre o Homem e os outros animais – o homem é o único animal racional. Hoje, esta definição parece simples de mais num mundo cada vez mais complexo e a necessitar isso sim, da existência de um Homem como animal racional.

José Manuel Monteiro - «Largo de Alcanizes»E ser racional implica ser tolerante. Tolerante com a diferença, seja ela de natureza física, sexual, etária, racial ou religiosa.
A proibição da construção de novos minaretes, aprovado por 57% dos suíços remete-nos para a intolerância religiosa e para fenómenos que alguns já chamam de «islamofobia». Num país em que cerca de 5% da população (cerca de 400 mil) é de origem árabe só um partido xenófobo da extrema-direita – Partido Popular Suíço – confundindo alguns com o todo, e utilizando o medo lançaria uma campanha contra a construção da torre (minarete) das mesquitas, onde os fieis são chamados às cinco orações diárias,
E esta proibição nada tem a ver com questões urbanísticas ou estéticas, mas tem somente a ver com a associação feita entre a torre, o islão e o terrorismo. Foi bem elucidativo o cartaz usado na campanha, em que os minaretes eram apresentados como mísseis, numa associação directa ao terrorismo. O minarete foi assim apresentado como o símbolo da invasão islâmica. O que esteve em referendo não foi a construção, ou o pedido de construção de novos minaretes, mas sim a liberdade religiosa, num país conhecido pela sua tolerância e neutralidade. A este propósito as noticias apontam para que da cerca de 180 mesquitas existentes na Suíça somente quatro têm minarete construído e sem apelos sonoros às orações.
O que esteve e está em causa e nos deve fazer reflectir, não são as ideias de partidos de direita e a xenofobia normalmente a eles associados. O que esteve e está em causa é a adesão popular a essas mesmas ideias.
MinaretesAté ao referendo todas as sondagens apontavam para a derrota do sim e a respectiva proibição. Contudo, no momento do voto, na solidão da câmara de voto, o populismo, o medo, a associação de minorias à crise, ao crime e o encontrar bodes expiatórios para todos os males, fez com que no país da neutralidade fosse violado um dos direitos consagrados na convenção do direito do homem – o direito á liberdade religiosa. É muito mais simples apontar os outros como a razão da crise, do que assumir que a crise tem origem nas políticas do próprio sistema.
Num país em que a democracia directa faz parte do sistema politico, resta ao governo suíço (conselho federal) que estava contra esta medida, mas que já disse respeitar a vontade da maioria, o apelo do partido os Verdes para o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, para a não entrada em vigor da lei resultante deste referendo.
E para terminar porque não fazer um apelo ao mesmo partido que propôs este referendo, para que proponha um outro proibindo o depósito dos petro – dólares depositados nos bancos suíços?
«Largo de Alcanizes», opinião de José Manuel Monteiro

jose.m.monteiro@netcabo.pt

Cientistas criam Big Bang na Suíça

Os cientistas garantem que o teste com o acelerador de partículas (LHC) que teve início na Suíça esta quarta-feira, 10 de Setembro, vai reproduzir o Big Bang da criação do Universo e gerar um buraco negro. O nível mais alto de potência será atingido a 26 de Outubro.

LHCO LHC, como é conhecido o acelerador de partículas, devido à abreviatura da designação inglesa Large Hadron Collider, tem 27 quilómetros de extensão em circunferência, está instalado em Genebra, na Suíça, e vai tentar reproduzir o que se passou logo após o Big Bang, que deu origem ao Universo.
«A realização do teste do LHC implica atingir potências que deixam ansiosos vários meios científicos. Vamos esperar para ver», é o comentário de Carlo Rubbia, cientista do Centro Europeu para Investigação Nuclear (CERN, na sigla francesa) e Prémio Nobel da Física em 1984. O mesmo parecem pensar os juízes do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos que deram luz verde à experiência do CERN mesmo depois de um grupo de cientistas ter afirmado que este teste vai gerar um buraco negro capaz de absorver o planeta inteiro.
A opinião pública está dividida e alguns jornais não param de dizer que o fim do mundo pode acontecer a partir de hoje e até ao final dos testes do LHC em Genebra, na Suíça.
Guido Tonelli um investigador do Instituto Nacional de Física Nuclear italiano e dos responsáveis pelo teste do acelerador de particulas explicou que «basicamente, o objectivo do teste é tentar fazer chocar protões entre si com tal violência que os obriguem a dividir-se em particulas mais pequenas. A experiência poderá ajudar a explicar a força fundamental que une a matéria existente em todo o Universo».
Trabalham no projecto do LHC seis mil cientistas que pretendem desvendar o mistério da estrutura da matéria, que a física ainda não consegue explicar. A temperatura dos magnetos supercondutores do LHC será de aproximadamente 271 graus negativos, utilizando cerca de 10.080 toneladas de nitrogénio líquido e 60 toneladas de hélio líquido. Mas quando se der a colisão de dois protões será gerada uma quantidade de calor de cerca de 100.000 vezes a temperatura do núcleo do sol.
Já teve início a polémica experiência com o maior acelerador de partículas do Mundo que teve um custo de produção orçado em quatro biliões de euros e que muitos consideram a máquina do juízo final.
jcl

