Category Archives: À fala com…

José Carlos Lages - Capeia Arraiana - Orelha

À fala com… François Baltazar

As eleições autárquicas do dia 1 de Outubro de 2017 no concelho do Sabugal tiveram resultados, mais ou menos, previsíveis. Mas na eleição para a Junta da União de Freguesias do Sabugal e Aldeia de Santo António fez-se história. O Partido Socialista no poder desde o 25 de Abril de 1974 perdeu as eleições no confronto com uma lista independente encabeçada por François Baltazar. Com apenas 41 anos de idade já conta no seu curriculum três mandatos à frente da Junta de Freguesia de Alfaiates de onde são naturais os pais. A viver há 16 anos na Colónia Agrícola de Martim-Rei entendeu aceitar o desafio que lhe foi lançado por alguns amigos e… venceu sem margem para dúvidas. É o novo «alcalde da cidade do Sabugal».

François Baltazar - Presidente da Junta da União de Freguesias do Sabugal e Aldeia de Santo António - Capeia Arraiana

François Baltazar – Presidente da Junta da União de Freguesias do Sabugal e Aldeia de Santo António

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com Orlindo Pereira

Estivemos à conversa com o tenente-coronel Orlindo Pereira, de 66 anos, natural das Quintas de São Bartolomeu, concelho do Sabugal. Agora na reserva, começou a carreira militar como oficial miliciano, combatendo em África. Visitámo-lo em casa, na Chamusca, onde falámos da sua participação na Revolução de 25 de Abril de 1974, altura em que fazia serviço no quartel da Guarda e foi destacado para Vilar Formoso para encerrar a fronteira, prender os elementos da Pide e assegurar a ordem.

Tenente-coronel Orlindo Pereira

Tenente-coronel Orlindo Pereira

Autárquicas 2013 - Sabugal - © Capeia Arraiana

À fala com… João Duarte

Estivemos à conversa com João Duarte, o candidato da Coligação Democrática Unitária (CDU) à Câmara Municipal do Sabugal. O professor, de 53 anos, natural do Soito e deputado na Assembleia Municipal, aposta numa «gestão participada», chamando as pessoas a tomar parte na gestão do Município. Critica o estado do concelho, deitando culpas aos partidos que governaram o País e a Câmara, não esquecendo o PS, um partido que «é aliado do PSD e do CDS em todas as medidas gravosas tomadas contra o povo». Quanto ao significado destas Autárquicas João Duarte não tem dúvidas: elas são a oportunidade para dar o «cartão vermelho» ao Governo, antevendo que «PSD e CDS sofrerão uma derrota monumental».

João Duarte - candidato da CDU à CM Sabugal

João Duarte – candidato da CDU à CM Sabugal

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

Alcínio Vicente – o pintor que voltou às origens

À Fala Com… Alcínio Vicente – Estivemos à conversa com Alcínio Vicente, natural de Aldeia do Bispo, concelho do Sabugal, que recentemente decidiu regressar à sua terra natal, onde instalou o seu atelier de pintura. É licenciado em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa e cursou Direito na Universidade de Lisboa. Enquanto pintor participu em inúmeras exposições individuais e colectivas e tem quadros nas Câmaras Municipais do Sabugal, Sintra e Guarda, no Sindicato dos Bancários, no Museu Soares Branco e em colecções particulares em Portugal, Espanha e França. De falar calmo e ponderado, estrutura o seu raciocínio sem deixar pontas soltas, discorrendo sobre arte e estética, não esquecendo a sua forte ligação às terras da raia sabugalense.

Um dos «Encerros» pintados por Alcínio

Um dos «Encerros» pintados por Alcínio

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

António José Vaz – o candidato do PS ao Sabugal

À Fala Com… António José Vaz – O Capeia Arraiana abre a campanha eleitoral das Autárquicas 2013 no Sabugal com uma grande entrevista ao candidato socialista, António José Vaz, economista, director do Departamento Administrativo e Financeiro da Câmara Municipal de Tábua e ex-presidente da comissão de fiscalização da distrital de Coimbra do Partido Socialista.

À Fala Com... António José Vaz - Candidato PS Câmara Sabugal - © Capeia Arraiana

À Fala Com… António José Vaz – Candidato do Partido Socialista à Câmara do Sabugal (Autárquicas 2013)

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

Joaquim Sapinho – o realizador raiano

À Fala Com… Joaquim Sapinho – «Deste lado da ressurreição» é o mais recente filme do realizador sabugalense Joaquim Sapinho. A longa-metragem produzida pela Rosa Filmes teve estreia mundial no Festival de Cinema de Toronto e «pede-nos» uma análise à nossa interioridade enquanto encarnamos um surfista místico que leva o seu corpo aos limites entre a Praia do Guincho, em Cascais, e o convento dos Capuchos, em Sintra. Na entrevista ao Capeia Arraiana o sabugalense Joaquim Sapinho surpreende-nos ao longo de uma conversa intimista que quase nos «obriga» a ser espectadores do filme da sua vida enquanto montamos os frames da nossa própria infância. Perturbador.

À fala com… José Manuel Duarte (Fininho)

Os encerros e as capeias arraianas na Raia sabugalense têm um novo protagonista. Chama-se José Manuel Monteiro Duarte mas todos o conhecem por «Fininho». O ganadero tem apresentado nos dois últimos anos excelentes curros com destaque para a recente Capeia de Aldeia do Bispo onde houve um reconhecimento unânime da qualidade dos toiros em praça. «No dia em que acabarem os encerros e as capeias a Raia perde a sua identidade», diz-nos quem sabe do que fala numa conversa descontraída onde confessou que agora o grande objectivo é fazer uma corrida no Campo Pequeno, em Lisboa.

Ganaderos José Manuel Duarte «Fininho» e Joaquina - Sabugal

José Manuel Monteiro Duarte, o «Fininho» como é conhecido na Raia sabugalense, nasceu há 41 anos na freguesia de Famalicão da Serra, concelho da Guarda.
«Comecei sozinho em 1994», lembra o ganadero no início da nossa conversa no Café do César, na Ruvina, onde chegou à hora marcada acompanhado da mulher Joaquina. A entrevista esteve inicialmente marcada para a quinta onde tem os toiros mas um calendário muito preenchido no mês de Agosto deixou essa visita para futura oportunidade. O terreno com muitos carvalhos vai desde o caminho agrícola da descida da Laje da Guarda até ao rio Côa contornando o cabeço da Senhora das Preces, local de romaria dos ruvinenses.
Voltando às memórias dos primeiros tempos diz-nos que aprendeu muito com o ganadero Manuel Rui, para quem trabalhou e a quem namorou uma filha. «Era o maior das touradas», diz com admiração.
– Qual foi a primeira capeia que realizou na Raia sabugalense?
– A primeira corrida, uma garraiada, com toiros meus teve lugar a 10 de Junho de 1994 numa praça desmontável em Famalicão da Serra. Fui comprar os animais ao Ribatejo e no primeiro ano e meio fiz 19 corridas. A minha primeira corrida na Raia foi em Aldeia do Bispo na tradição capeia do Carnaval. Nesse tempo ainda tinha os toiros a pastar em Famalicão mas tomei a melhor decisão da minha vida. Optei por vir sozinho para a terra dos toiros. Aqui é que é o Mundo das touradas e dos cavalos. Nesse tempo, no tempo do Emiliano e do Paco, os encerros tinham muito peso. Curiosamente, de há dez anos para cá, voltaram a ter muita participação e fui obrigado a comprar cabrestos. Os encerros trazem muita gente. No dia em que acabarem os encerros e as capeias a Raia perde a sua identidade.
– Considera-se um ganadero?
– Em vinte anos já realizei mais de 400 corridas em concelhos como o Sabugal, Guarda, Almeida, Bragança, Águeda, Aveira, Penamacor ou Castelo Branco. Fiz um enorme investimento nestes dois últimos anos para mudar a forma de trabalhar melhorando os pastos, a alimentação e o transporte dos toiros separados em gaiolas. Considero que tenho todas as condições para ser reconhecido como ganadero e tenho ganas de triunfar. Além disso faltava-me um braço direito que encontrei na minha mulher Joaquina com a qual faço uma equipa. Foi como encontrar uma agulha no palheiro. A Joaquim passou de guardadora de ovelhas para tratadora de toiros. Foi uma mudança radical mas que está a valer a pena. Tem evoluído muito rapidamente e de forma surpreendente na maneira de ver e perceber o que é bom para o forcão. Já vai a pé fechar os toiros e as vacas de quatro e cinco anos.
– Como aconteceu aquela colhida no encerro de Nave de Haver?
– Já apanhei cornadas valentes há cerca de 15 anos com um toiro em pontas. Já este ano, em Nave de Haver, levei umas cambalhotas valentes no encerro a cavalo. Acontece. Normalmente ando no meio dos toiros sem problemas. Eles têm muita sensibilidade e percebem se estamos com medo ou não mas temos de mostrar que quem manda somos nós. São animais que aprendem depressa e que sabem quem os traba bem. Há momentos em que me deito na majedouro onde comem mas também já tive de subir a correr para os carvalhos mais perto.
– Como se escolhe um toiro para o forcão?
– Para bater bem ao forcão o toiro tem de ser macio e meigo. Os que levei à Capeia de Aldeia do Bispo, na semana passada, eram todos perfeitos. Tenho as corridas separadas em cada parque porque não convém juntar animais de ganaderias diferentes. Cada toiro faz uma corrida ao forcão e depois vai para o matadouro. Prefiro o gado português e já estou a trabalhar com várias ganaderias para preparar as corridas do próximo ano. Para criação própria tenho vacas de ventre a parir desde há cerca de três anos.
– Há cuidados especiais para preparar uma corrida como o Festival «Ó Forcão Rapazes»?
– Foi a Joaquina que escolheu a ganaderia Ortigão Costa mas tivemos em conta o orçamento. Os nove toiros (mais um sobrero de reserva) para o Festival «Ó Forcão Rapazes» têm apresentação, idade, peso, terapio e qualidade para não falharem. A «Ortigão Costa» é uma ganaderia de muita tradição que manda toiros para o Campo Pequeno, para Espanha e para França. A responsabilidade e o número de corridas e encerros obrigou-me a aumentar a equipa com alguns amigos que me acompanham. No entanto ainda não dá para viver exclusivamente das corridas. Os alimentos estão muito caros e, por isso, fora da época alta trato dos animais e dedico-me à venda de lenha.
– A temporada de 2012 está a correr de feição…
– Está a correr muito bem. Um passo importante que dei para chegar aqui foi um encerro nos Fóios há três anos em que me deram muito valor porque já há mais de 40 anos que não encerravam o gado todo. Esta temporada destaco os encerros e capeias de Aldeia do Bispo, Rebolosa, Fóios e, claro, o Festival da praça do Soito. Outros momentos importantes foram o encerro de Nave de Haver e a corrida em Vale da Mula que está a ganhar muito peso na região. Em Vila Boa animaram-se e voltaram a fazer uma corrida após mais de 20 anos muito por culpa dos meus amigos Manuel António, do filho e do Manuel «Forneiro» que também me andam a ajudar. (Enquanto conversávamos ficou apalavrada com o mordomo Carlos Pina Solito a garraiada da Bismula para o dia 22 de Agosto).
A Joaquina foi uma espectadora atenta de toda a conversa e apenas interveio para destacar as qualidades do nosso entrevistado. «O Zé Manel nasceu para ser ganadero. Está-lhe no sangue. Às vezes para embolar um toiro senta-se em cima dele com um àvontade como se estivesse a lidar com gado manso.»
A terminar o «Fininho» confessou um desejo: «Agora tenho como grande objectivo fazer uma Capeia Arraiana na Catedral em Lisboa.»

Contactos: Telemóvel: 963 912 967. Facebook: Ganaderia José Manuel Duarte Fininho.

Os toiros do Festival Ó Forcão Rapazes podem ser vistos Aqui.

Camião do Ganadero José Manuel Duarte Fininho - Sabugal

O José Manuel Duarte surpreende por manter uma expressão quase inalterável ao longo da conversa. Transmite convicção, gosta de pormenorizar os factos e percebe-se que tem as ideias arrumadas.
jcl

À fala com a comandante da GNR do Sabugal

O Posto da GNR do Sabugal é agora comandado pela sargento Freitas. Estivemos à conversa com esta jovem militar, que pela primeira vez chefia um posto territorial. Os militares que integram o dispositivo da GNR do Sabugal, são também pela primeira vez comandados por uma mulher. As primeiras impressões sobre o Sabugal e a sua gente são muito positivas, no dizer da comandante que é natural do concelho de Aveiro e ostenta na lapela o símbolo dos pára-quedistas.

Comandante GNR Sabugal

– Podemos saber de onde é natural e qual o seu percurso profissional?
Sou natural do Concelho de Aveiro e o meu percurso profissional na GNR iniciou-se em 1998, com o Curso de Formação de Praças, no Grupo de Instrução de Aveiro e após a sua conclusão, estagiei no Posto Territorial da GNR de Ílhavo. Em Setembro de 2009 fui colocada no Regimento de Infantaria, na Companhia da Estrela, onde estive cerca de 3 anos. Em Outubro de 2002, fui colocada no Posto Territorial da GNR de Aveiro, em 2003 fui tirar o Curso de Investigador, tendo sido colocada na Secção de Investigação Criminal de Aveiro, onde estive a chefiar o Núcleo de Investigação e Apoio a Vitimas Especificas, até Outubro de 2009. Em Novembro de 2009, fui frequentar o Curso de Formação de Sargentos, durante dois anos, findo o qual regressei a Secção de Investigação Criminal de Aveiro, onde fiquei a aguardar nova colocação. A nova colocação foi no Comando Territorial da GNR da Guarda, nomeadamente no Posto Territorial da GNR do Sabugal.
– Quais as primeiras impressões com que ficou do Sabugal e do seu concelho?
– Na verdade, não conhecia o concelho do Sabugal, sendo este um concelho bastante grande e com uma cultura e história bem visível. Fiquei fascinada com toda a riqueza histórica que existe por todo o concelho e pelas pessoas que me têm recebido de forma tão acolhedora.
– Já foi recebida pelas entidades locais?
– Sim, já tive a oportunidade de conhecer algumas entidades locais, que me falaram um pouco do Sabugal e da sua gente.
– Como é comandar um Posto unicamente composto por homens, que pela primeira vez são aqui no Sabugal comandados por uma mulher?
– Para mim também é a primeira experiencia em comandar um Posto e está a ser muito gratificante. Fui muito bem recebida no Posto e estão todos empenhados em ajudar, pois tanto para mim como para eles é uma experiencia nova, mas que até à data tem sido positiva e assim irá continuar, tenho a certeza.
– O sabugal não tem grandes problemas a nível de ordem pública e de criminalidade, mas tem uma população idosa que por isso é muito vulnerável em termos de segurança, o que pensa dessa realidade que aqui veio encontrar?
– É sem duvida uma realidade que nos preocupa a todos enquanto cidadãos e a mim em especial como comandante de Posto, no entanto tanto eu como o Comando Territorial da Guarda Nacional Republicana da Guarda, estamos muito sensibilizados para essa realidade. Em todos os Comandos Territoriais da Guarda Nacional Republicana, existem equipas especializadas, que fazem acções de sensibilização junto da população mais vulnerável, nomeadamente idosos. No entanto, esta realidade, tem que ser uma preocupação de todos nós, assim como temos que ser responsáveis em tornar a vida dessas pessoas mais segura e cómoda possível. Chegou a nossa vez de fazer algo, por alguém que no passado, o fez por nós.
– Sabemos que já assistiu a uma Capeia Arraiana. O que pensa desta tradição popular tão viva no concelho do Sabugal?
– Quando cheguei ao Sabugal um dos temas de conversa eram as Capeias Arraianas. A verdade é que nem sabia o que era, no entanto decidi ir assistir a uma Capeia, e reparei que vinham emigrantes de propósito nesta altura do ano, só para assistirem a estes eventos. É uma tradição, notoriamente vivida intensamente pelas pessoas desta terra, altura que aproveitam para se reunir e conviver com os seus familiares.

O Capeia Arraiana espera que se dê muito bem por cá e aqui exerça com eficácia o comando que recentemente assumiu.
jcl

À fala com… a Confraria do Grogue

O Grogue é a aguardente tradicional de Cabo Verde, e o melhor grogue é o que é produzido a partir da cana sacarina dos regadios de Santo Antão, a ilha onde está sedeada a Confraria do Grogue, a «Congrog», a única que por enquanto existe no país. Estivemos na maior das ilhas cabo-verdianas do barlavento, onde, na cidade da Ponta do Sol, falámos com Alberto Carlos Lima, o fundador e confrade-presidente da Confraria do Grogue.

Há quanto tempo foi fundada a Confraria do Grogue?
– Foi há quatro anos, realizámos este ano de 2012 o nosso quarto capítulo, onde entronizámos alguns novos confrades. Passámos a contar com 104 confrades efectivos após este capítulo.
São a única confraria de Cabo Verde, por enquanto, mas sabemos que mantêm contactos regulares com confrarias portuguesas…
– Sim, nomeadamente com a federação das confrarias portuguesas, com a sua presidente, a Dra Madalena Carrito, que já esteve aqui em Santo Antão, num capítulo. Também já estivemos em Portugal em capítulos de confrarias e é nosso confrade de honra o Dr Jaime Soares, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares e Juiz da Confraria da Chanfana.
Têm outros confrades de honra?
– Sim, homenageámos já várias personalidades dando-lhes o título de confrades de honra, como por exemplo os presidentes de todas as câmaras da ilha de Santo Antão, que são quatro, e o ex-presidente da República de Cabo Verde, Pedro Pires, entre outros.
Ao que se fala, o grogue é um produto típico de Cabo Verde que é produzido em várias das suas ilhas. Qual a razão pela qual a confraria do Grogue foi fundada em Santo Antão?
– Porque o grogue produzido em Santo Antão é o mais genuíno de Cabo Verde. O verdadeiro grogue cabo-verdiano é aqui de Santo Antão.
O que é que o diferencia do grogue das restantes ilhas?
– Muita coisa. A forma de o fazer, a partir da cana do açúcar e segundo o método tradicional, e também o paladar e o aroma. Muito do grogue que se fabrica em Cabo Verde é feito a partir de açúcar e não da cana-de-açúcar como aqui se faz. Esta ilha produz cana-de-açúcar, que é de onde se extrai o grogue, e é preciso ter em conta que a maior parte das restantes ilhas nem sequer produzem cana – como é que podem produzir o grogue tradicional?
O grogue de Santo Antão está certificado?
– A Congrog está agora a tratar desse processo, que passa por diversas burocracias e por várias entidades.
Quais são as principais actividades da Congrog?
– Para além dos capítulos anuais, fazemos reuniões de convívio e jornadas em que se debate a forma como devemos defender o nosso produto. Muitos dos nossos associados são fabricantes de grogue e estão muito interessados em valorizar o produto.
plb

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com o vereador Joaquim Ricardo

Joaquim Ricardo, vereador independente da Câmara Municipal do Sabugal, eleito nas listas do MPT, é um homem satisfeito com o seu trabalho na autarquia. Não está arrependido de ter abandonado as funções de vereador em permanência e é contra a extinção de freguesias. Explica-nos porque viabilizou o orçamento municipal de 2012, manifesta uma enorme preocupação com a situação financeira do município e está vigilante quanto ao negócio das residências assistidas em Malcata. Sobre o presidente da Câmara Municipal, o vereador de Aldeia de Santo António diz que António Robalo navega sem rumo: falta-lhe «definir o que pretende para o concelho e o caminho que pretende trilhar para lá chegar». Quanto à possibilidade de um entendimento com os socialistas para as eleições autárquicas do próximo ano, responde com um enigmático: «O futuro a Deus pertence.»

À fala com… Manuel Meirinho

Estivemos à conversa com Manuel Meirinho, o cabeça de lista do PSD pelo círculo da Guarda para as eleições legislativas de 5 de Junho. Manuel Meirinho, 47 anos, casado e pai de duas filhas, é natural do Soito. Filho de agricultores, com mais 10 irmãos, cedo soube o que era trabalhar. Estudou na escola do Soito, no Seminário do Fundão, no Externato Secundário do Sabugal e no Liceu de Torres Vedras. Licenciou-se em Comunicação Social, no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP-UTL), onde optou por seguir a carreira académica. Obteve o grau de Mestre em Ciência Política e doutorou-se em Ciências Sociais. Leccionou também na Universidade Aberta, Academia da Força Aérea, ISCTE, Instituto Superior de Serviço Social, Universidade Lusófona, Universidade Lusíada. É, desde 2009, vice-presidente do ISCSP.

– Sendo independente, o que o levou a aceitar ser candidato a deputado pelo PSD?
– Basicamente houve duas razões. A primeira foi aceitar o desafio de um partido que decidiu abrir-se à sociedade e arriscar incluir nas listas pessoas que não estão filiadas e que está disposto a regenerar-se por essa via, sendo este um sinal que merece ser apoiado. Os cidadãos quando são desafiados nesse sentido pelos partidos devem aceitar, sobretudo quando se trata de cidadãos como eu que têm tido uma intervenção cívica e algum trabalho critico ao nível da análise. Há momentos em que não podem dizer não a dar uma colaboração mais activa. Isto tem também a ver com a forma como os partidos se posicionam face à sociedade civil e a relação de confiança que se cria entre as pessoas, porque não são todos os líderes que aceitam correr esse risco, que causa naturais problemas internos. A segunda razão foi o facto de ser da terra e assim poder dar um contributo em nome do distrito da Guarda, na medida em que me sinto em casa. Ao mesmo tempo o facto de ser natural do distrito colocou-me na posição de não poder negar esse convite. Em síntese, sou alguém que tem vontade de participar e que foi desafiado para isso por um partido que se quer abrir à sociedade.
– Isso quer dizer que não aceitaria candidatar-se por outro círculo eleitoral que não o da Guarda?
– Não aceitava porque a primeira razão da minha candidatura tem a ver com o facto dos partidos estarem ou não dispostos a arriscar a abertura à sociedade e a outra razão tem a ver com a coerência dessa mesma abertura, que apenas existe se as pessoas são naturais ou estão intimamente ligadas aos círculos pelos quais se candidatam. Não quero dizer que outros não possam candidatar-se e propor-se a fazer um bom trabalho, mas não é a mesma coisa, pelo que digo claramente que se me tivessem convidado a candidatar-me por outro círculo teria declinado esse convite.
– Como se sente o politólogo ao assumir o papel de político, ou seja, daquele que é o objecto da sua análise?
– Não se trata verdadeiramente de uma passagem de «não político» para «político», porque políticos somos afinal todos nós, embora cada um à sua maneira e à sua escala. Não somos é todos governantes e decisores políticos. Eu intervenho muito, quer ao nível da Universidade, da investigação, da análise e do comentário político, pelo que não deixo de, em certa medida, ser político, mas agora trata-se de fazer uma passagem para o lado das instituições onde a politica se exerce ao nível da tomada de decisão, sendo portanto uma outra dimensão. Trata-se afinal de uma passagem para uma outra realidade.
– E julga que o facto de ser político ao nível da análise lhe traz vantagem nessa mudança para o lado da decisão?
– Antes de mais sinto que não estou condicionado pela lógica estritamente partidária, pelo que posso ter perspectivas mais abertas e mais críticas, que poderei incorporar no processo de decisão. Por outro lado estas intervenções podem ser muito importantes para os partidos na busca de consensos, porque assumem normalmente uma lógica de confrontação. As pessoas que não estão alinhadas podem trazer valor acrescentado que facilite a obtenção de consensos. Há ainda uma outra razão que é o facto das pessoas que estão fora das estruturas partidárias estarem menos condicionadas e poderem levar a decisão ao encontro da resolução dos problemas das pessoas no quadro das suas expectativas. Um último aspecto muito importante é que as pessoas que são rotuladas por independentes não estão contra os partidos, pois essa é uma ideia errada, têm antes perspectivas que complementam a acção dos partidos. Não estão sujeitas à rigidez da disciplina partidária na tomada de opções e nas votações, têm um espírito mais aberto e, portanto, mais crítico, pelo que estes mecanismos de abertura dos partidos podem contribuir para uma melhoria da acção politica indo mais ao encontro das expectativas dos cidadãos. Não há portanto aqui um lado e o outro. Sou aliás contra essa visão que coloca de um lado os partidos e do outro lado os cidadãos.
– Mas as justificações para algumas das escolhas, com declarações polémicas e contraditórias, falo particularmente da escolha de Fernando Nobre para liderar a lista por Lisboa, contribuíram para que os independentes ficassem rotulados de pessoas para quem qualquer coisa lhes serve. Revê-se neste tipo de análise?
– Não me revejo nessa análise. O caso de Fernando Nobre não pode ser extrapolado ou generalizado para aquilo que é o contributo que pessoas politicamente desalinhadas podem dar aos partidos. O caso em si tem que ser tratado na sua especificidade, porque houve de facto uma gestão algo deficiente dessa situação. Quando as lideranças dos partidos decidem abrir-se à sociedade, podem fazê-lo de diferentes formas, mas quando decidem fazê-lo pela via da renovação das listas de deputados, correm riscos. E esses riscos são ainda maiores quando nalguns processos, como poderá ter sido o caso de Fernando Nobre, se extravasa a questão de se ser independente hipervalorizando essa independência. Isso leva a uma difícil aceitação por parte das estruturas partidárias e sobretudo por parte dos cidadãos, pelo que a perspectiva que devemos ter dos independentes é a de que eles são um contributo mas não são uma oposição nem uma substituição. O caso de Fernando Nobre não pode ser valorizado, porque há muitas pessoas que não são do PSD, que se disponibilizaram genuinamente para colaborar. Estas escolhas não se podem apresentar como antagónicas ou substitutivas dos partidos, antes devem ser colocadas na mesma escala dos outros políticos, porque apenas assim poderão ser um contributo. Os independentes têm de valer pelo capital politico e social que trazem e não mais do que isso, colocando-se na mesma balança em que estão os partidos.
– Afirmou porém na apresentação dos candidatos do PSD pela Guarda que a polémica criada com a participação dos independentes nas listas é desejável porque a polémica é necessária à democracia…
– Em primeiro lugar tratou-se de desmistificar o contributo dos independentes que devem ser posicionados no seu exacto lugar, não os hipervalorizando, depois trata-se de evidenciar as limitações dos partidos quando decidem abrir-se. Esse debate é importante para os partidos, na medida em que lhes dá informação sobre as reacções que a sociedade tem face às escolhas. Os partidos precisam de experimentar e verificar quais são as melhores formas de casar a sua acção e a sua intervenção, que é estruturante nas democracias, uma vez que nenhuma democracia é possível sem o contributo dos partidos. Estas polémicas levam também a uma espécie de aprendizagem da democracia por parte dos partidos. É ainda importante para os cidadãos, na medida em que esta discussão permite-lhes ver qual a genuinidade dos que estão disponíveis para participar. No global, tudo o que seja um debate enriquecedor, acerca de temas centrais para a democracia, só pode contribuir para a sua melhoria. Temos várias experiências com independentes, por exemplo nas juntas de freguesia, onde há candidaturas independentes desde 1976, o mesmo sucedendo nas câmaras a partir de 2001, pelo que aprendemos muito com essas experiências. Já vimos que muitos deserdados da política decidem candidatar-se contra os seus próprios partidos com o rótulo de independentes e há também as candidaturas genuínas que emergem de pessoas que estão dispostas a enfrentar os partidos. Ou seja, temos vindo a aprender com essas experiências.
– Falando agora de um assunto de âmbito regional, e que interessa particularmente ao distrito da Guarda: qual a sua posição face à introdução de portagens nas SCUT, particularmente nas auto-estradas A23 e A25, que servem o distrito?
– Não querendo fugir à pergunta, considero que posições individuais ou partidárias sobre portagens, saúde, distribuição da água em alta, a taxa de IVA para as IPSS, a economia social, ou seja o que for, neste momento têm que ser enquadradas no âmbito da situação em que está o país. Há algo que eu assumo desde já no que se refere ao trabalho em termos de campanha: não ouvirá da minha parte qualquer promessa, na medida em que não vale a pena prometer aquilo que não é possível fazer. E isso é sobretudo válido no contexto em que estamos. Não se pode tomar já uma posição definitiva nessa matéria.
– Mas se os candidatos não disserem aquilo que se propõem fazer também não esclarecem os eleitores.
– Uma coisa é a minha posição, outra coisa é assumir a promessa de fazer isto ou aquilo. Dando-lhe a minha posição, digo que no actual contexto qualquer decisão sobre essa questão tem de ser vista no quadro nacional e naquilo que são as possibilidades do país. Tudo indica, de acordo com o quadro de referência nacional, que terá que haver portagens, seja por maior pressão do partido A ou do partido B. O país estará «condenado» a ter que impor aquilo que porventura não quereria, mas isso não é vontade minha, nem de ninguém em particular, é pelo interesse nacional derivado da situação em que o país se encontra. Se me perguntar qual é a minha vontade, então eu digo-lhe que era a de que não houvesse portagens. Outra coisa é o que se pode fazer face à introdução das portagens, para minimizar eventuais efeitos negativos na economia regional. É evidente que o partido tem uma posição conhecida, que é a de que não há condições para não portajar. O próprio governo do Partido Socialista tinha a portaria com o tarifário pronta e estava a instalar os pórticos para as leituras, o que quer dizer que o processo político em curso é no sentido de portajar. Estando condenados às portagens há algo que podemos fazer, em função na natureza das SCUT. Por exemplo para a A23, a que eu chamo «auto-estrada da coesão», porque contribui para combater um grande desequilíbrio a nível regional, face a constrangimentos de competitividade com Espanha e face aos índices de desenvolvimento que temos no distrito, tem de se estudar a possibilidades de casar esta inevitabilidade a que o estado do país obriga com uma discriminação positiva que tem que ser muito bem pensada.
– Há pouco tempo esteve aqui no Sabugal e na Guarda o líder parlamentar do PSD, Miguel Macedo, que disse precisamente isso, que eram necessárias medidas de descriminação positiva. Mas o importante é que o candidato diga agora quais são em concreto essas medidas que o PSD preconiza.
– Admitindo a inevitabilidade de portajar, de resto as portagens apenas não foram ainda introduzidas porque o governo considerou que estando em gestão não o podia fazer, há que estudar quais as medidas que podem ser tomadas para minimizar esses efeitos na região, que também não ponham em causa a necessária coesão nacional. Posso-lhe dizer que o António Mexia, quando foi ministro, chegou a ter estudos técnicos muito avançados sobre as várias possibilidades. Isto tem sobretudo uma dimensão técnica, para a qual é prematuro estar a dizer se vai ser assim ou assado. Outra coisa é a questão politica. Os políticos estão condenados a dizer que é inevitável e a fazer um esforço para que se encontrem soluções do ponto de vista técnico para minimizar os efeitos dessa inevitabilidade.
– O Sabugal tem, como sabe, um problema de acessibilidades, nomeadamente com a falta de uma ligação directa à A23, que tarda em estar concluída. Pensa que podemos dispensar essa ligação à A23, como alguns já defendem, apostando antes na requalificação da estrada da Guarda, ligando-nos assim tanto à A23 como à A25?
– As opções estão tomadas e estão em curso e eu não vou criticar nem dizer se são boas ou más, na medida em que não estamos a disputar eleições autárquicas. É evidente que os autarcas querem o melhor para os seus concelhos e desse ponto de vista isso não deve ser criticado, embora possamos discutir se se justifica e se foi a melhor opção. Também não gostava de me pronunciar sobre questões muito particulares de interesse local. Não se trata de concordar ou discordar com o que está a ser feito. Trata-se sim de fazer uma análise fria para dizer que estamos a falar de eleições legislativas e essas questões locais têm relevância no contexto da disputa de eleições autárquicas. Num sentido mais genérico, considero que tudo o que se faça em benefício das populações e melhore a competitividade dos territórios, deve ser feito.
– Aproveitando então a questão autárquica, pergunto-lhe se defende a tão propalada reforma autárquica que aponta para a redução de municípios e de freguesias como forma de diminuir os custos com a Administração?
– Há, de certa forma, um consenso nacional acerca de um conjunto de reformas que são necessárias e que incidem sobre a organização administrativa do país e as suas instituições. É uma reforma que há muito não é feita em Portugal e, desse ponto de vista, partilho da ideia de que temos de olhar para a população e a natureza do território, mais de 30 anos depois de termos implantado a democracia, quando aliás esta estrutura autárquica já é anterior à democracia. Defendo a ideia da reforma, mas que não pode ser idêntica para todo o país. Por exemplo, não partilho a ideia de replicar o modelo de Lisboa para o resto do país. Tendo o país uma estrutura muito semelhante, a realidade do interior é diferente da das áreas urbanas do litoral. Tem de haver uma reforma dos governos locais, por exemplo pela alteração à legislação eleitoral. A questão da redução de autarquias deve ser estudada. Considerando as respostas que as autarquias têm que dar e considerando o estado do país, se for possível garantir o mesmo tipo de prestação de serviços com alguma economia de escala ao nível das instituições, temos de enfrentar essa alteração de uma forma muito aberta e muito séria. Mas há aqui um ponto essencial, que é não criar modelos cegos e replicáveis da mesma forma em todo o país.
plb

