Category Archives: Pedaços de Fronteira

Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Diálogo tonto com o bucho raiano (2)

Estava sentado a ler a vida de Isaac (Fernando) Cardoso e a perceber que este grande judeu beirão setecentista, afinal, tinha tido pelo menos três vidas – uma na corte da Espanha, outra pelas cidades italianas do norte da Europa, mas antes destas tinha estudado em Salamanca e exercido a profissão de físico, médico e clérigo, em Valhadolid.

Isaac Cardoso - Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Isaac Cardoso à mesa com o Bucho Raiano

Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Diálogo tonto com o bucho raiano (1)

O senhor bucho teria batido, há dias, à minha porta. Ele disse que bateu, mas eu não ouvi. Digamos, o senhor bucho entrou sorrateiro no meu gabinete sem me pedir autorização nem previamente ter batido à porta. Claro, sentou-se logo na minha frente, ao ver a cadeira vazia. Já lhe estava a apontar duas faltas de educação: uma por não ter batido à porta e outra por se ter sentado sem pedir licença. Não foi assim que eu fui educado, mas adiante…

Bucho raiano

Bucho raiano

Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Ao Padre Belmiro – uma amizade, um testemunho

Há pessoas que não podemos deixar partir sem dizer aquilo que nos vai na alma. Uma delas é o Padre Belmiro Narino de Campos que teve essencialmente duas vidas: uma de professor nos mais diversos lugares de Portugal e outra de pastor religioso junto da comunidade portuguesa do Luxemburgo.

Padre Belmiro Narino Campos - Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Padre Belmiro Narino de Campos

Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Emigração – a pátria do nosso exílio

Da Babilônia até Sião é um êxodo de muitos anos, a galgar montes, desertos e a passar fome e sede. São muitas cicatrizes no rosto, são muitas lágrimas contidas. São muitos Julhos e Agostos a passar a fronteira. Deixámos para trás amigos, família, e interrogamo-nos sobre o valor da grande decisão de um dia ter partido.

Judeu Errante - Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

O Judeu Errante de Marc Chagall

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

O grande Amadeo de Sousa Cardoso

Fiquei deveras orgulhoso ao visitar a exposição de nosso compatriota, o pintor Amadeo de Sousa Cardoso, em Paris, no Grand Palais, patente ao público até ao próximo dia 18 de Julho. Tinha já visto as exposições deste pintor na Europália de Portugal em Bruxelas, em 1991, e na Gulbenkian, em 2006, mas foi nesta que percebi a grandeza e a profundidade deste artista. Senti-me mais português ao ver um dos nossos, agora reconhecido no Grand Palais, no mesmo espaço onde ainda há pouco tempo tinham sido expostos nomes que dispensam apresentações, como Velasquez, Picasso e E. Hopper…

Amadeo Sousa Cardoso - Capeia Arraiana

Procissão do Corpus Christi – Amadeo Sousa Cardoso

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

De Bruxelas, com todas as emoções

Depois dos últimos atentados de Paris, no mês de Novembro, era de esperar a vez de Bruxelas, capital das instituições europeias. E quando a violência e a morte rodam à nossa volta, é difícil encontrar as palavras para exprimir as nossas emoções.

A tragédia parece ter-se instalado no quotidiano das nossas vidas

A tragédia parece ter-se instalado no quotidiano das nossas vidas

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Gertrudes Stein e Pascal Dusapin

Já é a segunda vez que vejo uma ópera do compositor contemporâneo francês Pascal Dusapin. Com os cortes de subsídios atribuídos à la Monnaie, em Bruxelas, esta virou-se para as obras modernas, talvez menos onerosas.

Compositor Pascal Dusapin

Compositor Pascal Dusapin

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

À procura das palavras

Para mim o mais importante na vida são as palavras. Os humanos distinguem-se dos outros animais pelo uso da palavra. É por isso que escrevo. E escrevo para não me esquecer das palavras, pois a maior angústia de todos nós é a de um dia perder completamente o seu uso. Impressionou-me saber que o grande escritor latino-americano, Gabriel Garcia Marques, depois de ter escrito, pronunciado e inventado tantas palavras com as suas magníficas histórias, tenha perdido a memória das palavras.

São as palavras que nos dão as emoções

São as palavras que nos dão as emoções

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Máscaras

Ventos favoráveis e convergentes conduziram apreciadores de arte e de música ao prestigioso centro cultural de Bruxelas, designado pelo diminutivo de BOZAR, edifício construído nos princípios do século passado pelo grande arquitecto de arte nova, Victor Horta (seria descendente de judeus portugueses?) para ver uma exposição de fotografias e de pinturas de rostos que na idade média poderiam ser chamados retratos.

Jorge Molder no Bozar - Bruxelas

Jorge Molder no Bozar – Bruxelas

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Tenho uma mãe mais que centenária

As nossas aldeias podem já ter jovens, mas têm cada vez mais centenários, tanto homens como mulheres. Pode não ser uma esperança para a nossa região, mas é um orgulho para aqueles que como eu podem ainda mostrar uma mãe que, com os seus 102 anos, usa ainda os seus cinco sentidos.

