Category Archives: História

VideoDestaque - © Capeia Arraiana

Sortelha, Sabugal, Caria e Quadrazais de antigamente

O arquivo da Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema tem no seu espólio um documentário de 1938 onde podemos «espreitar» Sortelha, as Águas Radium em Caria, o Sabugal e Quadrazais. O episódio mostra alguns monumentos, a indústria do engarrafamento da Água Radium em Caria e uma batida aos javalis com os cavaleiros a passarem na ponte do rio Côa no Sabugal. Produzido pelo SPN-Secretariado da Propaganda Nacional foi realizado por Salazar Dinis e J. Walton.

jcl

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

A menina dos cinco olhos

Acabo de ler o texto do meu prezado amigo Paulo Leitão Batista intitulado «Os castigos corporais aplicados na escola». Claro que não posso deixar de concordar genericamente com ele e com o autor que cita (o Dr. Cruz Neves que, curiosamente, foi meu professor na Escola do Magistério Primário de Lisboa). Mas irei mais longe, ao recusar terminantemente toda a «pedagogia do tabefe». Peço licença a Paulo Leitão Batista para retomar provisoriamente um espaço do Capeia Arraiana que já ocupei com alguma regularidade – Na Raia da Memória, – para trazer mais algumas achegas a uma temática que tanto marcou (negativamente) a minha infância e a de muitos dos leitores mais velhos.

Escola Medieval - Adérito Tavares - Capeia Arraiana

Escola Medieval

Portugal - Capeia Arraiana (orelha)

Projectos turísticos privados para 30 monumentos

O Turismo de Portugal divulgou, esta terça-feira, 27 de Dezembro, a lista dos monumentos nacionais que vão ser abrangidos pelo Revive, um programa lançado pelo Governo para recuperar e valorizar património histórico através do turismo. Ao todo, são 30 monumentos, entre mosteiros, conventos, castelos e fortes, que irão a concurso público e cuja concessão ficará a cargo de grupos privados. Estes ficarão responsáveis por explorar estes monumentos como hotéis, restaurantes, museus ou espaços para eventos. O programa não integra nenhum monumento na Beira Alta.

Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel

Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel (foto: D.R.)

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Máxima Vaz apresenta «Por Terras de El Rei D. Dinis»

A historiadora sabugalense Maria Máxima Vaz apresenta este domingo, 9 de Outubro, no Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, em Odivelas, a sua mais recente obra «Por Terras de El Rei D. Dinis». O livro vai ser apresentado pelo dr. Paulo Alexandre Loução e é editado pela Chiado Editora especialista na publicação de autores portugueses e brasileiros contemporâneos sendo neste momento a maior editora em Portugal neste segmento.

Por Terras de El Rei D. Dniis - Maria Máxima Vaz - Capeia Arraiana

Por Terras de El Rei D. Dniis – Maria Máxima Vaz

A Música dos Clássicos - Capeia Arraiana

Afonso X – O Sábio (1221-1284)

Afonso X (O Sábio) foi rei de Leão e Castela (entre 1252 e 1284), uma individualidade que, graças à sua inteligência e perspicácia, conseguiu atingir um patamar de excelência durante o seu reinado. É neste sentido que se pode considerar um mestre da ciência, da cultura e da arte.

Rei Afonso X - O Sábio - Música dos Clássicos - Capeia Arraiana

Rei Afonso X – O Sábio

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Vilar Maior nasceu a 6 de Agosto

Carta de povoamento dada por Afonso IX (o Sábio) Rei de Leão e Castela aos povoadores de Vilar Maior, estabelecendo o seu termo, em 6 de Agosto de 1227.

Nascimento de Vilar Maior - 1227 - Capeia Arraiana

Documento do «nascimento» do limite de Vilar Maior, em 1227, está na Torre do Tombo

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Os forais Manuelinos

«Foral ou Carta de Foral é um diploma concedido pelo rei ou por um senhorio laico ou eclesiástico a determinada terra, contendo normas que disciplinam as relações dos seus povoadores ou habitantes entre si e destes com a entidade outorgante.» (Mário Júlio de Almeida Costa, professor de Direito na Universidade de Coimbra).

