Category Archives: Sabugal Histórico

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Os 40 anos de poder local democrático

Há 40 anos realizaram-se as primeiras eleições democráticas para as autarquias locais, em 12 de Dezembro de 1976, nas quais PS e PPD conseguiram o mesmo número de presidentes de Câmara, mas os socialistas tiveram mais votos. No Sabugal venceu o CDS, sendo eleito presidente João Lopes, natural de Vale de Espinho.

Tomada de posse do primeiro presidente da Câmara do Sabugal eleito democraticamente - João Alberto Antunes Lopes

Tomada de posse do primeiro presidente da Câmara do Sabugal eleito democraticamente – João Alberto Antunes Lopes

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Mário Bigotte Chorão

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A derradeira comunicação da Cimeira dos 700 anos do Foral do Sabugal, realizado há 20 anos, coube ao Professor Universitário Mário Bigotte Chorão, que proferiu uma eloquente oração de sapiência acerca do documento fundador do concelhio.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Horácio Alexandrino

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O último dia da cimeira evocativa dos 700 do Foral do Sabugal, teve como interveniente o professor e advogado sabugalense Horácio Alexandrino, que falou sobre o tema «Sabugal – os desafios do Futuro».

Horácio Alexandrino no uso da palavra

Horácio Alexandrino no uso da palavra

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Mário Simões Dias

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A última intervenção do segundo dia do Cimeira comemorativa dos 700 anos do Foral do Sabugal e Vilar Maior, coube a Mário Simões Dias, escritor e investigador que falou sobre «D. Dinis e o Foral de Vilar Maior».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de José Manuel S. Louro

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O segundo dia da cimeira sabugalense, realizada há 20 anos, prosseguiu com a intervenção de José Manuel S. Louro, que abordou o tema «Valores da natureza e da arte».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Fernando Patrício Curado

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O segundo dia n(em 9 de Novembro de 1996) da cimeira histórica do Sabugal prosseguiu com a muito apreciada intervenção do arquélogo Fernando Patrício Curado, que falou sobre «O património arqueológico do concelho.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Pinharanda Gomes

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Os trabalhos do segundo dia do Congresso, em 9 de Novembro de 1996, prosseguiram cm a intervenção do filósofo Pinharanda Gomes, que falou sobre o tema «Os Geógrafos da Coa».

Pinharanda Gomes

Pinharanda Gomes

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Adérito Tavares

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Foi longo o segundo dia do congresso dos 700 anos do Foral do Sabugal, a 9 de Novembro de 1996, que continuou com a intervenção do historiador Adérito Tavares, que falou sobre «A Tauromaquia Popular na Raia do Sabugal».

Adérito Tavares

Adérito Tavares

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Maria José Mexia

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Continuando a expor o que foi o segundo dia da Cimeira do Foral do Sabugal, em 9 de Novembro de 1996, expomos uma comunicação marcante: a da arquivista Maria José Mexia, que abordou o tema «Livrarias particulares do Concelho, no Século XVIII».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Manuel Leal Freire

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: As intervenções no segundo dia do Congresso, a 9 de Novembro de 1996, prosseguiram com o bismulense Manuel Leal Freire, que, numa intervenção muito apreciada, falou sobre «Aspectos etnográficos do concelho do Sabugal».

Manuel Leal Freire (Foto D.R.)

Manuel Leal Freire (Foto D.R.)

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A intervenção de António Amaro Monteiro

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A manhã do segundo dia do Congresso, em 9 de Novembro de 1996, com o Salão Nobre da CM Sabugal repleto de gente, prosseguiu com a intervenção do filósofo António Amaro Monteiro, que abordou o tema «Cultura e Sociologia do Concelho do Sabugal».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Vítor Pereira Neves

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O segundo dia do Congresso, em 9 de Novembro de 1996, abriu com a profunda e rigorosa comunicação de Vítor Pereira Neves dedicada ao tema Os Concelhos Medievais Integrados no Concelho do Sabugal.

Vítor Pereira Neves

Vítor Pereira Neves

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Apresentação do livro Forais do Sabugal

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A primeira sessão da cimeira comemorativa dos 700 anos do foral de D. Dinis, acontecida no dia 8 de Novembro de 1996, encerrou com a apresentação do livro «Forais do Sabugal», da autoria do historiador sabugalense Carlos Alberto Morgado Gomes, editado pela Câmara Municipal.

O livro de Carlos Alberto Morgado Gomes

O livro de Carlos Alberto Morgado Gomes

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de João Bigotte Chorão

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Na primeira jornada do Congresso, dia 8 de Novembro de 1996, uma sexta-feira à noite, ouviu-se a cuidada e pertinente intervenção do crítico literário João Bigotte Chorão, que abordou o tema «Interioridade e Raia».

