Category Archives: Histórias de Almanaque

Alterações climáticas

Fala-se hoje abundantemente nas alterações do clima como se tal fosse um fenómeno novo, uma originalidade do tempo em que vivemos. A verdade é que a história da Terra está cheia de fenómenos de modificação climática que levaram a grandes transformações na crosta terrestre, na vegetação e na vida animal.

Outono de seca em Portugal - António Emídio - Capeia Arraiana

Alterações do clima – uma realidade há muito sentida

Troca de roupa como sinal de luto

O Almanach Insulano, dedicado aos Açores e à Madeira, apresenta na sua edição de 1874 um texto de Gonçalo Rodrigues da Câmara Lima com a descrição de costumes fúnebres sui generis que aconteciam em pequenas aldeias açorianas da Ilha Terceira.

Havia costumes fúnebres estranhos

Eleições – uma calamidade para a sociedade

No Brasil de 1859, um rico dignatário irrompeu em impropérios contra a nova moda que tomava forma na política nacional: as eleições. Para ele a ida a votos era uma terrível calamidade que se abatia sobre o Brasil, pondo em luta irmão contra irmão.

Grupo de fazendeiros vem à cidade para votar

Introdução do tabaco na Europa

As primeiras plantas de tabaco que chegaram à Europa vieram da ilha de Tabago, nas Antilhas, América Central. O uso de tabaco generalizou-se muito depressa, consumindo-se pela inalação de fumo e de pó, e ainda em tisanas para fins medicinais.

Plantação de tabaco

Um defensor e um opositor do tabaco

Olivier de Serres, célebre agrónomo e escritor francês do final do século XVI, foi um eminente propagador das qualidades do tabaco. Já para o inglês Peter Columbell, que viveu na mesma época, o tabaco era detestável por ser nocivo para o indivíduo e para a sociedade.

Fumando tabaco

O juramento dos mortos no antigo Egipto

O antigo Egipto havia um profundo apego à religião e à crença da vida para além da morte, sendo arreigado uso fazer acompanhar os mortos por um documento que atestava que não cometeram faltas graves durante a vida terrena.

Sarcófago egípcio

As causas do suicídio no Século XIX

Um estudo comparativo dos suicídios ocorridos em Londres e Paris, em meados do século XIX, revelou que um quarto tinha por causa penas amorosas, outro a miséria, outro as doenças precedidas de intemperança e outro as perdas no jogo ou desastres repentinos de fortuna.

Entre os jovens preferia-se a morte por suspensão

O cavalo de Júlio César

No império Romano os cavalos lusitanos gozavam de enorme reputação. Conta-se que o general e imperador Júlio César não queria para si e para a sua guarda de honra outros cavalos que não os da raça lusitana.

Júlio César ao comando das hostes romanas

Os cedros do Líbano

Não é por acaso que o cedro é o símbolo nacional do Líbano, de resto presente na própria bandeira do país – foi com a madeira daquelas árvores majestosas que o rei Salomão mandou edificar o magnífico templo de Jerusalém.

Um formoso cedro do Líbano

A boa e a má sina dos patos

Para além dos patos, poucas aves haverá que tenham experimentado de tão perto os acostumados vaivéns da fortuna, passando de animais míticos e sagrados a bons pitéus na panela e no forno.

Tudo mudou para os antes tão respeitados patos

O mítico Geraldo Sem Pavor

No século XII, em pleno reinado de Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, tomou vulto uma personagem lendária chamada Geraldo Geraldes, que ficaria conhecida para a história como Geraldo Sem Pavor.

Geraldo Geraldes – um sanguinário às ordens de Afonso Henriques

As variedades da pera portuguesa

O velho «Almanach do Lavrador», editado no ano 1866 e organizado pelo lente João Inácio Ferreira Lapa, regista uma lista de nada menos que 46 diferentes variedades de pera, então cultivadas nos campos de Portugal.