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com… Manuel Gouveia Mourão

Fomos a Torres Vedras falar com o Coronel Manuel Francisco Veiga Gouveia Mourão, um dos autores do livro «Sabugal e as Invasões Francesas», que vai ser lançado no Sabugal no próximo dia 2 de Abril, por ocasião da evocação do bicentenário da Batalha do Sabugal. No livro o coronel Mourão descreve com grande minúcia essa última batalha com as tropas francesas em solo português, o que também serviu de mote para a animada conversa com o afável investigador.

À fala com… Carlos Santos Caria

Carlos Santos Caria nasceu em Pêga e estudou no Sabugal, onde frequentou o Externato Secundário, já vindo do Seminário do Fundão. A vida atirou-o para Lisboa, onde estudou e se licenciou em Direito, tornando-se depois advogado. É candidato ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, na lista afecta ao actual bastonário, Marinho Pinto, razão que nos levou a manter uma conversa com este advogado de causas, que nunca vira a cara à luta.

Carlos Santos Caria– O que o motivou a ser candidato ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados?
– Fui convidado pelo doutor Jerónimo Martins, que é o actual vice-presidente do Conselho Geral, portanto a segunda figura da Ordem dos Advogados, para integrar a lista. Aceitei o convite, porque muito me honra estar numa lista encabeçada por esse ilustre causídico. Revejo-me plenamente nos valores inerentes a essa candidatura, que são os que têm vindo a ser defendidos pelo actual bastonário, o doutor Marinho Pinto.
– Está então satisfeito com o desempenho do actual bastonário, mau grado as criticas acirradas que lhe têm sido publicamente feitas por inúmeras figuras da Justiça, como advogados de renome e magistrados?
– A Ordem dos Advogados, na minha opinião – e repare que eu sou um advogado ainda com poucos anos de prática – teve no doutor Marinho Pinto o bastonário que mais lutou pela dignificação dos advogados. E digo isto tendo em conta a opinião de inúmeros colegas com quem contacto frequentemente. A Ordem dos Advogados estava entregue a algumas famílias de advogados, os chamados advogados de elite. Ora o actual bastonário lutou para pôr termo a isso, fazendo com que a Ordem seja de todos e não penas de alguns. Revejo-me completamente nas medidas tomadas pelo doutor Marinho Pinto, na medida em que acho que a Ordem deve ser a casa de todos os advogados e não para servir de protecção e de álibi para se arranjarem avenças vergonhosas com o Estado para os escritórios dos ditos advogados de elite.
– Mas não são apenas advogados que criticam duramente o actual bastonário, há também muitos magistrados que consideram as suas intervenções públicas inapropriadas por não contribuírem para a dignificação da justiça.
– Essa apreciação que os magistrados fazem ao doutor Marinho Pinto é uma crítica que, de facto, não provém de verdadeiros magistrados, mas de sindicalistas. Vergonhosamente, foram criados sindicatos nas magistraturas, para os magistrados do Ministério Público e para os magistrados judiciais. E são esses magistrados/sindicalistas que vêm tecendo essas críticas, visando unicamente defender os interesses absolutos dos magistrados. Uma verdade tem de ser dita: nunca houve um bastonário que afrontasse as magistraturas como o actual tem feito, e isso tinha de ser feito, porque as magistraturas tiveram, e continuam a ter, como máxima o «quero, posso e mando». As coisas não podem continuar a funcionar assim, pois não pode haver sindicalismo nas magistraturas. Essas críticas dos senhores magistrados valem o que valem, ou seja, não valem nada, porque vêm de magistrados que olham apenas para os seus interesses corporativos, tentando atirar areia para os olhos dos cidadãos.
– Falando agora das nossas terras, que recordações guarda desses tempos idos da juventude passada à beira do Côa?
– Guardo muito gratas recordações desses belos tempos. Vou, de resto, com muita assiduidade a Pêga, onde felizmente ainda tenho os meus pais. Sinto-me muito bem ali e até digo que cada vez sinto mais a necessidade de regressar à minha terra natal. Estou saturado desta urbe que é Lisboa, de andar no desconhecido, porque aqui ninguém conhece ninguém.
– Mas lá criticam-se muito os que vão e não retornam. A profissão de advogado pode ser exercida no Sabugal, Guarda ou Covilhã, por exemplo, ou isso é difícil?
– Há muitos advogados na Guarda e no Sabugal também há alguns e eu próprio poderia lá estar de igual forma. Simplesmente a minha vida não me permitiu, por enquanto, essa experiência de ser advogado na minha própria terra. Embora seja uma ideia que nunca pus de lado. Pondero até abrir um escritório no Sabugal, porque isso pode ser uma razão acrescida para que vá mais vezes à minha terra.
– E acha que há espaço para isso, tendo em conta o número de advogados que já ali estão instalados?
– O espaço é de facto cada vez mais diminuto. Os advogados novos sentem crescentes dificuldades de afirmação, mas acho que os que sabem defender as causas e os interesses dos clientes continuam a ser procurados em qualquer lugar.
– É leitor assíduo do blogue Capeia Arraiana?
– Sou sim um leitor assíduo do blogue Capeia Arraiana. Foi o meu amigo doutor José Robalo que aí escreve, ou escreveu, artigos muito interessantes, que me motivou para a importância desse blogue e até para escrever alguns comentários, nomeadamente na altura das últimas eleições autárquicas. É um meio de comunicação que faz muita falta e que eu espero que se mantenha activo, porque é necessário.
plb

À Fala com… Carlos Luís

Carlos Luís, natural de Vila do Touro, concelho do Sabugal, é o actual Secretário-Geral da Fundação INATEL. Na verdade este sabugalense dispensa apresentações: foi durante anos sucessivos deputado à Assembleia da República, eleito pelo Partido Socialista, mantendo-se sempre ligado ao Sabugal, onde já desempenhou as funções de presidente da Assembleia Municipal. Conversámos sobre a sua nova actividade, onde vieram à tona os seus conhecimentos sobre termalismo.

– Depois de tantos anos deputado, como é ser agora secretário-geral da Fundação Inatel? Trata-se de uma nova experiência, que o levou a deixar a política em definitivo?
– É de facto uma nova experiência, mas a política julgo que só a deixarei quando morrer, pois entendo que devo continuar a ter uma participação cívica e ética na sociedade. Essa é de resto uma obrigação de todos os cidadãos, que devem dar o melhor que sabem, no quadro das causas públicas.
– Na Inatel acaba por estar envolvido numa causa em que sobrevém o interesse público, dada a história e o papel importantíssimo que essa instituição tem na sociedade portuguesa…
– Penso que sim, porque a Fundação Inatel abrange um espaço de intervenção muito vasto. Desde logo o da cultura popular portuguesa. Por ali passaram grandes vultos da etnografia, como Michel Giacometti, Tomás Ribas, e outros, na recolha do cancioneiro tradicional português, indo ao encontro da essência da alma do nosso povo, que está plasmada em várias obras. Ao longo de 75 anos, homens e mulheres conseguiram realizar trabalhos com o apoio da Inatel, o que é uma riqueza incomensurável. Ainda no campo cultural a Fundação tem o Teatro da Trindade, e tem peças itinerantes que percorrem todo o país. Também temos a área da formação, em variados campos, como o teatro, o folclore, e a cultura popular em geral. No que concerne ao turismo sénior, a fundação movimenta por ano cerca de 65 mil pessoas, que correm o país de norte a sul. Se não fosse a Fundação Inatel não teriam essa possibilidade. Para além do turismo sénior, a fundação movimenta-se noutras áreas, como o termalismo, com duas estâncias termais, em Manteigas e Entre-os-Rios. Há ainda a contar com 22 unidades hoteleiras espalhadas pelo país. Temos o programa «Termalismo Solidário», através do qual 2.500 pessoas fazem termalismo a um preço simbólico, consoante os rendimentos que possuem, tendo direito a estadias e a tratamentos. Temos depois o chamado «Turismo Solidário», que abrange cerca de 10 mil pessoas com parcos recursos, que se encontram num quadro de pobreza ou muito próximo disso. Outro programa é o «Abrir as portas à diferença», que abrange pessoas com incapacidade superior a 75 por cento, com apoio governamental. Outra componente é o desporto amador, com a organização de campeonatos concelhios, distritais e nacionais.
– Os campeonatos desportivos amadores da Inatel são muito conhecidos…
– Sem dúvida, e abrangem um leque enorme de modalidades, desde a pesca desportiva, o pingue-pongue, bilhar, futebol, voleibol, basquetebol, enfim as mais variadas actividades. Temos dois complexos desportivos, o do Estádio 1º de Maio em Lisboa e o Complexo do Ramal do Porto, para além de vários pavilhões gimnodesportivos espalhados pelo país.
– Tendo em conta a experiência da Inatel ao nível termal, o que pensa do projecto de abertura das Termas do Cró no concelho do Sabugal? Considera que tem viabilidade, ou acha que é investir numa área já saturada e onde é difícil singrar?– Pode haver neste momento uma saturação do mercado, isto é, haverá, em termos globais, mais oferta do que procura. Mas em cada ano que passa o termalismo conquista centenas, ou milhares, de novos aderentes. Basta olhar para o caso das termas de S. Pedro do Sul, que é o de maior sucesso no país. Neste momento é o complexo termal melhor equipado a nível europeu, em termos técnicos e humanos. Teve ali lugar o Congresso Europeu de Termalismo, onde grandes especialistas e responsáveis por grandes estâncias termais europeias, que ali se reuniram, reconheceram o valor das termas de S. Pedro do Sul, ficando admirados com aquele complexo termal, que é uma realização conseguida em Portugal através de uma empresa municipal, que tem criado sinergias e uma riqueza enorme, com a criação de emprego na região em que se insere, ultrapassando todas as expectativas. Neste momento frequentam aquelas termas cerca de 50 mil pessoas, que de resto são as únicas do país que estão abertas durante todo o ano. Penso pois que o projecto das termas do Cró no concelho do Sabugal é um projecto do presente, que me parece ter garantias de futuro. Saúdo de resto essa iniciativa do meu concelho, que, segundo sei, obteve recentemente o direito a uma comparticipação financeira dentro dos programas de apoio ao termalismo, juntamente com o que também sucedeu com as termas de Manteigas, da Fundação Inatel.
– Pensa que o modelo de exploração das termas de S. Pedro do Sul, através de uma empresa municipal, pode ser seguido com sucesso nas termas do Cró?
– Não sei se pudemos fazer essa comparação. As termas de S. Pedro do Sul têm uma longa história. Consta que D. Afonso Henriques, tendo fracturado uma perna, foi ali para ser tratado. Ainda são visíveis as termas romanas, com o casco histórico muito impressionante. O balneário que lhe possibilitou maior expansão foi inaugurado pela rainha Dona Amélia, tornando-se a partir daí num espaço termal de referência, a que mais tarde o poder local deitou a mão, dado que era uma riqueza inesgotável da terra, com propriedades terapêuticas extraordinárias. Eu próprio sou termalista e um adepto dessas termas e noto que há uma adesão crescente dos cidadãos ao termalismo, até como alternativa à massificação do litoral. S. Pedro do Sul tem tirado partido desta tendência por ter condições de exploração já consolidadas, o que não é o caso das Termas do Cró, que estiveram fechadas durante décadas e que agora se pretendem reabrir.
– Considera então que só através de uma parceria privada é possível dar viabilidade ao projecto?
– Sobre isso digo o seguinte: dezenas de câmaras municipais ofereceram-nos parcerias, nomeadamente para sermos nós a explorar as estâncias termais, dado o nosso conhecimento nessa área. Mas a questão é que é necessário ir muito mais longe. É preciso haver um centro de informação muito bem montado, a nível nacional, para se captarem aderentes, porque isso não se faz de um dia para o outro. Tem que haver uma adesão consolidada. No termalismo, o melhor que se pode fazer é «passar a palavra», em que os que apreciaram umas termas, as aconselham depois a outros tendo em conta a sua própria experiência. O Município do Sabugal encontrará o melhor caminho para viabilizar a exploração, mas não pode deixar de ter em conta esses aspectos fundamentais.
– No Cró a construção do balneário está quase concluída. A partir daqui a exploração das termas pode avançar, ou acha que há outros factores essenciais a garantir previamente?
– Não conheço em pormenor o estado do projecto. Há muitos anos estive pessoalmente envolvido na compra do alvará das Termas do Cró à instituição do Dr. Dinis da Fonseca, mas neste momento confesso não estar suficientemente informado sobre o estado do projecto da Câmara para a sua exploração. Acredito que a Câmara e outras forças do concelho, bem como os cidadãos, estarão de braços abertos para a defesa deste projecto. Pelo que oiço os resultados dos tratamentos experimentais que têm sido levados a cabo são muito positivos, ou seja, os utentes que ali vão com problemas de saúde têm sentido melhoras. Assim sendo, há condições para a exploração ter viabilidade. Conjugando as termas com outras riquezas que o concelho dispõe, como a caça, a pesca, a realização de circuitos de montanha, e tendo em conta outras potencialidades endógenas, o termalismo, embora considerado sazonal, pode dar um fortíssimo contributo para o desenvolvimento do nosso concelho.
– Sendo um sabugalense que amiudadamente vai ao concelho, qual a ideia que tem da necessidade de uma ligação do Sabugal à A23, projecto que aliás a Câmara custeia por inteiro, mas que não há forma de conhecer a luz do dia?
– Nunca estivemos tão distantes e tão perto. Distantes porque o interior continua a desertificar-se, com as aldeias em declínio, sem conseguirem manter a vida activa que tiveram em tempos. A própria sede de concelho perde dinamismo, porque lhe falta juventude. Por outro lado estamos mais perto dos grandes centros urbanos, porque nos passam ao lado duas importantes auto-estradas. A meu ver a ligação à A23 e à A25, resolve-se melhorando a estrada nacional que liga o Sabugal à sede de distrito, pois as duas auto-estradas unem-se na Guarda. Por outro lado, haveria também uma melhor ligação a duas vias-férreas, a da Beira Alta e a da Beira Baixa, pese embora esta esteja interrompida, ou assegurada apenas por uma automotora entre a Guarda e a Covilhã. Mas a linha da Beira Alta está activa e com a crise que atravessamos o comboio ganha novamente grande importância, pois teremos de voltar a utilizar os transportes colectivos e o comboio é um transporte de excelência. Eu continuo a utilizar o comboio quando vou à Guarda, nomeadamente o inter cidades, que oferece um óptimo serviço. Penso portanto que a grande melhoria para o Sabugal em termos de acessibilidades seria a requalificação da ligação à Guarda, até porque não podemos andar a construir em duplicado. Os tempos são de crise e temos de racionar os gastos.
plb

Maria Antunes – da Raia até Paris e Lisboa

Aos 16 anos Maria Antunes foi de Aldeia Velha para França, seguindo os passos da emigração. Em 2001, rumou a Lisboa para gerir o famoso café «Cacau da Ribeira», que se mantém em plena actividade recebendo pela madrugada adentro os noctívagos que ali aportam para beberem o célebre chocolate quente.

Maria Antunes possuía e administrava em Paris um restaurante de comida portuguesa, pelo que encarou a mudança para Lisboa, para trabalhar no mesmo ramo, com naturalidade. Com o marido, natural de Lisboa, adquiriu o mítico Cacau da Ribeira, e dedicou-se de alma e coração ao novo espaço comercial, que é uma das grandes referências da cidade.
Inserido no edifício do Mercado da Ribeira, com porta para a Avenida 24 de Julho e vista para a estação ferroviária do Cais do Sodré e para o rio Tejo, é ali que os noctâmbulos vão beber o cacau quente ao romper do dia após as longas noitadas de diversão.
Maria Antunes depressa se habituou ao horário e aos clientes do seu novo espaço comercial. O café tem de resto um horário peculiar: abre diariamente às 23 horas e encerra às 16. Por vezes há uma natural dificuldade em «aturar» os que ali entram a altas horas da noite, «tomados pelos copos», mas a calma e o bom senso de Maria Antunes e das suas empregadas tudo resolve, mantendo o espaço atractivo.
Dentre os clientes que ali comparecem a beber o chocolate quente mais famoso de Lisboa, há algumas figuras públicas, como o actor Fernando Mendes, «um grande amigo da casa», destaca Maria Antunes. Fátima Lopes, Tony Carreira e Teresa Guilherme são outros nomes de celebridades que acorrem ocasionalmente ao café da empresária sabugalense. Conta que, noutro tempo, a fadista Amália Rodrigues era presença assídua por ser grande apreciadora do cacau da casa.
A hospitalidade é uma das razões do sucesso desta casa e Maria Antunes esforça-se por a manter. E aponta um quadro preto onde está escrito: «Obrigado, Volte Sempre». «Todos os dias reescrevo com giz aquela frase, porque aqui todos são bem-vindos e acolhidos de igual maneira», salienta a proprietária.
Embora os afazeres da profissão a obriguem a estar sempre presente e a par do negócio, Maria Antunes, nunca deixou de ir a Aldeia Velha. «Gosto especialmente de ali ir no tempo dos tartulhos, no Outono. É um grande prazer ir pelo campo à cata de tartulhos nas tapadas e de míscaros e setas nos pinhais». Gosta especialmente dos tartulhos assados na brasa: «são o melhor petisco do mundo», afiança com toda a convicção.
Conhecemos Maria Antunes do decurso do Festival das confrarias Gastronómicas, onde estivemos em representação da Confraria do Bucho Raiano. A empresária da raia que foi para Paris e depois se fixou em Lisboa, confessou-nos ter ficado surpreendida pela presença do bucho do Sabugal nesse certame da gastronomia portuguesa. O cacau quente continuará a ser o chamariz do seu famoso café, mas garantiu-nos que passará a falar do bucho aos seus clientes para que alguns se decidam a visitar as terras raianas onde o poderão degustar.
plb

À fala com… Ricardo Pires e Filipe Nunes

Ricardo Pires e Filipe Nunes tem muita coisa em comum. Nasceram na freguesia de Penalobo, no concelho do Sabugal, têm 29 anos, são primos direitos e sócios gerentes da empresa Electrocôa- Comércio de Electrodomésticos que fundaram há cinco anos. Em suma são dois jovens empresários de sucesso que merecem todo o apoio e reconhecimento pelo seu dinâmico espírito empreendedor ajudando a criar um ambiente de qualidade e segurança nas habitações e nas empresas da região raiana.

Ricardo Pires - Filipe Nunes - Electrocôa - Sabugal

Estivemos à fala com os dois jovens empresários num dia marcante: a inauguração de um espaço próprio, funcional e acolhedor onde estiveram rodeados de muitos amigos.
– Como surge a Electrocôa?
– Filipe Nunes – A Electrocôa nasce em 9 de Abril de 2005 quando tanto eu como o Ricardo tínhamos 24 anos. Somos ambos naturais de Penalobo mas entendemos que o nosso tipo de negócio devia estar sedeado no Sabugal. O Ricardo Pires é técnico de electrotecnia, audio e tv e eu de refrigeração e climatização industrial. Estivemos durante cinco anos num espaço arrendado e decidimos que era tempo de criar mais condições de trabalho e para o atendimento ao público. A Electrocôa divide-se em duas áreas de negócio – o atendimento comercial e a assistência técnica – e agora estão criadas as condições neste espaço que adquirimos para servir com qualidade os nossos clientes domésticos e industriais espalhados pelo Sabugal, Caria, Belmonte, Almeida, Foz Côa, Guarda… Quem chega à Electrocôa tem tudo o que necessita para lar ou para a empresa desde o ar condicionado, aos recuperadores, aos sistemas de vigilância e segurança e os electrodomésticos.
– Hoje podemos dizer que começa um novo capítulo na vida da Electrocôa…
– Correcto. Agora este espaço é nosso e o objectivo é ir cada vez mais longe não só na venda onde trabalhamos com todas as marcas do mercado a nível de electrodomésticos mas também nos serviços de apoio, na pós-venda e nas reparações técnicas. Temos, por exemplo, preços muito competitivos nos encastráveis para carpintarias especializadas no fabrico de cozinhas. Com a nova loja vamos consolidar os nossos serviços até porque consideramos que estamos no bom caminho.
– É um risco investir na área dos electrodomésticos? Como é que se conseguem ter preços competitivos no Sabugal?
– Ricardo Pires – É muito difícil. Estamos associados à Macrolux, uma rede de venda de electrodomésticos, que nos permite ter preços competitivos até com as grandes superfícies. Mas se por um lado sem vendas não há reparações por outro há aquela relação de proximidade com os nossos clientes a quem gostamos mais de chamar amigos. Aproveito para deixar um exemplo desta relação de proximidade. A região tem muitos idosos e, por vezes, quando vendemos e vamos instalar um electrodoméstico somos obrigados a substituir a tomada ou o fio eléctrico e as pessoas ficam contentes. Tentamos sempre que os nossos clientes fiquem com os equipamentos a funcionar.
– A Electrocôa já é uma marca de referência que está consolidada no mercado da região. Estão satisfeitos ou vão continuar à procura de novos desafios?
– Não nos limitamos a vender electrodomésticos. Em cada instalação de ar condicionados, sistemas de incêndios, vigilância e segurança deixamos a nossa marca e essa visibilidade permite-nos chamar clientes novos no Sabugal e nos concelhos vizinhos. Como jovens empresários (menos de 30 anos) já tentámos vários apoios do IAPMEI mas é tudo teoria. Somos uma empresa com provas dadas ao fim de cinco anos e nunca conseguimos ver aprovado nenhum incentivo. Como se costuma dizer somos pobres e continuamos pobres. Felizmente os clientes já aparecem pelo nome e pela credibilidade da Electrocôa.

:: ::
Sentimos ao longo da nossa conversa com estes dois jovens empresários que criaram mais três postos de trabalho (todos com menos de 30 anos) e que têm um volume de facturação anual na ordem dos 500 mil euros alguma desilusão pela falta de reconhecimento e incentivo por parte do poder local e principalmente dos organismos nacionais que, supostamente, existem para apoiar este tipo de empresas e de empresários. Na gestão dos dinheiros públicos há sempre muitas formas de «dizer» a estes e outros jovens empresários que vale a pena apostar e criar empresas no concelho do Sabugal.
:: ::
Electrocôa – referência empresarial consolidada e reconhecida na região pelo querer e dinamismo dos seus jovens gestores.
jcl

À fala com… António Carlos Fernandes

António Carlos Saraiva Fernandes é natural do Sabugal e reside há 10 anos na Arrifana, no concelho da Guarda, onde é presidente da Junta de Freguesia, eleito nas listas do Partido Socialista nas eleições de Outubro de 2009. Engenheiro florestal e coordenador técnico do Centro de Formação Agrícola da Guarda, este sabugalense é, aos 34 anos, um dos mais jovens autarcas do distrito.

