Category Archives: A Minha Aldeia

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Estórias do diabo…

Sinto cá dentro uma satisfação indescritível de cada vez que me ponho a rememorar as historietas da minha meninice. Hoje foi outra vez um desses dias. Divirta-se, como eu me divirto, por favor!.

A bonita torre sineira do Casteleiro

A bonita torre sineira do Casteleiro

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Mezinhas para doenças

Há para aí uns 60 anitos, quando nós, os miúdos, tínhamos sarampo ou outra mazela qualquer, como é que os mais velhos e sobretudos as mães faziam para nos ajudarem? Leia e saiba mais umas coisas do antigamente….

Ervas medicinais são partes de plantas extraídas ou preparadas para benefícios da saúde

Ervas medicinais são partes de plantas extraídas ou preparadas para benefícios da saúde

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Linguajar antigo com piada

Sempre me deliciou a maneira como os nossos mais velhos falam e falavam. Quanto mais entrava pelos estudos que fiz, mais percebia o que estava em cima da mesa quando alguém chegava e dizia: «A marrana anda barronda».

Gatcho – cacho de uvas

Gatcho – cacho de uvas

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Profissões há 60 e tal anos

Há dias, por indução, referi esta peça escrita há 10 anos. Chegou a altura de a repor para si. A questão é: o que se passava antes de eu ter um mínimo de memória das coisas não sei. Mas como funcionava a nossa terra em termos de profissões quando eu tinha os meus 6 a 10 anos?

Igreja do Casteleiro - Capeia Arraiana

Igreja do Casteleiro

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Há 60 e tal anos…

Há 65 anos, como era o dia-a-dia de um miúdo de 8 anos na minha aldeia… Ali por meados dos anos 50 do século XX (digamos, em 1956/57), como era a nossa vida no Casteleiro? O que fazíamos? Como nos divertíamos? Como era a escola? Brincávamos a quê?

Na escola era quase assim...

Na escola era quase assim…

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – A minha aldeia hoje na Net

Hoje vou transferir da Net para esta página algumas informações que podemos encontrar na Net. Conforta saber que a Net não passa ao lado da aldeia, digamos… Deu-me algum gozo fazer estas visitas neste sábado. Siga-me, por favor.

Brasão da Freguesia do Casteleiro no concelho do Sabugal

Brasão da Freguesia do Casteleiro no concelho do Sabugal

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Carrola e Valverdinho

Hoje vamos recordar uma viagenzinha estrada fora: Casteleiro – Carrola – Santo Amaro – Valverdinho. Deixei aqui notas dessa viagem há três anos e muita gente me fala de vez em quando na Carrola e em Valverdinho. Vamos lá então…

Terrenos agrícolas são a paisagem natural da minha terra, o Casteleiro

Terrenos agrícolas são a paisagem natural da minha terra, o Casteleiro

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – A Senhora da Quinta

Não confundir com a Quinta da Senhora, que foi o última tema… Nas últimas semanas referimos as anexas e as quintas da aldeia. Depois, mais recentemente, começámos a falar de alguns dos magnatas mesmo que figuras populares. Foi o caso do Morgado de Santo Amaro, o Doutor de Santo Amaro. Chegou a vez: vamos agora referir a Quinta das Mimosas, a Vila Mimosa, ou melhor: os seus donos…

A Senhora da Quinta

A Senhora da Quinta

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – O Morgado de Santo Amaro

Falámos aqui, há umas semanitas, da Quinta de Santo Amaro. Faltou centrar-me no facto de o dono da Quinta ser nessa altura o Morgado e explicar um pouco da sua história. Chegou a hora de repetir algumas dessas notas…

Brasão do Morgado de Santo Amaro

Brasão do Morgado de Santo Amaro

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Construção da igreja

Há uns bons oito a dez anitos, escrevi no blogue da minha terra umas linhas sobre o local de construção da igreja da aldeia. E aqui mesmo, já falei deste assunto há uns cinco anos. Sabe que esta igreja podia ter sido construída noutro local? E sabe por que razão foi construída onde está? Vamos lá averiguar isso tudo, OK?

Campanário da igreja do Casteleiro ao por-do-sol - Capeia Arraiana

Campanário da igreja do Casteleiro ao pôr-do-sol

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – A Quinta da Senhora

Recordo que as quintas anexas do Casteleiro eram: Gralhais, a Vila Mimosa (esta que hoje rememoro), o Anascer, a Carrola, e Santo Amaro.