Foto de família da aniversariante

Foto de família da aniversariante

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

O Sabugal encontrou a diáspora em Paris

Sabugal está a fazer um grande esforço para sair do estigma da interioridade e, no sábado passado, o seu Presidente, Eng° António Robalo, juntamente com os líderes das freguesias do nosso Concelho foi ao encontro dos seus munícipes que vivem e trabalham em Paris.

Pessoas do Concelho do Sabugal em Paris

Pessoas do Concelho do Sabugal em Paris

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Rembrandt e a Sinagoga Portuguesa de Amesterdão

Uma viagem a Bruxelas, sobretudo quando comporta vários dias, partilha-se sempre com uma outra à Holanda e quase necessariamente a Amsterdão, a Veneza do norte, notável pela sua beleza, mas também pela sua tolerância (que já se vai perdendo, tem de se dizer!), a acolher gente de todos os quadrantes, num ambiente de cidade multicultural.

Rembrandt - retrato de Isac e Rebeca, também designado «A Namorada Judia»

Rembrandt – retrato de Isac e Rebeca, também designado «A Namorada Judia»

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Marc Chagall, o poeta da pintura

Depois da vista à exposição sobre Marc Chagall no Musėes Royaux des Beaux Arts de Belgique, em Bruxelas, disse para comigo que, tendo já tudo sido dito sobre este grande pintor do século vinte, que mais poderia eu dizer? Não pretenderia fazer uma nota biográfica, nem uma análise da sua obra, mas simplesmente entrar em contacto com a sua sensibilidade artística e com o seu itinerário pictural e poético.

Auto-retrato de Chagall, 1911

Auto-retrato de Chagall, 1911

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

A fascinação dos botões

Quando eu era criança e abria a grande gaveta dos botões que se encontravam debaixo do balcão da alfaiataria do meu pai, estava longe de pensar que o pequeno objecto redondo que designamos por BOTÃO poderia um dia interessar os artistas, a tal ponto de lhe terem dedicado uma exposição no Museu des Arts Décoratifs, em Paris.

Os botões das fardas da tropa eram símbolo de autoridade

Os botões das fardas da tropa eram símbolo de autoridade

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

João Sebastião Bach, um génio musical

Há pessoas que transformaram o mundo e uma delas foi certamente João Sebastião Bach, tornando-o mais humano e melhor com a bela música que produziu ao longo da sua vida. O génio deste homem poderia ter caído nos limbos da história se não fosse o entusiasmo e a honestidade de alguns músicos, como Felix Mendelsshon, Robert Schumann e Johannes Brahms a ressuscitá-lo para dar a conhecer às gerações futuras a sua complexa diversidade nos mais diversos palcos internacionais.

João Sebastião Bach

João Sebastião Bach

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Do Sabugal a Waterloo

Este ano, a Bélgica prepara-se para festejar o bicentenário da grande batalha histórica de Waterloo, que teve lugar no dia 18 de Junho de 1815, onde o pano caiu definitivamente para Napoleão, retirando-se para sempre da cena como o herói superstar personificado nas numerosas campanhas que o imortalizaram. Em menos de quinze anos, o General Bonaparte, que galgou até ao cimo da glória com o estatuto de Imperador Napoleão I, colecionou vitórias atrás de vitórias nos campos de batalha em Itália, Egipto, Alemanha, Prússia, Polónia, Espanha e Portugal, tendo subjugado quase toda a Europa.

Batalha de Waterloo - Napoleão Bonaparte - Capeia Arraiana

Batalha de Waterloo (Bélgica) no dia 18 de Junho de 1815 marcou o fim dos Cem Dias
Foi a último confronto de Napoleão Bonaparte

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

André Brink – um escritor indignado

Este artigo poderia também ter como título: o escritor branco que defendeu a causa dos negros. André Brink, que faleceu no dia seis do corrente mês, no avião que o conduzia à sua África do Sul, depois de ter sido investido com o doutoramento honoris causa, quatro dias antes, pela Universidade Católica de Lovaina, é, de facto, um grande escritor da época actual.

André Brink

André Brink

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Escrever para resistir, alertar e derrubar

No passado dois de Fevereiro, dia de Nossa Senhora das Candeias (La Chandeleur) a Universidade Católica de Louvaina concedeu o título de Doutor Honoris Causa, a três personalidades que, com os seus escritos, têm trabalhado para poder dar um outro rosto ao mundo em que vivemos e que têm criado importantes marcos para o poder tornar melhor. São elas: o escritor sul-africano André Brink, a dramaturga e militante feminista norte-americana Eve Ensler e o antigo jornalista de guerra e actual ensaísta e editor francês Jean-Claude Guillebaud.

