Category Archives: Viver Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Lar do Casteleiro de contas limpas

:: :: CASTELEIRO :: :: Março é o mês de apresentação de contas. Foi exatamente no estrito cumprimento deste dever que a Associação do Lar e Centro de Dia de São Salvador do Casteleiro aprovou, em Assembleia Geral do passado dia 18 do corrente mês, o Relatório e Contas referentes ao ano de 2016. O saldo, mais uma vez, foi positivo!

Lar São Salvador - Casteleiro - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Associação do Lar e Centro de Dia de São Salvador do Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

(Des)respeito pela criança

:: :: CASTELEIRO :: :: O estudo que esta semana veio a público, baseado em dados da Direção-Geral de Educação, é deveras preocupante: “alunos dos 1º e 2º anos têm mais 500 horas de aulas do que os do 12º”. Em média, os alunos do 1º ciclo têm uma carga letiva anual de 1500/1620 horas contrastando com as 1035 horas do 12º ano.

Mais tempo na escola não significa melhores resultados

Mais tempo na escola não significa melhores resultados

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Tempo de matar saudades

:: :: CASTELEIRO :: :: Nos rostos trazem estampada a ausência e a saudade acumuladas durante um ano inteiro ou talvez mais!…

Torre da igreja do Casteleiro

Torre da igreja do Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Terapia com cães – afetos e emoções

:: :: CASTELEIRO :: :: Já temos dito por várias vezes que o Lar do Casteleiro é um espaço de carinho e afetos, onde a dignidade de todos quantos aqui habitam é por si só a razão da sua existência.

Lar do Casteleiro: Espaço de vida e bem-estar

Lar do Casteleiro: Espaço de vida e bem-estar

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

A minha rua

:: :: CASTELEIRO :: :: A rua que me viu nascer já não me reconhece! Não me admira, e, nem sequer vou levar isso a peito. O desgaste causado pelo vazio do tempo, bem visível pelo rasto destruidor do seu casario, apodera-se agora dela como se de um terramoto se tratasse.

Casteleiro

Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Utentes do Lar em romagem à Senhora da Póvoa

:: :: CASTELEIRO :: :: O domingo que antecede o dia do Corpo de Deus é aquele que o calendário religioso reserva à Senhora da Póvoa. Nem o ritmo acelerado dos dias de hoje, contrastando com o esvaziamento das populações vizinhas, condicionam a devoção de quem ali se desloca neste dia de todas as graças.

Lar do Casteleiro - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

A Senhora da Póvoa continua a fazer parte da memória coletiva do povo do Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Regadio – Casteleiro continua esquecido

:: :: CASTELEIRO :: :: Passado meio século sobre o regadio do Cova da Beira, o Casteleiro continua à margem de tudo o que de bom ele representa para todos quantos habitam a região, a que muitos apelidaram de “terra farta e de qualidade superior”.

Regadio da Cova da Beira

Regadio da Cova da Beira

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Envelhecimento ativo

:: :: CASTELEIRO :: :: Para trás ficou o tempo em que o núcleo da família aconchegava novos e velhos! Hoje em dia, este paradigma deu lugar ao frenesim alucinante que marca um tempo diferente, uma forma de estar em que todos, independentemente do sexo, têm direito à educação, ao trabalho (…) e a uma vida digna, conquistas da Revolução de Abril de 1974.

Utentes e trabalhadores do Lar São Salvador do Casteleiro recriam o Entrudo - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Utentes e trabalhadores do Lar São Salvador do Casteleiro recriam o Entrudo – Joaquim Gouveia – Capeia Arraiana

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Uma missa e um marrano dão-me para todo o ano

:: :: CASTELEIRO :: :: Como poderia esquecer um cerimonial que se repetia sempre que o mês de janeiro chegava ao fim e a safra da colheita da azeitona já tinha dado os seus resultados?!

Fumeiro / Casteleiro / Sabugal / Capeia Arraiana

O fumeiro vai secando lentamente para que verdadeiro sabor do enchido satisfaça o paladar de quem o come

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Conto de Natal

:: :: CASTELEIRO :: :: Não fosse o farto madeiro que ocupava o centro da praça do Casteleiro a arredar para bem longe mesmo os mais friorentos, a meteorologia da noite em nada fazia crer que estávamos em plena Noite de Natal.

Madeiro de Natal - Casteleiro - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Madeiro de Natal 2015 no Casteleiro sob a sábia orientação do B.A.