Vila Mimosa no Casteleiro

Vila Mimosa no Casteleiro

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Quinta de Santo Amaro

Tal como disse antes, são várias as quintas que compõem a Freguesia do Casteleiro. Esta de hoje – Quinta de Santo Amaro – julgo que seria na altura da minha infância a mais importante.

Quinta de Santo Amaro no Casteleiro - Capeia Arraiana

Quinta de Santo Amaro no Casteleiro

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – A Quinta de Valverdinho

As maiores quintas do Casteleiro são: Santo Amaro, Anascer, Carrola, Gralhais e Valverdinho. Na semana passada falei de Gralhais – e muita gente gostou de ler, pelo que sei. Vou então falar das outras quintas. Hoje falaremos de Valverdinho.

Quinta de Valverdinho no Google - Capeia Arraiana

Quinta de Valverdinho no Google

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Quinta de Gralhais: saudades!

Recordo o que escrevi há uns anos e que publiquei quatro anos atrás sobre a Quinta de Gralhais. Não os acessos de hoje nem o casario que agora lá encontramos, mas sim a Quinta de Gralhais do Ti António Joaquim… Que saudades!!!!

Quinta de Gralhais no Casteleiro - Capeia Arraiana

Quinta de Gralhais no Casteleiro

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

Casteleiro – Clima mesmo ameno

Tenho para mim uma pequena teoria que me parece consensual. O clima da minha aldeia é muito mais ameno do que o das outras terras do nosso Concelho. De vez em quando, faço umas comparações que me confirmam a teoriazita…

Com o Casteleiro lá bem ao fundo... - Capeia Arraiana

Com o Casteleiro lá bem ao fundo…

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – A Festa da Caça vem aí

A Festa da Caça vai realizar-se na minha aldeia a 18 e 19 deste mês. Reproduzo hoje o cartaz e a referência a algumas das iniciativas. Tudo retirado da fonte exclusiva que conheço: «Viver Casteleiro».

Festa da Caça no Casteleiro – 18 e 19 de Maio

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – A estória do Barroco Riscado

O Barroco Riscado é uma pequena formação rochosa que se pode encontrar ali logo a seguir ao Marneto. Contei-a há oito anos no «Viver Casteleiro» e depois também a trouxe para o «Capeia». É mais uma história de encantar.

Barroco Riscado no Casteleiro - Capeia Arraiana

Barroco Riscado no Casteleiro

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Homenagem a JM Correia

Publico aqui hoje para si alguns comentários a extractos (que reproduzo) do capítulo dedicado ao Casteleiro no Livro «Terras de Riba-Côa – Memórias sobre o Concelho do Sabugal», de Joaquim Manuel Correia. Estes mesmos comentários já foram antes publicados em diversos suportes, incluindo o «Capeia». O livro referido foi editado em Lisboa, em 1946. Trata-se de uma edição póstuma. Julgo que pode ter sido escrito em 1904-1905. O autor nasceu em 1858 e morreu em 1945.

Memórias Sobre o Concelho do Sabugal - Joaquim Manuel Correia - Capeia Arraiana

Memórias Sobre o Concelho do Sabugal – Joaquim Manuel Correia

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – A construção da torre da igreja

Repito hoje para si esta nota histórica maravilhosa: conto a maneira como de um pequeno e rudimentar campanário a aldeia passou em certo momento a dispor de uma das mais belas e mais fantásticas torres de igreja.

Aldeia do Casteleiro - Capeia Arraiana

Aldeia do Casteleiro

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Medidas antigas para sólidos e líquidos

Hoje trago em repetição algo que me fascina mesmo: que termos eram usados na medida de sólidos, de líquidos… e até da moeda – naqueles tempos heróicos da minha meninice? Espero que valha a pena recordar isto tudo… É um pouco longo, mas «necessidade obriga»: temos de ter a paciência de ler tudo, está bem?

Balança Decimal - Capeia Arraiana

Balança Decimal (Foto: D.R.)