– O que se destaca na actividade da Junta de Freguesia da Arrifana eleita nas últimas eleições autárquicas?
– No que me diz respeito, trata-se de uma experiência nova, na medida em que não tinha qualquer experiência como autarca. Numa primeira fase procurei, com os demais elementos da Junta, inteirar-me da situação da autarquia, ao mesmo tempo que nos empenhámos em resolver questões mais imediatas. Passada essa primeira fase de adaptação, estamos agora a projectar algumas obras necessárias ao desenvolvimento da freguesia que pensamos vir a candidatar a fundos comunitários.
– Esta freguesia, dada a sua proximidade com a Guarda, tem sido muito procurada por pessoas que trabalham na cidade para aqui fixarem residência, fazendo assim com que venha perdendo a matriz rural que a caracterizava. Isso é um problema acrescido para a Junta?
– Esta freguesia tem uma característica única ao nível do concelho da Guarda. Por um lado é uma freguesia rural, mas por outro lado é também uma freguesia com características urbanas ou semi-urbanas. Isso traz benefícios mas também condicionalismos. Temos na zona do Outeiro de S. Miguel e na confluência da estrada que liga a Pinhel uma área de características urbanas, e já praticamente integrada na cidade. Depois temos o núcleo mais antigo da freguesia, junto à Estrada Nacional 16, que é uma aldeia de características rurais, assim como as anexas da freguesia, que são as aldeias de João Bravo, João Bragal de Cima e Casais da Ribeira, que têm uma matriz rural ainda mais acentuada. Outra particularidade da freguesia é o facto de conter no seu território a intercepção das duas auto-estradas que servem a Guarda, a A23 e a A25, e que nos ligam a Espanha e ao Litoral. As facilidades de acessos e a proximidade da cidade potenciam a fixação de pessoas e de empresas na área da freguesia, sendo notória a procura de espaço para construção.
– E sente que essas características singulares da freguesia dificultam o trabalho da Junta?
– Dificultam, porque nos criam problemas diferenciados que exigem também soluções diferentes. Há problemas próprios de uma freguesia rural, como a assistência aos idosos, a limpeza dos caminhos agrícolas, o abastecimento de água e o saneamento, mas também problemas próprios dos espaços urbanos, como a necessidade de espaços de diversão e de lazer. Por outro lado, os habitantes da área mais urbana resistem muito à sua plena ligação à freguesia, na medida em que fixam aqui residência mas trabalham na cidade, à qual acabam por se sentir mais ligados. Aqui haverá um esforço a fazer pela própria Junta, pois temos de procurar abordar as pessoas, motivando-as para interagirem com a demais população e participarem na vida colectiva.
– Qual tem sido o relacionamento com a Câmara Municipal da Guarda na tentativa de resolver os principais problemas da freguesia, nomeadamente aqueles que resultam da expansão urbana?
– Temos mantido neste tempo, que ainda só leva oito meses, uma boa relação com a Câmara Municipal. Sabemos quais as responsabilidades da Junta de Freguesia, mas temos a certeza que muitos dos problemas apenas se resolverão com uma intervenção activa por parte da Câmara. Temos feito uma grande pressão no sentido da sua intervenção nas questões mais urgentes, e tem havido abertura para isso. Foram tomadas algumas acções, como a colocação junto ao Outeiro de S. Miguel de abrigos para as crianças que esperam pelos transportes públicos, situação em que a Câmara correspondeu à nossa solicitação. Necessitamos também de um espaço de lazer paras as crianças da freguesia, situação que espero conseguir resolver em breve com o empenho da Câmara, pois tenho já uma reunião agendada para esse efeito. Estas soluções acontecem de uma forma faseada e de acordo com as disponibilidades de meios da autarquia, situação que temos de compreender.
– A escola básica da Arrifana, que conta com 12 alunos, não vai fechar este ano, mas isso poderá suceder em breve uma vez que uma grande parte das famílias que aqui vivem optam por levar os filhos para escolas da cidade. O que pensa de um eventual cenário de encerramento da escola?
– Na verdade há crianças da Arrifana que vão estudar para a Guarda e para o Outeiro de S. Miguel, que é uma escola regional privada com que a freguesia também conta, e isso provoca a escassez de crianças que se verifica na escola pública. Contudo, no próximo ano lectivo, a escola vai manter-se. Quando o Centro Escolar da Sequeira entrar em funcionamento então é certo que a escola da Arrifana fechará. O centro escolar, cujo projecto conheço, tem todas as condições para o ensino e para o desenvolvimento das crianças. Eu tenho uma opinião muito própria acerca do encerramento das escolas básicas nas aldeias. Penso que não se justifica manter em funcionamento escolas com poucos alunos, que se juntam na mesma sala, independentemente do ano escolar que frequentam. Isto é gerador de problemas de pedagogia e não contribui para o bom desenvolvimento da aprendizagem. Existindo um centro escolar próximo, e no caso da Arriana ele ficará a cinco quilómetros, não se justifica manter a escola aberta nessas condições. Os edifícios das escolas cujos alunos vão para os centros escolares devem passar a ser centros de recolha das crianças, que proporcionem actividades extracurriculares até ao momento em que os pais os vão recolher. Isto implica ter transportes adequados, e aqui defendo o uso de meios de transporte de média dimensão, evitando-se os autocarros que percorrem várias aldeias até encherem, já que o transporte tem que ser rápido, pois não é adequado sujeitar as crianças a viagens longas. Claro que é importante para as aldeias a manutenção das escolas, que são um sinal de vitalidade, mas a realidade é que a população envelhece e as crianças são cada vez menos e elas merecem uma formação pedagógica adequada.
– Como é que a Arrifana apoia os seus idosos, que pelos vistos são cada vez em maior número?
– Temos um centro de dia, inaugurado há pouco tempo, que é uma obra de uma associação de solidariedade social da Arrifana, que presta também apoio domiciliário aos idosos da freguesia. Mas não descuramos a possibilidade de ser criado um lar. Na intervenção que fiz na cerimónia de inauguração do centro de dia disse às entidades presentes que necessitamos de um lar e que para o conseguirmos instalar necessitamos de apoios. Quando a Liga dos Amigos da Arriana decidir avançar nesse projecto a Junta de Freguesia dar-lhe-á todo o apoio.
– Como autarca da Guarda, o que pensa da mais que certa decisão política de passar a haver portagens na A23 e a A25, vias estruturantes para a cidade e para a região?
– Sou completamente contra essa medida. Compreendo que a situação que o país vive, ao nível económico e financeiro, obrigue a alterações nas SCUT, mas o Interior merece uma diferenciação face ao resto do país. Se assim não for, temos que nos valer de taxas pela preservação do meio ambiente, da água, da estabilidade e do controlo da biodiversidade. Ou seja, merecemos ser ressarcidos desse prejuízo. Se não há cidadãos de primeira e de segunda, todos devendo pagar, então quem vive no Litoral tem de nos pagar os prejuízos que temos para que toda a sociedade beneficie. Se ainda existe caça é porque os agricultores e os demais habitantes do interior a preservam, se existe floresta e se se mantêm actividades tradicionais é porque, teimosamente, alguém insiste em o garantir. Mantemo-nos aqui contra todas as adversidades e isso tem um custo. Por exemplo, no inverno quem vive da Guarda tem de pagar um elevadíssimo custo pelo aquecimento, nada comparável com o que se paga no litoral. Face a isto defendo o seguinte em relação às SCUT: nós pagamos as portagens, mas depois somos ressarcidos face às condicionantes de que falei. O mais viável é, em função do rendimento per-capita de cada região definir as que pagam e as que estão isentas. No nosso caso, o pagamento de portagens em vias que atravessam a região vem trazer-nos custos que as nossas empresas, que operam num mercado extremamente condicionado, não podem suportar. As pequenas e médias empresas têm de fazer constantes de viagens nas auto-estradas no desenvolvimento da sua actividade. Se têm de pagar mais esse «imposto» por se deslocarem no distrito ficam assim sem lucros e o resultado é o seu encerramento e o desemprego para quem lá trabalha. Somos poucos e temos pouca representatividade eleitoral, mas temos de por cobro a esta subjugação permanente aos interesses do Litoral.
plb

Grande Entrevista a… António Robalo (1)

António Robalo foi eleito presidente da Câmara Municipal do Sabugal nas eleições autárquicas de 11 de Outubro de 2009. Os sete lugares na vereação foram divididos entre o PSD com três (incluindo a presidência e vice-presidência), o PS (de António Dionísio) com três e o MPT (de Joaquim Ricardo) com um. As dificuldades de governar sem maioria absoluta levaram a que o presidente António Robalo chegasse a um entendimento com o vereador Joaquim Ricardo garantindo assim os quatro votos necessários nas votações do executivo camarário. O Capeia Arraiana publica estas segunda e terça-feiras uma grande entrevista com o engenheiro António Robalo, presidente da Câmara Municipal do Sabugal, sobre as grandes questões da actualidade e do futuro do concelho raiano. (Parte 1).

Grande Entrevista - António Robalo - Presidente - Câmara Municipal Sabugal - Capeia Arraiana

– Já passaram cerca de nove meses desde as eleições autárquicas. Como foi gerir a Câmara Municipal do Sabugal sem a chamada maioria absoluta dos vereadores?
– Por um lado tive sempre consciência que devia respeitar o voto popular e arranjar uma forma que permitisse a governabilidade da Câmara e por outro sabia que estaria em causa a minha capacidade pessoal para gerir essa realidade. Ao longo da minha vida sempre tive alguma facilidade de relacionamento e gestão de recursos humanos. Por isso sabia que mais tarde ou mais cedo as pessoas iriam perceber que seria necessário dar as mãos pelo Sabugal. O Sabugal é uma casa comum. Compreendo que aqueles que são eleitos pela primeira vez, em especial os vereadores da oposição, também querem marcar presença e mostrar serviço. Eu sentia nas reuniões do executivo essa vontade exacerbada de querer fazer tudo de uma vez. Pouco a pouco foram percebendo que a gestão de um município obedece a timings e, tal como disse no comunicado onde expliquei o acordo com o vereador Joaquim Ricardo, fui analisando as suas posturas pessoais e a melhor forma de alcançar uma acalmia governativa.
– O acordo com Joaquim Ricardo resulta de uma análise de personalidade ou porque seria a aliança natural…
– É um misto. A verdade é que todos sabemos que as duas grandes forças políticas em confronto no Sabugal – e na alternância do poder em Portugal – são o PSD e o PS. Também por isso seria sempre uma aliança improvável. O vereador do MPT mostrou disponibilidade e eu percebi que é uma mais-valia para a equipa. Aproveito esta entrevista para fazer uma afirmação que nunca fiz nem antes nem depois da campanha. Somos um território isolado e deprimido onde falta quase tudo apesar de todos os executivos anteriores, cada qual à sua maneira, muito terem feito para modernizar o concelho e estancar a saída de pessoas. Passadas as eleições, falar de partidos num território como o nosso é um discurso divisionista e apenas serve para deitar areia para os olhos dos sabugalenses. Não quero com isto dizer que defenda as unanimidades até porque nas campanhas eleitorais estão em confronto os estilos próprios de cada candidato mas… depois das eleições todos devemos saber ocupar o nosso lugar e colaborar com serenidade na defesa dos interesses desta casa comum que é o Sabugal.
– A maioria das infra-estruturas concelhias e nas freguesias – água ao domicílio, saneamento, calçadas, acessos – estão realizadas. Quais são agora as principais apostas? O futuro passa pelo resultado de iniciativas como, recentemente, as da Pró-Raia na Feira da Agricultura e na loja do Mundo Rural ou o encontro com o ministro da Agricultura e agricultores no Sabugal? O futuro passa pela produção nesta região que sempre foi rural?
– Vamos comparar um concelho urbano – por vezes com excesso de pessoas – e um concelho rural – desertificado e envelhecido – como o nosso. Para os senhores dos ministérios as competências destes dois concelhos são as mesmas. Não há diferença nenhuma na atribuição de verbas e subsídios. O concelho do Sabugal não gere receitas próprias. Praticamente sem actividade económica e consequentemente sem empresas e pessoas a pagar impostos cerca de 90 por cento das receitas vêm do Orçamento de Estado. No entanto, teoricamente, as competências são as mesmas. Os campos de actividade de uma câmara como a do Sabugal não podem ser idênticos aos de uma grande urbe. A autarquia é o maior empregador do concelho mas deve ir além das competências reguladoras, fiscalizadoras e de prestação de serviços aos cidadãos. A câmara tem uma responsabilidade muito importante na dinamização da economia criando formas de apoio ao investimento privado que o funcionalismo público não está habituado a tratar bem. Este é o meu grande paradigma. Chegar a uma autarquia e gerir os serviços no dia-a-dia apenas para garantir a aplicação dos decretos-lei não é o papel do presidente e do executivo. Tenho que ir mais além. A Câmara tem que ser dinamizadora e potenciadora do investimento económico.
– Como é que se passa da teoria à prática neste apoio ao investimento privado?
– É fundamental a identificação dos sectores económicos onde podemos ser mais produtivos e mais competitivos e apostar na dinamização dessas potencialidades com as pessoas que temos. Sabemos os pontos fortes e pontos fracos nessa matriz e estamos, pouco a pouco, a encontrar soluções para a grande aposta: incentivar e apoiar a produção rural no nosso concelho. Gostaria de promover o mês da truta, o mês do cabrito, o mês do mel, o mês dos cogumelos e da castanha, o mês do bucho… o mês do património, ou seja, desenvolver e potenciar a nossa produção ao longo do ano. E não tem que ser necessariamente sempre com dinheiro. Podemos apoiar com estruturas de apoio, recursos humanos, meios materiais e promocionais ou redução das burocracias nos serviços camarários agilizando e simplificando os regulamentos processuais que são elaborados pela própria câmara e aprovados em assembleia municipal. Vou apostar no apoio às várias actividades agro-pecuárias – caprinicultura, silvicultura, plantação de castanheiros – porque tal como afirmei durante a visita do senhor ministro da Agricultura ao Sabugal, temos terra e água para a produção agrícola… Para os investimentos industriais privados há vários tipos de incentivos que a Câmara do Sabugal oferece aos empresários dependendo apenas da análise às necessidades de cada caso. Os incentivos podem passar pela venda de lotes a preços acessíveis, pela cedência de direitos de superfície, pelo apoio nas infra-estruturas, pela integração de projectos em estratégias de eficiência colectiva no território, pela isenção do pagamento de taxas de licenciamento ou pelo apoio técnico. Para congregar estas ofertas vamos criar uma estrutura de apoio ao investidor denominada SabugalInvest…
– …a Câmara do Sabugal está a oferecer, num processo quase inédito a nível nacional, terrenos agrícolas a quem os quiser cultivar. Qualquer pessoa pode-se candidatar? Mesmo que seja de fora do concelho?
– Eu disse: temos terra, temos meios de produção mas… falta-nos gente. Estamos por isso a desenvolver o projecto, no sentido de captar gente que venha viver para o território e esteja disposta a trabalhar na produção agrícola. A Câmara do Sabugal, per si, não tem terrenos para dar ou emprestar. É um processo que estamos a desenvolver em colaboração com as Juntas de Freguesia e as associações de produtores locais. Há Juntas no concelho para já criaram as suas «bolsas de terras» para disponibilizar a potenciais interessados. Não quero dar o exemplo simplista dos «sem terra» no Brasil mas sim dizer que gostaria que nos batessem à porta pessoas interessadas em vir tratar as nossas terras. Há poucos dias tive uma reunião no Salão Nobre com um grupo de caprinicultores e indiquei-lhes os funcionários camarários disponíveis para os apoiar neste projecto. Temos, felizmente, nos serviços camarários uma série de jovens técnicos ligados à floresta, à produção e higiene alimentar, formação, distribuição e comercialização. O meu grande objectivo é ter na Câmara equipas de encaminhamento para todas as áreas da produção, antes, durante e depois. Neste momento se alguém chegar à Câmara para se candidatar a este projecto já vai ser encaminhada para as Juntas de Freguesia de Quadrazais, Bendada e Fóios que estão a trabalhar nesse campo porque já sentiram que por aí pode ser o caminho. Todos estes sectores de economia podem, em conjunto, concertar esforços uns com os outros. Estamos a colocar no terreno grandes actividades industriais que não impedem o desenvolvimento de outras economias. Estamos a colocar no terreno produtos potenciadores de gastronomia, gastronomia potenciadora de turismo, turismo potenciador da promoção dos patrimónios natural e construído. Eu gostava que o Sabugal fosse um pólo de excelência rural com toda a carga que isto representa. Pólo de excelência rural, marca e símbolo de produção de qualidade, de preservação histórica, cultural e ambiental. Vamos potenciar estas realidades com lógicas realistas que permitam realizar receitas para a autarquia. O mundo é feito de equilíbrios. Se a balança só pender para um lado… Salvaguardando o equilíbrio ambiental e social do concelho temos de desenvolver a sustentabilidade do nosso ambiente e da nossa economia.
– Há grandes projectos municipais que absorvem a maior fatia do orçamento camarário. A balança está, neste momento, muito desequilibrada…
– Está. Aquele que mais rapidamente nos pode trazer retorno é o das Termas do Cró. A minha preocupação é encontrar o parceiro privado certo e conseguir manter elevada a ocupação no complexo termal. Tenho vontade de planificar o concelho para a terceira idade. Neste momento os maiores empregadores do concelho são os centros de dia e os lares. A estratégia passa por promover o território como «concelho amigo da terceira idade». Qualificámos as acessibilidades, as freguesias, estamos a qualificar o rio Côa, desde a nascente até Badamalos, como ponto de concentração de actividades e pessoas. Há cerca de 13 anos que tenho responsabilidades na Câmara Municipal do Sabugal. Quando comecei – e isto não é uma desculpabilização – não havia estádio municipal relvado, pistas de atletismo, pavilhão, piscinas, auditório ou museu. As nossas aldeias não estavam tão qualificadas como estão agora… mais vias de comunicação… evidentemente que se voltássemos atrás todas as estradas são importantes mas… e não estou a falar daquela que mais se fala… mas houve alguns erros e a aposta em algumas vias que não seriam tão prioritárias mas foram opções políticas. Tenho alertados as Juntas de Freguesia para a lógica da prioridade dos investimentos e a maioria ainda não entendeu este paradigma. Eu fui presidente de Junta de Freguesia e sei que numa aldeia há sempre qualquer coisa que pode ser feita. Nem que seja limpar um caminho onde ninguém passa ou alargá-lo mais meio metro. Mas a vida tem de ser feita de opções. Tenho sentido resistências dos colegas autarcas de freguesia neste processo de captação de investimento, na ajuda à produção local, nomeadamente, agricultura, pecuária e floresta… Temos que inverter esta atitude que nos impuseram de Bruxelas estes anos todos. «Não produzam nada, arranquem a vinha, arranquem a oliveira, deixem-se estar quietos que nós damos subsídios para não fazerem nada» e agora o dinheiro ficou caro e a solução é voltar à produção agrícola.
– Fica a sensação que os autarcas se esqueceram das potencialidades do rio Côa. Temos praias fluviais de muita qualidade sem qualquer promoção. É só sensação?
– A requalificação do rio Côa é uma obra da Câmara Municipal que envolve cerca de 800 mil euros. É um projecto que não tem avançado por causa da burocracia e que está integrado na construção do Parque de Campismo de altíssima qualidade estratégico em dois eixos – Vale do Côa e Serra da Estrela – e por isso está a ser mimado e acompanhado pela Associação de Municípios do Vale do Côa, pelo Turismo Serra da Estrela e pelo Turismo de Portugal. Se conseguirmos concretizar o projecto como está previsto passaremos a dispor de um parque de campismo de topo em Portugal que vai dinamizar toda a actividade e potencialidades do rio Côa…
– …até há muito pouco tempo o Sabugal sempre se recusou a integrar a Região Turismo Serra da Estrela…
– Há cada vez mais uma necessidade de concertação regional. Ao longo destes anos as Câmaras e Juntas de Freguesia faziam investimentos que não contemplavam parcerias com as suas vizinhas. Cada uma fazia o que entendia resultando por vezes em obras desgarradas e sem qualquer lógica regional. A necessidade aguça o engenho. A União Europeia obriga à concertação regional e privilegia projectos transfronteiriços numa tentativa de acabar com a fórmula «cada um para seu lado». Aproveito para dizer nesta entrevista ao Capeia Arraiana que a Guarda não tem contribuído em nada para esta unidade territorial regional. E dou dois exemplos: o trajecto, com dois túneis, da A23 prejudicou claramente o concelho do Sabugal. Se o traçado contornasse a montanha pelo lado da Bendada não estaríamos agora a discutir a ligação à A23. A ligação natural, com passagem por fora de Pêga e do Adão, seria em Santana da Azinha na zona da discoteca Nova Dimensão. O segundo exemplo é o Hospital da Guarda. Devemos ter orgulho num parque de saúde que devia ser referência ibérica na especialidade de pneumologia. Mas quando temos uma excelente localização na confluência entre a A23 e a A25 e uma ambulância quando vai do Sabugal, de Almeida ou de Celorico tem que demorar mais 10 minutos para subir até à Guarda, apenas com o objectivo de dinamizar o centro da cidade… é claro prejuízo para todo o distrito.
(Final da primeira parte. Continua amanhã, terça-feira.)
jcl

À fala com… José Joaquim Marques (1)

José Joaquim Marques nasceu há 39 anos no Sabugal. As voltas da vida levam-no até à Torre, anexa da freguesia do Sabugal, onde casou. Em 2003 é confrontado com o fecho do único café da aldeia e aceita o desafio de transformar as degradadas instalações da Associação num espaço mais acolhedor. Obra puxa obra e depois dos interiores foi tempo do parque de estacionamento, do palco das festas, do jardim infantil e da velha escola primária transformada em viveiro de vocações musicais. Há obra à vista na Torre.

José Joaquim Marques - Associação Torre

José Joaquim Marques tem 39 anos e é natural do Sabugal. filho de Maria José e José Marques Lindeza, naturais do Fundão, que vieram para o Sabugal estabelecer-se com a abertura da Auto-Mecânica. Casou com Gabriela Marques na Torre e em Agosto de 2001 foi nomeado mordomo das festas de Nossa Senhora de Fátima. Na altura aceitou com a condição da receita apurada na festa ser investida na Torre. E nasceu a Associação Cultural e Recreativa da Torre. Mais pormenores na primeira pessoa…
– Em Setembro de 2003 vim passar um fim-de-semana à Torre. Entretanto chegaram ao pé de mim três pessoas – ti Domingos, José Saloio, Manuel Galdério – pedindo-me para fazer alguma coisa pela Associação da Torre. «A Ti Adorinda vai fechar o café e nós não vamos ficar aqui com nada», disseram-me. A Associação já estava constituída e este espaço onde nos encontramos por detrás da velhinha escola primária estava abandonado mas era o sítio ideal para instalar um espaço de convívio com bar. Decidi ir falar com a ti Adorinda e perguntei-lhe – sei que vai fechar, quanto é que quer pelas cadeiras, pelas mesas, pelo balcão, pela máquina de café? – e ela confirmou-me que fechava no final do mês. Pediu-me 1000 euros por tudo. E logo ali fechámos negócio.
– Quando é que abriram?
– Falei com o João Susano e preparámos tudo para abrir provisoriamente logo em Outubro. No sábado fomos comprar bebidas, guardanapos, copos, etc., e no domingo no final da missa avisámos que o bar da Associação já estava em funcionamento. Até hoje.
– Vê-se muita obra feita. A recuperação do edifício da sede, o palco das festas, o jardim infantil, o estacionamento…
– Investimos todas as receitas do bar e as quota dos sócios em melhoramentos. A Escola Primária estava quase destruída e decidi ir ter com o Presidente da Câmara Municipal do Sabugal, António Morgado, a solicitar-lhe apoio. O Presidente pediu-me um orçamento com a indicação do que pretendíamos fazer. Como o edifício era propriedade da Câmara Muncipal e da Junta de Freguesia do Sabugal entrámos em negociações e conseguimos que o edifício fosse considerado património da Associação.
– As actividades decorrem ao longo do ano?
– Temos 230 sócios e organizamos actividades ao longo de todo o ano. Fazemos a fogueira de Natal, as Janeiras, convívios, torneios de sueca, caminhadas, btt’s e passeios pelo país. Antigamente as pessoas de mais idade da Torre ficavam em casa mas agora já vêm até à nossa sede para beber um cházinho, para conversar com os amigos. Até por isso vale a pena este esforço.
– A escola de música é uma grande aposta?
– A escola de música surgiu por intermédio de uma das nossas directoras, a Claude, e da Sílvia, ambas cá da terra. Todos os sábados, das 14 às 18 horas, temos 32 alunos que vêm aprender com um professor de Vilar Formoso. Comprámos bombos para tentar criar um grupo de bombos. Estamos a trabalhar para o concelho. Não recebemos nada por ter cá a escola de música. O espaço tem sido utilizado, também, para exposições de artesanato em parceria com a Casa do Castelo de Natália Bispo.
– Que projectos tem o presidente da Associação para o futuro?
– Gostaria de ampliar a sede da Associação e fazer uma piscina para tentar fixar os emigrantes durante todo o mês de Agosto na aldeia. Mas muito do trabalho feito só tem sido possível com a ajuda do João Susano, o Nabais, o Domingos e todos os outros.
«Temos feito uma grande obra que muito nos orgulha. e para esta gente da Torre continuo sempre com forças para continuar», diz-nos a terminar José Joaquim Marques, presidente da Associação Cultural e Recreativa da Torre.
jcl

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com… Sandra Fortuna

«Encaro a política como um grande desafio», disse-nos a vereadora Sandra Fortuna, recentemente escolhida pelos seus pares para integrar o Conselho de Administração da empresa municipal Sabugal+. Eleita para a Câmara Municipal nas listas do Partido Socialista, Sandra Fortuna, natural do Casteleiro, que com 29 anos é a mais jovem dos vereadores que compõem o actual executivo, sente que as mulheres dão outro ar à política.

