Category Archives: Opinião

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Uma visita diferente

Neste tempo pascal, mesmo para os não crentes, sem dúvida que devemos refletir um pouco sobre a vida, e os seus valores. Esta crónica convida o leitor a viajar na sua consciência e concluir que, na realidade, de nada nos vale seguirmos o rumo do egoísmo.

Tempo Pascal... Tempo de Reflexão - António José Alçada - Capeia Arraiana

Tempo Pascal… Tempo de Reflexão

Franklim Costa Braga - Capeia Arraiana

Ai que saudades da minha infância! (2)

HOMENAGEM AO MEU TIVOLI – Nas aldeias quase todas as famílias têm animais: um burro, um cão ou um gato. Quem tem espaço em frente da casa, o curral, e um telheiro (cabanal) tem ainda um cavalo, galinhas e, às vezes, coelhos, patos, perús ou mesmo gansos. Antigamente usavam a loije, andar térreo, para as vacas, burros ou cavalos. É o que acontecia frequentemente com os lavradores que tinham vacas. Havia quem tivesse galinhas ou porcos num pequeno espaço debaixo da escaleira (no poleiro das pitas) e (na cortelha), que se passeavam durante o dia pelas ruas, tal como os cães. (Parte 2 de 2).

O cão da minha infância chamava-se Tivoli - Capeia Arraiana

O cão da minha infância chamava-se Tivoli

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Postal TV (217)

Uma modesta homenagem à «Tareka» (Maria Teresa Ramalho) que tanto trabalhou para nós todos. Mais uns números muito decepcionantes. Deve ser das férias. Até o cabo desceu… E uma historieta apimentada.

Maria Teresa Ramalho (Tareka) - Capeia Arraiana

Maria Teresa Ramalho (Tareka)

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

A Páscoa da minha infância

Falo da Páscoa da minha infância, mas deveria antes dizer da semana santa da minha infância…

Procissão da Páscoa - Capeia Arraiana

Procissão da Páscoa

Maria Rosa Afonso - Orelha - Capeia Arraiana

Portugal no relatório da Amnistia Internacional

O Relatório Anual da Amnistia Internacional (2016/7), saído acerca de um mês, dá conta do estado global dos direitos humanos, referindo casos concretos, relatados por observatórios, comités, comissões… que fiscalizam os tratados internacionais e também por organizações não governamentais a trabalhar na área. Foram analisados 159 países e assinalados, para cada um, as violações e os progressos.

Amnistia Internacional - Capeia Arraiana

Amnistia Internacional

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

Pinharanda Gomes – a infância em Quadrazais

Quadrazais, terra raiana do concelho do Sabugal, foi o berço de Jesué Pinharanda Gomes, que nasceu em 1939, a 16 de Julho, verão pleno. Numa longa entrevista que nos deu em 2011 (há sete anos), o pensador e escritor quadrazenho, que recentemente foi agraciado com o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade da Beira Interior, contou-nos como foi a sua infância.

No dia 20 de Março a UBI distinguiu Pinharanda Gomes

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

Massificação

«Abandonai as cidades homens estúpidos!» Quem este grito lançou foi Maiakovski, poeta e dramaturgo Russo. Platão também disse que a convivência no meio da massificação se torna difícil. Isto são fenómenos que têm surgido ao longo da História da Humanidade, sendo pura realidade o que deles sempre se disse, que vai desde Platão a Maiakovski, ou seja, do ano 347 antes de Cristo até ao século XXI.

Massificação - Capeia Arraiana

Massificação

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Bismula – a minha aldeia

Em outros tempos, na minha Aldeia, na minha infância, quando a noite caía, as ruas quase se esvaziavam, e só os jovens adultos eram autorizados a percorrer a escuridão, enquanto lá longe, na cidade da Guarda, um clarão de luzinhas acendia e depois apagava-se.

Bismula – amoreiras e seus muros seculares, um património desaparecido

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Frases populares muito engraçadas

Hoje, uma brincadeira séria. Vamos conhecer algumas interessantes expressões do nosso Povo no Casteleiro há mais de 60 anos. E vou tentar explicar (traduzo para quem não entenda) o que o Povo dizia e o que queria dizer.

Pôr-do-Sol no Casteleiro - Capeia Arraiana

Pôr-do-Sol no Casteleiro

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

Histórias lisboetas (II)

Lisboa é uma das cidades mais belas do mundo. Todos o sabemos, todos o dizemos. Existe a Lisboa turística, da Baixa, do Chiado, do castelo de São Jorge, de Belém e dos seus monumentos. E a Lisboa castiça, de Alfama, da Mouraria, da Madragoa, das casas de fado e dos botequins. E a Lisboa do Tejo, o rio sempre presente, que avistamos de todo o lado e dá à cidade uma luz rara. E existe ainda uma outra Lisboa, feita de pormenores em que poucos reparam, que inspirou pintores e poetas, músicos e romancistas: os miradouros, as escadinhas, a calçada portuguesa, os azulejos antigos e modernos… Foi esta a cidade que José Cardoso Pires descreveu num livro lindíssimo: «Lisboa – Livro de Bordo» (1998).