Canivete suíço em versão feminina

O mais que famoso «couteau suisse» americanizado por «canivete do McGyver» lançou a versão feminina baptizada de «Miss Army Kit» e transformou num acessório de moda o mais famoso gadget do Mundo. Tudo porque a célebre frase «Se for menina não vai à tropa» está completamente desactualizada no século XXI.

Miss Army Kit«Se for menina não vai à tropa» é uma frase gasta e ouvida milhares de vezes aos nossos pais e avós. Nada de mais errado no século XXI. Até aquele ditado «Atrás de um grande homem está uma grande mulher» já foi substituída por «Ao lado de um grande homem está sempre uma grande mulher».
Mas vamos ao que importa. A fábrica Victorinox dos célebres canivetes suíços das mil e uma aplicações que até já lê MP3 lançou um «modelo feminino» a que deu o nome de «Miss Army Kit» e pensado para as necessidades femininas do dia-a-dia.
O «Miss Army Kit» tem lima para as unhas, tesoura, espelho, caixa para comprimidos, frasquinho para perfume, agulha e linha, chave de fendas, régua, saca-rolhas, lanterna, corrente para chaves e, claro, um canivete.
Nas cores rosa, branco ou laranja, mede apenas nove centímetros e poderá fazer a diferença numa mala de senhora, no carro ou no local de trabalho. Está no mercado com o preço indicado de 23 euros.
O canivete suíço é uma invenção de Karl Elsener, que fundou a Victorinox em 1884. O produto, originalmente desenvolvido para os militares do exército suíço, é fabricado desde 1891.
aps

Chegada da selecção portuguesa à Suíça

Emigrantes portugueses na Suíça receberam em delírio a comitiva da Selecção Nacional que participa no Euro-2008.

[vodpod id=ExternalVideo.589189&w=425&h=350&fv=%26rel%3D0%26border%3D0%26]

Hélder Moreira (edição e montagem)

Sport Tv transmite todos os jogos da Selecção

A Sport TV vai transmitir a partir da próxima segunda-feira, dia 19 de Maio, os 19 jogos em que a Selecção Nacional participou nos Campeonatos da Europa de 1984, 1996, 2000 e 2004. Entre 7 e 29 de Junho poderá assistir aos 31 jogos do Campeonato da Europa-2008.

Euro Clássicos na Sport TVA Sport Tv transmite entre 19 a 22 de Maio os jogos dos «Patrícios» no «Europeu» de 1984, disputado em França, e, de 23 a 26 de Maio, os jogos de Portugal no «Europeu» de Inglaterra (1996).
De 27 a 31 de Maio chegam as grandes emoções do Euro-2000 e do dia 1 de Junho até ao dia 6, véspera do início do Campeonato da Europa de 2008, serão transmitidos os sete jogos de Portugal no nosso «Euro-2004».
«Euro Clássicos» é mais um programa integrado na programação da Sport TV dedicada ao Campeonato da Europa de Futebol.
– «Euro-1984», de 19 a 22 de Maio – Portugal-Alemanha, Portugal-Espanha, Portugal-Roménia e Portugal-França.
– «Euro-1996», de 23 a 26 de Maio – Portugal-Dinamarca, Portugal-Turquia, Portugal-Croácia e Portugal-Rep. Checa.
– «Euro-2000», de 27 a 31 de Maio – Portugal-Inglaterra, Portugal-Roménia, Portugal-Alemanha, Portugal-Turquia e Portugal-França.
– «Euro-2004», de 1 a 6 de Junho – Portugal-Grécia, Portugal-Rússia, Portugal-Espanha, Portugal-Inglaterra, Portugal-Holanda e Portugal-Grécia.
A Sport TV é a televisão oficial do UEFA Euro-2008 e será o único canal português a transmitir, de 7 a 29 de Junho, em directo, todos os 31 jogos da competição.
aps