– Foi nomeada vogal do Conselho de Administração da Empresa Sabugal+, que será presidido pelo próprio presidente da Câmara Municipal, António Robalo. Como é que se chegou a essa solução, depois de tão longa indefinição quanto ao futuro da empresa?
– De facto, a situação arrastava-se desde há algum tempo mas há decisões que, antes de serem tomadas, devem ser muito bem ponderadas para não se cair em erros graves. Assim, na última reunião e depois de longa e saudável discussão, o executivo aprovou por unanimidade a proposta apresentada pelo presidente da Câmara para a constituição do Conselho de Administração, que será presidido por ele mesmo, sendo eu e a técnica da Câmara Teresa Marques os vogais.
– O que representa para si este novo desafio?
– É um enorme e aliciante desafio. A Sabugal+ pode vir a fazer um trabalho decisivo para o concelho, na medida em que a sua actividade abrange áreas de grande relevância, designadamente a cultura, o desporto e o turismo. São áreas transversais que devem ser encaradas como ferramentas fundamentais na construção de um Concelho que se diferencie pela riqueza da sua cultura, do seu património e nobreza das suas gentes. Há muito trabalho que se pode e deve fazer neste âmbito. Igualmente ao nível das parcerias que se podem estabelecer com outras entidades, para que todos se possam envolver no futuro do concelho. Não posso deixar de esclarecer que os objectivos e a actividade da empresa municipal é decidida pelo executivo da Câmara, a quem cabe igualmente decidir sobre as suas competências.
– Então está a querer dizer que a Sabugal+ deveria ter mais competências?
Considero que a Sabugal+ poderá ter uma influência maior em muitos sectores da estrutura organizacional do Município.
– Como se vai processar a gestão da Sabugal+? Vai ocupar as funções de vogal a tempo inteiro?
– A ideia é gerir a empresa com respeito pelos seus Estatutos, que estipulam a realização de uma reunião mensal, podendo porém o Conselho de Administração reunir extraordinariamente sempre que se justificar. Tenho a certeza que a empresa tem nos seus quadros técnicos competentes que serão uma mais-valia preciosa no funcionamento, no desenvolvimento e na concretização dos objectivos, como referi anteriormente, estipulados pelo executivo da Câmara.
– Considera que esta foi uma solução de recurso, face à impossibilidade de se chegar a um acordo para a nomeação de um técnico experiente para dirigir a empresa?
– Não foi uma solução de recurso. Foi uma solução política e consensual face à composição do actual executivo municipal.
– Considera então que Norberto Manso não merecia ser reconduzido, tal como propunha o presidente da Câmara?
– A questão não se pode colocar dessa forma. O Dr. Norberto Manso era um homem de confiança do anterior executivo e por isso foi nomeado no cargo de presidente da Sabugal+. Era, portanto, um cargo político de nomeação. Como é evidente, o Dr. Norberto não é o homem de confiança da maioria do actual executivo. Importa, no entanto, referir mais uma vez, que o Conselho de Administração cumpre as orientações da Câmara Municipal.
– Está a querer dizer que foi apenas a confiança política que relevou?
– Isso mesmo. Norberto Manso tinha a confiança política do anterior executivo, onde um partido era maioritário e dava as orientações. Actualmente há uma nova realidade, resultante das últimas eleições, e a solução encontrada reflecte a vontade política do executivo que está em funções.
– O Presidente António Robalo acabou por perder politicamente…
– É meu entendimento que ninguém ganhou ou perdeu. A democracia funcionou e formou-se a equipa que o executivo considerou ideal para administrar a empresa. Discutiu-se calma e serenamente e foi encontrada uma solução a contento de todos, realidade que se traduziu na aprovação da proposta por unanimidade.
– Houve momentos de grande tensão nalgumas reuniões em que o assunto foi discutido?
– Julgo que transpareceu para a opinião pública uma ideia errada sobre a forma como as reuniões aconteceram. Posso assegurar que as reuniões até agora realizadas ocorreram com serenidade e com um grande sentido de responsabilidade por parte de todos os intervenientes. Houve um ou outro momento de debate mais vivo, mas sem exaltações e sempre com o máximo respeito de uns pelos outros. A prova disso é que quase tudo o que foi analisado foi aprovado por unanimidade ou, nalguns casos, com a abstenção da oposição. No que se refere aos vereadores do Partido Socialista, sabemos que estamos no executivo como oposição, para que fomos mandatados pelo voto popular, mas fazemo-lo construtivamente e sempre a pensar no futuro do concelho.
– Consigo o PS voltou a ter uma vereadora na Câmara, depois do mandato que entre 2001 e 2005 desempenhou a malograda Lucinda Pires, também do Casteleiro. A Sandra Fortuna sente-se uma seguidora do trabalho político que a professora Lucinda fez no concelho?
– Sinto um enorme orgulho no trabalho da Lucinda Pires no concelho e sobretudo no Casteleiro. Para mim ela será sempre recordada como uma grande figura do concelho do Sabugal. Não sinto que esteja a seguir o seu percurso, porque eu quero seguir o meu próprio caminho. Mas ela é para mim uma referência e lembro-me muitas vezes do percurso que ela teve como presidente de Junta de Freguesia, vereadora, professora e dirigente associativa. O Casteleiro orgulha-se muito dela. Note que a Lucinda foi a única figura da freguesia a quem foi feita uma homenagem pública com a colocação de um busto no largo principal. Ela contribuiu decisivamente para o desenvolvimento da terra que a viu nascer. Nunca a esqueceremos!
– O Capeia Arraiana entrevistou recentemente Delfina Leal, vice-presidente da Câmara, e o José Carlos Lages, que fez a entrevista, disse no final que a política no Sabugal está diferente. Concorda que a presença feminina na vereação da Câmara deu um ar mais cuidado e simpático ao executivo?
– No que me diz respeito, considero que se não me achasse capaz de contribuir para uma melhoria do trabalho do executivo não teria ocupado o lugar de vereadora. Tenho-me empenhado nas funções que agora exerço e o meu desejo é fazer sempre mais e melhor, mas tentando também fazer diferente. As mulheres dão de facto outro ar à política.
– Mas concorda que a maior parte das mulheres estão na política devido à Lei da Paridade, mantendo-se a política como uma actividade dominada pelos homens?
– Efectivamente, os políticos são na sua maioria homens, mas o número de mulheres tem vindo a aumentar sendo esta uma tendência que acredito se virá a acentuar no futuro. Há de facto um percurso a fazer para que as mulheres participem mais activamente na actividade política. As mulheres têm muitas responsabilidades no seu dia a dia, mas articulando todas as tarefas, conseguimos obter um óptimo desempenho. É uma verdade que nada se consegue sem esforço, mas encaro a política como um grande desafio. Estou na política porque gosto e porque considero que posso ser útil nestas funções e por consequência no desenvolvimento do Concelho do Sabugal.
– Sente-se respeitada no seio de um executivo camarário, ainda assim dominado pelos homens?
– Absolutamente. Do pouco tempo que tenho como vereadora posso dizer que o respeito é imenso. Não recordo qualquer situação de desconsideração. Não existe qualquer tipo de desigualdade entre as propostas e os pontos de vista apresentados pelas mulheres ou pelos homens do executivo.
– Os três vereadores eleitos pelo Partido Socialista actuam de forma concertada, como um todo, ou cada um age por si assumindo a sua própria responsabilidade?
– Temos na Câmara pessoas de muito valor, e não falo por mim. O António Dionísio e o Luís Sanches estão ali para trabalhar em favor do Sabugal. Analisam a fundo todos os assuntos e discutem-nos seriamente. O Toni, embora nunca antes tivesse sido vereador, tem uma grande experiência, e é um homem muito coerente e muito rigoroso. Conversamos muitas vezes para acertarmos posições e tentamos agir concertadamente, sempre com uma certeza e um objectivo comum: que é possível construir um Sabugal com futuro!
– A oposição não tem, portanto, sido uma força de bloqueio nas decisões do executivo?
– De maneira nenhuma. Os vereadores eleitos do PS têm demonstrado uma grande responsabilidade, tanto nas votações efectuadas como na apresentação de propostas para a resolução dos assuntos discutidos nas reuniões. Temos a noção clara de que o mais importante é a construção de um concelho melhor para viver e trabalhar. No entanto, compete ao Sr Presidente da Câmara e aos seus colaboradores directos apresentarem os projectos, cabendo-lhe igualmente a responsabilidade se os resultados obtidos não forem os mais positivos.
plb

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com… Delfina Leal

O Capeia Arraiana esteve à fala com Delfina Leal, vice-presidente da Câmara Municipal do Sabugal. O encontro deu-se em Lisboa ao final do dia de quarta-feira no pavilhão 2 da BTL no stand das Termas de Portugal. Destacava-se na alva paisagem termal a maqueta futurista da nave espacial do balneário das Termas do Cró. A autarca representou o município sabugalense na abertura da Feira de Turismo e marcou presença no Congresso Internacional de «Saúde e Bem-estar» que decorreu no auditório da FIL.

À fala com... Delfina Leal– O Sabugal, pela mão da Câmara Municipal, aparece este ano pela primeira vez em dois stands da BTL. Porquê só agora?
– Estamos muito empenhados em divulgar e promover o Sabugal. É uma aposta forte para colocar o nosso concelho no mapa. O património histórico, cultural, natural, gastronómico e tudo aquilo que nos possa promover. Estamos presentes no Turismo da Serra da Estrela e o peso e importância dessa marca onde estão representados quase todos os concelhos da Beira Interior é uma mais-valia para as nossas ofertas.
– No pavilhão da Serra da Estrela há uma aposta clara no turismo. No espaço das Termas de Portugal a estrela é o complexo termal do Cró…
– Sim. Como o balneário está prestes a ser concluído entendemos que era a altura de estar presente para dar a conhecer a nossa grande aposta no futuro próximo. É o primeiro ano que a BTL tem esta variante de saúde e bem-estar. Estive presente durante a manhã deste primeiro dia de feira no Congresso Internacional dedicado a esta temática da saúde e bem-estar. Assisti, num auditório repleto, a intervenções muito interessantes e recolhi informações muito úteis para preparar a abertura do parque termal do Cró.
– É objectivo da autarquia maximizar a promoção das Termas do Cró?
– Exacto. Está previsto que as obras estejam concluídas em Maio ou Junho e estamos a ultimar o lançamento do concurso público para a concessão a privados do espaço. Desejamos que o Parque termal tenha visibilidade a nível distrital, nacional e… dada a proximidade que temos a Espanha iremos fazer uma grande aposta de promoção no mercado ibérico. O balneário tem uma arquitectura lindíssima e oferece águas com características muito específicas e de grande qualidade com várias valências como o termalismo, saúde e bem-estar, spa e fisioterapia a nível médico. Queremos alargar a oferta e transformar as históricas «Termas do Cró» em «Parque Termal do Cró». Aliás o Presidente António Robalo até gosta mais de lhe chamar «Parque Termal» e eu também considero que é mais adequado à oferta diversificada que pretendemos oferecer ainda durante este ano de 2010.
– Essa oferta variada implica alojamento nas proximidades?
– Pretendemos lançar em breve um concurso para a construção de um hotel rural com capacidade entre 60 a 70 camas ligado ao complexo. Aliás nas aldeias próximas já há quem esteja interessado em investir em habitações de turismo rural. Hoje confirmei no congresso uma ideia pessoal que venho defendendo há muito tempo. Em termos de turismo mundial o conceito de «saúde e bem-estar» é um produto em franca expansão que faz viajar as pessoas.
– Considera então que o projecto é auto-suficiente?
– Não. As termas devem ser integradas em tudo aquilo que o concelho do Sabugal oferece. Devemos promover e estudar em parceria com a iniciativa privada os roteiros turísticos dos castelos, da gastronomia…
–… é um tema recorrente mas não posso deixar de lhe lembrar as dificuldades das ligações rodoviárias ao concelho. A aposta pode passar pelo comboio…
–…é uma hipótese. E confirmo que pretendemos «convencer» a Refer para que seja possível alterar o nome da estação ferroviária para «Cerdeira-Termas do Cró». É uma negociação muito burocrática mas que entendemos importante para a promoção e desenvolvimento do projecto termal.
– Representou a Câmara Municipal do Sabugal na abertura da BTL e participou no Congresso Internacional «Saúde e Bem-estar». Que «sensações» leva de volta?
– Gostei de ver a experiência do Hotel H2O que eu já conhecia mas que vale sempre a pena recordar ou das Termas de Monte Real que estiveram num processo de recuperação e que depois de renovadas se reposicionaram no mercado da «Saúde e Bem-estar». São experiências enriquecedoras que nos permitem alargar o leque de hipóteses para rentabilizar o investimento. O nosso concelho tem 29 lares de idosos de excelente qualidade que poderão receber no futuro idosos que não têm raízes no concelho do Sabugal mas que se vieram tratar nas Termas e por lá ficaram. São janelas de oportunidades que devemos manter abertas. Deixo aqui outro exemplo. O presidente da Região de Turismo da Serra da Estrela, Jorge Patrão, insistiu para que lhe trouxéssemos uns quadros sobre capeias mas depois não foi possível enquadrá-los no stand. Há pouco estivemos à conversa sobre as capeias e ele insistiu na necessidade de oferecermos as capeias no Sabugal. E eu defendi que temos de encontrar uma forma de «vender» a Capeia durante todo o ano aos que são de fora. A forma como a Capeia se realiza nas praças das nossas aldeias com lotação esgotadíssima não é compatível com a reserva de lugares para uma excursão. Acredito que vamos ser capazes de encontrar o melhor futuro para o nosso presente.

A Doutora Delfina Leal surpreende pelo fino trato e pela delicadeza com que transmite as suas convicções e pensamentos. A política (que por acaso até é um substantivo feminino) sabugalense está diferente.
jcl

Entrevista ao vereador Joaquim Ricardo

«Falta diálogo entre o PSD e a oposição» considera o vereador do MPT na Câmara Municipal do Sabugal que, em conversa com o Capeia Arraiana, esclarece as razões do impasse na nomeação do Conselho de Administração da Empresa Municipal Sabugal+, responsabilidade que coloca inteiramente do lado do presidente da Câmara, que tem insistido em querer impor um nome sabendo que a maioria do executivo não aceita essa solução.

– Passado pouco mais de dois meses sobre a sua tomada de posse como vereador da Câmara Municipal, que balanço faz da acção desenvolvida?
– Como sabe eu sou o único vereador eleito pela candidatura do MPT – represento, portanto, «um sétimo» do executivo saído das últimas eleições autárquicas. A minha posição como vereador tem sido, e será sempre, a de servir bem o concelho, não me vinculando a qualquer estratégia de índole partidária nem a interesses particulares ou de grupos ou seja, as minhas tomadas de posição em cada reunião são as de analisar com rigor as questões colocadas e depois votar conscientemente.
– Na recente discussão e votação do Orçamento para 2010 optou pela abstenção, quais as razões que o levaram a votar desse modo?
– Não fui tido nem achado para a elaboração deste orçamento. Todas as propostas apresentadas e depois votadas são da responsabilidade do PSD. Por conseguinte, aquele não é o meu orçamento. E, entre ter e não ter nenhum instrumento de gestão optei, neste início de mandato, por me abster na votação por achar que não devo ser responsável pela não governação do concelho.
– Paira porém a ideia, mau grado a viabilização do orçamento, de que a oposição está apostada em bloquear as iniciativas do presidente, como é exemplo o facto da Administração da Sabugal+ não estar ainda nomeada dada a sucessiva inviabilização das propostas que o presidente tem apresentado nas reuniões do executivo.
– A nomeação do conselho de administração da empresa municipal Sabugal+, é um assunto que me tem preocupado muito. E, nessa medida, fui eu que na reunião camarária do dia 8 do corrente propus que na reunião do dia 15 fosse discutido e resolvido este assunto – o que veio a acontecer. Não tenho uma posição pré-formada, estando aberto a uma solução que traduza a vontade da maioria dos utilizadores dos serviços prestados por aquela empresa.
– Sim, mas isso após pelo menos duas outras reuniões em que o presidente da Câmara tentou resolver a questão, sendo as suas propostas inviabilizadas pela oposição.
– Eu explico o que se passou até ao momento. Numa primeira proposta o Senhor Presidente da Câmara pretendeu reconduzir o actual Conselho de Administração, o que foi rejeitado. Numa segunda proposta o Senhor Presidente pediu luz verde para ele próprio fazer as nomeações, o que significava receber um aval em branco com o qual obviamente não poderia concordar. A terceira proposta, a da última reunião, o Senhor Presidente voltou a insistir com a recondução do actual Conselho de Administração. Ora, sendo coerente com a primeira votação, a maioria voltou a rejeitar essa solução.
– Fica a ideia de que a oposição não quer que Norberto Manso seja reconduzido como presidente do Conselho de Administração, mesmo após a Assembleia Municipal ter proferido recentemente um voto de louvor ao trabalho que fez durante estes anos na empresa municipal.
– Ainda bem que me faz essa pergunta, porque importa esclarecer o seguinte: Pessoalmente falei duas ou três vezes com o Dr. Norberto Manso e garanto-lhe que nada tenho contra ele, enquanto pessoa. Entendo, no entanto, que o Conselho de Administração da Sabugal+ deve ter a confiança política do executivo camarário. Foi de resto isso que aconteceu nestes últimos anos, em que o Dr. Norberto Manso tinha a confiança politica do executivo. A realidade politica é agora muito diferente. O PSD perdeu a maioria absoluta que antes detinha e o actual executivo é agora formado por três vereadores do PSD, outros três do PS e um do MPT, pelo que qualquer decisão acerca da confiança politica do executivo tem de ter em conta esta sua nova composição.
– Percebe-se que o que está em causa é o nome do futuro presidente do Conselho de Administração. Considera que Norberto Manso, para além da questão da confiança politica, fez um bom trabalho à frente da empresa?
– Uma empresa cuja função é gerir equipamentos municipais não tem como principal objectivo, o lucro financeiro. O lucro deste tipo de empresas deverá consistir no aumento do número de utilizadores desses espaços e na melhoria de qualidade dos seus serviços. E nesta perspectiva, considero que o Dr Norberto Manso não soube, em minha opinião, promover da melhor forma a actividade da empresa. Notei isso depois de analisar o relatório da actividade desenvolvida durante o ano de 2009, e não perspectivei alterações a esse comportamento no Plano de Actividades para o ano de 2010, para além de, neste último caso ter dúvidas sobre a legitimidade «deste» Conselho de Administração para apresentar o Plano de Actividades para 2010, donde resultou, na votação, a minha frontal abstenção.
– Face a tudo isto o que motivará o presidente da Câmara, António Robalo, a insistir na ideia de propor repetidamente Norberto Manso para presidente da empresa?
– Não sei e não compreendo o que o motivará a insistir na apresentação da mesma proposta já por duas vezes de uma forma clara, tanto mais que a oposição, que é maioritária, já deu suficientes sinais de que não aceitará essa solução.
– E o que acha que terá levado um deputado municipal do PSD, que considerou que estava em curso um acto de perseguição política, a propor na última Assembleia Municipal um voto de louvor a Norberto Manso, de resto aprovado com uma votação muito expressiva e sem votos contra? Terá sido essa uma forma de pressionar o executivo a aceitar que ele seja reconduzido?
– Em democracia temos que estar preparados para aceitar a vontade dos legítimos representantes dos eleitores. O voto de louvor a que se refere e protagonizado na última Assembleia Municipal, envolvendo pessoas, não deveria ter sido, em minha modesta opinião, de «braço no ar» à boa maneira dos idos tempos «revolucionários» pós 25 de Abril, expondo os seus votantes aos olhares dos restantes parlamentares e executivo e, neste caso, também do próprio visado, que assistiu desde o início aos trabalhos. Os argumentos apresentados não me convenceram a tomar posição diferente da que tenho assumido ate este momento. Assim, não me sinto pressionado.
– Que se saiba Norberto Manso não é deputado municipal…
É verdade. A sua presença no local é, no entanto, permitida nos lugares destinados ao público.
– Tem-se verificado que no executivo o PS e o MPT votam sempre, ou quase sempre, no mesmo sentido, demonstrando uma certa sintonia de posições. Isto acontece por acaso, ou resulta de algum acordo ou pelo menos de algum acerto prévio de posições?
– Os projectos apresentados ao eleitorado pelo MPT e pelo PS são, nalguns casos, semelhantes e isso agora reflecte-se, naturalmente, nas votações. É somente por esse facto e mais nenhum que resulta o acerto de posições de que fala.
– Mas a questão da Sabugal+ é uma questão muito pobre e insignificante para gerar tanta polémica, não acha?
– Concordo perfeitamente consigo. A meu ver, só a falta de vontade política em dialogar impede a resolução deste assunto. E, neste caso, o único responsável tem um nome: O Senhor Presidente da Câmara.
– E como pensa que isto se resolverá?
– Na última reunião do executivo foi deliberado que este assunto voltará a ser discutido na próxima sessão que terá lugar na próxima sexta-feira, dia 22. Aguardemos a proposta do Senhor Presidente da Câmara: ele sabe muito bem como pode ultrapassar a questão! Que ninguém tenha dúvidas.
plb

À fala com… Adérito Tavares (2)

Esta segunda parte da nossa conversa continuou a caminhar pela vida de Adérito Tavares. Recomeçamos na Baixa da Banheira, nos tempos quentes da revolução de Abril e vamos até ao presente, até 2009.

Adérito Tavares com pintura de Alcínio

– A sua experiência como professor primário marcou-o…
– Num dos últimos anos que estive no ensino primário – estava a terminar a faculdade – era professor em Almada e fui nomeado para fazer exames da 4.ª classe em Setúbal. Num dia quente de Julho apareceu na prova oral um rapazinho com o ar mais assustado do mundo, muito tímido e a quem ninguém conseguia arrancar uma palavra. Estava bloqueado por completo. Sai da mesa do júri no estrado, sentei-me ao lado dele e perguntei-lhe se ele queria abrir o livro. Olhou para mim, disse com a cabeça que sim, pegou no livro e abriu-o na página com a lição do cuco. E eu perguntei-lhe se já tinha ouvido um cuco. Abanou negativamente a cabeça e eu juntei as mãos em forma de concha soprando entre os polegares imitando o som do cuco. O garoto começou a sorrir e eu aproveitei para o interrogar nas diferentes matérias. Afinal sabia tudo e passou com distinção. Passados uns tempos recebi uma carta da Direcção Escolar de Setúbal – que ainda hoje guardo como uma condecoração – onde a avó do menino, com muitos erros ortográficos, me dizia que nunca o neto tinha sido tratado com tanto carinho e agradecia-me do fundo do coração. Foi um dos melhores momentos da minha vida de professor. Estive no ensino primário até concluir a licenciatura em História na Faculdade de Letras em 1973 tendo terminado o curso com 16 valores (a mais alta desse ano) e tive a sorte de ter professores brilhantes como Borges de Macedo, Veríssimo Serrão ou Vitorino Nemésio. Recordo mais um episódio. Passados uns anos de ter saído da Baixa da Banheira cruzo-me em Lisboa, na zona da Baixa, com o presidente da Câmara da Moita, Vítor Brito de Sousa, que me confirmou o abaixo-assinado acrescentando que no mesmo constava ainda um pedido dos habitantes da Baixa da Banheira para dar o meu nome a uma rua. E eu digo-lhe imediatamente em tom de brincadeira – «claro que não deu, mas… gostaria muito de guardar comigo uma cópia desse abaixo-assinado porque essa era a condecoração que eu gostaria de receber e preservar».
– O programa «Se bem me lembro…» do professor Vitorino Nemésio fez história na televisão em Portugal…
– Ao professor Vitorino Nemésio era preciso saber puxar-lhe pela língua. Gostava de fazer charlas à maneira da televisão. Lembro-me de uma aula, fantástica, que ele deu a propósito da pronúncia «tche» das terras da nossa região. Porquê o «tche»? Aparentemente pela contágio da proximidade a Espanha. Mas não é verdade. O professor Nemésio explicou que a razão do nosso «tche» tem a ver com o repovoamento de origem galega depois da reconquista cristão aos mouros da Beira. Foi uma das muitas aulas brilhantes do professor Nemésio. Curiosamente, na nossa região raiana, há uma localidade com nome galego denominada Vale de la Mula. A tese de doutoramento de mestre Lindley Cintra intitula-se «A linguagem dos foros de Castelo Rodrigo». Os primitivos forais de Castelo Rodrigo incluíam Sabugal, Sortelha, Vila do Touro, Coria e Ciudad Rodrigo do lado de lá e foram redigidos em Leonês. Nos sítios mais inacessíveis o dialecto leonês manteve-se em muitas povoações como, por exemplo, em San Martín de Travejo que fica encravada em plena serra da Xalma. A língua galaíco-portuguesa manteve-se e espalhou-se por toda a região da Beira Interior e daí resulta a pronúncia «tche». Recordo-me de perguntar ao professor Nemésio porque existiam três palavras tão distintas para o mesmo objecto: garfo, tenedor e fourchette. Indirectamente o professor Nemésio ligou a palavra fourchette ao forcão. Garfo pode ser entendido como enxertia, ou seja, uma bifurcação que é atada e fourchette pode ser uma forquilha. São três palavras que estão muito ligadas ao nosso Forcão. São curiosidades históricas que me foram explicadas pela primeira vez pelo professor Nemésio, um açoriano de grande mérito.
– E após a sua licenciatura em História na Faculdade de Letras?
– Finalizei a minha licenciatura em 1973 e fui convidado para professor do Colégio Militar onde estive durante dois anos lectivos. Significa que passei o 25 de Abril dentro do Colégio Militar. Em 75 ingressei como professor convidado na Academia de Música de Santa Cecília – um dos mais prestigiados colégios do país – e onde me mantive durante 17 anos até 1991. Fui professor efectivo na Escola Secundária D. Filipa de Lencastre, junto à Praça de Londres, desde 1980 a 99, altura em que me reformei do ensino público. Entretanto, em 1991, fui leccionar para a Universidade Católica as cadeiras «História Contemporânea» e «Cultura Portuguesa» no curso de Comunicação Social.
– Um percurso brilhante que foi complementado com a publicação de diversos livros…
– Sou co-autor com mais dois colegas dos manuais escolares de História para o 7.º, 8.º e 9.º ano que são usados em centenas de escolas do país e penso que também nas escolas do Sabugal. Além dos manuais escolares tenho 25 livros publicados…
– … incluindo «A Capeia Arraiana»…
– A sensação que me ficou na minha investigação sobre a Capeia Arraiana em autores que escreveram antes de mim como, por exemplo, o doutor Carlos Alberto Marques, natural de Vale de Espinho e professor no liceu da Guarda, que escreveu «Notas etnográficas sobre Ribacoa», publicadas posteriormente na revista «Byblos» e outras. Quando, em 1996, participei no «Congresso do Sétimo Centenário do Foral Dionisino do Sabugal» realizado no Salão Nobre houve uma sessão de homenagem ao doutor Carlos Alberto Marques que incluiu – a convite de Pinharanda Gomes – uma deslocação de todos os congressistas a Vale de Espinho para descerrar uma lápide na casa onde viveu. É este Carlos Alberto Marques, professor de geografia e conhecedor da etnologia local, um dos primeiros investigadores a fazer a pesquisa das Capeias na região raiana. A verdade é que as Capeias não nasceram como as conhecemos hoje. Como diz um poeta espanhol «caminante no hay camino, se hace camino al andar». As Capeias foram surgindo. Primeiro com uma vaca ou duas que eram roubadas do lado de Raia. Depois com vacas emprestadas para pagar o prejuízo aos agricultores que viam as suas culturas dizimadas pelos animais espanhóis.
– As Capeias, a Raia, o Contrabando são a nossa identidade…
– A minha intervenção no «Congresso do Contrabando-2006» e documentado no livro das actas incluiu a investigação aos arquivos do 3.º Batalhão da Guarda Fiscal que têm registado o contrabando apreendido em toda aquela zona que vai desde Penamacor até à Raia do Minho. Os produtos apreendidos eram reportados à secção no Sabugal, dali à 6.ª Companhia em Vilar Formoso (que compreendia desde Barca d’Alva até ao Sabugal) e finalmente ao Batalhão no Porto. E qual era a secção que apreendia mais contrabando – o Sabugal – mais do que Vilar Formoso, mais que Almeida, mais que Castelo Rodrigo, mais que Barca d’Alva. E não se explica porque os guardas eram mais briosos mas sim porque era a zona onde passava mais contrabando. E isso ajuda a explicar a excelente relação que havia entre as populações dos dois lados da fronteira. Há naturais de Aldeia do Bispo que casaram em Navasfrias, em San Martin… E isto ajuda a explicar que muitas vezes os contrabandistas quando passavam com os carregos às costas tinham que fugir dos toiros e gera esta ligação que existe desde o século XIX. A palavra Capeia é de origem espanhola e a forma capear já existia em Navasfrias, em Casillas de Flores, em Fuenteguinaldo. Com oito, nove anos assisti em Navasfrias a touradas com cestos muito compridos para resistir às investidas ou seja uma prática com um aparelho defensivo como o forcão. No século XIX o toiro era um animal raro e muito caro. Era criado para ser apresentado nas grandes Praças espanholas. Recentemente estive em Ronda onde existe uma das mais antigas praças de toiros espanholas e de onde era natural Pedro Romero, o inventor da maior parte dos passes dos toureiros com capa. Em sua memória realiza-se todos os anos, em Setembro, a Corrida Goyesca de Ronda.
– Há um, ou vários, movimentos para candidatar a Capeia Arraiana a Património Imaterial da Humanidade. Qual é, para si, «o caminho que se deve caminhar»?
– Penso que existem muitas práticas de tauromaquia em Portugal. A minha intervenção, em 1996, no 7.º Congresso do Foral intitulou-se «As Práticas da Tauromaquia Popular na Raia do Sabugal» e resultou de uma investigação onde procurei definir a tauromaquia popular, onde, como e desde quando era praticada. Na altura investiguei que estas práticas populares são diferenciadas de região para região. Existem na Ilha Terceira, nos Açores, as corridas à vara larga com cordas muito idênticas às realizadas em Ponte de Lima. Na nossa região começaram por ser vacas e, pouco a pouco, os curros começaram a incluir toiros. Vila Franca, Barrancos e a Moita têm touradas populares próprias da sua região. Não vamos transpor essas originalidades para outros locais. Fiquei extremamente chocado quando, há uns anos, em Aldeia do Bispo, os mordomos de Nossa Senhora dos Milagres, emigrantes em França, introduziram na festa umas meninas vestidas de majorettes. Não faz sentido. Da mesma forma considero que levar as práticas tauromáquicas raianas aos Açores a título permanente não concordo. Se estivermos a falar de uma apresentação da Capeia Arraiana com pegadores de forcão sabugalenses feita nos Açores como se faz no Campo Pequeno, concordo. Apesar de achar que a Capeia de Lisboa está mutilada porque não tem encerro.
– A finalizar pedimos ao historiador Adérito Tavares que fale do futuro. Do futuro do Sabugal…
– Gostaria bastante que o Sabugal investisse em acções que podem evitar a desertificação total. Apostar no turismo, na manutenção de tradições locais e oferecer aos visitantes o passado. Um passado rico que inclui praças-fortes como Vilar Maior, Vila do Touro, Sortelha, Alfaiates e que incluem as sete grandes vilas de que falava Alexandre Herculano. Há um património histórico que está visível. Deixo o desafio de se criar o «Circuito das Vilas Grandes», colocar essa informação na Internet e propô-lo às agências de turismo cultural. Levei dezenas de excursões culturais ao Sabugal com alunos do secundário e da Católica e enquanto presidente da direcção da Associação de Professores de História organizei duas excursões com docentes a Monsanto, Sortelha, Sabugal e às restantes aldeias históricas. Organizei viagens ao Sabugal com sócios da Casa de Macau em Lisboa, com professores e alunos do Colégio Moderno em Lisboa e da Academia de Música de Santa Cecília. Durante muitos anos levei os meus alunos da Católica a conhecer o Sabugal. É isto que eu defendo para as nossas terras. Tenho dezenas de fotografias em Sortelha no restaurante Alboroque, uma curiosa palavra que define a refeição com que se fechava um contrato. O futuro do Sabugal depende de todos os sabugalenses.