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Mestre lagareiro e o «Poço do Inferno»

:: :: CASTELEIRO :: :: Em tempos idos, deixando para trás o lagar de varas do Poio, havia no Casteleiro dois lagares de azeite: Um da Senhora D. Maria do Céu Guerra situado na Quinta com o meso nome, e outro do Senhor Manuelzinho (Manuel Fortuna), situado no Alvarcão, local de um farto olival que ainda hoje perdura apesar de algum abandono recente.

O sábio trabalho do Mestre

O sábio trabalho do Mestre

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Olival tradicional – um potencial milenar

:: :: CASTELEIRO :: :: Graças à sua localização entre serras (Serra D’Opa, Serra da Vila, Cabeço Pelado), o Casteleiro, com os seus terrenos férteis e clima ameno tem-se assumido, desde sempre, como um dos melhores locais para o desenvolvimento do olival tradicional, de onde é extraído um azeite de elevada qualidade e de características invulgares para a saúde.

Olival tradicional: paisagem abundante no Casteleiro

Olival tradicional: paisagem abundante no Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Lar do Casteleiro – Sócios potenciam 2016

:: :: CASTELEIRO :: :: A constante procura da elevação dos padrões de qualidade em todos os serviços prestados, a par de uma consistente sustentabilidade económica, exige dos Órgãos eleitos da Associação do Lar e Centro de Dia de Salvador do Casteleiro uma visão estratégica e uma definição clara dos objetivos e metas plasmados no Plano de Atividades e Orçamento agora aprovados.

Trabalho coletivo: Aos 90 anos, a magia da descoberta

Trabalho coletivo: Aos 90 anos, a magia da descoberta

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Quem se lembra do santoro?

:: :: CASTELEIRO :: :: Num tempo já longínquo, mas que interessa trazer aqui para conhecimento dos mais novos, o dia 1 de novembro – DIA DE TODOS OS SANTOS – era também o dia de «pedir o santoro».

Torre da igreja do Casteleiro

Torre da igreja do Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

O Lar do Casteleiro comemora Dia do Idoso

:: :: CASTELEIRO :: :: O «Grupo das Adufeiras do Paul», concelho da Covilhã, marcou presença no passado dia 11 de outubro no Lar e Centro de Dia do Casteleiro.

As Adufeiras do Paul no Lar do Casteleiro

As Adufeiras do Paul no Lar do Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Lar do Casteleiro mostra-se aos familiares dos utentes

:: :: CASTELEIRO :: :: Terra de gente boa, trabalhadora que nunca vergou mesmo nos tempos mais difíceis da sua história. Ao mesmo tempo que viu partir os seus filhos para a devastadora guerra em África, chorou aqueles que, espreitando além Pirenéus, procuraram uma vida melhor. Mas nem por isso alguma vez este povo desistiu!

(Imagem retirada do vídeo apresentado aos utentes e seus )familiares em 16 de agosto/2105

(Imagem retirada do vídeo apresentado aos utentes e seus )familiares em 16 de agosto/2105

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Mais uma vez o fogo chegou ao Casteleiro

:: :: CASTELEIRO :: :: Foi exatamente como há quarenta anos! Impiedosamente, o fogo vindo dos lados de Santo Amaro lambeu toda a serra e, depressa demais, chegou às portas do Casteleiro.

Santo Amaro serviu de entrada ao gigante que haveria de chegar ao Casteleiro - Capeia Arraiana

Santo Amaro serviu de entrada ao gigante que haveria de chegar ao Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

-As marcas da Revolução

:: :: CASTELEIRO :: :: A pobreza e a miséria estavam estampadas no rosto dos homens, mulheres e crianças, verdadeiros escravos de um país cinzento, “à beira-mar plantado” e orgulhosamente só perante o mundo.

Militares da 5ª Divisão do MFA em ação de sensibilização

Militares da 5ª Divisão do MFA em ação de sensibilização

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Casteleiro – Que venha a festa!

:: :: CASTELEIRO :: :: No primeiro fim-de-semana de maio a Festa da Caça quebrará a monotonia dos dias na aldeia de Casteleiro.

Grupo de Bombos de Vales do Rio - Casteleiro - Capeia Arraiana

Grupo de Bombos de Vales do Rio vão estar presentes na Festa da Caça 2015

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Casteleiro – Terra de tradição

:: :: CASTELEIRO :: :: A Festa das Flores – a Páscoa – era, sem dúvida, um acontecimento ímpar na vida rural e festiva das pessoas do Casteleiro.