Forais Manuelinos - Maria Máxima Vaz - Capeia Arraiana

Comemorações dos 500 anos dos Forais Manuelinos

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

500 anos do Foral Manuelino do Sabugal

No território em que hoje se situa o concelho do Sabugal existiram, até à Reforma Administrativa do século XIX, cinco concelhos: Alfaiates, Sortelha, Vila do Touro, Vilar Maior e Sabugal. Não era caso único. Quando hoje se proclamam palavrosas intenções de fusão de freguesias e de concelhos, esquecem-se tempos em que isso já foi feito. As centenas de concelhos que foram germinando pelo País à medida que a Reconquista foi avançando eram necessárias porque as terras precisavam de povoadores e cultivadores. Boa parte dessas terras eram doadas pelos monarcas a nobres ou a instituições eclesiásticas (eram as honras e os coutos); outras permaneciam propriedade régia (os reguengos); outras, finalmente, eram transformadas em concelhos.

A vila do Sabugal no século XVI, segundo um desenho aguarelado de Brás Pereira, feito em 1642 com base no “Livro das Fortalezas” (de c. 1509), de Duarte d’Armas - Adérito Tavares - Capeia Arraiana

A vila do Sabugal no século XVI, segundo um desenho aguarelado de Brás Pereira,
feito em 1642 com base no «Livro das Fortalezas» (de c. 1509), de Duarte d’Armas

Religião - © Capeia Arraiana (orelha)

Cantos Quaresmais em Ruivós

A tradição popular, rica na variedade de formas musicais para este tempo da Quaresma, elaborou no decorrer dos tempos, uma série de actos rituais de carácter eminentemente penitencial, como o Canto dos Martírios e a Encomendação das Almas. No intuito de dar continuidade a esta tradição, as paróquias que integram a Unidade Pastoral do Planalto do Côa, promovem os «Cantos Quaresmais» no próximo sábado, dia 14 de Março, às 21:00 horas, na paróquia de Ruivós.

Joaquim Tenreira Martins - Opinião - Capeia Arraiana

Do Sabugal a Waterloo

Este ano, a Bélgica prepara-se para festejar o bicentenário da grande batalha histórica de Waterloo, que teve lugar no dia 18 de Junho de 1815, onde o pano caiu definitivamente para Napoleão, retirando-se para sempre da cena como o herói superstar personificado nas numerosas campanhas que o imortalizaram. Em menos de quinze anos, o General Bonaparte, que galgou até ao cimo da glória com o estatuto de Imperador Napoleão I, colecionou vitórias atrás de vitórias nos campos de batalha em Itália, Egipto, Alemanha, Prússia, Polónia, Espanha e Portugal, tendo subjugado quase toda a Europa.

Batalha de Waterloo - Napoleão Bonaparte - Capeia Arraiana

Batalha de Waterloo (Bélgica) no dia 18 de Junho de 1815 marcou o fim dos Cem Dias
Foi a último confronto de Napoleão Bonaparte

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Pelourinhos em Terras de Riba Côa (33)

:: :: VALHELHAS :: :: – Ao conceder forais a determinadas aldeias, as ordens militares ou o Rei reconheciam a sua importância para a defesa ou consolidação do território nacional. No caso de Valhelhas em que o foral foi atribuído por D. Sancho I logo após a sua conquista aos mouros teve como principal objectivo a defesa e o povoamento.

Igreja matriz de Valhelhas

Igreja matriz de Valhelhas

Aldeia Histórica de Sortelha - © Capeia Arraiana (orelha)

Aldeia histórica de Sortelha na SIC

A associação Aldeias Históricas de Portugal venceu o Prémio Internacionalização do Património 2014, atribuído pela Fundação Millennium bcp e pela SPIRA – Revitalização Patrimonial. A distinção consiste no financiamento da inscrição para o Salon du Patrimoine Culturel du Louvre, em Paris, agendado para Novembro deste ano.

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Natália Bispo – a guardiã da Casa do Castelo

Em tempo de Festas Natalícias o Capeia Arraiana solidariza-se com o momento de saúde extremamente doloroso de Natália Bispo, a Talinha para muitos dos seus amigos e conhecidos. Aqui deixamos emocionados desejos de rápidas melhoras para a «Guardiã da Casa do Castelo». Faltam-nos palavras e sobejam-nos lembranças e memórias do muito e muito que tem feito pela divulgação das gentes e das terras do Sabugal a grande sabugalense Natália Bispo. Força, coragem e fé querida amiga!