A pera portuguesa tem imensas variedades

Magia agrícola

Ainda hoje se crê nos efeitos da magia, achando-se nela explicação para muito do que nos sucede nas nossas vidas. Mas na Roma antiga um lavrador abastado e muito esforçado soube provar que o que tinha era apenas fruto do seu labor e nada devido às famigeradas artes mágicas.

Plínio registou o caso de um romano acusado de artes mágicas

Em defesa do burro

O burro é um animal doméstico que foi muito maltratado e desconsiderado ao longo dos séculos. Na verdade, a sua extrema paciência, o excelente temperamento, a perseverança no trabalho e a resignação nas longas fadigas, deveriam fazer dele um animal heróico e de elevadíssima consideração.

O burro é um animal digno da nossa admiração

Mandar bugiar

«Vai bugiar» é uma expressão entendida como um insulto ou uma manifestação de desprezo para quem nos faz má companhia ou que nos está impacientando. Mas esse significado nada tem a ver com o início do seu uso.

Foi na Lisboa antiga que surgiu o termo «mandar bugiar»

Os divertimentos dos antigos

No tempo antigo havia muitos e variados modos de diversão, persistindo alguns ao longo dos séculos. Nos dias de hoje há ainda brincadeiras comuns que tiveram origem em tempos muitos remotos.

Para os antigos jogar era, como ainda é, uma forma de passar o tempo

Os maus poetas

A poesia é uma arte, todos os sabem e reconhecem, mas a verdade é que fervilham por aí pessoas que pensam que ser poeta é escrever umas larachas, se possível com rima e com um certo tom de sentimentalismo ou de jocosidade.

A arte poética pressupõe talento

O que simbolizam as flores

É comummente aceite que as flores simbolizam beleza, pureza, amor, harmonia e perfeição, mas há-as com significados mais pesarosos. Essa simbologia das flores varia muito consoante os tempos e as culturas.

O jasmim simboliza a paixão

Um banquete só com batatas

Não foi fácil introduzir a cultura da batata na Europa. O tubérculo foi trazido da América e só com o tempo entrou na ementa alimentar dos europeus e passou a ser abundantemente cultivado. Um banquete organizado pelo nutricionista Parmentier contribuiu para a afirmação desse novo alimento.

Parmentier contribuiu para a afirmação da batata como alimento

Imperadores

Foi na Roma antiga que teve origem e se generalizou o nome Imperador. Primeiramente Imperador era o general vitorioso no campo de batalha, mas depois passou a designar aquele que detinha o poder sobre o mundo dominado pelos exércitos romanos.

Júlio César foi chamado imperador pelo povo romano

Sinos e campainhas

O uso de sinos e campainhas advém da antiguidade e foram desde aí aplicados em funções diversas, quer de índole religiosa quer profana.

Sinos de igreja

Cura para os soluços

São imensas as terapêuticas populares para quem sofre de soluços. O incómodo pode ser resolvido bebendo pequenos goles de água, sustendo a respiração, ou até com um susto.

Uma crise de soluços pode manter-se por muito tempo

A dança

Há quem defenda que a palavra dança deriva de Dan, nome de uma tribo de Israel. Essa tribo, quando o seu povo começou a venerar a idolatria (o bezerro de ouro), distinguiu-se pela exuberância dos chamados dançantes, ou seja, dos que com maior ardor se entregavam a essa crença.

A prática da dança é cultivada por diferentes povos em todo o mundo

Bibliotecas

Crê-se que Osimandia, rei do Egipto, foi o primeiro monarca que reuniu um grande número de livros, formando a Biblioteca de Tebas, sobre cuja porta estava a inscrição: «Medicina da alma».

A biblioteca de Alexandria foi a mais famosa de todas

O segundo jornalista português

Conta-se que em certa ocasião o africanista Serpa Pinto, recebeu em sua casa o famoso explorador Henry Morton Stanley, a quem ofereceu um lauto jantar. Entre os convidados estava Pinheiro Chagas, estimado jornalista e homem de letras.

Pinheiro Chagas

O ridículo das superstições

Há superstições para todos os gostos e muita gente acredita piamente em algumas delas. Porém, bem vistas as coisas, a grande maioria das superstições que nos afligem são realmente caricatas.