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – As profissões na aldeia antiga

Em blogues que editei e neste mesmo nosso «Jornal», não me farto de referir as condições de vida e o modo de vida dos meus conterrâneos em tempos bem difíceis. E mesmo assim, na aldeia havia «artistas» e profissões de várias espécies – havia quase tudo o que era preciso para a aldeia funcionar. É sobre isso que hoje pode ler aqui algumas informações interessantes, acho eu…

Batata, melancia, feijão... - Capeia Arraiana

Batata, melancia, feijão…

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Os anos das mudanças importantes

Há anos que venho defendendo, quer neste «jornal» quer noutros locais de promoção, o seguinte: entre 1950 e 1970 as tecnologias chegadas ao Casteleiro ajudaram a mitigar a vida dura da nossa terra – como de outras, claro. Leia, por favor, e veja do que falo…

Telefonia dos anos 60 - Capeia Arraiana

Telefonia dos anos 60

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Os Italianos e a «Congra»

Hoje, trago-lhe a memória dos «Italianos» e a lembrança de dois «impostos» da Igreja sobre os seus fiéis: a «congra» e «avença». Por outro lado, a memória de um edifício do Casteleiro muito famoso na altura…

Aqui, eram os Italianos (depois, o café) - Capeia Arraiana

Aqui, eram os Italianos… Depois, o café

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Mesmo ali ao pé da Serra d’Opa

Quando era pequeno, a Serra d’Opa era um fetiche. Quem não foi à Serra d’Opa, lá acima, bem lá ao pé do talefe nem é dali nem é nada… Hoje, volto a lembrar algumas lendas que nos contavam nesse tempo…

Quem nunca subiu ao talefe não sabe o que perdeu! - Capeia Arraiana

Quem nunca subiu ao talefe não sabe o que perdeu!

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – «Voz do Povo… Voz de Deus»

Esta semana deu-me para aqui. Vou tentar organizar algumas verdades gerais sempre enunciadas pela voz do Povo para mostrar que mesmo sem Escola, sem Liceu, sem Universidade, as pessoas sempre tiveram regras e modelos de vida para seguirem. E concluo mesmo que se trata de verdadeiros manuais da arte de bem viver. Leia e conclua por si…

Mas quem é que dantes não sabia tratar da sua agricultura? - Capeia Arraiana

Mas quem é que dantes não sabia tratar da sua agricultura?

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – O vale da Serra da Vila

Trago hoje em repetição para quem tenha interesse umas notas sobre outros locais muito encantadores da minha aldeia – agora para o outro lado: para a Serra da Vila de Sortelha. Até lhe trago a lenda do Barroco Riscado. Leia que vai ler e chorar por mais…

Vista geral - Vale da Serra da Vila - Capeia Arraiana

Vista geral – Vale da Serra da Vila (de Sortelha)

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Terra de encanto, sempre!

Acho que a minha aldeia é a mais bonita do mundo. É só olhar para isto: a aldeia, a Serra, a igreja, as casas… tudo. Depois, mostro-lhe outros pontos de encanto na terra. Leia que vai gostar…

Aldeia do Casteleiro no concelho do Sabugal (Fotos: Viver Casteleiro) - Capeia Arraiana

Aldeia do Casteleiro no concelho do Sabugal (Foto: Viver Casteleiro)

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – O sino da minha aldeia

Fernando Pessoa escreveu este poema que hoje lhe trago e que sempre me pareceu ter sido escrito mesmo no Casteleiro! Deu-lhe um título mesmo nosso, do Casteleiro: «Ó sino da minha aldeia»… Mas, atenção: este sino da foto já era… Leia tudo e saberá do que falo… OK?

O Sino da Minha Aldeia - Foto: António Marques, 1980  - Capeia Arraiana

O Sino da Minha Aldeia (Foto: António Marques, 1980)

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Ruas e largos que falam connosco

Cada terra será assm também. Mas o que se passa com as ruas da minha aldeia que todas elas falam comigo e me contam histórias de há 60 anos? Vou repetir algo que sempre me surpreendeu: as ruas e os largos desta terra falam. É que falam mesmo… Pelo menos comigo…

Rua principal do Casteleiro - Capeia Arraiana

Aqui nasci. A Estrada fala muito comigo, claro…

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – A Serra d’Opa

Já contei nestas crónicas a lenda das três mouras encantadas que à noite estendem seus alvos lençóis no alto da Serra d’Opa. Mas são tantas as histórias que se contam que vale a pena rememorar algumas delas…

Serra D'Opa - Casteleiro - Capeia Arraiana

Serra D’Opa no Casteleiro

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Brasão do Morgado de Santo Amaro

Como prometi na semana passada, hoje dedico esta crónica ao outro brasão da aldeia: o de Santo Amaro. Era um morgadio e dele e do seu titular, o Doutor Tavares de Mello, trago aqui várias opiniões que corroboram o que sempre ouvi dizer do grande proprietário: ele foi sem dúvida um «bon vivant».