A Páscoa é a Festa das Flores

A Páscoa é a Festa das Flores

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Do «luto carregado» ao «aliviar do luto»

:: :: CASTELEIRO :: :: A atitude perante a morte, os ritos de que se reveste, as estratégias familiares que a rodeiam e os valores que dela emanam constituem um património que urge registar para que conste da memória imaterial da gente do Casteleiro.

Igreja do Casteleiro - Sabugal - Capeia Arraiana

Igreja do Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Quaresma – Tempo das «Cacadas»

:: :: CASTELEIRO :: :: No Casteleiro as «cacadas» assumiam-se, durante o tempo quaresmal, como momentos privilegiados para a sátira jocosa feita por rapazes ou mesmos por homens maduros, normalmente a elementos do sexo oposto.

Cacadas - Casteleiro - Sabugal - Capeia Arraiana

Cacadas no Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Os serões de antanho

:: :: CASTELEIRO :: :: Tudo começava depois da ceia, sim porque a ceia era a refeição da noite, após mais um dia cansativo nas lides do campo. Os vizinhos reuniam-se nas casas uns dos outros à volta da lareira nas frias noites de Inverno.

Panela de ferro ao lume - Capeia Arraiana

Enquanto os troncos se transformavam em brasas
as panelas de ferro não tardavam a servir a esperada ceia

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Viagens que nos marcam

:: :: CASTELEIRO :: :: A viagem do Casteleiro até ao Colégio do Sabugal era longa, persistentemente longa, como os dezassete mil metros que separam estas duas localidades.

Autocarro da Viúva Monteiro - Joaquim Gouveia (Foto: D.R.)

«Carrêra dos estudantes» da Viúva Monteiro – Joaquim Gouveia (Foto: D.R.)

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

E amanhã haverá Natal?

:: :: CASTELEIRO :: :: Passados que foram os dias, mais ou menos eufóricos, que antecederam o Natal, o país mergulhou na realidade angustiante do desemprego, da pobreza, nas intermináveis filas de espera nos hospitais que, tradicionalmente nesta época, respondem às muitas urgências, de quem o frio do Inverno e os cortes na saúde feitos pelo atual governo, faz das horas de cada dia, intermináveis momentos de sofrimento e mau estar.

Sem-Abrigo - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Sem-Abrigo (foto: D.R.)

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

O presépio da Igreja

:: :: CASTELEIRO :: :: Longe das estrelas brilhantes e da luz feérica que, hoje em dia, dão cor e magia aos emblemáticos centros comerciais, lá na aldeia ia tomando forma o tradicional presépio da igreja.

Presépio da Igreja do Casteleiro - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Presépio na Igreja do Casteleiro (Sabugal)

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Casteleiro – Terra de Trabalho

:: :: CASTELEIRO :: :: – Aquela manhã do início de dezembro estava gélida! Da terra gretada pela geada da noite, emergiam formas vidradas, pontiagudas, parecendo estalagmites, deveras perigosas para quem por ali passava.

Casteleiro - A geada que enregelava os ossos - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Casteleiro – A geada que enregelava os ossos

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Pelas entranhas do Casteleiro

:: :: CASTELEIRO :: :: – Tiago era um menino igual a tantos outros! Sobre o ombro pendia uma sacola magra de livros, mas cheia de aventuras para contar e de curiosidade para aprender. O corpo franzino contrastava com os oito anitos que já tinha. Apesar disso, as ruas e os terreiros onde costumava brincar eram calcorreados, diariamente, vezes sem conta.

Brinquedos de Outros Tempos - Joaquim Gouveia - Casteleiro - Capeia Arraiana

Carro de Bois – Brinquedos de outros tempos

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Brinquedos e brincadeiras de antigamente (6)

:: :: CASTELEIRO – JOGO DA BILHARDA :: :: – «…o trágico está na perda de capacidade de criar, de recriar e de construir ideias, de gerar coisas que rolam, que mexam, que produzam sons, que divirtam os criadores…»

Jogo da Bilharda - Capeia Arraiana

Jogo da Bilharda

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Brinquedos e brincadeiras de antigamente (5)

:: :: CASTELEIRO – CARRO DE BOIS :: :: – As alfaias agrícolas como o carro de bois, a charrua, o arado, a grade, imitavam objetos ligados ao quotidiano rural do Casteleiro. Através delas, as crianças, nomeadamente os rapazes aprendiam as funções e funcionamento de cada instrumento.