José Carlos Lages - Natália Bispo - Paulo Leitão Batista - Capeia Arraiana

Natália Bispo com os responsáveis pelo CapeiaArraiana.pt

jcl e plb

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Um prelado aristocrata na Diocese da Guarda

D. Rodrigo de Moura Teles foi Bispo da Guarda de 1694 até 1703, ano em que foi nomeado Arcebispo de Braga. Pertencia a famílias da alta nobreza. Era filho do segundo conde de Vale dos Reis, capitão general do Algarve, D. Nuno de Mendonça e da condessa D. Luísa de Castro e Moura. Foi o segundo filho na linha masculina e herdou o brasão dos Moura, sua família materna. Foi um homem de cultura e acção, competente e dedicado no desempenho de todos os cargos que lhe foram atribuídos, tanto civis como religiosos.

D. Rodrigo Moura Teles - Bispo da Guarda (1690-1703) e Arcebispo de Braga (1704-1728)

D. Rodrigo Moura Teles – Bispo da Guarda (1690-1703) e Arcebispo de Braga (1704-1728)

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

«Ide vê-las» é uma estorieta sem fundamento

Muito se tem acusado o Rei D. Dinis de infidelidade. Inventam-se anedotas, estórias, apontam o dedo acusador. Em Odivelas inventou-se uma dessas estórias, que se junta ao coro dos acusadores. O que realmente foi a vida conjugal do Casal Real, ninguém sabe, mas há indícios de o Rei não ser tão culpado como muitos querem. A Rainha Santa tinha ideais que seu esposo terá respeitado. Porque vinha tanto a Odivelas? Há explicações que não passam pela infidelidade de que pretendem culpá-lo.

Odivelas Antiga - Maria Máxima Vaz - Capeia Arraiana

Odivelas Antiga

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Túmulo do Rei D. Dinis foi aberto em 1938

O Rei D. Dinis escolheu a Igreja do Mosteiro Cisterciense de Odivelas para sua última morada. Indicou mesmo o local – a meio, entre a capela-mor e o coro. Para que a sua vontade fosse cumprida, fez essa declaração no seu testamento. Assim se cumpriu. Naquele local e naquele Igreja foi depositado o seu corpo quando o cortejo fúnebre chegou, vindo de Santarém. Era um mausoléu majestoso. O primeiro a ter uma estátua jacente. O primeiro a ficar dentro de um lugar sagrado. Estava cercado de grades altas de ferro terminando em escudetes nas pontas dos balaústres com as armas de Portugal, e cruzes da Ordem de Cristo. Um dossel cobria-o em toda a sua dimensão.

Túmulo de El Rei D. Dinis - Maria Máxima Vaz - Capeia Arraiana

Túmulo de El Rei D. Dinis foi aberto em 1938

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Adelaide Cabete – Médica, Republicana e Sufragista

Pela modéstia do seu nascimento nada fazia prever que Adelaide Cabete viesse a ser uma das médicas mais notáveis do princípio do século passado. Grande como profissional, grande como cidadã. A República teve nela uma das maiores defensoras dos ideais de progresso e justiça social. Empenhou-se seriamente na saúde pública e na cultura popular. Podemos afirmar, sem exagero, que não houve injustiça a que fosse indiferente, nem causa justa que não a encontrasse pronta para a acção.

Adelaide Cabete - Maria Máxima Vaz - Odivelas - Capeia Arraiana

Instituto Feminino de Educação e Trabalho em Odivelas

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

As pioneiras em Medicina

Foi dado o nome de uma médica beirã ao hospital de Loures – Carolina Beatriz Ângelo. Este facto encheu-me de orgulho por ser natural da Guarda, capital do nosso distrito. Mas nos discursos de ocasião houve quem exagerasse, ao afirmar que «foi a primeira mulher a formar-se em Medicina no nosso país». Na continuação da matéria da minha última crónica, é oportuno recordar as primeiras mulheres que se entregaram ao estudo e à prática da Medicina. Na verdade, a nossa conterrânea concluiu o curso em 1902 e desde 1889 que se formavam médicas em Portugal.