Adérito Tavares, natural de Aldeia do Bispo, é casado com Maria da Conceição Tavares. O filho João é licenciado em Direito pela Católica e a filha Ana Teresa é doutorada (nos Estados Unidos) em ciências biomédicas e investigadora de biologia molecular no Instituto Gulbenkian e na Faculdade de Medicina Veterinária. A conversa foi um intenso momento de cultura que poderíamos intitular de «Palavras com História».
jcl

À fala com… Carla Sofia Marcos

A jovem Carla Sofia é natural do Soito. Filha de empresários, possui também o bichinho do negócio, o que a levou a apostar na instalação de uma loja de grande prestígio na Baixa de Lisboa, a zona mais nobre da cidade. Xocoa é a marca do esplêndido chocolate que expõe e vende, sendo muitos os transeuntes que entram e compram e muitos também os que ali vão de propósito para adquirirem um produto de alta qualidade. Capeia Arraiana também foi à Xocoa, onde esteve à conversa com a jovem empresária soitense.

– Xocoa dá-nos a ideia de que aproveitou o nome do nosso rio Côa para designar a sua loja…
– Pois isso é apenas uma feliz coincidência. Xocoa é uma marca catalã de chocolate artesanal, cuja casa mãe existe em Barcelona desde 1897. A empresa expandiu-se e detém actualmente 16 lojas em toda a Espanha, sendo esta a sua primeira filial fora do país.
– Então isto é um franchising, na medida em que comercializa uma marca em respeito absoluto pelas regras da empresa mãe?
– Sim, mas eu chamo-lhe «franchising amigável», porque a empresa mãe apenas cede o negócio a conhecidos em que tenha confiança, com uma grande preocupação com a qualidade mas sem procurar a expansão do negócio a todo o custo.
– Como chegou aqui à Baixa de Lisboa com este negócio? Fale-nos do seu percurso pessoal e profissional.
Estudei na Universidade da Beira Interior, na Covilhã, onde me licenciei em Engenharia Têxtil. A minha mãe era sócia da empresa Dache, no Sabugal, e com a sua morte, há três anos, eu e meu irmão herdámos as suas quotas na empresa. Eu pensei até em me fixar no concelho do Sabugal, mas a empresa entrou em dificuldades e fechou, pelo que decidi procurar outro negócio para investir. Então um amigo que tenho em Barcelona deu-me a ideia de instalar em Lisboa uma loja de chocolate da Xocoa e eu avancei.
– E foi difícil obter financiamento e arranjar este local?
Tive a ajuda do meu pai, que financiou o negócio e me ajudou a procurar um local central. Decidimos logo que seria aqui na Baixa de Lisboa, para potenciar o negócio, e conseguimos alugar este espaço, onde tivemos que fazer obras, transformando-o numa loja condigna.
– E está satisfeita com o rumo do negócio?
Não me posso queixar. A casa está aberta há sete meses, e as coisas correm muito bem. Temos clientes a entrar na loja durante todo o dia e, em média, vendemos chocolate a sessenta pessoas por dia, muitas delas comprando até em boa quantidade.
– Como é que as pessoas reagem perante uma montra tão sugestiva, cheia de chocolate de formato original e com uma marca ainda relativamente pouco conhecida?
O aspecto da loja é o primeiro impacto no transeunte que passa e olha aqui para dentro. Depois o produto também é apelativo e quando entram e provam o chocolate então rendem-se completamente, porque o produto é muito bom e de alta qualidade.
– E é também caro, não acha?
Eu diria antes que não é barato, porque existe uma relação equilibrada entre o preço e a qualidade. A prova é que em sete meses que aqui estamos e em que já atendemos milhares de pessoas, nunca tivemos uma única reclamação. Isto é revelador.
– Mantém a esperança de um dia investir no concelho do Sabugal?
Tenho esse desejo a talvez um dia isso seja possível. Não com uma loja destas, pois a casa mãe da Xocoa considera que o negócio apenas é viável em zonas urbanas com mais de 100 mil habitantes, mas há outros negócios interessantes que ali se podem instalar.
– Vai regularmente ao Soito?
Sim, vou lá sempre que posso, até porque vive lá o meu pai e tenho lá uma boa parte dos meus amigos.

Provámos o chocolate da Xocoa, com toque a gourmet, e podemos assegurar que é magnífico, uma verdadeira gulodice que nos deixa uma sensação de bom gosto. Não deixe de visitar a Xocoa, na Rua do Crucifixo, nº 112, junto á entrada da estação de metro do Chiado.
plb

À fala com… Adérito Tavares (1)

Há muito tempo que o Capeia Arraiana tinha um «défice na especialidade». Ainda não tinha sido possível conversar com o autor de um dos mais importantes livros sobre a história da festa maior dos sabugalenses – a tourada com forcão. Vamos recuperar o atraso publicando um «à fala com…» o historiador Adérito Tavares, natural de Aldeia do Bispo, que investigou, compilou e editou o livro «A Capeia Arraiana».

Adérito Tavares

«Editado em 1985, o livro de Adérito Tavares continua a ser a maior referência bibliográfica acerca da tourada com forcão, cuja realização cabe por exclusivo ao povo das terras raianas do concelho do Sabugal», diz-nos o Paulo Leitão no seu artigo sobre o livro «A Capeia Arraiana» publicado neste espaço. Vamos dar a conhecer um pouco melhor o percurso deste estudioso raiano licenciado em História e autor da maior parte dos manuais de História do 3.º ciclo do Ensino Básico em Portugal, docente na Universidade Católica e referência-mor do estudo historiográfico da Capeia Arraiana. Resta dizer que ao longo da conversa limitei-me a ser aluno atento à aula do mestre.
– Considera que por ter ficado órfão de pai muito cedo esse facto influenciou de forma determinante a sua vida?
– Tenho 67 anos e sou filho de Justino Tavares e Maria Neves Nunes. Fiz a escola Primária em Aldeia do Bispo e depois segui o percurso de muitos jovens sabugalenses: o seminário. Filho de camponeses fiquei órfão aos quatro anos. O meu pai morreu muito novo com 29 anos. O meu pai veio a Lisboa em 1949 o que raramente acontecia nesses tempos. Deu-lhe uma dor no lado direito da barriga (apêndice) mas para azar dele (e nosso) o médico que o visitou em casa de amigos mandou aplicar-lhe sacos de água quente quando todos sabemos que devia ser precisamente o contrário, ou seja, deve ser aplicado gelo. A inflamação generalizou-se e a minha mãe foi chamada à pressa a Lisboa. Passados oito dias foi operado no Hospital da Estefânia mas já não havia nada a fazer e veio falecer – ou para sermos mais correctos esse médico matou-o – pouco tempo depois. A minha mãe regressou a casa dos meus avós e decidiram a minha ida para o seminário. Nesse tempo a maioria dos pequenitos do Sabugal iam para o seminário de Vila Viçosa mas eu, por influência de uma família amiga, fui para Santarém e estive por lá um ano. Depressa se percebeu que não tinha grande vocação para sacerdote e a minha mãe pediu a uma amiga – a dra. Margarida Silva, reitora do Liceu Filipa de Lencastre em Lisboa – que, como então se fazia, lá meteu uma «cunha» para eu ir para a Casa Pia.
– Actualmente não se fala da Casa Pia pelas melhores razões…
– Hoje fala-se por más razões. Ingressei na Casa Pia de Lisboa e a verdade é que eu dou graças a Deus por ter ido lá parar. O Colégio de Pina Manique – onde frequentei até ao quinto ano o curso comercial – ensinava profissões no ensino técnico-profissional como serralheiro, tipografo, etc., etc. Mais tarde já na minha vida académica escrevi livros e artigos sobre a Casa Pia e o seu fundador Pina Manique.
– Pina Manique tinha fama de ser duro e mau. Partilha desta opinião?
– Não é verdade. Pina Manique tinha um pensamento rousseauniano muito aberto em relação à educação, à cultura, mas era anti-liberal e, por isso, foi uma vítima historiográfica da maçonaria e dos historiadores maçónicos e liberais. Pina Manique frequentou o Colégio da Congregação do Oratório de São Felipe Néri, ou seja, os Oratorianos. Na Lisboa daquele tempo as pessoas ricas e remediadas tinham três hipóteses de fazer os estudos. O Real Colégio dos Nobres, fundado pelo Marquês de Pombal, o Colégio de Santo Antão dos Jesuítas ou os Oratorianos. Mas enquanto os Jesuítas defendiam um ensino muito tradicionalista, sem ciências experimentais e com predominância das humanidades à maneira antiga como o latim, os Oratorianos tinham um ensino muito mais aberto e experimental discutindo livremente o cartesianismo ou o pensamento galilaico. Como Pina Manique frequentou os Oratorianos e ficou sempre nele essa ideia do ensino actualizado, científico, moderno e modernizador. Quando funda a Casa Pia – uma escola para crianças abandonadas evitando assim que elas se transformassem em ladrões e assassinos – convida para primeiro director um antigo estudante dos Oratorianos de seu nome José Anastácio da Cunha que tinha sido professor na Universidade de Coimbra a convite de Pombal. Se analisarmos bem a personalidade de Pina Manique ele nunca pode ser considerado um reaccionário. Tinha opiniões políticas conservadoras mas do ponto de vista cultural era tudo menos um conservador. No Portugal moderno temos muitos políticos conservadores situados no CDS ou no PSD e no Partido Comunista actual há muitos deputados altamente conservadores como o líder da bancada que elogia a Coreia do Norte. Não tenho dúvidas nenhumas que a Casa Pia foi uma instituição notável e é, com excepção da Universidade de Coimbra, a escola mais antiga de Portugal. Atravessou períodos negros na sua história, renasceu das cinzas, e não merece nem de perto nem de longe a fama que tem actualmente. Eu orgulho-me muito de ter sido casapiano. Pertenci, durante quatro mandatos sucessivos, ao Conselho de Ex-Alunos, um órgão eleito pelo universo dos ex-casapianos.
– É um ex-casapiano que ainda participa na vida da instituição?
– O jornal «O Casapiano», no qual sou colaborador regular, foi fundado por um ilustre amigo, Augusto Poiares. É enviado aos assinantes em todo o mundo – há cerca de 20 mil ex-alunos vivos – e tem como director o meu colega e amigo, José dos Santos Pinto, natural da Malhada Sorda. Foi, aliás, a afinidade regional que fez nascer e consolidou a nossa amizade. O meu artigo deste mês, em «O Casapiano» – que recebi hoje mesmo – destaca a exposição de pintura de Fausto Sampaio que, entre Maio e Outubro, esteve no Museu do Oriente. Surdo-mudo, aluno da Casa Pia, natural da Anadia e pai de Teresa Costa Macedo, ex-secretária de Estado da Família, Fausto Sampaio recebeu na Casa Pia a utensilagem que lhe permitiu tornar-se um excelente pintor. Aliás, a Casa Pia orgulha-se ter formado muitos artistas famosos como, por exemplo, Domingos Sequeira, Vieira Portuense e Martins Correia ou, mais recentemente, os meus queridos amigos Gil Teixeira Lopes ou Francisco de Aquino. Colaborei na altura da inauguração do Centro Cultural Casapiano em Belém – que é simultaneamente museu, arquivo e biblioteca – numa obra colectiva intitulada «Casa Pia de Lisboa – 220 anos a educar, instruir e amparar» com um estudo sobre o pioneirismo educativo na Casa Pia de Lisboa. Por outro lado, todos os núcleos museológicos do Centro estão introduzidos por textos da minha autoria que situam a história da Casa Pia na história de Portugal. O património histórico e humano da Casa Pia é feito da dádiva de grandes homens a este País mas, alguns jornalistas e alguma comunicação social, de forma leviana dão um pontapé na escola sem terem o cuidado de se informar.
– Mas também é professor de jornalismo…
– De facto, enquanto professor de jornalismo na Universidade Católica, tive como alunos muitos dos actuais jornalistas espalhados pelos jornais, rádios e televisões. Quando rebentou o escândalo de que tanto se fala ligaram-me para recolher o meu depoimento sobre a Casa Pia. Eu disponibilizei-me para falar com eles sobre todos os temas mas avisei que não diria uma palavra sobre a questão da pedófilia que, aliás, não conhecia. E as conversas perderam interesse para os jornalistas. Teria sido interessante falar sobre os 42 cursos técnico-profissionais, desde o mais antigo curso do país de relojoaria, passando pela optometria ou pela escola de electrónica em parceria com a Bosch. Há, actualmente, espalhados pelo país milhares de técnicos especializados formados na Casa Pia. Isto é que era importante divulgar.
– Voltando um pouco atrás na nossa conversa, terminou o quinto ano, com 15 ou 16 anos e foi trabalhar ou continuou a estudar?
– Terminei o curso em 1958 com a nota mais alta e obtive o Prémio Pina Manique desse ano tendo-me sido concedida uma bolsa de estudo. No entanto como concorri e obtive uma das primeiras bolsa de estudo da Fundação Calouste Gulbenkian que estava a iniciar-se por essa altura e como os valores eram maiores optei pela segunda e fui estudar para a Escola do Magistério Primário de Lisboa. E ficou, assim, definida a minha vida profissional. Quando terminei o curso do Magistério com apenas 18 anos quem é que me convida para professor? O doutor João António Nabais, de Aldeia do Bispo, que estava a iniciar a instalação do famoso Colégio Vasco da Gama em Meleças, Sintra, que faz este ano 50 anos e que além de fundar o Colégio foi vice-reitor do seminário de Évora e licenciou-se em pedagogia e psicologia na universidade de Lousanne. Aprendi muito com o doutor Nabais. Estávamos no início da década de 60 e durante dois anos fui professor primário no Colégio Vasco da Gama. Tive como alunos os filhos de alguns dos mais importantes homens deste País como, por exemplo, de Jorge de Melo (da CUF), de Champallimaud e um irmão de D. Duarte de Bragança. Fiz uma paragem porque o país estava em guerra e fui chamado para o serviço militar. Não estive lá muito tempo porque, como filho único e órfão, invoquei o estatuto de amparo de mãe. Sai e resolvi emigrar para França onde trabalhei como operário numa fábrica de cerâmica, em Digoin, perto de Lyon. O patrão depressa percebeu que eu era um emigrante diferente. Como, por razões evidentes, não tinha problemas com o castelhano e escrevia e lia francês bem contrataram-me para uma espécie de intérprete-intermediário entre a direcção da fábrica e os emigrantes portugueses e espanhóis. Aproveito para contar um episódio curioso. Os donos da fábrica concordaram em deixar sair meia-hora mais cedo os operários e eu fiz um pequeno curso de francês oral com uma hora diária frequentado por dezenas de portugueses e espanhóis que quiseram aprender francês ao final do dia.
– Com pouco mais de 21 anos regressou a Portugal…
– Voltei a Portugal e inscrevi-me na Faculdade de Letras onde fiz a minha licenciatura em História. Ao mesmo tempo voltei a dar aulas como professor do Ensino Primário. Apesar de ter uma das melhores classificações no Magistério resolvi escolher uma escolas «difícil», na Baixa da Banheira, frequentada por filhos dos operários da CUF. Foram tempos de puro idealismo. Tinha 22 ou 23 anos e foi colocado pelo director escolar de Setúbal, o meu amigo Carlos Monteiro, dos Forcalhos, como director numa escola com oito professores. Quando cheguei à escola não tinha um único vidro inteiro. Organizei uma associação de pais e «inventei» um lanche a meio da manhã e outro a meio da tarde. Quando fui transferido os pais fizeram um abaixo-assinado ao presidente da Câmara Municipal da Moita, Vítor Brito de Sousa, para tentar evitar a minha saída. Foi gratificante.
(Continua.)

1 – Adérito Tavares é um extraordinário comunicador e a conversa (apesar de revista e resumida) ficou, deliciosamente, longa. Continua no próximo domingo.
2 – Aproveito para recordar, com saudade, a memória de um amigo comum. O Padre Albino Cândido Lopes, capelão da Casa Pia e pároco da Picheleira, em Lisboa. Nasceu no Pinhal Novo e faleceu em Lisboa em 1998.
3 – Adérito Tavares inicia este domingo no Capeia Arraiana a publicação semanal de um artigo de opinião na rúbrica «Na Raia da Memória». As crónicas assinadas pelo ilustre professor de Aldeia do Bispo procurarão estabelecer sempre uma relação entre o presente e o passado. O nosso grande bem-haja pela sua disponibilidade.
jcl

À fala com… Luís Camarada

«As confrarias gastronómicas e as associações defendem a preservação de produtos regionais e tradições divulgando-os. Por isso são importantes agentes culturais», escreve esta quarta-feira na sua crónica «Arroz com Todos» o sabugalense João Valente. «É tempo de unir esforços e apostar na riquíssima gastronomia raiana e na sua promoção turística», acrescentamos nós. O Capeia Arraiana esteve à fala com Luís Camarada, presidente da Confraria do Atum, e entusiasta da divulgação da gastronomia e da cultura do concelho algarvio de Vila Real de Santo António.

Luís CamaradaA Confraria do Atum de Vila Real de Santo António realizou recentemente o seu I Capítulo onde esteve presente uma representação da Confraria do Bucho Raiano do Sabugal – como fazia questão de divulgar pelas colunas da Praça Marquês de Pombal, Armando Lopes, da Rádio Algarve – e onde foi recebida, em conjunto com as restantes 12, com todas as honras do livro das usanças.
Um dos seus principais entusiastas, o presidente confrade Luís Camarada, falou no final com o Capeia Arraiana.
«A Confraria apresenta um traje feito pelo jovem estilista local Sérgio Monteiro, composto por boina, opa ocre e capa azul de ganga a imitar os trajes dos operários das fábricas de conserva que existiam na cidade. O nosso objectivo é defender o atum e implementá-lo como prato gastronómico e atracção turística de Vila Real de Santo António que queremos tornar na capital gastronómica do atum», resume a iniciar a conversa Luís Camarada, presidente da Confraria do Atum, com sede na cidade fronteiriça do levante algarvio.
– Quem é Luís Camarada?
– Nasci há 50 anos em Vila Real de Santo António. Comecei a trabalhar como empregado de mesa e aos 17 anos emigrei para os Estados Unidos da América. Voltei 12 anos depois e abri o Restaurante Arenilha do qual ainda hoje sou gerente.
– Os portugueses comem menos atum?
– Houve um decréscimo no consumo de atum que está praticamente reduzido às conservas. No entanto os produtos gourmet vão conquistando cada vez mais espaço no mercado mundial e o atum tem características que lhe permite ser transformado em várias especialidades gastronómicas. O objectivo da Confraria é unir esforços e vontades para promover internacionalmente o atum e a cidade.
– Como é que surge esta ideia da Confraria do Atum?
– A Confraria do Atum é uma ideia antiga. O atum é um produto-bandeira de Vila Real de Santo António. Durante décadas contribuiu para o desenvolvimento da cidade e da região costeira do levante algarvio. Mas com o assoreamento da barra do Guadiana os barcos dos pescadores começaram a ter dificuldades em navegar e por questões ambientais a espécie deixou de passar pela nossa costa provocando uma diminuição das capturas. Por outro lado com a deslocalização das indústrias conserveiras, nos anos 60, para o Norte de África o produto perdeu importância em Olhão, Tavira e Vila Real de Santo António. Para não deixar cair o atum no esquecimento queremos promovê-lo e transformar a nossa cidade na capital gastronómica do atum. Organizámos o Congresso do Atum e a confecção de uma estupeta gigante que serviu, também, para congregar cada vez mais pessoas à volta desta causa.
– O Congresso do Atum e a estupeta gigante foram duas das iniciativas de lançamento da Confraria…
– Graças ao empenho do presidente da Câmara, Luís Gomes, que foi hoje entronizado como Confrade de Honra, foi possível ter participantes de muita qualidade no Congresso. Para além disso surpreendeu-nos, durante o seu discurso de entronização, com a notícia do lançamento do concurso para a construção do Núcleo Museológico do Atum onde vai ficar instalada a sede da Confraria e que sempre foi um dos nossos objectivos. Foi a cereja em cima do bolo que veio coroar com êxito este I Capítulo da cerimónia de entronização.
– O jantar-convívio incluiu diversos pratos com atum. São receitas recuperadas ou surgem como novas criações?
– Há um misto de receitas novas e de cozinha de fusão. Em termos gastronómicos são inovações baseadas em receitas antigas como, por exemplo, as sementes de sésamo que acrescentámos ao tradicional tronco de atum frito. São ingredientes inovadores que aliam a sedução aos mais jovens com as apresentações gourmet. Criámos em parceria com a Fábrica de Conservas Dâmaso, de Dâmaso do Nascimento, a salada de atum com couscous, a estupeta (salada de atum com tomate e pimento), a muxama (lombos de atum salgados e secos), o chouriço e a ova de atum e o gelado de atum. A presença desta variedade de pratos, além do atum fresco, nas ementas dos restaurantes confirma que está a valer a pena o nosso esforço.
– Que futuro para a jovem Confraria do Atum?
– Consideramos que este I Capítulo foi um êxito. Estiveram presentes, além de nós, mais 13 confrarias que nos vão ajudar no nosso objectivo da divulgar o atum algarvio. Pretendemos organizar no Verão dois festivais de Atum, um dos quais de Caldeiradas feitas por cozinheiros amadores, e lançar as bases para um grande congresso internacional com países do Mediterrâneo, a realizar em 2010, com apoio de fundos comunitários. Vamos promover a actividade gastronómica no concelho de Vila Real de Santo António e desenvolver o gosto pelo atum e pelos novos produtos derivados e criar a marca… Capital do Atum.

Receita de Cebolada de Atum à Algarvia (quatro pessoas)
Ingredientes: 1 kg de atum (tronco de preferência); 3 Cebolas médias; 400 gr. De tomates maduros; 0,5 dl de azeite; 1 ramo de coentros; 1 dl de vinho branco; Sal e pimenta branca moída.
Preparação:
Amanha-se e lava-se o atum em várias águas (se o atum for salgado deve demolhar de véspera).
Cortam-se as cebolas em rodelas finas, retira-se o pedúnculo dos tomates, escaldam-se em agua para lhes retirar as peles e as grainhas e cortam-se em pequenos cubos.
Leva-se um tacho ao lume com o azeite a que se juntou a cebola e deixa-se refogar um pouco, junta-se o tomate e o ramo de coentros.
Tempera-se com sal e pimenta, deixando acabar de refogar. Adiciona-se o atum previamente cortado às postas e envolve-se bem com o vinho branco, deixe evaporar o vinho e acabar de cozer.
Acompanha: batatas cozidas ou salteadas.
Fonte: Conservas Dâmaso
jcl

À fala com… Ramiro Matos

Ramiro Matos é o novo Presidente da Assembleia Municipal do Sabugal. O cabeça-de-lista do Partido Socialista venceu por 39 votos contra 38 (com três brancos e um nulo) as eleições realizadas no primeiro plenário após as autárquicas de 11 de Outubro. O Capeia Arraiana foi até Alverca ao encontro deste sabugalense que pensa e sente, activamente, o presente e o futuro do Sabugal… de um Sabugal Melhor.

Ramiro Matos e esposa

– Assina no Capeia Arraiana, desde Setembro de 2007, a crónica semanal «Sabugal Melhor» que já ultrapassou as 100 publicações. Nas últimas eleições autárquicas apoiou António Dionísio e integrou como cabeça-de-lista a candidatura socialista à Assembleia Municipal. Este percurso «opinativo» teve como objectivo criar notoriedade?
– Não. Em primeiro lugar devo dizer que a minha ligação às questões do Sabugal não nascem com o Capeia Arraiana. Escrevo e penso o Sabugal desde 1968. Escrevi no «Amigo do Sabugal», fui correspondente no Sabugal do «Jornal do Fundão» e antes do 25 de Abril integrei um grupo de sabugalenses que, em Lisboa, pensávamos o Sabugal, como o João Leitão, o José Correia do Baraçal (que não vejo há muito tempo), o Álvaro Corte (que vive em Faro) e outros. Quando se deu o 25 de Abril tinha 21 anos e como pertencia à Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico fizemos lá a primeira reunião. Eu, o João Leitão e o José Gonçalves Sapinho. E assim nasceu a Casa do Concelho do Sabugal. A minha participação no Capeia Arraiana é quase como uma continuidade desta minha maneira de pensar o Sabugal. Mas na altura não se equacionava a minha participação activa na campanha eleitoral para a Câmara Municipal do Sabugal. Sou independente, não sou militante do Partido Socialista, mas desde há muito tempo que sou «compagnon de route» desse partido.
– Influenciou a escolha do nome do candidato socialista à presidência da Câmara sabugalense?
– Quando me perguntaram quem eu achava que devia ser o candidato socialista à Câmara do Sabugal nunca me veio à cabeça o nome do Toni. A primeira vez que me falaram nessa hipótese disse imediatamente que ele era o rosto indicado para uma estratégia de mudança para o concelho. É uma questão de confiança pessoal e de projecto político. Conheço o Toni desde sempre. As nossas famílias iam passar férias juntas para a praia da Nazaré. Apoiei publicamente o Toni desde a primeira hora – numa crónica muito comentada no Capeia Arraiana – e não estou arrependido.
– Mas António Dionísio não ganhou…
– Não ganhou mas o projecto que o Toni encabeçou mantém-se e apenas ficou atrasado por quatro anos. A não ser que as pessoas sejam suicidas muitas das propostas que o Toni tinha no seu programa vão ter de ser implementadas.
– O poder está no executivo camarário ou a Assembleia Municipal também tem um papel importante nas decisões sobre o futuro do concelho?
– O poder está, essencialmente, na Câmara. Há decisões do executivo que não passam pela Assembleia Municipal que não pode ser vista como oposição. Além dos 41 deputados municipais eleitos directamente há ainda os 40 presidentes de Junta de Freguesia que podem deliberar e orientar as propostas políticas do Partido Socialista, do Partido Social Democrata e do Joaquim Ricardo no sentido correcto. Digo Joaquim Ricardo porque o MPT não existe no Sabugal. O MPT é uma figura surrealista no concelho.
– Quando chegou à primeira reunião da Assembleia Municipal achava que ia ganhar?
– A Assembleia Municipal tem uma primeira questão que devia ser esclarecida. Durante a campanha eleitoral eu fui o número um da lista socialista. Quem elege a Mesa e o Presidente da Assembleia Municipal não são os eleitores. Mas, se me permite, não são… mas são. O Toni apresentou-me sempre, em todos os comícios, como o candidato a presidente à Assembleia Municipal. E… o primeiro nome da lista à Assembleia Municipal do PSD, por coerência e honestidade perante o eleitorado, deveria ser o candidato Manuel Rito. O meu opositor do PSD foi o número dois da respectiva lista. E ninguém percebeu porquê. Faltou uma explicação. Os senhores presidentes de Junta de Freguesia são figuras autónomas que apenas devem responder perante que os elege. Sobre a questão que me coloca é um facto que à partida era muito difícil definir uma vitória. Mas – recordo que concorri em conjunto com Vítor Neto (MPT) e Manuel Nabais (PS) – e para surpresa de muitos aconteceu a nossa vitória.
– Sente alguma inibição ao ocupar o cargo por não viver no Sabugal?
– Nos dias de hoje, com as novas tecnologias, é tudo muito relativo. Mas permita-me que deixe uma pergunta – a Assembleia Municipal do Sabugal teve anteriormente presidentes que não viviam no concelho e será que isso contribuiu para a menorização do papel da Assembleia? – eu considero que não.
– Como «sente» as novas responsabilidades?
– Para começar fiquei abismado. Não me passava pela cabeça que o órgão de soberania, Assembleia Municipal, não tivesse instalações próprias. O Presidente não tem um gabinete para desenvolver a sua actividade. Não tem um telefone, não tem um fax, não tem um email. Neste momento se um cidadão se quiser dirigir à presidência ou à mesa da Assembleia Municipal tem que se dirigir à secretaria da Câmara. É uma indignidade que tem de ser alterada. Vou apenas dar tempo ao novo executivo para que se instale. Depois é necessário marcar até ao final de Dezembro a Assembleia Municipal para debater o Orçamento para 2010. Enquanto Presidente da Mesa e da Assembleia Municipal vou defender uma cooperação institucional e estratégica com o Presidente da Câmara. A Mesa vai apresentar – na primeira oportunidade – alterações ao Regimento como, por exemplo, o período «antes da ordem do dia» onde não está previsto que os deputados apresentem moções, requerimentos ou petições e, por isso, tem que ser modificado. Por outro lado penso que é importante que a Assembleia Municipal reúna fora do Sabugal. Sei que implica arranjar freguesias com salas para cerca de 120 pessoas mas é uma proposta pessoal que quero pôr em prática. A finalizar quero alterar o Regimento no ponto em que não permite a um grupo de cidadãos apresentar petições. Se, por exemplo, um grupo de cidadãos resolver apresentar uma petição para que o Sabugal volte a ser vila ela deve poder ser analisada e votada na Assembleia Municipal.
– As actas são disponibilizadas, oficialmente e publicamente, muito tempo depois de as reuniões acontecerem. Que pensa sobre isto?
– Enquanto eu for Presidente da Mesa e da Assembleia Municipal os órgãos de informação vão ter livre acesso às reuniões. Contudo, legalmente, as actas são aprovadas pelos deputados na reunião seguinte e, por isso, a Mesa da Assembleia não pode disponibilizar publicamente uma acta que ainda não foi aprovada.
– Tem experiência autárquica em Vila Franca de Xira. É uma vantagem?
– Gostaria de deixar uma clarificação. Vou «ocupar» dois lugares. O de Presidente – institucionalmente igual para todos – e de deputado municipal onde estarei a defender as posições do PS. É claro que por ter sido vereador na Câmara de Vila Franca de Xira onde assisti, mensalmente, às assembleias municipais – no Sabugal reúne-se cinco vezes por ano – possibilita-me uma maior experiência na abordagem política às questões que vão ser apresentadas. A partir de meados de Novembro vou começar a marcar com os Presidentes das Juntas de Freguesia do Sabugal as minhas visitas para ver e debater os problemas das populações.
– Considera que há alguma incompatibilidade entre ser Presidente da Assembleia Municipal e ter uma participação pública de opinião no Capeia Arraiana?
– Incompatibilidade não. Como cidadão não me sinto impossibilitado mas há algumas restrições. Vou ter alguma contenção responsável até porque há assuntos que, por inerência do cargo, devem ser debatidos em privado.
– Acredita no futuro do concelho?
– Tenho 56 anos. O momento mais crítico para o Sabugal foi nos anos 60 quando mais de metade da população teve de fugir do concelho e migrar para França, Lisboa, etc. Hoje temos é que encontrar os caminhos para que os vivem no Sabugal fiquem e «convençam» os outros a voltar. Vale a pena acreditar no futuro do concelho do Sabugal. Vale a pena acreditar num Sabugal Melhor.
jcl

À fala com… António Cabanas

António Cabanas, 48 anos, natural da Meimoa, concelho de Penamacor, é licenciado em Sociologia pela Universidade da Beira Interior. Pertence aos quadros do ICN-Instituto de Conservação da Natureza e está «emprestado» à Câmara Municipal de Penamacor desde 2001 onde exerce o cargo de vice-presidente da equipa liderada por Domingos Torrão. No seu currículo destaca-se a publicação de obras sobre temáticas como o contrabando, o madeiro de Penamacor e a Meimoa.