João Bigotte Chorão

João Bigotte Chorão

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação do Padre Francisco Vaz

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: ::O Padre Claretiano Francisco Vaz, natural de Alfaiates, já falecido, fez a primeira intervenção de fundo no Congresso realizado há 20 anos, com uma profunda reflexão acerca da «Religiosidade Popular no Concelho do Sabugal.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Um congresso de sucesso

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A reunião magna evocativa da história do concelho do Sabugal, das suas tradições e da sua cultura, constituiu um evento solene que chamou atenções sobre o Sabugal e o exemplo de como comemorar uma data marcante.

Sessão do Congresso

Sessão do Congresso

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Uma carta de Manuel António Pina

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Há 20 anos, aquando da organização do Congresso procurámos reunir no Sabugal figuras ilustres do concelho. Enviámos várias missivas e uma delas seguiu para o poeta e jornalista Manuel António Pina que nos respondeu informando que não poderia participar por razões emocionais.

Manuel António Pina

Manuel António Pina

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Como nasceu o Congresso do Foral

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A ideia de comemorar em Novembro de 1996 os 700 anos do foral dionisino do Sabugal nasceu na Casa do Concelho, e resultou de uma conversa com o grande filósofo e historiador quadrazenho Jesué Pinharanda Gomes.

O congresso deve-se a Pinharanda Gomes

O congresso deve-se a Pinharanda Gomes

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

O Congresso do Foral do Sabugal

Foi há 20 anos que se realizou no Sabugal o Congresso comemorativo do sétimo centenário dos forais do Sabugal e de Vilar Maior, evento que durante três dias evocou a história do concelho nas suas diferentes vertentes.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Um lobo no Sabugal

Mão amiga fez-nos chegar uma curiosíssima notícia sobre um lobo no Sabugal, publicada no Diário de Lisboa, em Julho de 1942. Embora surreal para a época, pois o lobo era um inimigo a abater, a notícia foi tratada de forma a enaltecer o animal e o povo do Sabugal.

Lobo Ibérico

Lobo Ibérico

Escritor - Capeia Arraiana

Enterro na aldeia do Faleiro

Os irmãos chegaram a casa do lavrador António Chorra, dono das terras do Faleiro, trajando opas roxas e munidos dos adereços da função: o estandarte, a caixa da cera e a cruz. A Irmandade de São Sebastião da Bismula prestava homenagem ao finado, em estrito cumprimento das normas estatutárias.

Casas do Faleiro, hoje aldeia abandonada

Casas do Faleiro, hoje aldeia abandonada

Romeu Bispo - Casa do Castelo - © Capeia Arraiana

Uma acta história da Misericórdia do Sabugal

Com a aproximação dos 500 anos da Misericórdia do Sabugal, que se cumprirão em 2016 pretendemos dar a conhecer algumas actas que constam dos arquivos. Apresentamos uma acta onde em 25 de Agosto de 1906 foi vertido o «Auto de juramento e posse» dos mesários eleitos. À distância de um século encontramos algumas diferenças nos procedimentos, mas é de referir o interesse demonstrado no cumprimento da legalidade e na transparência das decisões tomadas.

Auto de Juramento e posse (de 1906)

Auto de Juramento e posse (de 1906)

Raia do Sabugal - Capeia Arraiana (orelha)

Contrabando ou o crime sem pecado (3)

Carlos Alberto Rocha da Encarnação, estudante do curso de Direito da Universidade do Minho, elaborou nesse âmbito um trabalho sobre o Contrabando na Raia Central, na cadeira de Criminologia. Nele desenvolve a tese de que o contrabando praticado antigamente pelos homens simples da raia assentava numa conduta que, apesar de ilegal e criminalizada, acontecia em circunstâncias que levavam a considerar os actos ilícitos pouco graves, por terem origem em razões sempre desculpantes. Publicamos, com a devida vénia, o essencial do trabalho do madeirense Carlos Encarnação, que é desde há muito um apaixonado pelas terraras raianas do concelho do Sabugal.

Contrabando na Raia Central

Contrabando na Raia Central

Raia do Sabugal - Capeia Arraiana (orelha)

Contrabando ou o crime sem pecado (2)

Carlos Alberto Rocha da Encarnação, estudante do curso de Direito da Universidade do Minho, elaborou nesse âmbito um trabalho sobre o Contrabando na Raia Central, na cadeira de Criminologia. Nele desenvolve a tese de que o contrabando praticado antigamente pelos homens simples da raia assentava numa conduta que, apesar de ilegal e criminalizada, acontecia em circunstâncias que levavam a considerar os actos ilícitos pouco graves, por terem origem em razões sempre desculpantes. Publicamos, com a devida vénia, o essencial do trabalho do madeirense Carlos Encarnação, que é desde há muito um apaixonado pelas terraras raianas do concelho do Sabugal.