Pioneiras da Medicina em Portugal - Da esquerda para a direita - Aurélia de Moraes Sarmento, Laurinda de Moraes Sarmento, Guilhermina de Moraes Sarmento e Amélia Cardia - Capeia Arraiana

Pioneiras da Medicina em Portugal (da esquerda para a direita)
Aurélia de Moraes Sarmento, Laurinda de Moraes Sarmento, Guilhermina de Moraes Sarmento e Amélia Cardia

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Brinquedos e brincadeiras de antigamente (4)

:: :: CASTELEIRO – JOGO DO PIÃO :: :: – Noutros tempos, andar com um pião e uma baraça no bolso ou na sacola da escola era praticamente obrigatório. Alguns eram comprados mas, a maior parte, eram feitos manualmente, mesmo que não bailassem muito bem. Cada um fazia gala de exibir a sua própria criação.

Jogo do Pião - Jogo de Rapazes .- Joaquim Gouveia - Casteleiro - Capeia Arraiana

Jogo do Pião – Jogo de Rapazes

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

D. Manuel Vieira de Matos – Bispo da Guarda

D. Manuel Vieira de Matos foi bispo da Guarda entre 1903 e 1914 e arcebispo primaz de Braga entre 1914 e 1932, num dos períodos mais conturbados das relações Estado-Igreja em Portugal. Pinharanda Gomes, cuja fecunda pena tratou brilhante e exaustivamente a História da Diocese da Guarda, escreveu sobre D. Manuel Vieira de Matos: «…contribuiu decisivamente para o renascimento católico do país antes de 1920, apesar dos vexames e exílios de que foi vítima, por parte do Governo da República.»

D. Manuel Vieira de Matos, Bispo da Guarda - Adérito Tavares - Capeia Arraiana

D. Manuel Vieira de Matos, Bispo da Guarda

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Contrabandistas dos Fóios no Museu da Guarda

O Museu da Guarda recebe no dia 18 de Outubro um encontro sobre contrabando, onde estarão presentes ex-contrabandistas dos Fóios (concelho do Sabugal), que darão testemunhos das suas experiências.

Edifício do Museu da Guarda

Edifício do Museu da Guarda

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

O Colégio de Aldeia da Ponte

Em Outubro de 2010, no âmbito das comemorações do Centenário da República no Sabugal, tive oportunidade de estudar um pouco melhor a questão do encerramento do Colégio de Aldeia da Ponte. A revista «Ilustração Portuguesa», n.º 242, de 10 de Outubro de 1910, publica uma interessante reportagem sobre estes factos, com excelentes imagens do fotógrafo Ayres, da Guarda. Pelo seu ineditismo e relevância achei que poderia interessar aos leitores do «Capeia Arraiana».

1 - Reportagem da revista «Ilustração Portuguesa» de 10 de Outubro de 1910 sobre o encerramento do Colégio de Aldeia da Ponte - Adérito Tavares - Capeia Arraiana 2 - Reportagem da revista «Ilustração Portuguesa» de 10 de Outubro de 1910 sobre o encerramento do Colégio de Aldeia da Ponte - Adérito Tavares - Capeia Arraiana 3 - Reportagem da revista «Ilustração Portuguesa» de 10 de Outubro de 1910 sobre o encerramento do Colégio de Aldeia da Ponte - Adérito Tavares - Capeia Arraiana
4 - Reportagem da revista «Ilustração Portuguesa» de 10 de Outubro de 1910 sobre o encerramento do Colégio de Aldeia da Ponte - Adérito Tavares - Capeia Arraiana 5 - Reportagem da revista «Ilustração Portuguesa» de 10 de Outubro de 1910 sobre o encerramento do Colégio de Aldeia da Ponte - Adérito Tavares - Capeia Arraiana 6 - Reportagem da revista «Ilustração Portuguesa» de 10 de Outubro de 1910 sobre o encerramento do Colégio de Aldeia da Ponte - Adérito Tavares - Capeia Arraiana

(Passe o cursor nas imagens para ler as legendas e clique para ampliar.)

José Fernandes - Do Côa ao Noémi - © Capeia Arraiana

Pelourinhos em Terras de Riba Côa (25)

:: :: JARMELO :: :: – De entre os antigos municípios do distrito da Guarda há um que merece um especial destaque não só pela dimensão que teve mas também pelos acontecimentos de natureza histórica de que foi alvo. Estou a falar do Jarmelo. Aqui não há pelourinho.