(Clique nas imagens para ampliar.)

Quando terminou os estudos do liceu (antigo sétimo ano) foi trabalhar para o restaurante «Furnas Lagosteiras» perto de Cascais. Explorou um snack-bar no Shopping Cacém e sentiu o chamamento do espírito de aventura. Durante cerca de dois anos foi embarcadiço em navios de cruzeiro nas Caraíbas «onde ganhou algum dinheiro porque no barco não era possível gastar nada». Depois veio para a Malcata e terminou, finalmente, os estudos que não conseguiu acabar quando era jovem. «Os meus pais eram agricultores e tinham algumas dificuldades económicas próprias do mundo rural e entendi que não devia estar a sacrificá-los. Mas… prometi-lhes que terminaria os estudos nem que fosse até aos 80 anos», recorda António Cabanas.
Entre 1987e 2001 António Cabanas sentiu o bater do coração da Reserva Nacional da Serra da Malcata. Foi vigilante, técnico superior e finalmente director da Reserva durante dois anos. Em 2001 uma lista independente encabeçada por Domingos Torrão venceu as eleições para a Câmara Municipal de Penamacor e António Cabanas «transferiu-se» para a autarquia assumindo o cargo de vice-presidente. Em 2005 e nas recentes eleições autárquicas de 2009 a equipa de Domingos Torrão e António Cabanas foi reconduzida à frente dos destinos do município de Penamacor. «Actualmente ainda pertenço aos quadros do Instituto de Conservação da Natureza e como isto de ser autarca não é eterno quando cessar as funções na Câmara Municipal de Penamacor, onde estou desde 2001, voltarei a trabalhar no ICN», esclarece o vice-presidente Cabanas.
– Esteve vários anos ligado à Reserva Natural da Serra da Malcata que muitos relacionam com o lince ibérico. Que projectos recorda?
– Recordo a candidatura do projecto da Senhora da Graça com um orçamento de 200 mil contos, falando em moeda antiga, e que teve alguma envergadura para a época. Este projecto pretendia ter, por um lado, a vertente florestal com plantas autóctones da região e como viveiro das árvores protegidas de todo o País, uma espécie de viveiro do ICN a nível nacional e por outro lado uma vertente de educação ambiental, interpretação da natureza e visitação. Infelizmente não tem havido meios para esta estrutura funcionar a cem por cento mas, de alguma forma, tem sido um baluarte da Reserva da Malcata. Outro projecto em que me empenhei como director foi o «Life» para o estudo do lince e dos seus ecossistemas. O lince é uma espécie que vive uma grave crise. Já fui muito céptico mas, actualmente, estou mais confiante e considero que há grandes possibilidades das populações de linces voltarem à Malcata e a outros territórios ibéricos. Em 1977 o doutor Luís Palma fez estudos na Malcata e registou cerca de 30 linces, em 1987 falava-se numa comunidade de 14 ou 15, em 1992 capturámos uma fêmea mas em 1995 já não conseguimos assinalar nenhum vestígio da sua presença. Em Portugal o lince está extinto mas nos próximos anos vão ser transferidos animais espanhóis para regiões portuguesas onde vão crescer em cativeiro. Apesar do entendimento político entre os dois governos ibéricos ainda não é seguro que a espécie se salve mas há uma nova esperança…
– …«Terras do Lince» é uma marca em que aposta a Câmara Municipal de Penamacor…
– É a bandeira de Penamacor. Há uns anos atrás os ambientalistas que apareciam por cá eram olhados com alguma desconfiança e, afinal, hoje somos todos ambientalistas. Para Penamacor, para o Sabugal, para o Alto Águeda e para a Sierra da Gata a existência do lince será certamente uma mais-valia. É uma marca que faz a diferença e nos pode trazer vantagens económicas. «Terras do Lince» é uma marca que está a ser divulgada através dos produtos regionais – azeite, mel, queijo e enchidos – e pode ser aproveitada para programas turísticos.
– O território da Malcata é partilhado por dois concelhos portugueses e duas comunidades espanholas. Facilita ou prejudica a actuação dos responsáveis?
– Há vantagens porque há diversidade. É um território de transição da fauna e da flora entre o Mediterrâneo e o Atlântico Continental e por isso esta diversidade a Sul com o azinhal, os medronheiros, sobreiros e a Norte com o carvalhal e os castanheiros. Infelizmente do lado espanhol não há um estatuto de conservação como existe no lado português. Os espanhóis são sensíveis à defesa da natureza mas preocupam-se muito mais com o turismo. A Reserva da Malcata tem um plano de ordenamento excessivamente restritivo que acaba por se tornar maléfico. Nos últimos anos a Malcata deixou de ser falada porque um território fechado afasta as pessoas e tem um efeito negativo. Quando há visitação há promoção e uma atenção redobrada sobre o território que facilita a pressão política para a atribuição de mais meios – técnicos e humanos – pelo poder central.
– Em Penamacor sente-se o espírito raiano?
O penamacorense não se considera raiano – com excepção, talvez, das freguesias de Salvador e Aranhas – mas eu considero-me raiano pelo Sabugal e pelos amigos que conheci quando estive na Malcata. Penamacor como praça-forte sempre esteve de costas voltadas para Espanha. Curiosamente iniciámos num processo de geminação com Valverde del Fresno a cerca de 30 quilómetros e com a qual apenas temos uma ligação por estrada há poucos anos. Há uma distância física muito diferente da relação que as aldeias raianas do Sabugal têm com as localidades espanholas de Albergaria ou Navasfrias.
– Como se define o político António Cabanas?
– A causa pública é algo que nasce dentro de nós. Desde miúdo que sinto a necessidade de estar activamente na sociedade. Integrei o grupo coral da igreja na Meimoa, associações, o clube de futebol… O autarca é um homem da causa pública. Nas eleições autárquicas é costume dizer-se que o que conta são as pessoas. As freguesias vivem dependentes das câmaras e estas do Governo e todos sabemos e sofremos na pele o ter ou não ter apoios. Quando somos da cor e estamos com o poder comemos e quando não somos… cheiramos. Por isso compreendo e não condeno os chamados «vira-casacas» porque eles traçam estratégias – incluindo o sucesso pessoal – para atingir os melhores objectivos para as suas autarquias. Em função das minhas competências académicas e do meu percurso profissional na Malcata o ambiente, o ordenamento do território, o turismo, a etnografia e a cultura local são as temáticas com que mais me identifico.
– Há um homem de cultura para além da política…
– A matriz cultural da etnografia e da antropologia beirãs são excelentes elementos de estudo para qualquer sociólogo e o meu trabalho reflecte essas influências. Além disso sou um homem com origens no mundo rural. Os trabalhos no campo com os meus pais foram experiências muito enriquecedoras para a minha pessoa. Cada uma das minhas obras deve ser lida de forma distinta e entendido como uma forma de preservar testemunhos. O livro «Carregos» foi motivado pelo meu pai e pelos meus tios que foram contrabandistas e contavam estórias que eu ouvia com muita atenção. Os vigilantes da Reserva da Malcata tinham motorizadas para andar pelos caminhos pedregosos da serra. No meu primeiro dia de serviço na Malcata levava na ideia passar pela quinta do Major – também conhecida por quinta do Pinharanda ou quinta da dona Rita – onde os contrabandistas passavam com os carregos. O livro sobre a Meimoa tem uma motivação histórica com as nossas raízes, a nossa alma, os nossos antepassados. A Meimoa é uma comenda da Ordem de Aviz, a igreja da Meimoa fez parte da Ordem de Alcântara, a mãe de Pedro Álvares Cabral era a senhora dona da Meimoa e o rei D. Afonso V doou a Meimoa ao primeiro conde de Penamacor e assim através de uma pequena aldeia podemos contar um pouco da história de Portugal. São facetas que desconhecia e acabei por descobrir durante a investigação. O livro «Madeiro» retoma o fio à meada do contrabando porque voltamos ao património cultural das tradições. O Natal tem origem no solestício de Inverno muito anterior aos romanos. O monumental madeiro de Penamacor com 18 tractores de sobreiro é o maior de Portugal e considerei que merecia ser destacado.
– Há publicações na forja?
– Tenho dois projectos que quero levar a bom porto ainda para este ano. Vamos comemorar o primeiro centenário do nascimento de Mário Bento, patrono do Museu da Meimoa, com a publicação de um livro sobre a Comenda da Ordem de Aviz atribuída à Meimoa e em conjunto com a técnica da Câmara, Laurinda Mendes, estou a preparar um opúsculo com muita pesquisa na Torre do Tombo sobre a história cronológica de Penamacor.

No dia 11 de Outubro a lista de Domingos Torrão foi a jogo nas eleições para a Câmara Municipal de Penamacor e venceu com 53,64 por cento dos votos. Os nossos parabéns a António Cabanas pela recondução como vice-presidente da Câmara Municipal de Penamacor e as boas-vindas como «opinador» residente no Capeia Arraiana onde passará a assinar a coluna «Terras do Lince».
jcl

À fala com… Jorge Martins

Fomos ao encontro do historiador Jorge Emanuel Duarte de Carvalho Martins a poucos dias da apresentação, no Sabugal, do seu último livro «Breve História dos Judeus em Portugal». «As expectativas para esta sessão no Sabugal – onde nunca estive – são grandes. Maiores do que uma apresentação na FNAC. A Casa do Castelo, de Natália Bispo, que ainda não tenho o prazer de conhecer pessoalmente, está a fazer um grande serviço à cultura do vosso concelho», acentua este ilustre historiador que reconhece apenas ter estado uma vez em Sortelha e nunca ter visitado o Sabugal. A sessão de apresentação da obra está marcada para sábado, 17 de Outubro, na Casa do Castelo no Largo do Castelo do Sabugal.

(Clique nas imagens para ampliar.)

Jorge Martins, nasceu em Lisboa em 1953, é licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, mestre (tese sobre António Patrício, escritor e diplomata) e doutor (tese em três volumes «Portugal e os Judeus») em História Contemporânea. É professor de história dos ensinos básico e secundário desde 1978 e pertence aos quadro da Escola Secundária Braamcamp Freire, na Pontinha. É autor de manuais escolares e de obras de ficção e ensaio sobre história contemporânea, local e sobre estudos judaicos tendo publicado dezenas de artigos em jornais, revistas e actas de conferências. É, actualmente, investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa do ISCTE.
A propósito da sessão de apresentação no Sabugal do livro « Breve História dos Judeus em Portugal» (Editora Nova Vega, 2009), o Capeia Arraiana aproveitou, uma destas noites, para ir ao encontro do historiador.
O seu discurso, cronologicamente ordenado, é veloz e obriga as palavras a acelerarem o passo para acompanhar as ideias do pensamento enquanto nos fala da presença judaica em Portugal.
– Como surgiu o doutoramento sobre os judeus em Portugal?
– O meu orientador foi João Medina. E, entre os vários temas propostos, surgiu o judaísmo. A minha tese de doutoramento intitulada «O Judaísmo e o Antisemitismo em Portugal nos séculos XIX e XX» foi compilada em três volumes num total de 900 páginas e transformada em «Os Judeus em Portugal». As comunidades judaicas desapareceram de Portugal na sequência do Édito de Expulsão de 1496 mas há registos da sua participação nos Descobrimentos. Baptizados à força viveram a dupla identidade cristã e criptojudaica tendo resistido à perseguição da Inquisição e às tentativas de expulsão. Ressurgiram no início do séc. XIX nas Beiras e Trás-os-Montes (os marranos), em Lisboa, Faro, Madeira e Açores. Muito judeus europeus, protegidos por diplomatas filo-semitas, salvaram-se do Holocausto utilizando Portugal como porta de saída da Europa durante a perseguição nazi. Actualmente há quatro núcleos – Lisboa, Belmonte, Porto e Algarve – com cerca de 1000 residentes. Durante a pesquisa para uma tese sentimos muita insegurança mas, no final, acreditamos que sabemos um pouco mais e é isso que nos dá o equilíbrio. Há muitos assuntos para investigar e ficamos com a certeza que há ainda mais por estudar.
– E, entretanto, o Sabugal atravessa-se no seu caminho…
– O Sabugal aparece como mais uma experiência giríssima só possível na Internet. Troco informações com historiadores judeus em todo o Mundo e, em especial, em Israel e no Brasil. Tenho muitos pedidos brasileiros para troca de dados sobre a história dos judeus em Portugal. Entretanto no lançamento do livro uma aluna minha diz-me – tenho aqui um blogue que fala do seu livro – e deu-me um texto assinado por Joaquim Tomé [opinião de Kim Tomé no Capeia Arraiana] com comentários e citações das minhas frases. E foi assim que tudo começou…
– Sendo assim só conhece o Sabugal virtualmente?
– Em Julho passado estive em Belmonte para ver o Museu Judaico e visitei Sortelha mas não fui ao Sabugal. Entretanto da troca de informações que fui mantendo não consigo perceber como é que havendo a possibilidade de estarmos perante uma estrutura arquitectónica judaica na Casa do Castelo não se faça um trabalho sério para determinar da sua legitimidade. É vital que os portugueses preservem a sua identidade. A força da identidade mede-se pelo cuidado e pela intensidade com que se defendem e promovem os valores de cada localidade. Eu, infelizmente, sou de Lisboa. E Lisboa é uma terra mesclada sem identidade. É a terra do fado e das sardinhas que não são suficientes para identificar os lisboetas. A Internet deu-nos a oportunidade de nos aproximarmos. Há regiões mais interiores que podem valer-se das novas tecnologias para promover os seus produtos.
– Quais são as suas expectativas para sábado?
– Estou impaciente por ir ao Sabugal. Mais do que na apresentação da minha tese de doutoramento que ultrapassou tudo o que se estava à espera. Sinto que vai ser uma sessão muito especial para mim. Até mais do que se fosse realizada numa loja FNAC porque não é uma questão do número de pessoas que possam estar presentes. Ao longo das conversas telefónicas que mantive com Natália Bispo percebi que a Casa do Castelo está a fazer um grande serviço à cultura do vosso concelho. Há potencialidades judaicas (arcas do sagrado) que têm de ser estudadas. Há, museologicamente falando, um «Espaço de Memória» sobre o judaísmo no concelho do Sabugal até porque Maria José Ferro Tavares refere que está registada em 1316 uma dívida dos judeus do Sabugal ao rei D. Dinis. Aproveito esta conversa com o Capeia Arraiana para adiantar uma ideia que vou defender no sábado. Há na Torre do Tombo disponíveis para consulta e investigação 110 processos da Inquisição sobre a comunidade judaica no Sabugal. Vou propor a criação de uma bolsa de estudo dirigida a estudantes universitários do vosso concelho para analisarem os processos. Posso, inclusivamente, indicar nomes de orientadores para o estudo. Até sábado!

Alguns comentários à obra
«A publicação de Portugal e os Judeus, de Jorge Martins, em três volumes, editados ao longo de 2006, constitui um verdadeiro acontecimento editorial, já que desde 1895, ano da publicação de Os Judeus em Portugal, de Mendes dos Remédios, não se editava no nosso país uma história geral da comunidade judaica (…) Obra de obrigatória consulta histórica», Miguel Real, Jornal de Letras, Artes e Ideias.

«(…) Portugal e os Judeus, uma obra vasta onde percorre os caminhos da gente de nação, desde as toleradas judiarias medievais, até à quase extinção dessas comunidades no mundo contemporâneo, depois dos três séculos de perseguição e de lutos forçados a que foram sujeitas pelo poder político-religioso dominante», Luís Farinha, revista História.

«Desde Mendes dos Remédios (Os Judeus em Portugal, 1895) que não tínhamos uma obra com esta ambição contar uma História esquecida ou voluntariamente enterrada no labirinto dos arquivos. Portugal e os Judeus cumpre o projecto que Mendes dos Remédios não chegou a concluir e vai bem mais além, detendo-se na historiografia e no ensino da História nestes nossos dias de confusão e desorientação», António Carlos Carvalho, prefácio ao 1.º volume.

«Não é a primeira publicação do autor – há muitos anos que Jorge Martins vem estudando, investigando, ensinando e escrevendo sobre a temática judaica. A sua tese reflecte, pois, essa investigação aturada: nela sentimos uma atenção sustentada, um conhecimento aprofundado por anos de estudo e acima de tudo, uma real empatia com o objecto de estudo, indispensável a qualquer investigação séria. Analisando o seu trabalho ficamos com a clara noção de que não se trata de uma súbita e passageira paixão, mas de uma relação fecunda e duradoura. (…) Não quero deixar de saudar o autor por este magnífico trabalho que permite trazer ao conhecimento do público interessado, um período muito rico, mas ainda pouco investigado e divulgado, da história de Portugal e dos Judeus», Esther Mucznik, prefácio ao 2.º volume.

«Passado um século e meio após a aparição da mais completa obra sobre a história dos judeus em Portugal, de autoria de Meyer Kayserling, nos presenteia Jorge Martins com uma nova história sobre judeus portugueses, que amplia largamente o livro pioneiro do rabino húngaro. (…) Jorge Martins vem agora nos três volumes de Portugal e os Judeus resgatar uma história dos Judeus e uma história de Portugal, e oferece aos estudiosos do assunto um material inestimável para novas reflexões», Anita Novinsky, prefácio ao 3.º volume.
jcl

À fala com… Joaquim Brázia

O nome Joaquim Brázia confunde-se com a marca Robinil. A fábrica de sofás e móveis ocupa com todo o mérito, desde 1979, um lugar na história industrial do Sabugal. Mas o espírito de empresário levou-o a voos mais altos com a aposta no aeródromo da Dragoa. Um sonho dos sonhos de criança…

(Clique nas imagens para ampliar.)

Joaquim Brázia considera-se uma pessoa realizada principalmente por ter conseguido ficar a viver no Sabugal. Tem uma casa com localização privilegiada e considera ter uma qualidade de vida superior a muitas pessoas nas grandes cidades. «Não é só importante ter dinheiro. É necessário que esse dinheiro traga qualidade de vida. O único senão no Sabugal é o frio mas também esse tem os seus atractivos», diz-nos a iniciar a conversa.
Joaquim Brázia nasceu há 50 anos em Vila Boa. «Sou um ceboleiro», acrescenta, entre sorrisos, com ar orgulhoso. Foi para França dos quatro aos dez anos, voltou a Portugal e frequentou durante cinco anos o seminário de Tortosendo (onde conheceu o Agostinho da Silva do Jarmelo). Os sexto e sétimo anos do antigo liceu foram feitos no Sabugal.
«Fiz a recruta e especialidade em Vendas Novas e depois fui para Lisboa mas não gostei da vida militar. Foi uma desilusão para mim. Sai em 1980. Achei que o curso de linguísticas não me levava a nada e pensei em iniciar por conta própria um negócio de cozinhas. Cheguei a ter reservado um lote na zona industrial mas, entretanto, conheci a minha mulher Anabela Robi. O meu sogro, sócio da Robinil desde a sua fundação em 1979, entendeu propor-me a compra da quota em 1981 e a partir daí estive sempre no ramo do mobiliário», recorda Joaquim Brázia.
– A Robinil é uma marca associada ao fabrico de sofás…
– A Robinil oferece, fundamentalmente, o fabrico de estofo à medida. Temos conhecimento e maquinaria para fabricar modelos que os outros não conseguem executar. Temos duas lojas (Guarda e Castelo Branco) e a loja-fábrica no Sabugal. Até ao final de 2008 tivemos 20 funcionários. Actualmente somos 13 porque as encomendas baixaram muito e estamos a trabalhar abaixo da nossa capacidade.
– A Robinil tem estado presente em certames e exposições?
– Temos tido várias etapas. A primeira foi exclusivamente com a venda ao público para consumo local e numa segunda fase para revenda. Em 1993 fomos vítimas de um valente calote e decidimos regressar às origens e dinamizar mais a venda ao público com a abertura da loja da Guarda e posteriormente de Castelo Branco. O objectivo era concretizar um pentágono – ou não fosse Joaquim Brázia um homem da terra das cinco quinas – que incluía Covilhã, Viseu e Salamanca. Temos sempre na mente uma ponta do cordel que a qualquer momento pode ser puxada e que nos permite avançar e alcançar as nossas metas. A Espanha é atractiva porque tem uma diferença muito grande nos impostos em relação a Portugal. Tenho intenções de ampliar o negócio para Espanha ou para a França. Neste momento a dificuldade é encontrar um colaborador de confiança e bom profissional que promova os nossos produtos em terras francesas.
– A Robinil tem colecções próprias?
– Em 1992 investimos fortemente para ter colecções próprias e achámos que não nos podiam copiar porque tínhamos tecnologia de ponta. Comprámos na Alemanha uma máquina de costura muito avançada para a época que fazia dois pontos muito interessantes mas, passados dois meses, apareceram no mercado produtos iguais ao nosso catálogo de originais. Muito incomodados alterámos a nossa estratégia e agora temos como objectivo ter mais qualidade que os produtos idênticos que existem no mercado. A marca Robinil é reconhecida e adapta-se a todo o tipo de mobiliário.
– Agora as novidades duram cinco segundos na Internet…
– É verdade. Agora as novidades duram cinco segundos e nós temos é que dar resposta ao fabrico à medida. Qualquer cliente que nos visite com uma fotografia ou uma ideia sai da loja com os seus desejos concretizados à medida. Este ano fizemos publicidade no programa televisivo «Preço Certo» que é transmitido em Portugal e França. No mês de Agosto os emigrantes costumam deixar encomendas de um ano para o outro mas este Verão não alcançámos os nossos objectivos.
– Mas o empresário Joaquim Brázia não se limita a sonhar com a Robinil?
– Fora da fábrica não tenho nenhum hobby especial. Não sou caçador, não sou pescador. Mas compreendo a sua pergunta e vou contar-lhe como tudo aconteceu. Conheço o Tó Chûco [António Fernandes] há muito tempo. As várias obras de decoração nas discotecas que foi gerindo foram todas feitas pela Robinil. A última foi a «Crazy Apple» na Covilhã. Em Maio do ano passado estamos numa conversa de café no Mira-Côa e chegamos à conclusão que o Tó tinha sonhos iguais aos meus – voar. A partir daí criou-se uma empatia ainda maior e tudo «voou» a grande velocidade. O Tó já tinha licença de pilotagem, eu fui tirar o brevet a França e comprámos um auto-giro. Inicialmente escolhemos um terreno junto ao Parque Industrial do Espinhal mas como o processo estava um pouco demorado optámos pelo terreno com 750 metros de comprimento junto à estrada Ruvina-Nave. É um investimento totalmente privado. A determinada altura acusaram a Câmara de andar lá a meter máquinas. É totalmente mentira. O único apoio que tivemos da autarquia foi um autocarro que fez duas viagens para ir buscar os pilotos. Mais nada.
– Mas o aeródromo é uma janela de oportunidades para todo o concelho?
– O nosso objectivo é esse. O nosso projecto não está apenas no papel, já está no terreno. Os nossos investimentos têm sido avultados e agora esperamos que as entidades públicas estejam disponíveis para acordos de investimento na lógica público-privada. Os próximos passos são alargar a pista mais dez metros e proceder ao seu alcatroamento. Acreditamos que podem ser criadas condições para uma escola de voo, para um terminal de combate aos incêndios, para um serviço de táxi aéreo entre o Sabugal e Lisboa ou o Porto, para uma empresa de rent-a-car e para uma infinidade de actividades paralelas. Há muitos emigrantes que gostariam de vir de avião mas depois não estão disponíveis para fazer a viagem de carro até ao Sabugal.
– É mais uma solução para a desertificação…
– Se conseguirmos fixar à volta deste projecto 50 pessoas já me considero muito feliz. E tenho a certeza que periodicamente vêem muitas mais. Somos uma região turística com condições naturais espectaculares. O espaço envolvente ao aeródromo pode proporcionar, por exemplo, eventos de motocross. As infra-estruturas podem ser pensadas e adaptadas a muitas actividades desportivas.

Joaquim Brázia e Robinil. Duas referências sabugalenses.
jcl

À fala com… Carlos do Poço

«Discoteca O Poço – 30 anos». Quem passa na estrada Nave-Vila Boa avista junto às pedreiras um placard com fundo negro onde se pode ler que «O Poço» está a comemorar três décadas de existência. Numa destas quentes tardes do mês de Agosto estivemos à conversa com o seu fundador e gerente de sempre: o soitense Carlos Carvalho também conhecido como o Carlos das Cestas (a alcunha do pai) ou mais popularmente como o Carlos do Poço.

(Clique nas imagens para ampliar.)