Jean-Claude Guillebaud - André Brink - Eve Ensler - Université Catholique Louvain - Capeia Arraiana

Jean-Claude Guillebaud, André Brink e Eve Ensler
Doutores Honoris Causa pela Université Catholique de Louvain (Bélgica)

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Os ferros e os mármores de Maria Leal da Costa

A exposição da escultora Maria Leal da Costa, a decorrer na Embaixada do Brasil em Bruxelas até ao dia cinco de Fevereiro, não deixa nenhum visitante indiferente. Com esta exposição, Maria Leal da Costa pretende escrever no mármore e no aço a sua maneira de ver o mundo. É que, como ela diz, «a pedra voa, flutua, corre, fala. É como as palavras» com as quais mencionamos as coisas deste mundo e do outro.

Maria Leal da Costa - Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Joaquim Martins Tenreira © Capeia Arraiana

As duas tentações de Massena (4)

Dentro da estratégia global de Napoleão, que consistia na subalternização do império britânico, a conquista de Portugal era uma parte essencial no xadrez europeu. A sua chave passava necessariamente pela conquista de Lisboa. Massena, ao constatar a impossibilidade de tomar Lisboa, sofreu um grande choque e uma tremenda desilusão que o paralisaram, por alguns meses, às suas portas. Ao tomar a decisão de se retirar para Espanha, e antes de entrar definitivamente neste país, foi assaltado por intensos remorsos motivados pela sensação de ter tido feito uma campanha totalmente infrutífera e indigna de um guerreiro da sua estirpe.

Invasões francesas

Invasões francesas

Joaquim Martins Tenreira © Capeia Arraiana

As duas tentações de Massena (3)

Dentro da estratégia global de Napoleão, que consistia na subalternização do império britânico, a conquista de Portugal era uma parte essencial no xadrez europeu. A sua chave passava necessariamente pela conquista de Lisboa. Massena, ao constatar a impossibilidade de tomar Lisboa, sofreu um grande choque e uma tremenda desilusão que o paralisaram, por alguns meses, às suas portas. Ao tomar a decisão de se retirar para Espanha, e antes de entrar definitivamente neste país, foi assaltado por intensos remorsos motivados pela sensação de ter tido feito uma campanha totalmente infrutífera e indigna de um guerreiro da sua estirpe.

Batalha de Fuentes de Oñoro

Batalha de Fuentes de Oñoro

Joaquim Martins Tenreira © Capeia Arraiana

As duas tentações de Massena (2)

Dentro da estratégia global de Napoleão, que consistia na subalternização do império britânico, a conquista de Portugal era uma parte essencial no xadrez europeu. A sua chave passava necessariamente pela conquista de Lisboa. Massena, ao constatar a impossibilidade de tomar Lisboa, sofreu um grande choque e uma tremenda desilusão que o paralisaram, por alguns meses, às suas portas. Ao tomar a decisão de se retirar para Espanha, e antes de entrar definitivamente neste país, foi assaltado por intensos remorsos motivados pela sensação de ter tido feito uma campanha totalmente infrutífera e indigna de um guerreiro da sua estirpe.

Infantaria inglesa enfrenta as tropas napoleónicas

Infantaria inglesa enfrenta as tropas napoleónicas

Joaquim Martins Tenreira © Capeia Arraiana

As duas tentações de Massena (1)

Dentro da estratégia global de Napoleão, que consistia na subalternização do império britânico, a conquista de Portugal era uma parte essencial no xadrez europeu. A sua chave passava necessariamente pela conquista de Lisboa. Massena, ao constatar a impossibilidade de tomar Lisboa, sofreu um grande choque e uma tremenda desilusão que o paralisaram, por alguns meses, às suas portas. Ao tomar a decisão de se retirar para Espanha, e antes de entrar definitivamente neste país, foi assaltado por intensos remorsos motivados pela sensação de ter tido feito uma campanha totalmente infrutífera e indigna de um guerreiro da sua estirpe.

O Marechal de França Andre Massena

O Marechal de França Andre Massena

Joaquim Martins Tenreira © Capeia Arraiana

Uma mãe centenária

«Uma mãe centenária» poderia ser o título do meu próximo livro. E haveria muito que dizer e lhe dizer, sobretudo a uma mãe que continua mais lúcida do que os seus filhos, netos e bisnetos. Não foi à escola, não sabe escrever, faz uns rabiscos como assinatura e aprendeu a juntar as letras com uma das suas netas aos 60 anos para ler a Imitação de Cristo.

A mãe centenária

A mãe centenária

Joaquim Martins Tenreira © Capeia Arraiana

José Carlos Callixto – um místico da paisagem

Já há muito tempo que tinha em mente escrever um artigo sobre a pessoa da nossa terra que nos merece a maior estima e consideração. Trata-se do nosso amigo José Carlos Callixto. Quando no seu último mail, que enviou aos amigos, nos confiou que ia em romagem a Vale de Espinho para festejar, no dia 19 de abril, os 40 anos de amizade com esta aldeia, não podia adiar mais a minha homenagem ao um homem que modificou completamente a nossa maneira de ver e estar nestas terras.

José Carlos Callixto - Vaie de Espinho - Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

José Carlos Callixto