Marco Geodésico no Monte  do Jarmelo - Guarda - Capeia Arraiana

Marco geodésico no Monte do Jarmelo – Guarda

VideoDestaque - © Capeia Arraiana

Sinta a adrenalina de pegar ao forcão

:: SINTA A ADRENALINA DE PEGAR AO FORCÃO :: :: Na Capeia Arraiana de Aldeia do Bispo pegaram ao forcão com uma câmara de filmar agarrada à galha. Sinta a adrenalina de pegar ao forcão e resistir às investidas do touro como se estivesse numa daquelas cabines com sensações virtuais de desportos radicais. A linguagem usada no «interior» do forcão pode ferir os ouvidos mais sensíveis. Autoria do vídeo: David Veras.

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

D. Fernanda de Alfaiates celebra 100 anos

Esta foi uma semana de comemorações por Alfaiates não só pela Festa de dia 15 de Agosto em Honra da Senhora da Póvoa, pela Capeia de dia 17, mas também porque no dia 19 de Agosto a «D. Fernanda», como gosta de ser tratada, completou 100 anos de vida. A centenária residente no Lar Rainha Santa Isabel da Santa Casa da Misericórdia de Alfaiates festejou a data marcante em companhia de familiares e amigos.

D. Fernanda - 100 anos - SCM Alfaiates - Foto: Cristina Fonseca - Capeia Arraiana
D. Fernanda - 100 anos - SCM Alfaiates - Foto: Cristina Fonseca - Capeia Arraiana D. Fernanda - 100 anos - SCM Alfaiates - Foto: Cristina Fonseca - Capeia Arraiana D. Fernanda - 100 anos - SCM Alfaiates - Foto: Cristina Fonseca - Capeia Arraiana

(Clique nas imagens para ampliar. Fotos: Cristina Fonseca)

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

A espera dos toiros na Calçada de Carriche

É um facto! Por terras de D. Dinis, o toiro de lide é rei. Nas terras de Riba Coa realizam-se as famosas Capeias; no Ribatejo criam-se os bravos toiros; em Lisboa sempre houve festa brava, mesmo antes de construída a Praça do Campo Pequeno. Datam desse tempo as esperas dos toiros que vinham para as touradas no Campo de Santana, as quais tinham lugar junto à estalagem Nova Sintra, ao fundo da Calçada de Carriche. Também aqui são terras de D. Dinis.

Condução de toiros desde Odivelas pela Calçada de Carriche. Na imagem pode ver-se a Igreja do Campo Grande. Litografia de Júlio A. Rocha . Col. Museu da Cidade

Condução de toiros desde Odivelas pela Calçada de Carriche. Na imagem pode ver-se
a Igreja do Campo Grande. Litografia de Júlio A. Rocha. Col. Museu da Cidade

Joaquim Gouveia - Capeia Arraiana (orelha)

Emigrar em tempos difíceis

Ao longo da nossa História a emigração assumiu contornos de fuga, muitas vezes clandestina, à procura de melhores condições de vida e da libertação de um povo, que à sombra de um poder absoluto vivia na miséria. A crónica de hoje pretende abordar o papel das câmaras municipais neste processo.

Passaporte do Estado Novo - Capeia Arraiana

Passaporte do Estado Novo

Religião - © Capeia Arraiana (orelha)

Padre Hélder nomeado vice-reitor do Seminário

O padre Hélder Lopes foi nomeado pelo bispo da Guarda, D. Manuel Felício, vice-reitor do Seminário Maior da Guarda. O sacerdote era responsável desde Agosto de 2008 pela Comunidade da Unidade Pastoral do Planalto do Côa que integra as paróquias de Arrifana do Côa, Badamalos, Bismula, Carvalhal, Rapoula do Côa, Ruivós, Ruvina, Vale das Éguas e Vilar Maior. Foi promotor e dinamizador de cerimónias marcantes – como a paixão de Cristo ou a encomendação das almas – que envolveram centenas de participantes e milhares de espectadores ao longo dos últimos anos. Deixa aos seus paroquianos um legado precioso e único onde se incluem, também, a recuperação de algumas igrejas raianas. O padre Hélder Lopes vai ser substituído pelo padre Daniel José Tomé da Silva Cordeiro.

aar_rogerio_20130810_700x525_13

Marcos Prata - © Capeia Arraiana

Património funerário medieval no Sabugal (2)

No concelho do Sabugal há vestígios de sepulturas cavadas na rocha dos tempos medievais em, pelo menos, 17 aldeias do concelho com especial destaque para as aldeias raianas de Aldeia Velha, Aldeia do Bispo, Aldeia da Ponte, Badamalos e Ruivós. A produção (imagens e edição) da rubrica «Tradições Beirãs» tem a assinatura de Marcos Prata.