Miradouro da Senhora do Monte na Graça em Lisboa - Capeia Arraiana

Miradouro da Senhora do Monte na Graça em Lisboa

Sinos e campainhas

O uso de sinos e campainhas advém da antiguidade e foram desde aí aplicados em funções diversas, quer de índole religiosa quer profana.

Sinos de igreja

Franklim Costa Braga - Capeia Arraiana

Ai que saudades da minha infância! (1)

HOMENAGEM AO MEU TIVOLI – Nas aldeias quase todas as famílias têm animais: um burro, um cão ou um gato. Quem tem espaço em frente da casa, o curral, e um telheiro (cabanal) tem ainda um cavalo, galinhas e, às vezes, coelhos, patos, perús ou mesmo gansos. Antigamente usavam a loije, andar térreo, para as vacas, burros ou cavalos. É o que acontecia frequentemente com os lavradores que tinham vacas. Havia quem tivesse galinhas ou porcos num pequeno espaço debaixo da escaleira (no poleiro das pitas) e (na cortelha), que se passeavam durante o dia pelas ruas, tal como os cães. (Parte 1 de 2).

O cão da minha infância chamava-se Tivoli - Capeia Arraiana

O cão da minha infância chamava-se Tivoli

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Num andarilho de memórias

Esta semana fui até Condeixa visitar o meu irmão António Alves Fernandes. Uma viagem bem diferente daquela que ambos temos vindo a fazer ao longo desta vida em comum. Efetivamente, o local onde fui recebido, levou-me à interioridade e ao facto de que nada somos e nada seremos.

Legenda

Encontro com a família Fernandes

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Postal TV (216)

O que sabemos que já foram as audiências de Herman José e o que elas são hoje. Mas os fracassos não caem só par esse lado, como sabemos… Infelizmente, não.

«Cá por Casa» de Herman José na RTP-1 - Capeia Arraiana

«Cá por Casa» de Herman José na RTP-1

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Notas soltas

Notas Soltas – da Casa do Concelho ao sarampo…

Surto de sarampo – basta uma simples vacina para evitar a disseminação da doença

Maria Rosa Afonso - Orelha - Capeia Arraiana

Ciganos – é de inclusão que temos de falar

Apanhados pela violência do tornado que lhes destruiu, completamente, as barracas do acampamento, os ciganos de Faro continuam à espera que um programa habitacional qualquer, financiado não se sabe por quem, os inclua. Tal como, continuam à espera, muitas outras comunidades ciganas acantonadas aqui e ali.

Acampamento cigano - Capeia Arraiana

Acampamento cigano

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

A lei da Paridade

Quando somos confrontados com leis como esta, estamos na verdade longe de sermos um país em que os dois géneros (homens e mulheres) têm iguais direitos. Custa-me a perceber como algumas mulheres ficam satisfeitas e defendem este tipo de abordagem dum problema que a sociedade efectivamente tem.

Igualdade sim, paridade não

Fernando Capelo - Terras do Jarmelo - © Capeia Arraiana

Vidas únicas

Contemplar a Serra pode ser verificar-lhe a versatilidade já que, supô-la estática, constitui um erro dos sentidos.

A imagem da montanha tempera o corpo e formata a alma

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

Doutoramento Honoris Causa de Pinharanda Gomes

A Universidade da Beira Interior (UBI) atribuiu esta terça-feira, dia 20 de Março, o grau de Doutor Honoris Causa a Jesué Pinharanda Gomes, ensaísta, pensador, escritor, filósofo e historiador. O mais alto responsável pela Igreja Católica em Portugal, o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, foi o padrinho do homenageado, que é natural da freguesia de Quadrazais, no concelho do Sabugal. Jesué Pinharanda Gomes é o 19.º Doutor Honoris Causa pela UBI.

Intervenção de D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa, que apadrinhou o Doutoramento - Capeia Arraiana

Intervenção de D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa, que apadrinhou o Doutoramento

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

Os ovos na gastronomia raiana

Para perceber o que era a alimentação genuinamente raiana temos de ir ao encontro da gente mais antiga, porque a modernidade trouxe a normalização das ementas através da bitola citadina.