Encontrar um gato preto é sinal de azar

Os pés de Cristo pregados na cruz

Há quem duvide que os pés de Jesus Cristo tenham sido pregados à cruz de madeira em que morreu no cimo do Monte Gólgota. É que não há qualquer prova nas Escrituras desse facto.

Foram de facto os pés de Cristo pregados?

As ideias de Benjamim Franklin

Há quem chame a Benjamim Franklin, que foi um dos primeiros estatistas americanos, o Leonardo de Vinci dos Estados Unidos. É de facto impressionante a lista das suas espantosas actividades e invenções.

Benjamim Franklin

Nero e o incêndio de Roma

Uma das lendas mais conhecidas sobre o Império Romano é a que dá o imperador Nero como incendiário de Roma para satisfazer os seus desejos de erguer uma nova e resplandecente cidade, culpando porém os cristãos do sinistro que se abateu sobre a capital do império. Mas terá sido mesmo Nero o autor do incêndio?

Nero tocava lira enquanto Roma ardia

Regulamento das criadas

O filólogo e pedagogo Agostinho de Campos (1870-1944), reflectiu e escreveu sobre a educação das crianças, expondo as responsabilidades dos pais e das criadas domésticas. Para estas elaborou mesmo um curioso regulamento que salvaguardava o seu importante papel na educação dos filhos dos patrões.

A criada tem que cumprir regras ao lidar com os filhos dos patrões

Açúcar barato

O centenário jornal «A Guarda» conteve em várias edições do ano de 1915 um anúncio curioso, pelo qual, em tempos de muita escassez, se anunciava um tipo de açúcar muito barato resultante de uma descoberta sensacional.

Um anúncio publicado no jornal A Guarda

Os doces conventuais

Os doces conventuais estão na moda. Multiplicaram-se aliás os pastéis cujas receitas originais se diz terem provindo dos segredos guardados durante séculos em mosteiros e conventos de todo o país.

Doces conventuais

Aparecimento do teatro e sua evolução

O teatro teve a sua origem na Grécia Antiga. As primeiras construções destinadas à representação eram muito primitivas, comparadas com a solidez e a opulência que seriam mais tarde conhecidas.

Teatro grego

Cavalos de rabo curto e de rabo comprido

Em tempos idos, as diligências e as malapostas puxadas por cavalos eram o único meio de transporte regular entre as principais cidades.

A malaposta

Na audiência

Apresentamos alguns diálogos singulares ocorridos em audiências judiciais, mormente entre o juiz e os arguidos apresentados a julgamento.

Audiência judicial

A cobaia

Um grupo de convivas, de alta condição social, juntou-se no solar de um deles para esfandegarem um pantagruélico cabrito no forno.

Cabrito assado no forno

Sempre às ordens

Certa noite, num café de Paris, no tempo em que a Cidade-Luz foi ocupada pelas tropas hitlerianas, estavam reunidos vários oficias da Wehrmacht.

Alemães em Paris

As severas leis de Ricardo Coração de Leão

Quando, em 1189, Ricardo Coração de Leão embarcou, para se dirigir de Inglaterra para a Terra Santa, decretou uma severíssima lei penal, tendo em vista garantir a boa ordem dos que integravam a cruzada.

Ricardo Coração de Leão

A sublimidade do topo da Serra da Estrela

Chamaram-lhe «Torre do Cruzeiro do Império» e «Altar Mor da Pátria». Disseram mesmo que marcava o ponto «onde a Terra acaba e o Céu começa».

O Cruzeiro (ou Cruz Processional de D. Sancho I) foi inaugurado em 1940

A mulher que quis ser médica

A medicina era uma ciência exercida unicamente por homens. Em Atenas, na antiguidade, havia até uma lei que proibia, debaixo de severíssimas penas, o desempenho da medicina por mulheres. Mas houve uma ateniense que desafiou essa lei.

Aguardice conseguiu ser médica