A primeira foi o «Teclado». Imaginada pelo visionário António Fernandes (Tó Chuco) nasceu no Verão de 1979 e gerou, desde logo, opiniões extremadas nas conversas aldeãs. Por um lado a «boîte» era acusada de ser um antro de perdição e por outro um local de desejo (quase proibido) para os jovens de gerações culturalmente revolucionárias nascidas com o 25 de Abril.
«Com 11 ou 12 anos iniciei-me a levar pessoal para atravessar a fronteira» recorda o Carlos do Poço. «Então foi passador…», acrescentamos. «Não. Ainda era muito novo e não tinha capacidade para isso. Trabalhava para um passador. Cheguei a atravessar a Espanha até à fronteira com França». Optou por uma vida com menos riscos e fez-se estafeta dos CTT. Antigamente, no Sabugal, o correio chegava no «Beira Baixa» à estação da CP do Barracão e era recolhido e entregue pela «Viúva Monteiro» nos comércios das aldeias por onde passava a «carreira». Depois os estafetas locais, a pé ou de bicicleta, encarregavam-se de levar o saco protegido com um cadeado até às aldeias vizinhas.
O jovem Carlos Carvalho foi mobilizado para Angola e colocado durante dois anos em Gago Coutinho. No regresso ao Soito comprou um camião e começou a trabalhar no ramo dos materiais de construção. No sítio do Prado Telhal, junto ao cruzamento do Soito, iniciou a construção de uma casa de habitação aproveitando os terrenos que já serviam para estaleiro dos materiais de construção.
E foi nessa altura que «influenciados pelo sucesso do Teclado a funcionar há cerca de um ano surgiu o desafio de dois rapazes da Nave para abrir uma discoteca». «Mesmo sem licença abrimos O Poço no dia 20 de Dezembro de 1979 para fazer o Natal e a passagem de ano», desvenda o empresário.
– Nunca tinha pensado em ser «empresário da noite»?
– Não. A região não tinha tradição deste tipo de negócio. Um ano antes um emigrante que voltou de França (Tó Chuco) abriu o «Teclado» mas eu nunca me tinha imaginado neste ramo. Passando algum tempo os meus sócios saíram mas eu mantive a porta aberta até hoje.
– Como eram os clientes dos primeiros tempos? Ainda se sentia a revolução no ar?
– Nesse tempo havia muita malta nova nas aldeias. A música que passávamos no início era muito à base do slow, das espanholadas, do rumba, do pasodoble e da música de baile. Era o tempo das calças à boca de sino mas ainda não tinha sido inventada a música pimba. Os discos eram todos em vinil e implicavam um grande investimento porque tínhamos que renovar mensalmente. Actualmente com os formatos digitais os custos são mínimos e estamos sempre actualizados.
– Como foram as reacções?
– No princípio os mais velhos nem sequer vinham. Depois, pouco a pouco, tornou-se normal ir à discoteca. Mas com uma diferença. Actualmente na nossa zona ir à discoteca é como ir ao café. Antigamente convidava-se a miúda mais jeitosa e vestia-se o melhor fato. Nesse tempo trabalhávamos nas noites de sexta-feira e sábado e ao domingo com matinée e soirée. O horário de fecho era à uma hora da manhã. Agora abrimos às três e fechamos às seis.
– Ao longo destes anos houve poucas modificações no «Poço»?
– Na altura abrimos sem licença porque precisavamos saber o que a fiscalização nos exigia para depois fazer. Foi um pouco ao contrário porque não havia legislação própria. O «Poço» foi legalizado em 1980 apesar de ter pouco pé-direito. O que acontece agora é que não podemos fazer obras de fundo que obriguem a uma fiscalização porque depois não nos aprovam.
– Mas as coisas nem sempre corriam bem…
– O pessoal estava habituado ao bailarico no largo da aldeia e quando vinham para a discoteca sentiam-se acanhados para dançar. Depois com as luzes, a música alta e o álcool aconteciam pequenas escaramuças e confusões. As discussões e as bofetadas não levavam a nada. Era aquele momento e acabou. Normalmente saiam para fora e depois havia sempre um ou outro que os agarrava e terminavam todos no bar a beber mais um copo. Aliás, deixei de ter porteiro há oito anos. Na nossa zona é difícil um porteiro dizer a um cliente habitual que não pode entrar. Actualmente a porta está encostada com uma mola e aberta a todos.
– Recordo-me que nesse tempo se escolhia a discoteca que tivesse mais carros no parque…
– É verdade. As pessoas juntavam-se onde havia mais carros. Não tinha a ver com a música, com as mulheres ou com o espaço. Passavam na estrada e onde havia mais carros paravam e entravam. Antigamente cinco carros já faziam um bom ambiente no «Poço». Chegavam a vir oito e dez no mesmo carro. Agora são precisos 50 carros porque vêm apenas uma ou duas pessoas em cada. Havia uma equipa de doze rapazes da Rapoula que chegavam todas as noites num carrito. (sorrisos).
– Em tempos houve a moda das petisqueiras associadas às discotecas?
– Foi uma exigência dos clientes para não passarem a noite só a beber. O «Teclado» foi, mais uma vez, pioneiro com uma cozinha e sala interior junto à pista de dança. Nesse tempo ainda não havia micro-ondas e o cheiro trouxe alguns problemas. Aqui, no «Poço», a primeira petisqueira foi ao ar livre. Mas como as noites na nossa zona são frias tivemos que melhorar o espaço com paredes, lareira e ecrã gigante.
– Agora a afluência às discotecas é menor…
– O «Poço» chegou a abrir todos os dias das férias escolares e todos os dias do mês do Agosto. Mas há nove, dez anos que tudo está diferente. Chegaram a estar abertas cerca de uma dezena de discotecas no nosso concelho. Com as novas leis do código da estrada houve grandes alterações nos hábitos dos sabugalenses mas haverá sempre espaço para uma discoteca na zona e o «Poço» só irá fecha se ninguém quiser continuar quando eu me reformar.
– Quem está por detrás do balcão houve muitas «estórias»…
– Ao fim de 30 anos nesta vida devo conhecer pelo nome cerca de um terço da população do Sabugal. Os que cá estão e os emigrados. O pessoal do concelho do Sabugal queixa-se que ainda nada foi feito para parar a desertificação. É uma desgraça para nós e para o País. A nossa qualidade de vida é muito superior até à cidade da Guarda no entanto o Sabugal está a transformar-se numa colónia de férias. Mas deixo um pedido a todos: visitem-nos porque o concelho do Sabugal vale a pena.

O «Teclado», o «Poço», o «Upita» e o «Templo» marcaram gerações de sabugalenses. Era o tempo das Famel Zundapp e dos carros onde cabia sempre mais um à boleia. Na raia as tardes e noites dos sábados e domingos do mês de Agosto eram nas discotecas e apenas tinham um ligeiro intervalo para ir jantar ao Pelicano de Alfaiates. Foram Agostos memoráveis.
A discoteca «Teclado» após alguns anos de agonia fechou em 2009 e poderá reabrir com outro «ramo». A discoteca «O Poço», do Carlos, comemora 30 anos de existência no próximo dia 20 de Dezembro.
jcl

À fala com… José Reis

E.F.VPTLC.MV é o nome de código do «exercício militar» que vai levar até terras raianas de Penamacor, Sabugal e Almeida altas patentes da Força Aérea. O encontro de convívio entre ex-directores do Centro de Treino e Sobrevivência, instrutores dos cursos de Fuga e Evasão e familiares está marcado para este sábado, 12 de Setembro. A Ordem de Operações está a cargo do sargento-chefe José Reis, natural da Freineda mas «com muitos amigos no concelho do Sabugal» como fez questão de nos dizer durante uma cordial conversa na Base Aérea do Montijo.

À fala com... José Reis - Clique na imagem para ampliar À fala com... José Reis - Clique na imagem para ampliar À fala com... José Reis - Clique na imagem para ampliar

«Tenho 48 anos feitos no dia 27 de Agosto. Sou natural da terra do melhor vinho do Mundo: Fernão Pó. O meu pai era funcionário da CP e eu nasci lá como que por acaso mas fui registado e baptizado na freguesia da Freineda, concelho de Almeida, terra de onde são naturais os meus pais», começou por nos dizer em jeito de apresentação o Sargento-Chefe da Força Aérea, José Reis.
E lançando uma pequena provocação para a conversa acrescentou: «Comecei a trabalhar aos cinco anos!» Apercebendo-se da nossa expressão de surpresa lançou-se nas explicações desvendando que «os pais tinham um pequeno comércio na Freineda» e como era pequeno «colocava uma grade de bebidas por detrás do balcão para servir os meio-quartilhos aos clientes». «Cheguei a ser castigado pelo professor porque pensava que eu estava a brincar em vez de ir à escola mas, de facto, estava na tasca do senhor Januário que era o meu pai», recordou entre sorrisos.
Depois da primária ingressou no Colégio São José, conhecido pelo Rocha, na Guarda onde foi considerado um dos melhores alunos até ao 9.º ano. Os fins-de-semana eram passados na Freineda. «Quando os outros estavam em festa eu estava a trabalhar a ajudar os meus pais», acrescenta com a boa disposição que parece acompanhá-lo sempre.
Passou para o Liceu da Guarda, durante três anos, onde fez parte da Associação de Estudantes e da Comissão de Finalistas.
Aos 19 anos («por sorte» como faz questão de frisar) foi chamado para o serviço obrigatório na Força Aérea. «Na antiga BA3, Tancos, fiz a recruta e fui para a Ota onde me graduaram como cabo da Polícia Aérea. Pouco tempo depois surgiu a possibilidade de integrar um exercício de fuga e evasão em Penamacor mas não cheguei a ir», recapitula José Reis.
No final do serviço militar obrigatório frequentou o curso de sargentos que terminou em 1986. Já como furriel foi convidado para a equipa de instrutores dos cursos de fuga e evasão que eram feitos na zona de Penamacor, Sabugal e Almeida e em especial a zona da Malcata. «Na altura era solteiro e como natural da região agradava-me a ideia de ser instrutor do pessoal tripulante. Embora os cursos tivessem a duração de 12 a 14 dias chegávamos a estar 28 dias destacados na zona».
Mas as surpresas com as recordações de José Reis não param. «Tive o privilégio de ter visto linces na Reserva da Malcata em 1987. Nessa altura havia linces na Malcata. Eu vi. Eu e vários camaradas desse curso.»
– Como eram as relações com as populações?
– As relações sempre foram as melhores. A Força Aérea deve está grata às populações de Penamacor, Sabugal e Almeida porque os nossos militares sentem-se como em casa. Os instruendos tinham como missão não ser vistos por ninguém mas, por vezes, surgiam «ajudas» dos residentes na zona porque achavam que os militares andavam com fome. Mas não diziam nada aos nossos agentes infiltrados. Só no exercício seguinte é que nos contavam os pormenores para que os alunos não fossem prejudicados.
– Os exercícios decorriam em «território amigo» do instrutor Reis?
– Os exercícios começavam em Setembro, por causa da Academia, e depois iam de Outubro até Março para ter a dificuldade acrescida do frio. Fiz e mantenho muitas amizades com pessoal da raia, nomeadamente, o senhor Manuel Zé, do Soito, que nos recebe sempre de forma extraordinária na sua quinta. Mas tenho mais amigos que gostava de destacar: o presidente da Junta de Freguesia dos Fóios, professor José Manuel Campos, o presidente da Junta de Freguesia do Soito, José Mendes Matias, o presidente da Câmara de Penamacor, Domingos Torrão, e o presidente da Junta de Penamacor, o senhor Orlando, e o senhor Américo, entre outros.
– E na Freineda?
– Nos tempos da taberna do senhor Januário a Freineda era uma aldeia com muita vida. Tinha uma fábrica de moagem, uma estação de comboios, uma estação de Correios, tinha tudo o que era necessário para o desenvolvimento de um aldeia. Depois começou a emigração e… acabou o contrabando. E a Freineda apesar de não ter perdido a hospitalidade perdeu vitalidade.
– Bem perto a aldeia de São Sebastião é já considerada modelo…
– Sim. A aldeia de São Sebastião, com cerca de 70 habitantes, é uma anexa de Castelo Bom mas é de invejar o dinamismo da associação local e do seu presidente Joaquim Fernandes a quem aproveito para agradecer e dar o meu apoio pelo seu dinamismo e pela sua capacidade de lutar pela aldeia com alma e coração. No Lar, recentemente inaugurado, que mais parece um hotel os utentes têm todas as condições com muita qualidade de vida. Já este ano fizemos aqui na Base do Montijo um baptismo de voo para cerca de 90 crianças carenciadas organizado pela associação com o apoio do senhor general COFA.
– Actualmente é um dos responsável pela messe da Base do Montijo?
– Depois de ter passado 20 anos como instrutor do treino de evasão e sobrevivência tive um problema físico durante uma demonstração de helicóptero e foi convidado pelo comando a fazer parte da gerência da messe. A unidade tem mais de 800 militares e servimos, diariamente, cerca de 700 refeições.
– A gastronomia raiana é apreciada?
– Faço questão de divulgar a gastronomia raiana. Sempre que tenho um presente para oferecer trago um frasquinho de mel produzida pelo Amílcar Morgado da Freineda. É um dos mais conceituados produtores apícolas nacionais e faço questão de divulgar o seu «Mel da Freineda». Além disso sou um amante do bucho raiano. Há uma casa em Nave de Haver que faz uns buchos espectaculares e aproveito para os trazer para confeccionar almoços para grupos especiais. Na Freineda temos bons pratos como, por exemplo, o borrego. Agora inventaram mais um – o toston – um leitãozinho frito com alho.
– Como surge este «exercício» de antigos operacionais do Curso de Fuga e Evasão?
– Eu fiz parte do pessoal instrutor do curso de evasão e este ano por iniciativa do director do curso foi decidido juntar os antigos directores, subdirectores, agentes e neste momento estou com 72 inscrições. Não é um almoço. É um exercício especial que vai decorrer pela região raiana. A concentração está marcada para as 10 horas da manhã de sábado, dia 12 de Setembro, na Câmara Municipal de Penamacor de onde seguimos para as instalações da carreira de tiro da Meimoa. No castelo do Sabugal vamos aproveitar para tirar uma fotografia de grupo e vamos ser recebidos por representantes do Município e, de seguida, na «Casa do Castelo» e no CyberCafé «O Bardo» para um «exercício de Porto de Honra». Vamos passar pela vila do Soito, do amigo Matias, para uma prova com um aperitivo e a prova de sobrevivência está marcada para o TrutalCôa com truta frita e enchidos regionais. Cumprindo militarmente o roteiro vamos visitar o Centro Cívico dos Fóios para mais um «exercício» que servirá para dar início à «evasão» até Aldeia de São Sebastião. Para as 17:30 horas está marcada uma foto de grupo no monumento ao general Wellinton na Freineda.
– Este «exercício» demonstra que o José Reis sente a Raia?
– Sou um raiano convicto e tudo faço para divulgar a nossa região. Ainda não nos preocupam muito os problemas das cidades e por isso continuamos a ter muita qualidade de vida. Como costuma dizer o nosso conterrâneo professor Fernando Carvalho Rodrigues, pai do primeiro satélite português, «nós somos de uma zona que quando se bate à porta primeiro mandam-nos entrar e depois perguntam-nos quem somos». Este «exercício» serve para divulgar a Força Aérea que tenho muito gosto em servir e para que as populações falem bem dos militares e os militares falem bem da nossa região.
A terminar aqui deixamos mais um curioso episódio da vida deste militar raiano. «Por alturas do São Martinho o José Mendes Matias, presidente da Junta de Freguesia do Soito, fez-me chegar uma encomenda com castanhas. Aproveitei para as enviar para os militares portugueses que estão no Afeganistão com um galhardete da Junta. Os elementos do contingente devolveram-no assinado por todos. Agora guardo-o, com muito orgulho, no meu gabinete.»

Aproveitámos para convidar José Reis a estar presente no dia 7 de Novembro, no próximo almoço em Lisboa da Confraria do Bucho Raiano e a inscrever-se como confrade. O convite foi aceite.
jcl

Grande entrevista com… José Manuel Monteiro

«Não estou nesta luta para combater as outras candidaturas, quero sim contribuir para o debate acerca do futuro do concelho», disse-nos em entrevista José Manuel Monteiro, o candidato da CDU à Câmara Municipal do Sabugal. O ponto de encontro com o economista de 48 anos, natural do Sabugal e director do Departamento de Administração e Finanças da Câmara Municipal de Palmela, foi na esplanada do Centro Comercial Loures Shopping, próximo da morada do candidato que assume protagonizar uma candidatura de ruptura.

Grande Entrevista José Manuel Monteiro candidato CDU eleições autárquicas Sabugal

– Quais são as suas origens no concelho?
– Sou natural do Sabugal, assim como o meu pai, Carlos Monteiro. Já a minha mãe, Maria Alice, é natural das Quintas de São Bartolomeu. Vivi e cresci no Sabugal, de onde saí com 17 anos, vindo para Lisboa para fazer o ano propedêutico, que era um ano de estudos de preparação para a Universidade. Tirando eu, toda a minha família vive no Sabugal e eu vou mantendo uma ligação à minha terra, indo lá quando posso, pelo menos duas vezes por ano. E acompanho também com muito interesse a vida do Sabugal.
– Como surgiu a oportunidade de se candidatar à Câmara Municipal do Sabugal pela CDU?
– Recebi um convite do PCP do Sabugal e, após ponderar, achei que deveria aceitar esse desafio, no sentido de dar um contributo para a discussão daquilo que queremos que o concelho seja.
– Quais as expectativas que tem face a esse desafio?
– Em primeiro lugar queremos apresentar uma equipa que esteja disponível e possa dar um contributo para o debate. Depois queremos apresentar propostas nas quais, independentemente das questões político-ideológicas, os sabugalenses se revejam. Quanto a resultados eleitorais, a nossa maior expectativa é aumentar o número dos representantes da CDU na Assembleia Municipal, o que claramente se justifica na medida em que os mesmos têm tido aí um papel preponderante. E, já agora, seria simpático que a CDU elegesse um representante no executivo.
– Portanto acredita que poderá ser eleito vereador?
– Porque não? Isso dependerá da vontade dos sabugalenses em fazerem rupturas.
– Como conta fazer a campanha para passar a sua mensagem ao eleitorado?
– Estamos neste momento a programar a nossa campanha e temos princípios de base e propostas concretas que apresentaremos a seu tempo na forma de programa. Quanto à forma de passarmos a nossa mensagem, eu acredito sobretudo no contacto directo com as pessoas e é nisso que vamos apostar.
– As outras candidaturas falam muito na necessidade de se lutar contra a desertificação. Como é que a candidatura da CDU encara este problema e como pensa fazer-lhe face?
– Posso adiantar que defendemos quatro eixos de desenvolvimento: económico, social, cultural e ecológico. Depois queremos, no fundamental, atingir seis objectivos. Em primeiro lugar, enquanto grande objectivo, colocamos a necessidade do Sabugal recuperar a sua posição estratégica, tanto no plano regional como nacional, sendo aqui muito importante ter em conta que o concelho do Sabugal é periférico relativamente ao espaço nacional, mas não o é no contexto ibérico, dada a nossa posição junto à fronteira. Um segundo objectivo é a criação de emprego, nomeadamente na área dos serviços, no apoio à população sénior, bem como na agricultura e na indústria. A estratégia do poder local passa não apenas pelo desenvolvimento das competências próprias das autarquias, mas também por haver um trabalho de influência institucional, exigindo e reivindicando junto do poder central.
– Mas como se cria emprego no Sabugal?
– Esta questão da criação de emprego é fundamental para a fixação das populações e a luta contra a desertificação. Há um conjunto de instrumentos, como o uso das taxas municipais, reduzindo e ou isentando, o mesmo se passando em relação a alguns impostos, como IMI e a derrama sobre o IRC. Mas temos também um terceiro objectivo, que é revitalizar alguns núcleos habitacionais históricos, nomeadamente o do Sabugal. Há ali um conjunto de casas que estão degradadas e que importa recuperar porque elas representam, de certa forma, a nossa identidade. Chegou a altura da Câmara agir. Se os particulares não têm capacidade e condições para recuperarem as casas isso deve caber à Câmara, que as deverá recuperar e depois colocar no mercado de arrendamento ou até colocá-las à venda. Não se pode continuar a pactuar com a degradação dos núcleos históricos.
– Isso quanto ao Sabugal. E quanto às aldeias?
– Algumas aldeias também têm núcleos históricos que podem beneficiar dessas medidas. É possível revitalizar algumas aldeias apostando na captação de turistas. Falo aqui, por exemplo, no turista de fim-de-semana. Para isso também é necessário valorizar o património natural, dando a devida atenção à Serra da Malcata, ao Rio Côa e a outros recursos naturais que possuímos. Depois não esqueçamos que o concelho tem cinco castelos e isso deve dar azo à criação de uma rota dos castelos, ligando-os e associando a esta rota a gastronomia. Aliás o nosso quarto grande objectivo é a valorização e difusão da cultura raiana, tendo em conta, por exemplo, alguns valores gastronómicos, como os enchidos, a truta, o cabrito e o queijo, sendo aqui importante a certificação dos produtos, na qual a Câmara pode ter um papel directo de apoio a quem se dedica a estas actividades. A isto deve-se associar a restauração e a hospedagem, entrando aqui as aldeias porque muitas delas têm condições para apostarem no turismo de habitação. Um quinto grande objectivo é a implementação de uma política de gestão pública e participada.
– Mas a gestão pública dos serviços já existe…
– Sim, mas veremos o que sucederá quando a água for privatizada.
– É contra a privatização da água?
– A água é um bem público. Há princípios dos quais eu não abdico e um deles é o de que os bens públicos como a água têm de ser geridos de uma forma pública. O privado interessa-se pelos negócios rentáveis, mas não é aceitável que se faça negócio com bens públicos.
– Falava-nos no objectivo da gestão pública e participada…
– Tem de haver uma gestão pública, mas também uma gestão participada, no sentido de que a população deve ser chamada a participar na gestão autárquica, em vez de apenas ser chamada a pronunciar-se cada quatro anos, em eleições.
– E como se faz essa gestão participada?
– Chamando as pessoas a intervir. Se a população não vem ter com o poder político, é este que deve ir ao encontro das populações. De resto há exemplos em Portugal e no mundo de práticas de gestão pública em que é a administração pública que vai a ter com os cidadãos. Mas quero dizer ainda que temos um sexto objectivo, que é a optimização dos recursos financeiros da autarquia e a valorização dos trabalhadores autárquicos.
– Como se pode fazer diferente e melhor no Sabugal?
– Em primeiro lugar, e como já disse, chamando as populações a participar. Depois é necessário assumir que a Câmara não tem que substituir a administração central. Por isso a execução da ligação à A23 a expensas da Câmara é um erro. Tem de se bater à porta do poder central as vezes necessárias, pressionando as Estradas de Portugal e o Ministério dos Transportes e Obras Públicas, no sentido de se garantir que o Estado cumpra o seu dever, dentro das suas competências. Neste caso concreto, quanto muito deveria haver um protocolo em que a Câmara garantisse que as Estradas de Portugal pagariam as obras ainda que a Câmara avançasse com a sua execução por considerar isso urgente.
– Há quem defenda que, neste momento, o mais prioritário seria a melhoria da ligação à Guarda, enquanto sede do distrito, também pensa assim?
– Neste momento isso é essencial, porque essa estrada liga-nos a duas auto-estradas, a A23 e a A25, sendo até necessário redefinir o traçado. Claro que a ligação à A23 também é importante, mas é necessário definir qual é a primeira prioridade em termos de obra a executar. O aliciante de um programa autárquico é a ideia de que nem tudo vai ser possível realizar em quatro anos, até por insuficiência de meios. O que distingue as candidaturas é a prioridade que colocam na satisfação das necessidades e como isso se concretiza. Sendo os recursos limitados, a acção politica baseia-se na capacidade de decidir.
– Que acção cultural defende para o concelho?
– Há várias iniciativas a realizar, mas há uma que considero fundamental, que é a recolha da gíria quadrazenha. Isso pode ser feito através da comunidade escolar, mas é fundamental recolher aquele património etnográfico, assim como o do contrabando, enquanto forma de vida que deu de comer a muita gente durante décadas.
– Quanto ao Centro de Negócios Transfronteiriço do Soito, recentemente inaugurado, o que considera que deve ser feito para o dinamizar?
– São óptimas instalações, que podem ser sobretudo usadas para instalar um pólo de apoio à constituição de empresas, sobretudo as micro e pequenas empresas, que poderão encontrar ali um centro de partilha de recursos. Também pode ser um pólo cultural, que acolha iniciativas dessa natureza.
– E quanto à Praia Fluvial do Sabugal?
– Eu não gosto de lhe chamar praia fluvial. Para mim é o rio. Era ali que, quando era miúdo, ia com os meus amigos. Chamávamos-lhe o Muro, e usufruíamos daquele recurso durante todo o Verão. Considero que o rio deve ser melhor utilizado nos dias de hoje, desde os Fóios a Badamalos. O essencial é ter um rio limpo, com alguns apoios básicos, mas sem lhe retirar o seu aspecto natural. É necessário valorizar e dignificar aquele espaço. Ainda dentro disso temos a proposta de criar um passeio público, ou um percurso pedonal com ciclovia, entre o Sol Rio e a Barragem do Sabugal. Teria de ser o mais natural possível. As caminhadas estão na moda e podemos criar ali um percurso com condições de ser usado por toda a população nos momentos de lazer.
– Que outras propostas concretas vai apresentar?
– Muitas, que farão parte do nosso programa eleitoral. Por exemplo, defendo a criação de um cartão sénior para se garantirem descontos no comércio local aos mais idosos, assim se apoiando também as lojas comerciais. O Instituto Politécnico da Guarda também pode criar um pólo no Sabugal, com cursos ligados à gestão agrícola, por exemplo. Também defendemos que a Câmara crie bolsas de estudo para jovens carenciados. Quanto aos serviços do Município, deve ser criado um gabinete de atendimento ao público, que trate de todos os assuntos, com possibilidade de se descentralizar pelas aldeias. Pode ser um serviço móvel, que além do mais leve a biblioteca municipal às freguesias.
jcl e plb

À fala com… José Chapeira

José Luís Chapeira nasceu e reside no Sabugal. «Sou do centro do Mundo» como gosta de dizer nos meios empresariais. É um homem multifacetado, de sorriso fácil, bem-disposto e contente com a vida. O empresário empreendedor confunde-se com o autodidacta das artes e da cultura. Nos negócios é gerente da Chapeira&Gomes e do novo Minipreço do Sabugal. Criativo e visionário pertence-lhe a ideia original da iniciativa «Pintar Sabugal» que se realiza anualmente. E no final da nossa conversa defendeu, com convicção, que o milagre das rosas da Rainha Santa Isabel aconteceu no Largo do Castelo do Sabugal…

(Clique nas imagens para ampliar.)