Peixinhos da horta – um acepipe de eleição

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

A União Europeia e o crime organizado

A sociedade Liberal que impera na União Europeia, é a sociedade dos negócios e da economia, aquela que nos leva à despolitização, porque a política nesta sociedade transformou-se numa luta de interesses entre poderosos grupos económicos e também interesses do crime organizado!!!

Toto Riina - Capo da Mafia italiana - Capeia Arraiana

Toto Riina – Capo da Mafia italiana

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Fundão – cerejeiras em flor

Há quem afirme que foram os Jesuítas do Colégio São Fiel de Louriçal do Campo a levar as sementes das cerejeiras para a Colina de Kudan, perto de Tóquio. De acordo com a tradição imperial, aquele lugar é onde moram os espíritos dos soldados que morreram na Primeira Guerra Mundial, na defesa do Japão.

Cerejeiras em flor – um espectáculo deslumbrante e mágico

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – O linho que se cultivava

Em tempos (há uns 300 e tal anos) houve no Casteleiro «fábricas» de tecidos. Uma parte desses tecidos eram certamente de linho. Eram tinturarias. Todos sabemos onde é o Tinte. Pois as tinturarias é que deram o nome a esses campos – a caminho de Cantargalo.

Cama com lençóis e almofadas de linho - Capeia Arraiana

Cama com lençóis e almofadas de linho

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

Sofonisba Anguissola – Pintora na Europa do Renascimento

Até ao século XIX eram muito raras as mulheres pintoras. Ou as mulheres poetas, compositoras, filósofas, cientistas… E era mais raro ainda a História registar a sua existência e as suas obras… Em Portugal, Josefa de Óbidos é uma dessas raras excepções. Também Sofonisba Anguissola foi uma das poucas mulheres pintoras, cuja obra brilhou na Europa do Renascimento. Ainda no âmbito do Dia Internacional da Mulher, celebrado no passado dia 8, vou hoje apresentar esta pintora fascinante e de estranho nome aos leitores do Capeia Arraiana que não a conhecem.

Autorretrato de Sofonisba Anguissola feito em 1556, aos 21 anos - Capeia Arraiana

Autorretrato de Sofonisba Anguissola feito em 1556, aos 21 anos

Literatura - Capeia Arraiana (orelha)

«Rostos da Emigração» apresentados em Paris

O sabugalense Joaquim Tenreira Martins vai apresentar os seus livros «Rostos da Emigração» e «Visages de L’Emigration Portugaise» no dia 22 de Março, às 18:30 horas no Consulado Geral de Portugal, em Paris.

Apresentação do livro «Rostos da Emigração», em Paris, no Consulado Geral de Portugal - Capeia Arraiana

Apresentação dos livros de Joaquim Tenreira Martins em Paris no Consulado Geral de Portugal

Cura para os soluços

São imensas as terapêuticas populares para quem sofre de soluços. O incómodo pode ser resolvido bebendo pequenos goles de água, sustendo a respiração, ou até com um susto.

Uma crise de soluços pode manter-se por muito tempo

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Postal TV (215)

Esta semana tivemos… RTP em baixa, SIC com dificuldades e TVI sem grandes vitórias. Assim vai a Televisão em Portugal. Para onde caminham estas estações generalistas???

1986 de Nuno Markl na RTP1 - Capeia Arraiana

1986 de Nuno Markl na RTP1

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

O choque alemão

No ano passado fui até Berlim, matando uma curiosidade de décadas de poder apreciar um dos palcos mais interessantes, e relevantes, da história contemporânea. Ao contrário do que se pensa, Berlim, esconde a imponência de outras cidades alemãs, como por exemplo Munique. Para além do custo de vida relativamente em conta, nota-se ainda muita casa, ou prédio, degradado.

Divisão da cidade de Berlim em parte Ocidental e parte Oriental - Capeia Arraiana

Divisão da cidade de Berlim em parte Ocidental e parte Oriental

Franklim Costa Braga - Capeia Arraiana

Termos castelhanos usados em Quadrazais e na Raia (2)

PREFÁCIO. Desde pequeno que, na aldeia, sempre ouvi gente pronunciar palavras espanholas ou que eu pensava serem espanholas. Não era para admirar, dado o contacto diário com Espanha por parte dos contrabandistas ou de todos os que diariamente atravessavam a raia para comprar um trigo, uma lata de azeite, uma boina, um véu ou, simplesmente, uns caramelos. (Parte 2 de 2).

Termos castelhanos usados em Quadrazais e na Raia - Capeia Arraiana

Termos castelhanos usados em Quadrazais e na Raia

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Megalópoles (2)

A existência de megalópoles é bom para o Concelho do Sabugal? Esta seria uma questão importante se, para além das Áreas Metropolitanas de Lisboa (2,8 milhões de habitantes em 2011) e Porto (1,8 milhões no mesmo ano), houvesse em Portugal e, sobretudo, na Região Centro, outras áreas de concentração significativa de população. Ora tal situação não se verifica.