Autoria: Marcos Prata posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

Literatura - Capeia Arraiana (orelha)

Máxima Vaz apresenta livro de Madre Paula

«Madre Paula – Mulher de Deus, Amante do Rei» é o título do romance histórico da autoria de Patrícia Müller sobre a «paixão proibida» entre o Rei D. João V e uma das mais famosas freiras de Odivelas. «D. João V sempre teve uma predilecção por mulheres bonitas, acumulou paixões e aventuras. Mas Paula Tereza Silva foi o seu grande amor. Permaneceram juntos, secretamente, mais de uma década e chegaram mesmo a ter um filho.» O livro foi apresentado esta quarta-feira, 9 de Julho, pela doutora Maria Máxima Vaz e pelo jornalista Pedro Rolo Duarte no cenário intimista e contemplativo do ventre da Mãe d’Água, às Amoreiras, em Lisboa.

Apresentação do livro Madre Paula - Mãe d'Água das Amoreiras - Patrícia Müller, Pedro Rolo Duarte e Maria Máxima Vaz -  Capeia Arraiana

Apresentação do livro «Madre Paula» na Mãe d’Água das Amoreiras
Maria Máxima Vaz, Patrícia Müller e Pedro Rolo Duarte

Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana (orelha)

Sapiência no V Capítulo da Confraria do Bucho

«Irmandades e Confrarias» foi o tema proposto pela Chancelaria da Confraria do Bucho Raiano para a Oração de Sapiência do V Capítulo e que foi, desde logo, aceite pelo professor Adérito Tavares, natural de Aldeia do Bispo, no concelho do Sabugal, onde teve lugar a cerimónia. A apresentação foi acompanhada por imagens projectadas que complementaram as palavras (brilhantes) com que o ilustre raiano brindou os participantes em mais um momento histórico da Confraria do Bucho Raiano.

Oração de Sapiência - Prof. Adérito Tavares - Aldeia do Bispo - V Capítulo - Confraria Bucho Raiano - Capeia Arraiana

Marcos Prata - © Capeia Arraiana

Património funerário medieval no Sabugal (1)

No concelho do Sabugal há vestígios de sepulturas cavadas na rocha dos tempos medievais em, pelo menos, 17 aldeias do concelho com especial destaque para as aldeias raianas de Aldeia Velha, Aldeia do Bispo, Aldeia da Ponte, Badamalos e Ruivós. A produção (imagens e edição) da rubrica «Tradições Beirãs» tem a assinatura de Marcos Prata.


Autoria: Marcos Prata posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Tratado de Versailles é levado ao Parlamento

Em homenagem aos homens do concelho do Sabugal que foram mobilizados para a guerra de 1914-1918, alguns dos quais eu ainda conheci, dou conhecimento das tomadas de posição do governo português para minimizar o sofrimento deles e de suas famílias e honrar a memória dos que não voltaram. O Tratado de Paz que pôs fim à Grande Guerra de 1914-1918, foi assinado em Versailles, no dia 28 de Junho de 1919. Faz hoje 95 anos.

Parlamento Portugal - Capeia Arraiana

Parlamento de Portugal

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Escola Profissional Agrícola D. Dinis da Paiã

Os males da Grande Guerra de 1914-1918 deram origem à fundação de uma Escola Profissional Agrícola, em Terras de D. Dinis e à qual foi posto o nome do Rei Lavrador. Uma justa homenagem ao Rei que mandou arrotear terras, secar pântanos, plantar vinhas, montados, pinhais e não esqueceu os súbditos mais necessitados. Uma Escola para crianças que a Guerra de 1914-18 tornou órfãos. A Escola Agrícola D. Dinis tinha o objectivo de garantir a sobrevivência dos órfãos de guerra, preparando-os para uma profissão digna: Agricultores.