Estivemos à fala com o empresário José Chapeira, natural do Sabugal, e gerente da firma Chapeira&Gomes e do supermercado MiniPreço. Quando despe o fato dos negócios transforma-se num homem de cultura com um feitio contagiante, cantador e tocador de viola, escultor e pintor com obras em azulejo nos fontanários do Sabugal e nas Termas do Cró.
José Chapeira participou nas duas bienais organizadas em parceria pela Câmara Municipal do Sabugal e pela Casa do Concelho do Sabugal e «inventou» a iniciativa anual «Pintar Sabugal» da responsabilidade da ADES.
«Fiz a quarta classe no Sabugal. Andei nos seminários combonianos de Viseu e do Porto. O quarto e o quinto anos [antigos] foram feitos no Sabugal e o sexto e sétimo no Liceu da Guarda. Ainda estive a trabalhar com o meu pai dois ou três anos mas o meu espírito de empresário falou mais alto porque ele não me deixava avançar ao meu ritmo», diz-nos entre muitos sorrisos o sempre bem-disposto José Chapeira.
– Os Chapeira são uma família de empresários…
– A primeira máquina de malhar que houve no concelho do Sabugal foi comprada pelo meu pai, Manuel dos Santos Chapeira, em São Romão do Coronado. Estávamos em 1960 mas vivíamos como na Idade Média. A revolução industrial no Sabugal deu-se com essa máquina. Nesse tempo a malhadora era puxada pelas juntas de vacas de uma aldeia para outra. Até aí os agricultores malhavam e debulhavam os cereais com o mangual. O meu avô e o meu pai sempre foram empresários ligados à arte da latoaria. Quando me iniciei nos negócios apostei no fabrico, injecção e transformação de plásticos com a Chapeira&Gomes. Actualmente mantenho o negócio da família e acrescentei-lhe as energias alternativas, aquecimentos, produtos para caça e mais recentemente o investimento no supermercado MiniPreço no Sabugal. Muito daquilo que eu sei hoje em termos empresariais aprendi com o meu pai. Desde pequenininho que ouvia falar de negócios.
– São investimentos empresariais de envergadura para o concelho do Sabugal…
– Obviamente. O MiniPreço, inaugurado a 3 de Abril deste ano, é um grande investimento. Como já existia uma unidade idêntica implantada há dez anos sem concorrência resolvemos apostar num espaço bem localizado, entre o Centro de Saúde e a Central de Camionagem, com preços competitivos para que os sabugalenses pudessem escolher onde comprar mais barato.
– E têm produtos regionais à venda?
– Somos franchisados e, por isso, estamos obrigados a vender uma série de marcas e produtos do MiniPreço. Mas temos prateleiras especiais para produtos regionais. Estamos preparados para vender o que é produzido no nosso concelho.
– A criação de postos de trabalho no Sabugal é sempre uma boa notícia…
– Vou-lhe contar um pequeno segredo, ou melhor, uma decisão estratégica. Podia ter recrutado os colaboradores que tenho no MiniPreço aqui no Sabugal mas fui buscar um a cada aldeia. Eles vão continuar a viver na sua terra e os filhos ficam lá na escola. É uma forma de não despovoar as nossas aldeias. Como apostamos em conquistar clientes nas aldeias acreditamos que os nossos colaboradores são os nossos melhores anunciantes. Quando chegam a casa falam das nossas promoções e os familiares aproveitam para vir comprar onde trabalha a filha, o sobrinho ou a prima…
– Mas há um artista para além do empresário…
– Essa é que é a minha vida. Quando andava na escola notava e notavam que fazia desenhos diferentes dos outros. De tempos a tempos a professora dizia – hoje vamos ter prova – e no cabeçalho da prova havia um espaço para fazer um desenho. Os meus bonecos eram sempre diferentes. Sou autodidacta mas visito muitos museus, tenho muitos livros, falo com pintores. O «Pintar Sabugal» fui eu que o pari. Gosto de pintar mas mais de desenhar. Cantar e tocar surgiu durante o seminário. Também ali alguém descobriu que eu tinha esse dote. Um dia, com dez ou doze anitos, fui com o pai a Coimbra e vi uma viola numa montra. «Óh pai gostava que me comprasse aquela viola» foi o meu pedido pronto. «Mas custa 750 escudos» ouvi como resposta. Era um valor muito elevado para aquele tempo mas o meu pai fez-me a vontade e regressei ao Sabugal com uma viola que ainda hoje conservo em casa.
– Nesse tempo constituíram-se muitos conjuntos no Sabugal?
– O Clave foi um conjunto famoso com o Rochita, o Totó, o doutor Horácio e o Zé Melão. Eles estavam nos ensaios e eu ia espreitá-los para ver como faziam. Entretanto surgiu o meu grande mestre – o tenente-coronel Orlindo (Notáio) Pereira. Um dia andámos à caça e ao tiro aos pratos na sua quinta quando foi promovido de capitão para major. E à noite toda a gente cantou fado menos o Zé Chapeira que não sabia. Voltei para casa, comprei alguns discos, e agora já canto fado.
– O negócio ainda deixa tempo para as tertúlias?
– O mundo do negócio é só negócio. Tentas comprar por dez e vender por mais alguma coisa. Mas não há alegria no negócio. Não há viver. É como os de Lisboa que têm sempre aquela cara triste e pálida. Eu vou a Lisboa e vejo as pessoas à espera do autocarro e é uma tristeza que trazem. Não têm alma – embora não sejam desalmados acrescenta entre sorrisos – e não têm a alegria que nós temos nesta terra antiga tão bonita. Tenho a sorte de ter amigos verdadeiros e, como não perdemos tempo no trânsito [risos] conseguimos juntar-nos quase todos os dias para cantar, para tocar e para a boa gastronomia raiana.
– Quantas exposições já fez?
– Fiz exposições particulares, colectivas e uma de escultura e pintura em conjunto com o João Reis, da Quarta-feira. Mas agora tenho um problema. Gostava de fazer uma exposição mas não tenho comigo uma única tela. Dei-as todas. Mas nunca vendi um quadro. Algumas pessoas compraram pinturas minhas porque ofereci-as à ADES como receita para a associação. Quando dou os meus quadros aviso logo que é apenas 90 por cento para que os restantes 10 por cento sejam eternamente meus.
– O Sabugal já é pequeno para o empresário Chapeira?
– De maneira nenhuma. Os meus investimentos serão sempre no Sabugal. Quando vou a reuniões de trabalho por esse país fora e na dúvida me perguntam se o «Sabugal fica perto da Guarda» eu respondo imediatamente que a «Guarda é que fica perto do Sabugal». Agora sou reconhecido como o que vive no «centro do Mundo». Não me imagino fora daqui. Esta é a minha terra onde me sinto bem. Já o meu pai dizia – quando estou três dias sem ver os bicos do meu castelo fico doente – e a mim acontece-me o mesmo.
– O que é que falta ao Sabugal?
– O Sabugal tem que explorar as potencialidades turísticas como o contrabando, os enchidos e o bucho e as garraiadas. E o turismo religioso não tem sido nada aproveitado. Tenho uma pintura na Casa do Castelo que representa um grupo de homens à conversa aqui no largo e um tem um chapéu de rabino judeu. Os azulejos que pintei para este fontanário [chafariz que se encontra no largo do castelo do Sabugal] representam a igreja românica de Santa Maria do Castelo que existia aqui no Largo e estava enquadrada com as muralhas. E… reza a lenda e eu acredito que foi no largo do Castelo do Sabugal que se deu o milagre das rosas da Rainha Santa Isabel.
– No largo do Castelo das Cinco Quinas do Sabugal?
– Sim. No nosso castelo. No castelo das cinco quinas de D. Dinis… A rainha Santa Isabel vinha a sair da igreja que havia neste local e estava a dar pão aos pobres. O rei veio ao seu encontro e perguntou-lhe – Que trazeis no regaço senhora? – e a rainha respondeu-lhe – Meu Rei são rosas! – e saíram lindas rosas brancas. Ainda hoje se sente aqui, neste lugar, o perfume de rosas.

«Aqui neste sítio ainda hoje cheira a rosas!», repete José Chapeira enquanto «puxava» o ar com a mão para o nariz.

Com uma alegria contagiante e ar traquina o sabugalense José Chapeira é uma das referências culturais raianas. As tertúlias privadas entre amigos e as sessões públicas no Bardo são momentos únicos. Aconselham-se vivamente!
Milagre das Rosas da Rainha Santa Isabel no Largo do Castelo do Sabugal. Mito ou realidade?

jcl

De novo à fala com… Amândio Assis

Estivemos de novo à fala com Amândio Assis, o empresário do caracol, cuja empresa, denominada «Caracol Real», está sedeada na Cerdeira do Côa, continuando uma conversa que tivemos há um ano e que na altura publicámos no Capeia Arraiana.

Amândio AssisO negócio do Caracol Real vai evoluindo, dando passos curtos, mas seguros. A frota automóvel conta agora seis viaturas, sendo uma delas um camião frigorífico com grande capacidade de transporte. Neste período de Verão a firma emprega 15 pessoas, embora no Inverno apenas mantenha seis trabalhadores. O negócio continua em expansão, vendendo caracol para todo o país e exportando para o estrangeiro, onde agora se destaca Angola, para onde seguirão algumas grandes encomendas.
Entretanto avançam as obras nas novas instalações da empresa, que já estão a ser parcialmente utilizadas, mas cujo arranque definitivo apenas acontecerá no ano que vem.
Há quanto tempo confecciona e vende caracol?
Desde há 27 anos, aqui na Cerdeira. Além do mais sou o produtor de caracol pronto a comer licenciado há mais tempo em Portugal.
E como nasceu a ideia deste negócio numa região que há alguns anos não apreciava muito este tipo de petisco?
Eu sempre gostei de caracóis e aprendi a cozinhá-los com o meu pai. Uma vez, quando já fixado nesta região, estava a lavar caracóis para os cozinhar em casa e veio-me à mente a ideia de me meter num negócio de confecção e venda de caracóis pelos bares e cafés da região. E assim comecei, a medo, mas avançando sempre, até chegar à posição que tenho hoje a nível comercial. Subi devagar, degrau a degrau, evitando sempre dar um trambolhão.
E a tão propalada crise mundial também afectou o seu negócio?
A crise sente-se quando toca a receber, que de resto as encomendas até aumentaram. Eu até digo que não temos capacidade para satisfazer as encomendas. Mas na verdade há um certo atraso nos pagamentos por parte de muitos clientes, o que nos causa problemas de tesouraria
As novas instalações poderão resolver esse problema de falta de capacidade produtiva?
Essa é a nossa aposta e julgo que vamos conseguir expandir muito o nosso negócio a partir daí.
E tem concorrência ao nível da região, ou sente que domina o ramo?
A concorrência existe a nível regional e nacional e isso é uma coisa boa. O que eu condeno é a chamada concorrência desleal, onde até chegam a copiar as nossas ideias. Agora são os espanhóis que já se lançaram no fornecimento de caracol pronto a comer, a partir do sul de Espanha. Houve uma empresa que aproveitou os conhecimentos que um português lhe transmitiu e agora lançou-se no mercado. Mas apurei que injectam gás nas embalagens para o produto durar mais tempo, e isso é pouco benéfico para a saúde de quem os consome. Também houve uma empresa da região que decidiu concorrer copiando o formato das nossas embalagens e até as informações impressas nas mesmas. Copiaram com tanta vontade que até reproduziram também o nosso código de barras, assim se denunciando inteiramente. É esta concorrência que eu denuncio porque não é leal e apenas pretende subir aproveitando o trabalho dos outros.
Há algo especial que diferencie o seu caracol?
Desde logo a forma como é confeccionado. Para que se faça uma boa confecção é primeiro necessário fazer uma boa escolha do caracol, pois só assim se garante a qualidade, sem a qual o produto não poderia ir para o mercado. Há que ter a certeza de que todo o caracol que vai a confeccionar está vivo. Temos umas caixas de plástico quadradas com um metro e vinte de lado por sessenta de altura, com uma tampa. É aí que se coloca o caracol que depois, durante a noite, sobe para as paredes da caixa e para a tampa. Esse caracol é apanhado, mas o que fica no fundo é deitado fora porque está morto. Durante cada mês nós deitamos fora centenas de quilos de caracol. Veja o que seria esse caracol ser cozinhado. Deita um cheiro nauseabundo e se o cozinharmos empesta todo o restante e dá-lhe mau paladar. Face a isto eu lanço um alerta aos consumidores de caracol: quando encontrarem no prato caracóis vazios isso significa que a triagem não foi feita e devem parar de comer e reclamar porque isso pode ser prejudicial para a saúde.
Uma boa triagem do caracol é então o primeiro passo para a qualidade do produto?
Considero isso essencial. Eu fui-me aperfeiçoando e concluí que tinha de seleccionar o caracol, porque as coisas têm que ser bem feitas. Hoje posso garantir que não confeccionamos um caracol que não esteja vivo. Mas também lhe digo que tudo começa logo na escolha do caracol quando o compramos aos nossos fornecedores. Eu preocupo-me em seleccionar o melhor caracol em vivo. Fruto da minha já longa experiência, domino bem as técnicas de selecção e consigo escolher os lotes que me garantem uma boa qualidade.
Em que época é que o caracol é melhor?
Dizem que nos meses que têm R eles não prestam. Isso tem a sua lógica porque o caracol só é bom quando ele não se alimenta. Deixa de comer quando começa a apertar o calor, a partir de Maio, quando os campos ficam secos, mas os melhores meses são Junho e Julho. A partir de Agosto, como o caracol não se alimenta, começa a emagrecer. Ele continua a ser bom, mas é já muito pequeno e começa a ficar algo escuro.
Também vende caracol congelado?
Sim, ultracongelamos caracol que é confeccionado precisamente nos melhores meses para o seu consumo e que depois pode ser consumido durante o resto do ano.
E como se deve fazer para consumir esse caracol congelado?
Deve ser preferencialmente descongelado no frigorífico, de forma lenta, porque depois dura mais tempo, ao contrário daquele que é descongelado no momento, que tem de ser todo consumido na hora.
O Caracol Real tem uma fórmula especial de confecção?
A nossa técnica foi aperfeiçoada nos nossos primeiros anos de actividade. Hoje o Caracol Real tem uma receita própria, muito rigorosa, com os condimentos apropriados e tudo controlado por peso e medida, de maneira a mantermos o paladar que o caracteriza.
E nunca recebeu reclamações quanto ao paladar?
Já sucedeu. Lembro-me uma vez de um cliente que telefonou a dizer-me que o caracol parecia insonso. Disse-lhe que lhe adicionasse um pouco de sal e o fizesse levantar fervura, o que o mesmo fez, telefonando-me de seguida a afirmar que já estava óptimo. Concluí que na confecção daquele caracol falhou a adição do sal. Isto pode acontecer.
Como empresário, o que pensa da economia regional em termos de presente e de futuro?
Há oportunidades a aproveitar. Temos boas estradas, embora uma ou outra estrada secundária não reúna boas condições de circulação, e isso é uma vantagem competitiva. O mesmo não digo do comboio, que o temos aqui à porta mas sem que os empresários o possam utilizar, porque a antiga Estação da Cerdeira já é apenas um apeadeiro sem qualquer importância. A vizinhança com Espanha também deve ser vista como uma potencialidade. No geral penso que temos condições de expansão dos negócios, desde que os apoios oficiais nos cheguem, pois isso é essencial para quem investe no interior.
plb

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com… Romeu Bispo

Romeu Bispo, natural do Sabugal, funcionário bancário, é o novo provedor da Santa Casa da Misericórdia do Sabugal, sucedendo no cargo a José Diamantino dos Santos, falecido no início do ano. Tem sobre os ombros uma grande responsabilidade, pois a instituição cresceu muito nos últimos anos e desempenha hoje um papel incontornável no apoio social às famílias sabugalenses. Rumores acerca de uma situação financeira muito difícil da Misericórdia, levaram-nos à fala com o novo provedor, que esclareceu a conjuntura actual e falou nos projectos de futuro.

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com… Natália Correia Guedes (1)

O Museu do Oriente comemorou este sábado, 9 de Maio, o primeiro aniversário. O Capeia Arraiana esteve à fala com a sua directora, Natália Correia Guedes, doutorada em Museologia e com fortes ligações ao concelho do Sabugal onde passa com a família «os tempos livres possíveis» na sua quinta recuperada, junto ao rio Côa, em Vale das Éguas.

À Fala Com... - © Capeia Arraiana

À fala com… Natália Correia Guedes (2)

Esta segunda parte da conversa com a directora do Museu do Oriente, Natália Correia Guedes, aborda a riqueza do património do Sabugal, o Grupo dos Amigos do Museu do Oriente e a Ordem Hospitaleira de São João de Deus cuja história se mistura com a das terras da raia ribacudana.

Museu do Oriente comemora primeiro aniversário

Há um ano uma chuva miudinha que se fez sentir durante todo o dia 9 de Maio obrigou os visitantes a permanecer em redor do antigo edifício dos Armazéns Frigoríficos de Alcântara de chapéu aberto até conseguirem entrar no mais novo museu de Lisboa, o Museu do Oriente. Para comemorar o primeiro aniversário está previsto um vasto programa de actividades de entrada livre para os dias 8, 9 e 10 de Maio. Em destaque vai estar a exposição de pintura «Viagens no Oriente» de Fausto Sampaio que reúne 60 obras algumas delas de colecções particulares.

Museu do OrienteAs comemorações do primeiro aniversário começam no dia 8 com um concerto de Rão Kyao no Auditório do Museu para a qual é necessária a aquisição de bilhete. No mesmo dia, inaugura a exposição Viagens no Oriente, da autoria de Fausto Sampaio (1893-1956). Em exposição vão estar 60 obras que retratam a Índia, Macau, Timor e Macassar. Pelas 19.00, no Lounge, Paulo Sousa lança o seu último disco, Ao Vivo no Museu do Oriente, resultante da gravação do concerto que Paulo Sousa e o tablista Raimund Engelhardt deram no Museu do Oriente no princípio do ano.
Este ano, e já com quase 120 mil visitantes, o Museu do Oriente preparou um vasto programa de actividades em que grandes e pequenos podem participar. Mediante a aquisição de um passaporte, equivalente à entrada no museu, poderá empreender uma viagem por terras longínquas que o levará à China, Tailândia, Japão, Indonésia e Timor. No final, é só recortar o destacável do passaporte e nele escrever uma frase inspirada em três conceitos: Museu do Oriente, Viagem, Ásia. A melhor frase, avaliada por um júri de três representantes da Fundação Oriente, será contemplada com uma viagem a Macau.Da caligrafia japonesa ao origami, passando por demonstrações do uso do kimono, pela arte chinesa de recorte de papel ou pela demonstração do ritual do chá oolong, pelo ensino da dança indonésia ou por um workshop de ábaco, pela consulta do signo do zodíaco ou até mesmo por um recital de poesia chinesa, pelo tai chi, massagens tailandesas ou ioga, pela pintura de tecidos e por inúmeras visitas temáticas é um nunca acabar de actividades ininterruptas a começarem logo de manhã e a acabarem ao fim da tarde.
O museu reúne colecções que têm o Oriente como temática principal, nas vertentes histórica, religiosa, antropológica e artística e tem como directora Natália Correia Guedes, neta do escritor sabugalense Joaquim Manuel Correia.

O Capeia Arraiana foi recebido no Museu do Oriente, com muita simpatia, por Natália Correia Guedes. No próximo sábado, 9 de Maio, dia do primeiro aniversário do Museu do Oriente, vamos publicar um «À fala com… Natália Correia Guedes» em que a especialista em museologia nos fala desta sua experiência «por terras do Oriente» e da relação pessoal com o Sabugal.
jcl

À fala com… Jesué Pinharanda Gomes

O Papa Bento XVI proclamou este domingo, 26 de Abril de 2009, em Roma, a canonização do português São Nuno de Santa Maria que o povo conhece e reconhece há mais de 600 anos como Santo Condestável. O Capeia Arraiana esteve à fala com mestre Jesué Pinharanda Gomes, natural de Quadrazais, no concelho do Sabugal, um dos quatro magníficos peritos da Comissão Histórica que, desde 2003, investigou, estudou, decifrou e compilou centenas de documentos relativos à vida de D. Nuno Álvares Pereira.

Santo Condestável - Pinharanda GomesO Patriarcado e a Ordem do Carmo decidiram iniciar o processo de canonização do Beato Nuno de Santa Maria no Verão de 2003 tendo dado posse às várias instituições canónicas no dia 13 de Julho numa cerimónia pública no Convento do Carmo em Lisboa. Nesse dia os membros do tribunal, o notário, os teólogos e a comissão de historiadores prestaram juramento canónico de sigilo e compromisso de dedicação à causa. Entre eles, na Comissão Histórica, estava o sabugalense Jesué Pinharanda Gomes, um dos maiores filósofos, ensaístas e pensadores portugueses vivos. «A minha vida, desde 2003, foi passada a analisar documentos na Biblioteca Nacional, na Torre do Tombo, em casa e em outros lugares», começou por nos dizer mestre Pinharanda Gomes.
– Especificamente o que lhe pediram a si?
– A mim, em particular, não me pediram nada. Eu fiz parte da Comissão Histórica, constituída por quatro elementos, que trabalhava em obediência ao Postulador-Geral em Roma e ao Vice-postulador em Portugal.
– Qual foi a missão da Comissão História?
– A missão da Comissão Histórica consistiu em descobrir, investigar, copiar e compilar todos os documentos escritos sobre o candidato a santo, sejam do próprio, ou de terceiros. Consultámos centenas de documentos e livros na Biblioteca Nacional, na Academia das Ciências, na Torre do Tombo, no Arquivo do Patriarcado, no Arquivo da Ordem do Carmo e outros locais. Na fase seguinte fizemos uma triagem e colocámos de lado tudo o que fosse escrito de forma simpática, patriótica, apologética ou panegírica. Depois seleccionámos entre os escritos de intérpretes, teólogos e historiadores, os que trataram – sem elogios – as virtudes heróicas, militares e religiosas de D. Nuno Álvares Pereira. Foi necessário escolher, como documentos credíveis, os testemunhos de pessoas que o conheceram de perto e daqueles que não viram nem ouviram mas que lhes disseram que assim era. As pessoas que beneficiaram da sua presença e o conheceram melhor foram os filhos de D. João I, a Ínclita Geração, e que deixaram testemunho escrito. Por um lado D. Duarte, que escreveu, por volta de 1432 ou princípios de 1433, no «Sumário sobre as virtudes heróicas do Santo Condestável» e também as orações que o infante D. Pedro criou para serem incluídas no ofício divino para a sua canonização. Já nesse tempo se pensava que iria ser rápido o processo de canonização e prepararam tudo para as cerimónias religiosas.
– Havia muita documentação no Convento do Carmo?
– Infelizmente no dia 1 de Novembro de 1755 ficou tudo destruído não tanto pelo terramoto que aconteceu em Lisboa mas pelos incêndios que se sucederam após a tragédia. O Convento do Carmo foi pasto das chamas e o que se salvou foi o que estava depositado na Torre do Tombo ou em outros sítios. No convento apenas existem os escritos que Frei Pedro de Santana publicou no livro «A História da Ordem do Carmo» da Ordem dos Carmelitas. No Arquivo Real há uma biografia manuscrita intitulada «Crónica do Condestável», cujo autor se ignora mas que foi escrita por alguém que conheceu bem D. Nuno. Tem data de 1525 a primeira publicação, em livro, do manuscrito. Essa crónica do Condestável é a narrativa mais completa que existe sobre a sua vida militar. Quando a obra foi descoberta os historiadores tentaram atribuí-la a Fernão Lopes mas os especialistas fazendo a crítica interna dos textos verificaram que é muito anterior ao grande cronista. No entanto entendemos que os escritos ajudaram Fernão Lopes a elaborar a Crónica de D. João I. O cronista, apesar de não ter conhecido pessoalmente o Santo Condestável, conviveu muito de perto com os infantes que lhe terão contados pormenores que foram aproveitados para escrever um documento mais completo sobre as aventuras militares e a religiosidade de D. Nuno. Onde esteve, como esteve… Na última parte da crónica, Fernão Lopes, escreve algumas páginas sobre o abandono do Mundo pelo Condestável e a sua entrada no Convento da Ordem do Carmo. Estes documentos testemunhais foram considerados dignos de crédito.
– Do quartel para o convento é um percurso anormal…
– Para além dos testemunhos da época há depois a fama popular de santidade. Há toda uma série de estudos sobre a sua maneira de ser e sobre a sua vida relatados pelo povo. Sucessivos autores, no século XVI, registaram as suas iniciativas de caridade, o andar descalço em Lisboa a pedir esmola para os pobres, o ter tomado a seu cargo dar de comer aos famintos no Convento do Carmo. Depois de ter dado parte da herança à filha e premiado os seus colaboradores militares doou todo o restante à Ordem do Carmo para a qual fez uma igreja e convento, no sítio do Carmo, em Lisboa. No convento está a Guarda Republicana e a igreja está em ruínas. O povo afirmava que aquele frade que vivia no convento do Carmo era santo. Chamavam-lhe o Conde Santo ou Santo Condestável. Ao longo de 600 anos ele beneficiou dessa fama de santidade que nunca lhe foi negada. Se não tivesse havido algumas modificações no código de direito canónico sobre o processo de beatificação e canonização D. Nuno já, há muito, seria considerado oficialmente santo sem necessidade de mais testemunhos do que a antiguidade da sua fama. Bastava essa fama. Em 1931, por exemplo, estando já em vigor as novas exigências canónicas, o Papa Pio XI canonizou com base na antiguidade o grande teólogo dominicano alemão São Alberto Magno sem necessidade de processo especial.
– O processo podia ter sido muito semelhante?
– Podia. O que é certo é que em Janeiro de 1918 o Papa Bento XV com fundamento na antiguidade do culto, reconheceu que em Portugal e na Ordem do Carmo havia uma antiga fama de santo atribuída a Nuno Álvares Pereira. O Papa Bento XV decidiu beatificá-lo como Nuno de Santa Maria, o nome que tinha adoptado quando entrou na Ordem. Mas a designação não entrou no povo que lhe continuou a chamar Santo Condestável. Até mesmo as autoridades da Igreja portuguesa… O Cardeal Cerejeira criou em Lisboa uma paróquia e uma nova igreja com o nome de Santo Condestável, a antiga designação do Beato Nuno de Santa Maria.
– E chegados a 2003 começou a pesquisa histórica. Mas não deve ter sido fácil o acesso e a leitura dos documentos…
– Houve alguma dificuldade na consulta e fotocópia autenticada dos documentos para juntar ao processo mas como todos nós que fazíamos parte do Conselho Histórico eramos pessoas conhecidas… Mas, entretanto, com as novas condições era necessário um milagre. Uma vez satisfeita a parte histórica era necessário um testemunho directo dele, Nuno Álvares, algo que já não dependia de nós homens. Dependia dele dar o testemunho. Enquanto este processo de investigação decorria deu-se o milagre. Tal como publiquei no meu livro, uma senhora, Guilhermina de Jesus, natural de Vila Franca de Xira, tinha ficado cega de uma vista. Um pingo de óleo a ferver destruiu-lhe a retina. Correu médicos, especialistas, hospitais até que lhe deram a sentença final de que «não havia nada a fazer porque a córnea estava desfeita». A verdade é que a senhora apegou-se, com fé, ao beato Nuno, e ao fim de alguns dias estava sozinha em casa, deixou de sentir o corrimento no olho, foi até à sala, olhou para a televisão e notou que via as imagens como já não acontecia há muito tempo. No dia seguinte levantou-se, verificou que não era ilusão e disse ao filho «eu já vejo e tenho a vista curada». O filho aconselhou-a a falar com os carmelitas e a partir daí o vice-postulador procurou obter informações de todos os médicos e hospitais sobre o que tinham feito e a que conclusões tinham chegado. Os médicos atestaram não existirem meios científicos para resolver o problema da doente e que não encontravam uma razão natural e científica para a cura. A conclusão não podia ser mais clara. «A ciência não pode explicar a cura». Toda a documentação médica foi, depois, sujeita a análise por parte de uma junta médica credível solicitada pela diocese de Lisboa. Chamaram a senhora e testemunhas que a conheciam. A junta médica diocesana deu o parecer favorável ao milagre declarando que «de facto não se conseguia explicar a cura da senhora por razões científicas e naturais» deixando implícitas as razões sobrenaturais.
– E qual foi o papel do Vaticano no processo?
– O processo ficou concluído em 2007 e seguiu para Roma onde a documentação do milagre foi sujeita a outra junta médica nomeada pela Sagrada Congregação para a Causa dos Santos que procedeu à análise e votação tendo, de facto, constatado que não havia cura para a senhora. Os teólogos concluíram que «se tratava de um fenómeno admirável» ou seja «um milagre». O Papa só assina e subscreve depois da Sagrada Congregação, actualmente presidida por um cardeal italiano desde que D. José Saraiva Martins atingiu o limite de idade, apresentar os documentos credíveis. No dia 3 de Julho de 2008 a Sagrada Congregação apresentou ao Papa dois decretos para ler e assinar. O primeiro relata as virtudes heróicas e o outro decreto estabelece a existência de um milagre. Esses dois decretos eram depois apoiados na «Posició» do Beato Nuno escrito pelos teólogos a partir dos documentos que nós lhe fornecemos e das certificações médicas. Nesse mesmo dia o Papa assinou os dois decretos significando que a partir desse momento nada impedia a canonização. Agora, ao Papa, apenas faltava ouvir no primeiro consistório agendado os cardeais para saber se algum tinha alguma coisa a opor. No dia 21 de Fevereiro de 2009 o Papa Bento XVI presidiu na Sala Clementina ao Consistório Ordinário Público e, depois de ouvir os cardeais, proclamou a canonização do Beato Nuno Álvares Pereira com o nome de D. Nuno de Santa Maria marcando a data da cerimónia pública para 26 de Abril de 2009 em Roma.

Este domingo, 26 de Abril de 2009, durante a missa pontifical presidida pelo Papa Bento XVI decorreram as cerimónias protocolares que incluíram a leitura do Decreto. O nome São Nuno de Santa Maria foi acrescentado ao catálogo dos santos tendo direito a culto com imagem nas igrejas de todo o Mundo. A festa do Beato Nuno, padroeiro secundário da diocese de Lisboa, tem sido celebrada no dia 6 de Novembro. Isto e muito mais da vida de > Nuno Álvares Pereira > Santo Condestável > Beato Nuno de Santa Maria > São Nuno de Santa Maria – o santo que antes de ser já o era –, pode ser lido e apreciado no livro «Nuno Álvares Pereira – Nuno de Santa Maria», publicado recentemente e da autoria de mestre Jesué Pinharanda Gomes. Aqui.

Ver mais informações sobre São Nuno de Santa Maria Aqui.
jcl