Megalópoles são regiões de intenso desenvolvimento urbano - Capeia Arraiana

Megalópoles são regiões de intenso desenvolvimento urbano

Maria Rosa Afonso - Orelha - Capeia Arraiana

Marcas do tempo em que vivemos

Marcas do tempo em que vivemos: a mudança e os inevitáveis paradoxos. Seja por que voragem for: a da tecnologia, a da internet, a das redes sociais, a da comunicação social…, parece que vivemos, como nunca, num mundo em permanente mutação, onde tudo é transitório, onde tudo é descartável, como se de repente nada fosse para permanecer no tempo.

Em 1936 retratavam-se assim os «Tempos Modernos» - Charlie Chaplin - Capeia Arraiana

Em 1936 retratavam-se assim os «Tempos Modernos» (filme com Charlie Chaplin)

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

A economia mundial em «guerra»

Estamos a assistir a uma «guerra» no campo da economia, entre os Estados Unidos da América e a União Europeia. Esta «guerra« não começou agora, já vem desde os anos 50 do século passado.

União Europeia e Estados Unidos da América - Capeia Arraiana

União Europeia e Estados Unidos da América

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Momentos de reflexão

A unidade Santa Cristina, pela Enfermeira Chefe, informou-nos que o Sector da Pastoral da Saúde, convida a todos a participarem nos momentos de reflexão, na Capela das Irmãos Hospitaleiras, sobre a Quaresma.

Viver a Quaresma do princípio ao fim

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – As palavras corrompidas

Janeiro quente traz o diabo no ventre – assim fala o nosso Povo na minha terra. Então e não é que este Janeiro veio morno e os meses seguintes são o que se vê???? Mas o Povo diz mais: Março, marçagão – de manhã Inverno, à tarde Verão. Ou: Abril, águas mil.

Honra lhes seja feita: eram estes nossos amigos que dantes assim falavam - Capeia Arraiana

Honra lhes seja feita… eram estes nossos amigos que dantes assim falavam

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

Histórias lisboetas (I)

Hoje proponho aos leitores do «Capeia Arraiana» um percurso por Lisboa com o objectivo de descobrir pormenores menos conhecidos e contar aquilo a que os franceses chamam a «petite histoire», isto é, pequenas histórias da História.

Parte superior do Arco da Rua Augusta, em Lisboa - Capeia Arraiana

Parte superior do Arco da Rua Augusta, em Lisboa

A dança

Há quem defenda que a palavra dança deriva de Dan, nome de uma tribo de Israel. Essa tribo, quando o seu povo começou a venerar a idolatria (o bezerro de ouro), distinguiu-se pela exuberância dos chamados dançantes, ou seja, dos que com maior ardor se entregavam a essa crença.

A prática da dança é cultivada por diferentes povos em todo o mundo

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Viagem ao centro de Angola

Mesmo sendo uma longa viagem, sem dúvida que valeu a pena esta deslocação à Província do Uíge, em tempo uma das principais zonas de produção mundial de café, tendo acabado por fortalecer laços e, conjuntamente com os meus parceiros angolanos, enriquecendo experiências.

Viagem ao Uíge em Fevereiro de 2018 -António José Alçada - Capeia Arraiana

Viagem ao Uíge em Fevereiro de 2018

Franklim Costa Braga - Capeia Arraiana

Termos castelhanos usados em Quadrazais e na Raia (1)

PREFÁCIO. Desde pequeno que, na aldeia, sempre ouvi gente pronunciar palavras espanholas ou que eu pensava serem espanholas. Não era para admirar, dado o contacto diário com Espanha por parte dos contrabandistas ou de todos os que diariamente atravessavam a raia para comprar um trigo, uma lata de azeite, uma boina, um véu ou, simplesmente, uns caramelos. (Parte 1 de 2).

Termos castelhanos usados em Quadrazais e na Raia - Capeia Arraiana

Termos castelhanos usados em Quadrazais e na Raia

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Postal TV (214)

Em 7 de Março de 1956 foi para o ar a primeira emissão de televisão em Portugal: a RTP fez ontem 61 anos. Palmas para esse facto.

RTP comemorou 61 anos de vida - Capeia Arraiana

RTP comemorou 61 anos de vida

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Megalópoles (1)

A crónica da semana passada do António Emídio sobre o tema em título – Megalópoles – obriga-me a uma reflexão mais longa do que um simples comentário.

Megalópoles são regiões de intenso desenvolvimento urbano - Capeia Arraiana

Megalópoles são regiões de intenso desenvolvimento urbano