Contrabando na Raia Central

Contrabando na Raia Central

Raia do Sabugal - Capeia Arraiana (orelha)

Contrabando ou o crime sem pecado (1)

Carlos Alberto Rocha da Encarnação, estudante do curso de Direito da Universidade do Minho, elaborou nesse âmbito um trabalho sobre o Contrabando na Raia Central, na cadeira de Criminologia. Nele desenvolve a tese de que o contrabando praticado antigamente pelos homens simples da raia assentava numa conduta que, apesar de ilegal e criminalizada, acontecia em circunstâncias que levavam a considerar os actos ilícitos pouco graves, por terem origem em razões sempre desculpantes. Publicamos, com a devida vénia, o essencial do trabalho do madeirense Carlos Encarnação, que é desde há muito um apaixonado pelas terraras raianas do concelho do Sabugal.

Contrabando na Raia Central

Contrabando na Raia Central

Aldeia Histórica Sortelha - Sabugal - Capeia Arraiana (orelha)

Sortelha – uma «vila» esquecida

Em Março de 1971 a então muito prestigiada revista Panorama, dedicada à arte e ao turismo, publicou um artigo da escritora Luiza Manoel de Vilhena que relata uma viagem fabulosa a Sortelha, onde descobriu uma vila medieval preservada pelo esquecimento. Com um texto muito bem cuidado e recorrendo a abundante ilustração fotográfica (a preto e branco), a escritora revela aos portugueses os encantos de uma povoação medieval erigida sobre altos penedos, onde vive gente simples e humilde, de feições vincadas pelas agruras da vida. Podemos afirmar que foi este artigo que deu a conhecer Sortelha e a encaminhou numa via que a levaria a ser considerada uma das mais belas aldeias históricas portuguesas. Transcrevemos esse magnífico texto e as fotografias que o acompanharam na edição n.º 37 (IV Série) da Panorama, revista editada pela Secretaria de Estado da Informação e Turismo.

Aldeia Histórica Sortelha - Sabugal - Capeia Arraiana

«Entramos na Aldeia Histórica de Sortelha (Sabugal) por uma porta ainda intacta»

Documento histórico sobre Quadrazais

Transporto um momento histórico de Quadrazais, à data de 20 de Setembro de 1946, carta dirigida ao Sr Ministro do Interior e assinado pelo então presidente da Câmara Municipal do Sabugal, Dr. Francisco Maria Manso.

Quadrazenhos em dia de romaria

Quadrazenhos em dia de romaria

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Sabugal viaja aos anos 20

O Castelo do Sabugal e a sua envolvente vão reviver o início do século XX, através de uma recriação histórica designada «Sabugal, Surpreenda os Sentidos – Viagem aos Anos 20».

Sabugal regressa aos tempos do «Motim do Aguilhão»

Sabugal regressa aos tempos do «Motim do Aguilhão»

Câmara Municipal Sabugal - © Capeia Arraiana

Sabugal Velho declarado de interesse público

O Secretário de Estado da Cultura,Jorge Barreto Xavier, classificou a Estação Arqueológica de Sabugal Velho, localizada na freguesia de Aldeia Velha, como sítio de interesse público, através de portaria publicada no Diário da República de 25 de Junho.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (19)

No derradeiro artigo desta longa série sobre a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de três freguesias do concelho: VILA BOA, VILA DO TOURO e VILAR MAIOR.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (18)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de duas freguesias do concelho: VALE DE ESPINHO E VALONGO DO CÔA.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (17)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de duas freguesias do concelho: SORTELHA e VALE DAS ÉGUAS.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (16)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais da freguesia do SOITO, a terceira em população (atrás de Sabugal e Quadrazais), mas a segunda em dinamismo comercial, superando em muitos aspectos a própria sede de concelho.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (15)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62.ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de três freguesias do concelho: RUVINA, SANTO ESTÊVÃO e SEIXO DO CÔA.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (14)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de duas freguesias do concelho: REBOLOSA, RENDO e RUIVÓS.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (13)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de duas freguesias do concelho: QUADRAZAIS, QUINTAS DE S. BARTOLOMEU e RAPOULA DO CÔA.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (12)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de duas freguesias do concelho: NAVE, PENALOBO e POUSAFOLES.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (11)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62.ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de três freguesias do concelho: LOMBA, MALCATA e MOITA.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (10)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de duas freguesias do concelho: FÓIOS, FORCALHOS e LAGEOSA.

Anuáriio Comercial Portugal - 1942 © Capeia Arraiana

O concelho do Sabugal em 1942 (9)

Continuando a fazer a caracterização do concelho do Sabugal no ano de 1942, com base na 62ª edição do Anuário Comercial de Portugal, vamos agora expor quem eram os agricultores, os proprietários, negociantes e profissionais de duas freguesias do concelho: CASTELEIRO e CERDEIRA DO CÔA.