Brasão em Santo Amaro - Casteleiro - Capeia Arraiana

Brasão em Santo Amaro no Casteleiro

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Uma aldeia, dois brasões

Uma aldeia com dois solares brasonados… é qualquer coisa a não deixar passar em claro, certo? É mesmo desse tema que hoje me ocupo de novo. Gosto de chamar à colação este tipo de assuntos para recapitular a nossa História Local dos últimos 300 a 400 anos…

Brasão em Santo Amaro - Capeia Arraiana

Brasão em Santo Amaro

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Comparar a Serra da Pena ao Centum Cellae

Há cinco anos, defendi aqui uma teoria que cada vez mais me convence. Com base em algumas comparações e duas ou três consultas históricas na Internet, concluía eu nessa altura que a arquitectura da Serra d’Opa, do séc. XX, teria sido inspirada na arquitectura do monumento Centum Cellae a alguns quilómetros em Gonçalo, Belmonte. Volto agora ao tema por outro caminho…

Hotel da Serra da Pena e o Monumento Nacional Centum Cellae - Capeia Arraiana

Hotel da Serra da Pena e o Monumento Nacional Centum Cellae (Fotos: D.R.)

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Diferente mas igual com o seu encanto

O território do actual Concelho do Sabugal é muito diversificado. De aldeia para aldeia, de anexa para anexa, para lá e para cá do Côa, semelhanças e diferenças… Somos tão iguais e tão diferentes! Ou melhor: tão diferentes mas tão iguais!

Pôr-do-Sol no Casteleiro - Capeia Arraiana

Pôr-do-Sol no Casteleiro

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Berço industrial de tecidos?

Em 2012, publiquei no «Capeia» uma crónica sobre esta temática apaixonante: aí defendi uma tese e regresso ao tema mais uma vez. Essa tese é a seguinte: a minha aldeia pode ter sido berço de indústrias ligadas aos tecidos – mas tudo terá acabado em nada por razões de comércio internacional. Se assim não fosse, hoje seríamos uma grande cidade industrializada – quem sabe…

Assim eram os campos de linho - Capeia Arraiana

Assim eram os campos de linho

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Antiga indústria dos tecidos

Há seis anos, publiquei aqui uma linhas exactamente sobre estes assuntos: fiação, tecelagem e tinturaria. Hoje, recordando tudo isso com saudade a propósito do Tinte… por onde se passava para ir para Cantargalo… senti necessidade de voltar aos mesmos temas – e desafiar o leitor a saber se na sua terra também havia estas «indústrias» antigas…

Tear de linho - Capeia Arraiana

Tear de linho

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Assuntos de outros tempos

Dois temas bem antigos: um mais que o outro. Primeiro: a distribuição de correio na minha aldeia; segundo: o cultivo, tratamento e utilização do linho. Como já referi há meia dúzia de anos, estes assuntos interessam só a título de curiosidades históricas. Mas interessam, claro. Sobretudo a quem gosta da terra onde nasceu.

Marco de Correio - Capeia Arraiana

Marco de Correio

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Filosofias populares

Depois da justa homenagem à nossa Lucindinha, chegou a altura de me virar novamente para as vivências populares e outros temas. Mesmo que em repetição é apenas um sublinhado, como quem dissesse: «Olhem que isto é importante.»

Festa no largo do Casteleiro - Capeia Arraiana

Festa no largo do Casteleiro

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Mudámos de concelho há 163 anos

Hoje, reponho uma nota histórica que não me canso de repetir. A minha aldeia, Casteleiro, até 1855 (Reforma Administrativa de Mouzinho da Silveira), pertencia ao concelho de Sortelha, distrito de Castelo Branco.

Casteleiro no Mapa da Cova da Beira - Capeia Arraiana

Casteleiro no Mapa da Cova da Beira

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Casteleiro – Homenagem justa a Lucinda Pires (6)

Faz na próxima quarta-feira, 17 de Outubro, 11 anos que morreu a nossa conterrânea Lucinda Pires. Foi Professora, foi Autarca, foi Amiga. A todos faz falta. Quis assinalar os 11 anos do seu desaparecimento: fiz estas singelas seis crónicas de homenagem modesta, mas sentida.

Maria Lucinda Gouveia Pires - Capeia Arraiana

Maria Lucinda Gouveia Pires