Escola Profissional Agrícola D. Dinis na Paiã em Odivelas - Foto gentilmente cedida por Escola Profissional Agrícola D. Dinis

Escola Profissional Agrícola D. Dinis na Paiã em Odivelas
Foto gentilmente cedida por Escola Profissional Agrícola D. Dinis

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

O amigo ribacudense de Rembrandt

Em 5 de Dezembro de 1496 o rei D. Manuel I assinou o decreto que forçava os judeus a converter-se ao cristianismo ou, caso recusassem, a serem expulsos de Portugal. Muitos dos que se viram obrigados a sair da terra onde nasceram foram estabelecer-se em países mais tolerantes, como a Holanda. Alguns deles eram cultos e dinâmicos, gente que viria a fazer muita falta em Portugal e que, em contrapartida, contribuiria para o progresso cultural e económico do Norte da Europa. Foi o caso de Martim Álvares (que depois adoptaria o nome hebraico de Ephraim Ezekiah Bueno), médico e amigo do pintor Rembrandt, que a Inquisição tinha forçado a sair de Castelo Rodrigo ainda criança.

Rembrandt: A Lição de Anatomia do Dr. Tulp (1632)

Marcos Prata - © Capeia Arraiana

Vida antiga em Aldeia da Ponte (1)

:: :: A vida antiga em Aldeia da Ponte (1 de 4) :: ::
Primeiro de quatro episódios do documentário filmado em Aldeia da Ponte. A produção (imagens e edição) da rubrica «Tradições Beirãs» tem a assinatura de Marcos Prata.


Autoria: Marcos Prata posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

:: ::
«Tradições Beirãs», documentário de Marcos Prata

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

Vitória de Pirro

Mais uma vez escrevo uma crónica para o «Capeia Arraiana» motivado por escritos alheios. Neste caso pela recente utilização, pela comunicação social, da expressão «vitória de Pirro» a propósito do magro sucesso do PS nas recentes eleições para o Parlamento Europeu. Quem foi Pirro e que vitória foi a sua? E, já agora, podemos completar este texto comentando mais algumas «estórias da história», umas com sentido metafórico e outras apenas curiosas.

O rei Pirro. Mármore romano do séc. I d.C.

Local Visão Tv - © Capeia Arraiana (orelha)

Exposição de homenagem a Nuno de Montemor

Entre Maio e Dezembro de 2014 a vida e obra do escritor Nuno de Montemor (1881-1964), pseudónimo do capelão militar Joaquim Augusto Álvares de Almeida, nascido em Quadrazais, no concelho do Sabugal, vai ser lembrada e homenageada em várias iniciativas organizadas pelos municípios da Guarda e do Sabugal. A exposição, «Nuno de Montemor alma brava e meiga» foi recentemente inaugurada na Biblioteca Eduardo Lourenço, na Guarda, e vai ficar patente ao público até 12 de Julho. Reportagem da jornalista Paula Pinto com imagem de Diogo Reis da redacção da LocalVisãoTv da Guarda.

LocalVisãoTv - © Capeia Arraiana

ca2013_localvisaotv_550x15
Autoria: LocalVisãoTV posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

:: ::
Programa da homenagem. Aqui.
:: ::
jcl

Por Terras de D. Dinis - Maria Máxima Vaz - © Capeia Arraiana

Republicanas notáveis – Carolina Beatriz Ângelo

Carolina Beatriz Ângelo nasceu na Guarda, na freguesia de São Vicente, às 19 horas do dia 16 de Abril de 1878 e faleceu em Lisboa a 3 de Outubro de 1911.

Carolina Beatriz Ângelo - Mária Máxima Vaz - Capeia Arraiana

Ana de Castro Osório (à esquerda) com Carolina Beatriz Ângelo (à direita)

Romeu Bispo - Casa do Castelo - © Capeia Arraiana

Uma acta história da Misericórdia do Sabugal

Com a aproximação dos 500 anos da Misericórdia do Sabugal, que se cumprirão em 2016 pretendemos dar a conhecer algumas actas que constam dos arquivos. Apresentamos uma acta onde em 25 de Agosto de 1906 foi vertido o «Auto de juramento e posse» dos mesários eleitos. À distância de um século encontramos algumas diferenças nos procedimentos, mas é de referir o interesse demonstrado no cumprimento da legalidade e na transparência das decisões tomadas.

Auto de Juramento e posse (de 1906)

Auto de Juramento e posse (de 1906)