Carro de Bois - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Carro de bois – memória de um tempo passado faz delícia nos dias de hoje

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Brinquedos e brincadeiras de antigamente (4)

:: :: CASTELEIRO – JOGO DO PIÃO :: :: – Noutros tempos, andar com um pião e uma baraça no bolso ou na sacola da escola era praticamente obrigatório. Alguns eram comprados mas, a maior parte, eram feitos manualmente, mesmo que não bailassem muito bem. Cada um fazia gala de exibir a sua própria criação.

Jogo do Pião - Jogo de Rapazes .- Joaquim Gouveia - Casteleiro - Capeia Arraiana

Jogo do Pião – Jogo de Rapazes

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Casteleiro – Brinquedos e brincadeiras de antigamente (3)

«Não era preciso muito para a brincadeira acontecer, desde que a imaginação não faltasse… porque a natureza oferecia o que tinha: terra, água, lama, frutos, ramos e… espaço.»

Brincava às mães e às filhas - Joaquim Gouveia - Casteleiro - Capeia Arraiana

«Brincava às mães e às filhas…»

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Casteleiro – Brinquedos tradicionais comprados (2)

Nesta abordagem – Brinquedos tradicionais comprados – como noutras que se seguirão, procurei trazer até vós testemunhos de pessoas, que ao longo de alguns anos fui registando, procurando assim, ser o mais rigoroso possível no percurso, agora registado, entre o informando e o leitor.

Brinquedos comprados - Capeia Arraiana

Brinquedos comprados

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Casteleiro – Brinquedos tradicionais (1)

Viajar ao mundo do brinquedo e do brincar de antigamente é mergulhar num tempo em que a «necessidade aguçava o engenho», é percorrer os campos em que os rapazes guardavam gado, à rua onde moravam, ao interior da casa onde as raparigas brincavam às bonecas e ajudavam as mães nas suas lides. Esta viagem lúdica, iniciada aqui hoje, será a primeira entre várias, registadas em forma de crónicas, e que terei muito gosto em partilhá-las com os respeitados leitores do Capeia Arraiana.

Brincadeiras - Arco e Flecha - Casteleiro - Capeia Arraiana

Brincadeiras – Arco e Flecha – Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Quando o povo acredita…

Nos tempos que correm é cada vez mais difícil acreditar em promessas, a maior parte das vezes, usadas para alcançar objetivos que, de outra forma dificilmente assim aconteceria. Para muitas pessoas a «palavra» deixou de significar honra e vergonha, para dar lugar a um conjunto de vocábulos usados em contextos cirurgicamente trabalhados.

Oferendas a Santo António - Casteleiro - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Oferendas a Santo António – Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Emigrar em tempos difíceis

Ao longo da nossa História a emigração assumiu contornos de fuga, muitas vezes clandestina, à procura de melhores condições de vida e da libertação de um povo, que à sombra de um poder absoluto vivia na miséria. A crónica de hoje pretende abordar o papel das câmaras municipais neste processo.

Passaporte do Estado Novo - Capeia Arraiana

Passaporte do Estado Novo

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Tempo de cravelo

Longe vai o tempo em que o cravelo era uma refeição essencial para quem, de sol a sol, e por entre a seara dourada, desafiava o sol escaldante dos dias de Verão. Uma refeição ligeira a meio da manhã reforçava as energias, tão necessárias ao duro trabalho do campo.

espiga de trigo - capeia arraiana

Espiga de trigo

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

A roda do tempo

Com os seis franzinos anos, o Manel conhecia todas as ruas do povo, uma por uma! Do Batorel ao Ribeirinho, do Reduto ao Terreiro da Fonte, da Estalagem ao Alvarcão.

Burro na Roda do Poço - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Burro puxa à roda do poço no Casteleiro

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Rotunda com gente dentro

Desde muito cedo que a relação do homem com a terra se pautou por uma procura, constante, de respostas para as suas necessidades. É este espírito inconformista, que faz com que a sociedade de regenere e o «mundo pula e avança», como o caracterizaria António Gedeão.

Rotunda de Caria no acesso à A23

Rotunda de Caria no acesso à A23

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Senhora da Póvoa – Romaria secular

Sete semanas após a primeira Lua Nova da Primavera, tem lugar no Vale da Senhora da Póvoa, a romaria em louvor da Santa que mais tarde haveria de emprestar seu nome à terra que a acolheu, aquando da sua aparição.

Senhora da Póvoa - Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana

Procissão na romaria da Senhora da Póvoa